A Ditadura e seus personagens (II) | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Codependencia Nunca Mais de Melody Beattie pela Best Seller (2024)
>>> Manual de Proteçao Respiratoria de Maurício Torlon/ Antonio Vladimir Vieira pela Abho (2003)
>>> 21 Lições Para O Século 21 de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> O Reino De Moruk de Dimára Guastapaglia pela Do autor (2020)
>>> Como Alimentar Seu Bebê de Sara Lewis pela Marco Zero (1996)
>>> Introduçao A Engenharia Ambiental de Benedito Braga, Ivanildo Hespanhol, João G. Lotufo Conejo, Mário Thadeu L. De Barros, Milton Spencer Veras Junior, Monica F. Do Amaral Porto, Nelson L. R. Nucci, Neusa Monteiro De A. Juliano, Sergio Eiger pela Prentice Hall (2003)
>>> Os Remedios Florais Do Dr. Bach de Dr Edward Bach pela Pensamento (1995)
>>> Poemas Escolhidos De Gregório De Matos de Gregorio De Matos pela Companhia Das Letras - Grupo Cia Das Letras (2024)
>>> A Bruxa Nao Vai Para A Fogueira Neste Livro de Amanda Lovelace pela Leya (2018)
>>> Gandhi - Sua Vida E Mensagem Para O Mundo de Louis Fischer pela Martin Claret (1992)
>>> Tuik - O Amigo Imaginário de Marina Pechlivanis - Mateus Rios pela Formato (2014)
>>> O Hobbit de John Ronald Reuel Tolkien pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Uyra - O Defensor Do Planeta de Carraro Fernando pela Ftd (2010)
>>> Gestão de Resíduos Sólidos - o Que Diz a Lei de Carlos Roberto Vieira da Silva Filho pela Trevisan (2015)
>>> Química Geral e Reações Químicas - Volume 1 de John C. Kotz - Paul M. Treichel pela Ltc (2002)
>>> Sétimo de Andre Vianco pela Novo Seculo (2009)
>>> O Clube Do Trico de Kate Jacobs - Carolina Mesquita pela Amarilys (2010)
>>> Filhos Do Imperador de Claire Messud pela Nova Fronteira (2008)
>>> Os Acidentes Do Trabalho Na Nova Nr-12 de Valmir Inácio Vieira pela Ltr (2013)
>>> A Batalha Do Labirinto - Percy Jackson E Os Olimpianos Livro 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2010)
>>> Um Buldogue Frances de Ana Paula De Abreu pela Pequeno Viajante (2020)
>>> Avaliação Em Educação Infantil 3 de Mara Krechevsky pela Artmed (2001)
>>> O Trem Contra O Tubarão de Chris Barton pela Paz E Terra (2013)
>>> A Rainha Do Norte de Joana Estrela pela Sesi-sp Editora (2018)
>>> Vygotsky Em Foco de Harry Daniels pela Papirus (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 3/8/2004
A Ditadura e seus personagens (II)
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 4100 Acessos

Sobre o ex-presidente da República João Belchior Marques Goulart (1919-1976) existem algumas "teorias". De um lado, há quem o considere um líder fraco, e a prova disso seriam os acontecimentos subseqüentes ao seu mandato como presidente do Brasil. Por outro lado, há quem o julgue jovem e lutador, tendo sido deposto quando quis fazer as reformas de base no País. A fim de esclarecer o que há de fato e o que há de ficção por trás dessas "teses", o historiador Marco Antonio Villa assina Jango: um perfil (Ed. Globo, 287 págs.). Trata-se, com efeito, não apenas da trajetória de eminentes políticos no Brasil do século XX, mas também de uma versão até agora não contada dos momentos que precederam a entrada da Ditadura Militar no país. Afora isso, a obra serve para esclarecer, uma vez mais, que o Golpe de 64 não nasceu da noite para o dia, ao contrário do que muitos ainda imaginam.

Como não poderia deixar de ser, o autor, de início, discorre acerca da infância e da adolescência de João Goulart. Nessa primeira parte, ainda que discretamente, o leitor começa a travar contato com algumas peculiaridades de Jango, em especial seu apreço pelas mulheres (um dos folclores bastante cultivados sobre João Goulart). Descobre-se, também, que nos seus primeiros anos a verve política de Jango não era muito desenvolvida. O autor explica, inclusive, que o então fazendeiro só se envolveu com política por acaso: "Dois acontecimentos mudaram a vida de Jango. Um, na esfera política: a queda de Getúlio em 29 de Outubro de 1945; outro, na esfera privada: a morte de Getúlio Vargas Filho, dois anos antes, aos 25 anos de idade". Aos poucos, a participação política de Jango cresce até ele se tornar o principal interlocutor político de Vargas.

No entanto, mesmo após ter alcançado o posto de Deputado Estadual nas eleições de 1947, Goulart não foi um parlamentar importante. Segundo Villa: "[Jango] Não era, certamente, um homem talhado para as discussões parlamentares e, durante os dois anos de mandato, ficou muito mais em São Borja do que em Porto Alegre". Nesse sentido, é curioso observar que o homem que seria "ungido" como o sucessor político de Vargas não tivesse o mínimo talento para a atuação administrativa e burocrática, preferindo atuar no campo do lobby e dos interesses políticos. De fato, esta é uma característica marcante da persona de João Goulart. Tome-se como exemplo sua participação não menos discreta nos governos de Getúlio - que se suicidaria em 1954 - e Juscelino Kubitschek - de quem foi vice-presidente.

Embora o historiador demarque, ainda no título, o período (1945-1964) em que analisará a vida política de Jango, é correto afirmar que a partir da renúncia de Jânio Quadros, em 1961, o livro traz uma descrição mais detalhada dos meandros do governo e da política brasileira. E é nesse panorama que ganha destaque o "personagem" João Goulart, não porque o autor decide esmiuçar a vida particular do perfilado, mas sim porque o autor faz um trabalho de análise diária da atuação de Jango a partir de agosto de 61. Dessa maneira, Villa consegue mostrar a personalidade de Jango a partir de suas movimentações políticas.

Exemplo disso é quando o autor esclarece os acontecimentos subseqüentes à renúncia de Jânio. No dia da renúncia, Jango estava em viagem à China. No Brasil, os políticos e militares estavam divididos no que se refere à atitude a ser tomada. De um lado, havia aqueles que acreditavam que Jango deveria assumir, conforme estava previsto na Constituição. Os militares, por sua vez, queriam impedir a posse a todo custo. Jango, o único que poderia decidir o rumo nação, escolheu um caminho apoiado por uma minoria: o parlamentarismo. A decisão foi muito mal recebida pela classe política e pelo povo, que esperava que Jango assumisse a presidência sem concessões a qualquer outro grupo. Nas palavras de Villa: "Quando voltou ao território nacional, Jango contava com o respaldo de grande parte do Exército e com enorme apoio popular (...) 81% dos eleitores eram favoráveis à posse de Goulart sem parlamentarismo, 10% a defendiam com parlamentarismo e somente 9% eram a favor do impedimento do presidente".

Entretanto, o que parecia uma manobra ingênua não passava de uma estratégia de Jango para esvaziar aqueles que desejavam dividir o poder com ele. Nesse ponto, o ingênuo político (como insinuavam alguns dos seus inimigos) que deixou de assumir a presidência com plenos poderes, nos braços do povo, soube manipular as peças do jogo do poder - não sossegou enquanto não arrumou um plebiscito - e sair do parlamentarismo para regressar ao presidencialismo como forma de governo. Segundo o autor: "finalmente, 16 meses depois de ter chegado ao palácio do Planalto, estava próximo de gozar o que tanto almejava: o pleno exercício do poder". Essa, talvez, tenha sido sua única "vitória" como líder político.

Para Goulart, 1962 não poderia ter começado melhor. Porém, essa autoconfiança parece ter sido um dos caminhos para a ruína do seu governo. Pois, como queria se manter em pé com apoio tanto da direita quanto da esquerda, Jango fez uma política de ziguezague, o que a longo prazo provou ser uma péssima idéia, visto que não era possível agradar a todos ao mesmo tempo. Com isso, não demorou muito para que começassem a surgir as insurreições e as tentativas frustradas de Golpe, esse último um estado de sítio proposto pelo próprio presidente.

É preciso mencionar, além disso, o fato de os militares, em quem Jango depositava enorme confiança, também não estarem contentes com o governo. Segundo as Forças Armadas, havia muita influência do comunismo na gestão de Goulart. Da mesma forma, os EUA cobravam do governo brasileiro uma postura mais firme no que se refere ao combate ao comunismo, a ponto de os norte-americanos dizerem: "logo chegará o momento em que teremos de perguntar a nós mesmos se é do nosso próprio interesse que Goulart continue a cambalear até o fim do seu mandato em 1965 [...] ou se nossos interesses seriam mais bem servidos se Goulart fosse 'aposentado' do governo antes da data marcada". De acordo com a análise de Villa, todos esses elementos foram importantes para minar a credibilidade e a governabilidade de João Goulart ao longo de 1962 e 1963.

Em 1964, cada vez mais sem legitimidade política, e com os índices de desenvolvimento pífios, Jango parecia não ver que os movimentos pró-golpe cresciam a dia após dia e insistia com a cantilena das reformas de base. Na esquerda, na direita e também com os militares. Até mesmo os norte-americanos, conforme anota o historiador, estavam cientes disso: "Diferentemente de outros países latino-americanos, onde os diplomatas americanos tiveram até de organizar os golpistas para derrubar os governos que não agradavam a Washington, no Brasil, a oferta golpista era tão farta que o maior problema foi evitar a sobreposição de esforços". Nesse ínterim, Jango deu uma guinada populista em suas ações, bem como nos discursos na Central do Brasil e no Automóvel Clube do Brasil. Esse último foi o epílogo de sua trajetória como presidente. Para Villa, o discurso "empurrava os militares indecisos para derrubar Goulart".

No perfil que Marco Antonio Villa traça de João Goulart, pode-se dizer que, em meio às idas e vindas, aos freqüentes e inusitados recomeços, assim como face à visível falta de liderança na função (para Lincoln Gordon, o ex-presidente era uma rolha balançando na água), João Goulart foi um líder que teve uma única preocupação enquanto esteve na presidência: manter-se no cargo. Por esse motivo, suas reformas de base não saíram do papel e seus discursos não surtiram efeito sob o ponto de vista pragmático. A propósito, a definição de Brizola não poderia ser mais precisa: "um homem que amava o poder, mas que detestava governar".

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 3/8/2004

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro
02. As urbes e o pichador romântico de Pilar Fazito


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Eleições Americanas fatos e versões - 9/11/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Jazz Através dos Tempos / Jazz Through the Ages / Com 3 Cds
João Francisco Franco Junqueira
Via Impressa
(2014)



Paulo Emílio - Legado Crítico
Thiago Almeida e Nayara Xavier
Cinusp
(2017)



Oxford Practice Grammar Intermediate With Answers
John Eastwood
Oxford
(2010)



Crimes Imperceptíveis
Guillermo Martínez
Planeta
(2004)



Contabilidade Pública - Exercícios Práticos
Alcides Menolli
Eduel
(2004)



Um ciclone na paulicéia Oswald de Andrade e os limites da vida intelectual em São Paulo
Rubens de Oliveira Martins
Unbero
(2001)



Molecagem - LIVRO DO MESTRE
Luiz Claudio
Scipione
(1988)



A fantasia desfeita
Celso Furtado
Paz e Terra
(1989)



Ensinar e Aprender no Século 21
Marcia Stein
Senac
(2011)



O sistema solar
Alberto Delerue
Ediouro
(2002)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês