O ladrão incendiário | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nem tudo o que é neo é clássico
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
Mais Recentes
>>> A Linha de Keri Smith pela Intrinseca (2017)
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/5/2012
O ladrão incendiário
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Consumismo é uma palavra dessas que parecem ofensa. Sim, de fato, é ofensa. Consumista é quem não consegue se conter diante de uma comprinha, mesmo quando não precisa do que vai adquirir. Aliás, principalmente porque não precisa. Na verdade, dá uma gana danada de comprar um objeto que, de repente, passa a ser extremamente necessário. Consumista é aquele moço das camisas polo ou aquela moça dos sapatos multicoloridos. Sabemos que o adjetivo é mais aplicado às mulheres, que carregam, motivadamente, a fama de mais consumistas do que os machos (que preferem consumir outro tipo de coisa). Machismo? Falta do que fazer. Classificar é uma delícia, não é mesmo?

Vamos assumir. Eu sou consumista. Não de bolsas, sapatos de salto e pós compactos, mas de livros e blusinhas. Não resisto mesmo. Logo que vejo o objeto do meu desejo minha cabeça começa a fabricar argumentos pró. Não é pra isso que eu trabalho? E vamos nos lembrando das lições de filmes e músicas: viver o presente, ter prazer imediato, carpe diem, sabe lá o que será o amanhã, "como vai ser o meu destino". E isso basta para pedir à moça pra passar o cartão.

Blusinhas iguais, várias. O armário é uma espécie de eco ou de gagueira visual. Gostei da blusinha, compro logo duas ou três. Tem azul? Vermelha? Rosa? Só não dá se for amarela ou marrom. Preto é clássico. O time sempre ganha de preto. Ah, de oncinha também não vai. Aliás, roupas zoológicas não me caem bem. Zebras, cobras, onças e tigresas que me perdoem, mas a cor chapada é fundamental. Tem manguinha de princesa? Adoro. Não se parece muito comigo, mas dá um arzinho de menina que pode ser vantajoso a estas alturas. Barriga de fora nem pensar. Essa não me desce desde a época em que eu podia. Alcinha não me convence. Braço de matrona... sabem como é, mas não ponham reparo não que eu fico tímida.

Mas os livros... ah, os livros. Não resisto. E os argumentos são ainda mais fortes: não é pra isso que eu trabalho? Aliás: meu trabalho tem tudo a ver com isso, minha gente. Como pode uma professora não ter livros? Médico sem estetoscópio; dentista sem sonda; mecânico sem chave de fenda; costureira sem agulha e linha; "avião sem asa, fogueira sem brasa... futebol sem bola, Piu-piu sem Frajola" e por aí vai, com a bênção de Claudinho & Buchecha.

Passo pela livraria pensando em tomar um café. Lá dentro, ando por entre as estantes, como se estivesse num labirinto do qual não fizesse a menor questão de sair. Tire sua soneca em paz, Dédalo. Não vou importunar você. Nada de mapas. Não quero sair. Passeio, passeio e vou juntando livros nas mãos. Diabo de coisa pesada esse tal de papel. Empilhado ele fica mais difícil de carregar. As lombadas vão se juntando, como numa favelinha de janelas coloridas, e eu vou fazendo minha feira. Primeiro eu colho, depois vou ver os preços para me assustar um pouco. Mas nem isso consegue me desanimar.

Lá vem a máquina de ler códigos de barras. Coitada, só lê isso num livro. Aliás, mais do que muita gente. Mas não lastimo não. As pessoas foram apresentadas ao livro. Só não entram nele porque acham que têm coisa melhor para fazer. Não sabem o que dizem. Mas isso não é coisa que se peça a alguém ou que se obrigue a fazer. É como pedir amor. Não dá. Então deixe estar. Enquanto isso, vou alinhando, em cima das estantes, os livros que desisti de carregar. Um, dois, três, dez, quinze. Meu dinheiro não chega aí. A conta sai cara. Mas e a necessidade? E a ansiedade? Já lá na Idade Média diziam que tinham medo da "explosão de informação". Agora que isso é mato, eu é que me lasque. Valham-me abajures acesos. I love you, companhia elétrica.

Eu sou consumista com livros. Nem preciso, mas é que é tão exclusivo, tão único, tão próprio. Um livro bom não é como as blusinhas de manga de princesa. Não dá para pedir um azul, um lilás e um branco. Não tem P, M e G. Um bom livro é só ele.

Vou lá pagar. Não tem jeito. Se eu não levar todos estes, tenho certeza de que terei pesadelos à noite. Acordarei assustada e suada no meio da escuridão e o arrependimento me fará refém. Assim pensa um consumista que não quer sofrer. Vamos lá. Vou trabalhar mais no mês que vem e quem sabe as prestações me pareçam suaves?

Não raro, chego em casa e verifico que comprei livro que já tinha. Dá um arrependimentozinho tipo surto. Nada que um copo d'água não resolva. Os pensamentos tratam logo de arranjar explicação: ah, mas a outra edição era pior, tinha letras miúdas e uma traça já lhe comeu uma quina. Ou outra: gente, comprei outro deste? Deve ser porque é muito bom. Pelo menos sou coerente. Ou: vejam como sei do que gosto? Ter dois é interessante porque deixo um para empréstimo (coisa que odeio) e outro para o aconchego das estantes do escritório.

Mas sou coerente. O maior cômodo da casa é o escritório. Dizia o arquiteto que era pra tirar aqui e ali, aumentar banheiro ou cozinha. Não, sem chance, meu caro. Aqui neste cômodo você não mexe. Tomo banho de pé e lavo louça entre a geladeira e o fogão, mas livro precisa respirar. Mais do que eu. Meta aí logo mais uns metros quadrados porque tudo aqui está sempre em expansão.

Daí os problemas de espaço, de armazenamento, de peso, de crescimento desordenado, que nem acontece nas grandes cidades. Livros em fila dupla. Livros mal estacionados. Aqui a ordem é esta. O barato é que é seguro: milhares de reais investidos nas paredes destas estantes brancas e nenhum ladrão há de querer levar isso um dia. Leva TV, leva som, leva computador, leva até meu tablet cheio de obras virtuais, mas meus livros provavelmente ficarão ali. É torcer para que não me venha um ladrão incendiário.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 18/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seguindo com arte de Taís Kerche
02. Ventania quinta-feira à noite em Chicago de Arcano9


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
04. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Ser um Vendedor de Sucesso
Linda Richardson
Sextante



Maneiristas e Barrocos - Gênios da Pintura
Vários Autores
Abril Cultural
(1984)



As Aventuras do Capitão Pirilampo e do Comandante Noita
Flávio Rezende - Suzana Gasparian
Girafinha
(2011)



O Conjunto Nacional: Avenida Brasil
Paulo Caruso
Globo
(1996)



Um Inimigo Em Cada Esquina
Raul Drewnick
Ática
(1994)



Manual das múltiplas inteligências
Inês Cozzo Olivares, Maurício Sita
Literare Books International
(2012)



Amor(ex) Quatro Historias de Amor, Desamor, Desencontros
Mica Rocha
Benvirá
(2016)



Vencedor Não Usa Drogas
Edson Ferrarini
Luxor
(2002)



Aquele Garoto e os Segredos da Floresta Mágica
Marcelo Lino
Terceiro Nome
(2013)



Direito Tributário Brasileiro 11ª Edição
Luciano Amaro
Saraiva (sp)
(2005)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês