E você, já disse 'não' hoje? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
Mais Recentes
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2012)
>>> Presença do Vinho no Brasil de Carlos Cabral pela Cultura (2007)
>>> Psicossomática e pediatria: novas possibilidades de relacionamentos de Adolpho Menezes de Mello pela Health (1996)
>>> Emagreça & Aparece! de Wilson Rondó Jr. A11B4 2007 pela Gente (2007)
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2023)
>>> Os Segredos de uma Encantadora de Bebês de Tracy Hogg pela Manole (2002)
>>> Grande história universal vol II de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela Clube do Livro (1988)
>>> Limite Zero de Joe Vitale e Ihaleakala B9B1 pela Rocco
>>> Crítica da Razão Pura de Immanuel Kant pela Nova Cultural
>>> Grande história universal vol III de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Contos de Machado de Assis pela Objetivo / Cered
>>> O Maior Espetáculo da Terra de Richard Dawkins pela Companhia das Letras (2009)
>>> Os Melhores Contos de H. P Lovecraft de Howard Phillips Lovecraft pela Hedra (2015)
>>> Vinagre de Maçã Uma Receita de Vida de G. P. Boutard B10B4 2001 pela Claridade (2001)
>>> Nações do mundo: China de Time-Life Livros pela Cidade Cultural (1987)
>>> Vontade de Potência 1 e 2 de Nietzsche pela Escala
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Tres
>>> As máscaras do destino de Florbela Espanca pela Livraria Bertrand (1981)
>>> A prenda a Fazert o Seu Biorritmo de Marco Natali pela Ouro (1978)
>>> A Mulher do Próximo: uma crônica da permissividade americana nas décadas de 1960 e 1970 de Gay Talese - Pedro Maia Soares (Trad.) pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1996)
>>> Como Pensar e viver melhor de Rolf Dobelli pela Objetiva (2019)
>>> O amante de Marguerite Duras pela Record (1984)
>>> Quando Ele Voltar de Ricky Medeiros pela Vida & Consciência (2004)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/10/2011
E você, já disse 'não' hoje?
Adriana Baggio
+ de 31200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Em 1982, início de carreira, Lulu Santos emplacava nas paradas de sucesso as músicas do álbum Tempos modernos. A canção-título falava de uma nova vida, um novo começo de era, "de gente fina, elegante e sincera/com habilidade/pra dizer mais sim do que não".

Era o final da ditadura. Os exilados estavam de volta. A liberdade, devolvida aos poucos. Se esse período de trevas, repressão e perda de direitos civis podia ser associado a alguns aspectos da época medieval, nada mais justo que chamar os novos tempos, menos despóticos e mais iluminados, de "modernos".

Depois de tanto medo e tantas proibições, havia um desejo louco de tirar o atraso: "Hoje o tempo voa, amor/escorre pelas mãos/mesmo sem se sentir/e não há tempo que volte, amor/vamos viver tudo que há pra viver/vamos nos permitir..."

Essa é a música do Lulu que eu mais gosto. Mas hoje, há quase 30 anos do seu lançamento, fico pensando se a mensagem primordial não teria perdido o sentido. Discordâncias teóricas à parte, vivemos em uma pós-modernidade. Já não precisamos brigar para viver tudo o que desejamos. O "permitir-se" foi apropriado pela retórica publicitária, como se precisássemos de justificativa para consumir mais.

Temos poder para tudo. Infelizmente, não nos tornamos mais finos, elegantes ou sinceros. Parece-me que a música, se fosse composta hoje, traria uma inversão: será que não está na hora de resgatar a habilidade de dizer mais "não" do que "sim"?

O "sim" já está previsto, pressuposto, é mais fácil. Muitas vezes, quando você vai escolher entre receber ou não a publicidade de alguma empresa por e-mail, o quadrinho do "sim" já está marcado. Esses dias precisei abrir uma conta corrente (não tive poder para dizer "não" a isso) e o contrato já trazia, assinalados, diversos produtos bancários que não eram do meu interesse. Desmarquei todos. O gerente precisou imprimir o contrato de novo e perdi bastante tempo com isso.

Ou seja, dizer "não" dá trabalho. As mães que o digam. A criança insiste, chora, berra. Haja disposição e força de vontade para manter a posição diante de uma situação dessas. Mas a se a negativa é justa, só fará bem. Os especialistas em educação infantil vivem alertando: as crianças estão recebendo poucos "nãos". Ficam sem saber como lidar com a frustração, na época em que isso deve ser aprendido. Mais tarde, serão confrontadas com frustrações bem maiores. Sofrerão mais, ou reagirão de forma destrutiva - para elas e para os outros. Não preciso citar exemplos. Leia agora a página policial de algum jornal e você vai encontrá-los.

Mesmo os adultos apreciam os limites. Meus alunos universitários, às vezes, são como crianças: insistem, mesmo sabendo que não têm razão. Pensa que é fácil manter um "não" para uma turma de 30, 40 jovens adultos? Também dá trabalho. Mas quando chegam os resultados das avaliações institucionais, sempre existe uma porcentagem deles, nada desprezível, que acredita que os professores deveriam ser mais exigentes...

Outra dificuldade em dizer "não" parece vir de uma desaprovação social. Pessoas que se posicionam contra algo já consolidado socialmente, mesmo que ofensivo ou prejudicial, acabam tachadas de chatas, encrenqueiras, mal-humoradas. Muitas deixam de se manifestar, de dar sua opinião, com medo dessas reações. E assim, percebemos que a liberdade, aparentemente reconquistada há quase 30 anos, não nos tornou tão livres assim.

Mesmo no consumo, você acha que é livre para escolher? As pesquisas de reclamações feitas ao Procon mostram um índice altíssimo de insatisfação com alguns segmentos específicos, como o de telefonia. Preços altos, serviço ruim e atendimento insatisfatório são enfiados goela abaixo do consumidor. A concorrência que existe entre as empresas é uma ilusão: sair de uma para a outra se trata, normalmente, de mera troca de problemas.

Porém, ainda que dizer "não" acarrete tantas dificuldades, ele é o poder que as pessoas têm para tentar mudar as coisas: não comprar tal marca, não votar naquele político, não concordar com as pequenas corrupções que beneficiam você. Sim, dizer "não" é abrir mão. Mas quem disse que a liberdade não tem um preço?

O "não" é o primeiro ato consciente que a criança aprende. É um manifesto de independência. Isso acontece por volta dos 18 meses. Até então, o bebê rejeita por meio de ações: se afasta, empurra, cospe, joga longe. Quando aprende o significado do meneio de cabeça, é um grande momento do seu desenvolvimento. Ele passa a se comunicar, a negociar com o outro, a se relacionar socialmente.

Todo esse processo é belamente explicado no livro O não e o sim: a gênese da comunicação humana, do médico e psicanalista austríaco René Spitz (Martins Fontes, 1998, 158 p.), publicado originalmente na década de 1950. O Dr. Spitz pesquisou o "movimento cefalogírico negativo" em bebês, desde o nascimento até o segundo ano de vida. A origem deste movimento - assim como o balançar da cabeça que significará o "sim" - está na alimentação, na amamentação.

Até os três meses de idade, esse movimento (de "fuçamento") tem a função de busca do seio para mamar. A partir daí, com o reforço da musculatura do pescoço e da percepção da mãe como um não-eu, o movimento serve para rejeitar o peito após a saciedade. Mas então a criança cresce, começa a conquistar mais autonomia, aprende a andar. Mexe aqui, quer ir até ali, ninguém segura o bebê: a não ser a mãe, o pai ou a pessoa responsável por seus cuidados.

Dessas pessoas, a criança começa a ouvir uma infinidade de "nãos", acompanhados do gesto correspondente: o menear da cabeça. Esse sujeito "negador" frustra as vontades da criança. Ao mesmo tempo, ele é seu objeto de amor. Portanto, ela se identifica com ele. Então, um belo dia, ao invés de empurrar a comida para longe, ela vai fazer como aprendeu com a mamãe (o papai, a tia da escolinha): vai dizer "não", vai balançar a cabecinha, trocando a ação pela comunicação.

Vale ressaltar o quanto o momento da aquisição do "não" semântico é importante para o desenvolvimento do bebê. O sucesso desse aprendizado aparecerá mais tarde, no modo com o adulto vai se relacionar com os momentos dolorosos da vida. É o que nos faz aprender com as experiências.

Ao contrário do que cantava Lulu Santos, não precisamos de muita habilidade para dizer "sim". Ele é da ordem do inconsciente, já nascemos com ele. O que nos torna sujeitos, conscientes e independentes, é o aprendizado do "não". Apesar de não estar sendo muito encorajado ultimamente, acho que vale a pena arriscar, dizendo "não" para quem precisa dele e também para quem o merece.

Só enquanto escrevo essa frase já me veio uma listinha de pessoas/marcas/atitudes que devem ganhar um sonoro #not. E você, pensou na sua?


Adriana Baggio
São Paulo, 19/10/2011

Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2011
01. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011
02. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres - 10/5/2011
03. Por que as curitibanas não usam saia? - 22/2/2011
04. The Good Wife visita Private Practice - 31/8/2011
05. Moda em 20 textos - 1/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2011
16h15min
Eu demorei para aprender a dizer não. Mas acho que minha filha não sofre desse problema. Aos 8 meses ela já acenava o não com a cabeça e com 12 já falava não. Agora, com 17 meses ela fala não em vários tons diferentes, inclusive de raiva quando a gente insiste. (Tô muito orgulhosa dela).
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
27/10/2011
12h04min
Esse texto é simplemente fantástico! todos nós ditos "modernos" deveríamos lê-lo e principalmente quem trabalha dentro de hierarquias fechadas. Olha , não a conhecia, serei sua seguidora de carteirinha. E que forma gostosa de escrever! Comecei o dia muito bem. Peço licença para colocá-lo no meu blog.
[Leia outros Comentários de maria aparecida ribe]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Crescimento do Jovem na Comunidade Crista: Livro do Catequista
Geraldo Lopes
Salesiana
(2002)



Inteligência Expressiva
Dulce Krock
Summus
(1995)



Praias Capitais. um Relato de Viagem
Marcio Luiz de Campos Marques
Scortecci
(2016)



Os Três Porquinhos
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2010)



Beauty and the Beast
Disney
Twin Books
(1992)



Deixe os Homens aos Seus Pes
Marie Forleo
Universo dos Livros
(2011)



Um Passado Bem Presente: uma História de Amizade, Amor e Ambição
Ricardo Magalhães
Nova Luz
(2000)



Oito Minutos Dentro de uma Fotografia
Kimberly Bulcken Root
Moderna
(1999)



Livro - A Gossip Girl - All i Want is Everything
Cecily Von Ziegesar
Poppy
(2003)



Herois Vencidos
Paulo Martinez
Contexto
(1996)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês