Quando o autor é protagonista do próprio romance | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
>>> Meu Destino é Pecar de Suzana Flag (Nelson Rodrigues) pela Ediouro
>>> Guerra Dentro do Beco de Jorge de Lima pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Avalovara de Osman Lins pela Melhoramentos (1975)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/11/2010
Quando o autor é protagonista do próprio romance
Marcelo Spalding

+ de 3800 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

O romance, gênero de tanta tradição e tão popular no século anterior ao rádio e a TV, está mudado, muito mudado. Hoje, romances manejados pelas mãos de hábeis e treinados escritores não se revelam assim tão lineares, tão fáceis: como na leitura do conto, é preciso penetrar no subtexto, encaixar peças, buscar o efeito mais do que a narrativa, o ritmo poético mais do que o enredo. Leite Derramado, o mais recente livro de Chico Buarque, é um exemplo. Lavoura Arcaica, de Raduan Nassar, um clássico.

Diante dessa mudança de estrutura, muitos leitores médios acabam se afastando do romance "literário" e buscam os livros de não-ficção, como biografias, grandes reportagens ou reconstituições históricas. Por sua vez, e talvez exatamente por causa disso, muitos escritores começaram a fazer romances com feitio de biografia, de não-ficção, embaralhando as cartas no jogo da literatura e apimentando sobremaneira a distinção entre os gêneros.

Aqui no Brasil temos bons exemplos, como Por que sou gorda, mamãe?, de Cintia Moscovich, e O filho eterno, de Cristovão Tezza, mas um romance em especial pode sintetizar bem essa metamorfose sofrida pelo gênero: Verão (Companhia das Letras, 2010, 280 págs.), do sul-africano J. M. Coetzee.

Chamo Verão de romance sem constrangimento, ainda que a obra se utilize de recursos estéticos da biografia, da entrevista e do diário para contar a vida de Coetzee nos anos 70, antes da sua afirmação como escritor e professor universitário. Aqui o Coetzee autor é convertido num personagem, inclusive já falecido no momento da história. A narrativa, composta por depoimentos de cinco pessoas que conviveram com o personagem, além de seus cadernos de anotação, traça um perfil errático, desinteressante e opaco de Coetzee, diferentemente do que costuma acontecer nas autobiografias.

"Eu nunca tinha visto nada mais triste do que aqueles dois holandeses, pai e filho [Coetzee], sentados juntos, lado a lado, debaixo de uma árvore, tentando fingir que não estavam molhados e com frio. Uma coisa triste e engraçada também. (...) Ele é um homem fraco."

Esse trecho do depoimento de Adriana, uma bailarina por quem Coetzee teria tido uma paixão não correspondida, revela o tom das opiniões emitidas sobre o protagonista, batizado com o mesmo nome do autor, o que amplia o mistério sobre sua figura.

Há alguns pontos a considerar, entretanto. Não podemos esquecer, em primeiro lugar, que os depoimentos (fictícios) são todos de pessoas/personagens que conviveram com o autor/personagem naquele período, não amigos íntimos nem familiares, e sim pessoas que passaram pela vida de um Coetzee iniciante, desajustado em seu país e seu tempo (o país é o do apartheid; o tempo, o da Guerra do Vietnã). Assim, a visão particularizada em Coetzee pode ocultar uma visão de conjunto da sociedade para com o escritor, o artista, o intelectual:

"John e seus poemas de novo! Ela não consegue evitar e rola de rir. John sentado na varanda daquela casinha desolada, inventando poemas!". Adiante, provocado pela prima Margot a escrever um best-seller e ganhar um monte de dinheiro, ele responde: "Eu não saberia escrever um best-seller, não conheço o suficiente das pessoas e de suas fantasias".

A opção por fazer de uma autocrítica mordaz o centro da narrativa ainda permite que o romance traga à tona diversos dilemas históricos e sociais, muitos ainda em aberto, sem converter-se com isso num texto panfletário. Há crítica ao apartheid e suas implicações no dia a dia, ao serviço social e de saúde do país, à postura americana na guerra do Vietnã, às ditaduras africanas e sua violência e até ao período ditatorial brasileiro.

"Meu marido tinha essa qualidade", dirá Adriana ao comparar seu falecido marido a Coetzee, "sempre teve, mas o tempo que passou na prisão aqui no Brasil, sob o poder dos militares, fez aflorar isso, muito embora ele não tenha ficado muito tempo na prisão, só seis meses. Depois desses seis meses, ele dizia, nada que seres humanos fizessem para outros seres humanos seria surpresa para ele".

Tais depoimentos, no romance, são recolhidos por um biógrafo que tenta recompor a vida de Coetzee nesse período. E o próprio biógrafo, na conversa com uma colega de universidade, ao ser questionado sobre seu discutível método de trabalho, diz: "Madame Denoël, examinei as cartas e os diários. Não dá para confiar no que Coetzee escreve, não como registro factual ― não porque ele fosse mentiroso, mas porque ele era um ficcionista. Nas cartas, ele inventa uma ficção de si mesmo para seus correspondentes; nos diários ele faz a mesma coisa para os próprios olhos, ou talvez, ou talvez para a posteridade".

Ocorre que pouco importa, na verdade, o quão aquele Coetzee ali retratado é autor ou personagem, o quanto há de verdade. Na literatura, muito mais importante que a verdade ou a realidade é a verossimilhança, e há de fato uma verossimilhança latente em cada cena, em cada diálogo, em cada frase. Agora, se um leitor voyeur devorar a "autobiografia" de Coetzee e sair por aí contando que aquele escritor era rejeitado pelas mulheres, e se isso para ele for um alento por achar que um dia poderá ganhar um Nobel como Coetzee, provavelmente o sul-africano não fará nenhuma objeção, talvez apenas um riso de canto de boca, de escárnio. Um James Weldon Johson às avessas.

E continuará alimentando a curiosidade dos leitores com mais volumes de sua autobiografia ficcional (este é o terceiro, depois de Infância e Juventude), enquanto amplia o cânone da literatura universal com mais ficção sobre sua biografia.

Nota do Editor
Leia também "Verão, de J. M. Coetzee".

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 25/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
02. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
03. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti
04. Abominável Mundo Novo de Marilia Mota Silva
05. Ficção hiper-real de Gian Danton


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2010
01. O hiperconto e a literatura digital - 8/4/2010
02. A quem interessa uma sociedade alienada? - 2/9/2010
03. Free: o futuro dos preços é ser grátis - 11/11/2010
04. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg - 27/5/2010
05. O espiritismo e a novela da Globo - 30/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MORTE É CONTAGIOSA
CHARLIE HIGSON
RECORD
(2007)
R$ 25,28



MATEMATICA PROJETO MULTIPLO VOLUME 2 BOX COMPLETO
LUIZ ROBERTO DANTE
ATICA
(2014)
R$ 99,90



A GUERRA CONJUGAL
DALTON TREVISAN
RECORD
(1979)
R$ 10,00



DANÇANDO NA LUZ
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
R$ 6,00



NO BALANCÊ DO ABECÊ
ELIAS JOS
PAULUS
(1996)
R$ 7,00



APRENDIZES COM AUSTISMO: APRENDIZAGEM POR EIXOS DE INTERESSE ...
SILVIA ESTER ORR
VOZES
(2016)
R$ 49,95



A VERDADE POR TRÁS DO GOOGLE
ALEJANDRO SUÁREZ SÁNCHEZ OCAÑA
PLANETA
(2013)
R$ 26,00



INTERVENTION
ROBIN COOK
BERKLEY NOVEL
R$ 49,16



AMAR PODE DAR CERTO - 48ª EDIÇÃO
ROBERTO T. SHINYASHIKI /ELIANA BITTENCOURT DUMET
GENTE
(1988)
R$ 6,00



MANUAL GLOBO DO AUTOMÓVEL : FUNILARIA E PINTURA
GLOBO
GLOBO
(1988)
R$ 7,90





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês