A Ditadura e seus personagens (II) | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
48679 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Naamat promove espetáculo musical beneficente baseado em Aladdin
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> Práticas inconfessáveis de jornalismo
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> Peru com whisky
>>> Carandiru, do livro para as telas do cinema
>>> Jon Udells Interviews With Innovators
>>> Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs
>>> Literatura de entretenimento e leitura no Brasil
>>> Querem proibir as palavras
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> A Construcao De Biomarcas Globais de Philip Kotler pela Bookman (2004)
>>> Jardim América de Silvia Ferreira Santos Wolff pela Edusp (2015)
>>> Ensaio sobre a lucidez de José Saramago pela Companhia das Letras (2004)
>>> Teoria Geral Do Processo Civil Contemporaneo de Humberto Dalla Bernardina De Pinho pela Lumen Juris (2009)
>>> Cuidados paliativos de Vera Anita Bifulco pela Manole (2015)
>>> Geração de Valor 2 de Flávio Augusto Da Silva pela Sextante (2015)
>>> Felicidade ou morte de Clóvis de Barros Filho pela Papirus 7 Mares (2016)
>>> Aborto Reflexoes sobre a vida de José de Oliveira pela Futurana (2017)
>>> Criando na Internet com Html 4 para Trainees de Alan Carvalho pela Expréss Book (2001)
>>> [email protected] de Telma Guimarães Castro Andrade pela Saraiva (2019)
>>> O Caminho do Guerreiro de Miyamoto Musashi pela Hunter Books (2017)
>>> A Bacia Das Almas de Paulo Brabo pela Mundo Cristão (2011)
>>> Hagakure de Yamamoto Tsunetomo pela Hunter Books (2014)
>>> Porsche de Rainer W. Schlegelmilch pela Ullmann (2009)
>>> A Nova Era e a Revolução Cultural de Olavo de Carvalho pela Vide (2006)
>>> Paris à la Découverte de la Plus Belle Ville du Monde !Les Guides Or) de Editora Bonechi pela Bonechi (2023)
>>> Plantas & Flores - 300 fotos Coloridas de Editora Europa pela Europa (1995)
>>> Prato do dia vegetariano de Tiça Magalhães pela Paz e Terra (2014)
>>> Explicando a Arte de Jô Oliveira e Lucília garcez pela Ediouro (2001)
>>> Organizando Seu Local de Trabalho de Odette Pollar pela Qualitymark (1998)
>>> A Coragem de Mudar de Júlio Emílio Braz pela Ftd (1999)
>>> A Coragem de Mudar de Júlio Emílio Braz pela Ftd (1999)
>>> Meditações Matinais - A Vida Eterna é Esta de Paulo C. Heubach pela Casa Publicadora Brasileira (1958)
>>> Meditações Matinais - Promessas de Deus de H. M. S. Richards pela Casa Publicadora Brasileira (1957)
>>> Escrituras Sagradas em Greco - Dos arquétipos divinos em Greco de Vários Autores pela Sociedade Bíblica Trinity (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 3/8/2004
A Ditadura e seus personagens (II)
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 3900 Acessos

Sobre o ex-presidente da República João Belchior Marques Goulart (1919-1976) existem algumas "teorias". De um lado, há quem o considere um líder fraco, e a prova disso seriam os acontecimentos subseqüentes ao seu mandato como presidente do Brasil. Por outro lado, há quem o julgue jovem e lutador, tendo sido deposto quando quis fazer as reformas de base no País. A fim de esclarecer o que há de fato e o que há de ficção por trás dessas "teses", o historiador Marco Antonio Villa assina Jango: um perfil (Ed. Globo, 287 págs.). Trata-se, com efeito, não apenas da trajetória de eminentes políticos no Brasil do século XX, mas também de uma versão até agora não contada dos momentos que precederam a entrada da Ditadura Militar no país. Afora isso, a obra serve para esclarecer, uma vez mais, que o Golpe de 64 não nasceu da noite para o dia, ao contrário do que muitos ainda imaginam.

Como não poderia deixar de ser, o autor, de início, discorre acerca da infância e da adolescência de João Goulart. Nessa primeira parte, ainda que discretamente, o leitor começa a travar contato com algumas peculiaridades de Jango, em especial seu apreço pelas mulheres (um dos folclores bastante cultivados sobre João Goulart). Descobre-se, também, que nos seus primeiros anos a verve política de Jango não era muito desenvolvida. O autor explica, inclusive, que o então fazendeiro só se envolveu com política por acaso: "Dois acontecimentos mudaram a vida de Jango. Um, na esfera política: a queda de Getúlio em 29 de Outubro de 1945; outro, na esfera privada: a morte de Getúlio Vargas Filho, dois anos antes, aos 25 anos de idade". Aos poucos, a participação política de Jango cresce até ele se tornar o principal interlocutor político de Vargas.

No entanto, mesmo após ter alcançado o posto de Deputado Estadual nas eleições de 1947, Goulart não foi um parlamentar importante. Segundo Villa: "[Jango] Não era, certamente, um homem talhado para as discussões parlamentares e, durante os dois anos de mandato, ficou muito mais em São Borja do que em Porto Alegre". Nesse sentido, é curioso observar que o homem que seria "ungido" como o sucessor político de Vargas não tivesse o mínimo talento para a atuação administrativa e burocrática, preferindo atuar no campo do lobby e dos interesses políticos. De fato, esta é uma característica marcante da persona de João Goulart. Tome-se como exemplo sua participação não menos discreta nos governos de Getúlio - que se suicidaria em 1954 - e Juscelino Kubitschek - de quem foi vice-presidente.

Embora o historiador demarque, ainda no título, o período (1945-1964) em que analisará a vida política de Jango, é correto afirmar que a partir da renúncia de Jânio Quadros, em 1961, o livro traz uma descrição mais detalhada dos meandros do governo e da política brasileira. E é nesse panorama que ganha destaque o "personagem" João Goulart, não porque o autor decide esmiuçar a vida particular do perfilado, mas sim porque o autor faz um trabalho de análise diária da atuação de Jango a partir de agosto de 61. Dessa maneira, Villa consegue mostrar a personalidade de Jango a partir de suas movimentações políticas.

Exemplo disso é quando o autor esclarece os acontecimentos subseqüentes à renúncia de Jânio. No dia da renúncia, Jango estava em viagem à China. No Brasil, os políticos e militares estavam divididos no que se refere à atitude a ser tomada. De um lado, havia aqueles que acreditavam que Jango deveria assumir, conforme estava previsto na Constituição. Os militares, por sua vez, queriam impedir a posse a todo custo. Jango, o único que poderia decidir o rumo nação, escolheu um caminho apoiado por uma minoria: o parlamentarismo. A decisão foi muito mal recebida pela classe política e pelo povo, que esperava que Jango assumisse a presidência sem concessões a qualquer outro grupo. Nas palavras de Villa: "Quando voltou ao território nacional, Jango contava com o respaldo de grande parte do Exército e com enorme apoio popular (...) 81% dos eleitores eram favoráveis à posse de Goulart sem parlamentarismo, 10% a defendiam com parlamentarismo e somente 9% eram a favor do impedimento do presidente".

Entretanto, o que parecia uma manobra ingênua não passava de uma estratégia de Jango para esvaziar aqueles que desejavam dividir o poder com ele. Nesse ponto, o ingênuo político (como insinuavam alguns dos seus inimigos) que deixou de assumir a presidência com plenos poderes, nos braços do povo, soube manipular as peças do jogo do poder - não sossegou enquanto não arrumou um plebiscito - e sair do parlamentarismo para regressar ao presidencialismo como forma de governo. Segundo o autor: "finalmente, 16 meses depois de ter chegado ao palácio do Planalto, estava próximo de gozar o que tanto almejava: o pleno exercício do poder". Essa, talvez, tenha sido sua única "vitória" como líder político.

Para Goulart, 1962 não poderia ter começado melhor. Porém, essa autoconfiança parece ter sido um dos caminhos para a ruína do seu governo. Pois, como queria se manter em pé com apoio tanto da direita quanto da esquerda, Jango fez uma política de ziguezague, o que a longo prazo provou ser uma péssima idéia, visto que não era possível agradar a todos ao mesmo tempo. Com isso, não demorou muito para que começassem a surgir as insurreições e as tentativas frustradas de Golpe, esse último um estado de sítio proposto pelo próprio presidente.

É preciso mencionar, além disso, o fato de os militares, em quem Jango depositava enorme confiança, também não estarem contentes com o governo. Segundo as Forças Armadas, havia muita influência do comunismo na gestão de Goulart. Da mesma forma, os EUA cobravam do governo brasileiro uma postura mais firme no que se refere ao combate ao comunismo, a ponto de os norte-americanos dizerem: "logo chegará o momento em que teremos de perguntar a nós mesmos se é do nosso próprio interesse que Goulart continue a cambalear até o fim do seu mandato em 1965 [...] ou se nossos interesses seriam mais bem servidos se Goulart fosse 'aposentado' do governo antes da data marcada". De acordo com a análise de Villa, todos esses elementos foram importantes para minar a credibilidade e a governabilidade de João Goulart ao longo de 1962 e 1963.

Em 1964, cada vez mais sem legitimidade política, e com os índices de desenvolvimento pífios, Jango parecia não ver que os movimentos pró-golpe cresciam a dia após dia e insistia com a cantilena das reformas de base. Na esquerda, na direita e também com os militares. Até mesmo os norte-americanos, conforme anota o historiador, estavam cientes disso: "Diferentemente de outros países latino-americanos, onde os diplomatas americanos tiveram até de organizar os golpistas para derrubar os governos que não agradavam a Washington, no Brasil, a oferta golpista era tão farta que o maior problema foi evitar a sobreposição de esforços". Nesse ínterim, Jango deu uma guinada populista em suas ações, bem como nos discursos na Central do Brasil e no Automóvel Clube do Brasil. Esse último foi o epílogo de sua trajetória como presidente. Para Villa, o discurso "empurrava os militares indecisos para derrubar Goulart".

No perfil que Marco Antonio Villa traça de João Goulart, pode-se dizer que, em meio às idas e vindas, aos freqüentes e inusitados recomeços, assim como face à visível falta de liderança na função (para Lincoln Gordon, o ex-presidente era uma rolha balançando na água), João Goulart foi um líder que teve uma única preocupação enquanto esteve na presidência: manter-se no cargo. Por esse motivo, suas reformas de base não saíram do papel e seus discursos não surtiram efeito sob o ponto de vista pragmático. A propósito, a definição de Brizola não poderia ser mais precisa: "um homem que amava o poder, mas que detestava governar".

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 3/8/2004

Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Eleições Americanas fatos e versões - 9/11/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manon Lescaut
Abade Prévost
Abril Cultural
(1981)



Contabilidade Geral
Arievaldo Alves de Lima
Rio
(2005)



Sobremesas e Pães
Curso Prático de Microondas
Globo
(1985)



Coisas Que Todo Garoto Deve Saber
Antonio Carlos Vilela
Melhoramentos
(2000)



A ciência do bom viver
Ellen G. White
Casa Publicadora Brasileira
(1977)



Pescoço e Braço - Síndromes Dolorosos
Rene Cailliet
Manole
(1976)



O pensamento vivo de heitor villa-lobos
Heitor Villa-Lobos
Martin Claret



Nova York
Folha de São Paulo
Publifolha
(2012)



Urbanização e Desastres Naturais - Abrangência América do Sul
Lucí Hidalgo Nunes
Oficina de Textos
(2015)



O Que Voce Salvaria
Paulo Coelho
Caras
(1999)





busca | avançada
48679 visitas/dia
1,7 milhão/mês