A sordidez de Alessandro Garcia | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/2/2011
A sordidez de Alessandro Garcia
Guilherme Pontes Coelho

+ de 5200 Acessos

Ele é um escritor que se dedicou ao pequeno em sua primeira obra solo. Ele já participou de algumas coletâneas. Agora, escreveu um livro de contos, chamado A sordidez das pequenas coisas (Não Editora, 2010, 176 págs.). São vinte contos e, para ser mesquinho, para ser pequeno, especifico que três quartos do livro são uma ótima leitura, onde o pequeno faz toda a diferença ― mas permanece, como nos acostumamos experimentar no cotidiano, pequeno.

Amor, memória, morte. Grandes motivos da experiência humana, os mais importantes, talvez, em todos os níveis da vida. Tudo o que criamos está relacionado a um desses totens, senão aos três, simultaneamente, sendo o próprio criar uma manifestação, perdoem a pieguice, do amor. Mas o grande é acachapante, é onisciente, é irrespirável, e viver dele e com ele o tempo todo pode ser a opressão absoluta ― e é partir desta constatação tão bem-vinda quanto nefasta que o pequeno é abraçado em regozijo, que o medíocre é recebido com festa e piadinhas sem graça, e me faz pedir perdão ao leitor por mencionar a palavra "amor", que não vai em itálico mas entre aspas, para lhe mostrar a estranheza que ela causa.


Issara Willenskomer ©


Pois Alessandro Garcia fala do pequeno. Daquele pequeno como mancha, poluindo o que temos de nobre. Como alerta, advertindo a consciência de que, apesar de tudo a que aspiramos, a sordidez é uma companhia pertinaz. Ele fala também do pequeno como a outra face do que tentamos fazer pelo amor, pela memória, pelo medo do fim; e do irremediavelmente pequeno, como no sétimo conto, "Subúrbio", onde as "histórias que as velhas contam umas para as outras (considerações repletas de maldade sobre o que andava fazendo a vizinha no fim da tarde passada) têm que ser narradas aos gritos, porque seus filhos estão berrando na parte dos fundos dos quintais, imersos nos tanques de concreto de lavar roupa, brincando com garrafas plásticas de refrigerante de dois litros, competindo por recordes de mais tempo sem respirar e porque volta e meia o mesmo caminhão de gás gira na quadra e retorna com sua cantilena musical, entoando por alto-falantes a música do mascote da empresa, um tal cachorrinho azul em que se pode confiar".

Nós temos bons autores na área do pequeno (o paradoxo é inerente ao binômio pequeno-grande) e não é de hoje. Principalmente do grande que foi diminuído, apequenado, um traço do nosso humor, devo informar, muito anterior à era dos 140 caracteres. "Marcela amou-me por quinze meses e onze contos de réis; nada menos." O grande apequenado também está nos contos de Garcia. O oitavo conto, "Selmara", foi saborosamente temperado com Nelson Rodrigues, nosso maior mestre em escrever a vileza das supostas bondades e a nobreza dos despudorados. "Selmara", um dos melhores contos do volume, tem muito do amor ao qual nenhum outro qualificativo é apropriado senão o de quase-amor ― uma desqualificação da que se pretende a mais nobre das virtudes. Um casal, Selmara e o narrador, convivem. Apenas. "Sem troca de palavras muito profundas, íamos sempre e sempre nos entendendo, nos usando, servindo um do outro, naquela troca sem fim e, parecia, sem grandes conseqüências."

Contudo, a pergunta, que deveria preceder ao julgamento que sentencia "este casal não se ama", é: há magnanimidade nesta entrega sem brilho mas plena? (Veja aí o protagonismo do amor pequeno.)

"Epifania", o décimo quinto conto, é o pior. "Florencio", o sexto, é o meu predileto. Um conto que, aparentemente, como mais um ou dois do volume, se eleva ao espectro do pequeno e, falando de Florencio, um artista célebre, se veste de testemunho pelo narrador para fazer uma análise da recepção das obras de Florencio pela crítica e como os críticos negociam a apreciação das obras florencianas com a vaidade deles e do artista. "Como separar do meio de uma horda de fraudes intelectuloides aquele que não pretende engambelar o público com meia dúzia de ideias prontas, com meandros enganosos, com meias-voltas confusas e soluções forçadas?" ― pergunta o narrador. Mas Florencio, no fundo, parece ser um artista honrado, que sempre "optou pela mediação, por aceitar ― não com passividade, comiseração ou demagogia, mas como opção mesmo ― as outras possibilidades analíticas sobre a sua obra".

Então, depois do último ponto-período ― "(...) uma multidão que parece não ter mais fim de ansiosos fãs, verdadeiramente cheios de vontade de, em abraços, beijos e afagos, resumir toda a felicidade que somente a obra de Florencio é capaz de lhes proporcionar." ―, é que o leitor percebe que hora alguma o métier de Florencio fora mencionado. Na escala das pequenas coisas, a sordidez alimentada pelas vaidades do mercado subjetivo das artes acaba sugando a energia das manifestações artísticas, a ponto de não fazer diferença se a obra é um livro ou um quadro, uma escultura ou um espetáculo de dança.

O décimo sétimo conto, "Um tio", pode ser considerado o mais representativo do volume. O conto trata dos três grandes temas, amor, memória e morte, como se o narrador, Bajo, estivesse se equilibrando na corda da futilidade ao tentar narrar a morte de um tio com quem mal tinha contato. Bajo encontra a morte mediante o falecimento do tio. Quer exercitar a criação registrando em narrativa o enterro dele. Mas a falta de amor ao defunto obscurece o processo criativo. Os três temas interligados.

O conto também mostra uma das maiores influências do autor, compartilhada por vários contemporâneos, que é David Foster Wallace. É por meio desta influência carregada de metaliteratura que Alessandro Garcia, não direi como, mostra a própria sordidez, às claras, e faz dela criação literária. Um bom livro. Leia.
Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 9/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
03. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro
04. O Brasil não é a Seleção Brasileira de Diogo Salles
05. O fim do livro, não do mundo de Marta Barcellos


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
03. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
04. Cisne Negro - 16/2/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUPIDO E PSIQUE E OUTRAS NARRATIVAS DA LITERATURA MUNDIAL
PAULO SERGIO DE VASCONCELLOS (ORG)
OBJETIVO
R$ 6,00



TRABALHO VOCÊ E SUAS RELAÇÕES PROFISSIONAIS
BRUNO PORTO E OUTROS
SENAC
(2014)
R$ 10,00



FIND FENÔMENO INTERVENIENTE DE NATUREZA DESCONHECIDA
J. KAUFFMANN
NOVA ERA
(2003)
R$ 58,00



OS NÚMEROS NA HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO - VIVENDO A MATEMÁTICA
LUIZ MÁRCIO IMENES MARCELO LELLIS
SCIPIONE
(2006)
R$ 12,00



INFÂNCIA DOS MORTOS
JOSÉ LOUZEIRO
CÍRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 20,97



DESENVOLVIMENTO DA METODOLOGIA LOPA-BAYESIANA EM DOIS ESTÁGIOS
EDLAINE CORREIA SINÉZIO MARTINS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



100 DÚVIDAS DE CARREIRA PARA EXECUTIVOS DE FINANÇAS
JOSÉ CLÁUDIO SECURATO / LUIZ ROBERTO CALADO
SAINT PAUL
(2009)
R$ 5,00



LA CRISIS DE LA INVESTIGACION EN EL CAMPO DE LA DIALÉCTICA MATERI
MAURO OLMEDA
VILLALAR
(1977)
R$ 28,28



OS 55 MAIORES JOGOS DAS COPAS DO MUNDO
PAULO VINICIUS COELHO
PANDA BOOKS
(2010)
R$ 19,90



STALINE: LE DERNIER DES TSARS
PIERRE NOUAILLE, CLAUDE GUILLAUMIN, A MANEVY
FAMOT (GENEVE)
(1974)
R$ 19,82





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês