Quando o autor é protagonista do próprio romance | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/11/2010
Quando o autor é protagonista do próprio romance
Marcelo Spalding

+ de 4000 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

O romance, gênero de tanta tradição e tão popular no século anterior ao rádio e a TV, está mudado, muito mudado. Hoje, romances manejados pelas mãos de hábeis e treinados escritores não se revelam assim tão lineares, tão fáceis: como na leitura do conto, é preciso penetrar no subtexto, encaixar peças, buscar o efeito mais do que a narrativa, o ritmo poético mais do que o enredo. Leite Derramado, o mais recente livro de Chico Buarque, é um exemplo. Lavoura Arcaica, de Raduan Nassar, um clássico.

Diante dessa mudança de estrutura, muitos leitores médios acabam se afastando do romance "literário" e buscam os livros de não-ficção, como biografias, grandes reportagens ou reconstituições históricas. Por sua vez, e talvez exatamente por causa disso, muitos escritores começaram a fazer romances com feitio de biografia, de não-ficção, embaralhando as cartas no jogo da literatura e apimentando sobremaneira a distinção entre os gêneros.

Aqui no Brasil temos bons exemplos, como Por que sou gorda, mamãe?, de Cintia Moscovich, e O filho eterno, de Cristovão Tezza, mas um romance em especial pode sintetizar bem essa metamorfose sofrida pelo gênero: Verão (Companhia das Letras, 2010, 280 págs.), do sul-africano J. M. Coetzee.

Chamo Verão de romance sem constrangimento, ainda que a obra se utilize de recursos estéticos da biografia, da entrevista e do diário para contar a vida de Coetzee nos anos 70, antes da sua afirmação como escritor e professor universitário. Aqui o Coetzee autor é convertido num personagem, inclusive já falecido no momento da história. A narrativa, composta por depoimentos de cinco pessoas que conviveram com o personagem, além de seus cadernos de anotação, traça um perfil errático, desinteressante e opaco de Coetzee, diferentemente do que costuma acontecer nas autobiografias.

"Eu nunca tinha visto nada mais triste do que aqueles dois holandeses, pai e filho [Coetzee], sentados juntos, lado a lado, debaixo de uma árvore, tentando fingir que não estavam molhados e com frio. Uma coisa triste e engraçada também. (...) Ele é um homem fraco."

Esse trecho do depoimento de Adriana, uma bailarina por quem Coetzee teria tido uma paixão não correspondida, revela o tom das opiniões emitidas sobre o protagonista, batizado com o mesmo nome do autor, o que amplia o mistério sobre sua figura.

Há alguns pontos a considerar, entretanto. Não podemos esquecer, em primeiro lugar, que os depoimentos (fictícios) são todos de pessoas/personagens que conviveram com o autor/personagem naquele período, não amigos íntimos nem familiares, e sim pessoas que passaram pela vida de um Coetzee iniciante, desajustado em seu país e seu tempo (o país é o do apartheid; o tempo, o da Guerra do Vietnã). Assim, a visão particularizada em Coetzee pode ocultar uma visão de conjunto da sociedade para com o escritor, o artista, o intelectual:

"John e seus poemas de novo! Ela não consegue evitar e rola de rir. John sentado na varanda daquela casinha desolada, inventando poemas!". Adiante, provocado pela prima Margot a escrever um best-seller e ganhar um monte de dinheiro, ele responde: "Eu não saberia escrever um best-seller, não conheço o suficiente das pessoas e de suas fantasias".

A opção por fazer de uma autocrítica mordaz o centro da narrativa ainda permite que o romance traga à tona diversos dilemas históricos e sociais, muitos ainda em aberto, sem converter-se com isso num texto panfletário. Há crítica ao apartheid e suas implicações no dia a dia, ao serviço social e de saúde do país, à postura americana na guerra do Vietnã, às ditaduras africanas e sua violência e até ao período ditatorial brasileiro.

"Meu marido tinha essa qualidade", dirá Adriana ao comparar seu falecido marido a Coetzee, "sempre teve, mas o tempo que passou na prisão aqui no Brasil, sob o poder dos militares, fez aflorar isso, muito embora ele não tenha ficado muito tempo na prisão, só seis meses. Depois desses seis meses, ele dizia, nada que seres humanos fizessem para outros seres humanos seria surpresa para ele".

Tais depoimentos, no romance, são recolhidos por um biógrafo que tenta recompor a vida de Coetzee nesse período. E o próprio biógrafo, na conversa com uma colega de universidade, ao ser questionado sobre seu discutível método de trabalho, diz: "Madame Denoël, examinei as cartas e os diários. Não dá para confiar no que Coetzee escreve, não como registro factual ― não porque ele fosse mentiroso, mas porque ele era um ficcionista. Nas cartas, ele inventa uma ficção de si mesmo para seus correspondentes; nos diários ele faz a mesma coisa para os próprios olhos, ou talvez, ou talvez para a posteridade".

Ocorre que pouco importa, na verdade, o quão aquele Coetzee ali retratado é autor ou personagem, o quanto há de verdade. Na literatura, muito mais importante que a verdade ou a realidade é a verossimilhança, e há de fato uma verossimilhança latente em cada cena, em cada diálogo, em cada frase. Agora, se um leitor voyeur devorar a "autobiografia" de Coetzee e sair por aí contando que aquele escritor era rejeitado pelas mulheres, e se isso para ele for um alento por achar que um dia poderá ganhar um Nobel como Coetzee, provavelmente o sul-africano não fará nenhuma objeção, talvez apenas um riso de canto de boca, de escárnio. Um James Weldon Johson às avessas.

E continuará alimentando a curiosidade dos leitores com mais volumes de sua autobiografia ficcional (este é o terceiro, depois de Infância e Juventude), enquanto amplia o cânone da literatura universal com mais ficção sobre sua biografia.

Nota do Editor
Leia também "Verão, de J. M. Coetzee".

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 25/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Beijo surdo de Ana Elisa Ribeiro
02. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer de Marcelo Spalding
03. Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora de Elisa Andrade Buzzo
04. Todo mundo é bonito de Ana Elisa Ribeiro
05. A aura da música de Luiz Rebinski Junior


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2010
01. O hiperconto e a literatura digital - 8/4/2010
02. A quem interessa uma sociedade alienada? - 2/9/2010
03. Free: o futuro dos preços é ser grátis - 11/11/2010
04. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg - 27/5/2010
05. O espiritismo e a novela da Globo - 30/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês