Chico Buarque e o Leite derramado | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
30052 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gryphus Editora
>>> Cidades do Algarve
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Para quem acha que conhece de tudo na vida
>>> Música é coração, computadores, não?
>>> Lecto-escritura esquizofrénica
>>> Quase uma despedida
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> Journey
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
Mais Recentes
>>> Sacrament of Sexuality - The Spirituality and Psychology of Sex de Morton T. Kelsey, Barbara Kelsey pela Element Books (1991)
>>> Perry Rhodan de Kurt Mahr pela Edições de Ouro (1976)
>>> Perry Rhodan #12 - O Segredo do Cofre de Tempo de Clark Darlton pela Ediouro (1976)
>>> Novo Lobo Solitário - Volume 02 de Kazuo Koike pela Panini (2017)
>>> Odalisca: Dançando com o Diabo numa noite de lua cheia de Yuri Belov pela Novo Século (2015)
>>> Gantz - Volume 18 de Hiroya Oku pela Panini (2009)
>>> Os Mortos - Vivos - Volume 02 de Robert Kirkman pela Hqm (2006)
>>> Os Mortos - Vivos - Volume 01 de Robert Kirkman pela Hqm (2006)
>>> Cânticos de Amor ao Amado de ly Vieitez Lanes pela Mania de Livros (1996)
>>> The Occult Fiction of Dion Fortune de Gareth Knight pela Thoth Publications (2008)
>>> Campeões do Mundo de Dias Gomes pela Bertrand Brasil (2015)
>>> Camille Claudel - Auguste Rodin: La Passion à Quatre Mains de Bernard Lehembre pela Acropole (1999)
>>> Traição em Londres de Len Deighton pela Best Seller (1989)
>>> Brujería y reconstrucción de identidades entre los Africanos y sus descendientes en la Nueva Granada, Siglo XVII de Luz Adriana Maya Restrepo pela Imprenta Nacional de Colombia (2005)
>>> Radiestesia Clássica e Cabalística de António Rodrigues pela Fábrica de Letras (2000)
>>> Ancient Astrology de Tamysn Barton pela Routledge (1994)
>>> Justine de Lawrwncw Durrel pela Verbo (1972)
>>> A Varanda do Frangipani de Mia Couto pela Cia. das Letras (2016)
>>> Sete Novelas Fantásticas de Isak Dinesen pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Gnosticismo - uma Nova Interpretação da Tradição Oculta de Stephan A. Hoeller pela Nova Era (2005)
>>> Às portas da revolução: Escritos de Lenin de 1917 de Slavoj Zizek pela Boitempo (2005)
>>> Arte e Sociedade - Escritos estéticos (1932 - 1967) de György Lukács pela Ufrj (2009)
>>> Um Hino de Natal de Charles Dickens - Tradução de Cecília Meirelles pela Reade's Digest
>>> Qabalah, Tarot & the Western Mystery Tradition - the 22 Connecting Path on the Tree of Life de Clifford Bias (sobre Cabala) pela Samuel Weiser (1997)
>>> A Representação Feminina na Obra de Virginia Woolf: Um Diálogo Entre o Projeto Político e o Estético de Maria A. de Oliveira pela Paco Editorial (2017)
>>> A Queda de Albert Camus pela Best Bolso (2007)
>>> Sublime Obessão de Lloyde C. Douglas pela Record (1980)
>>> A Política e as Letras - Entrevistas da New Left Review de Raymond Williams pela Unesp (2013)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Círculo do Livro (1975)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Círculo do Livro (1975)
>>> A década de 50: Populismo e metas desenvolvimentistas no Brasil de Marly Rodrigues pela Ática (1996)
>>> Vontade de Viver - A Bicicleta Azul vol. 2 de Régine Deforges pela Best Seller (1985)
>>> Vontade de Viver - A Bicicleta Azul vol. 2 de Régine Deforges pela Best Seller (1985)
>>> O Vôo Imperial 109 de Richard Doyle pela Record (1977)
>>> Superman #18 (Universo DC Renascimento) de Patrick Gleason, Peter J. Tomasi, Jaime Mendoza, Doug Mahnke pela Panini (2018)
>>> Os Conspiradores (Coleção Saraiva) de Barbey D'Aurevilly pela Saraiva (1950)
>>> Genshiken - Volume 02 de Kio Shimoku pela Jbc (2013)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Record (1995)
>>> A Questão Agrária no Brasil. O Debate na Década de 1990 - volume 6 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2013)
>>> Genshiken - Volume 01 de Kio Shimoku pela Jbc (2013)
>>> A Questão Agrária no Brasil. História e Natureza das Ligas Camponesas: 1954-1964 - volume 4 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2012)
>>> David Copperfield 2 vols. de Charfles Dickens pela Cered/Objetivo (1997)
>>> A Questão Agrária no Brasil. Programas de Reforma Agrária: 1946-2003 - volume 3 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2012)
>>> Aço e Arquitetura: Estudo de Edificações no Brasil de Luís Andrade de Mattos Dias pela Zigurate (2019)
>>> Innocent - Volume 5 de Shinichi Sakamoto pela Panini (2018)
>>> Ich Schenk dir cine Geschichte de wlttag des Buches pela Omnibus (2007)
>>> A Questão Agrária no Brasil. O debate tradicional: 1500-1960 - volume 1 de João Pedro Stédile (org) pela Expressão Popular (2011)
>>> Conspiração Violenta de Peter Driscoll pela Record (1972)
>>> Marcos Acayaba de Hugo Segawa, Julio Katinsky e Guilherme Wisnik pela Cosac Naify (2007)
>>> Gênios da Pintura Nº 64: Caravaggio/ (1ª Ed. sem Grampo)/ a Maior Coleção de Arte do Mundo de Pietro Maria Bardi: Supervisão pela Abril (1968)
COLUNAS

Terça-feira, 28/4/2009
Chico Buarque e o Leite derramado
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

"Aqui tudo é construção e já é ruína." (Caetano Veloso/ Gilberto Gil)

Acaba de ser lançado pela editora Companhia das Letras o melhor romance brasileiro do ano, se não for, creio eu, o melhor de décadas: Leite derramado (Companhia das Letras, 2009, 200 págs.), de Chico Buarque. E o primeiro comentário que o livro merece receber é o de que esta é uma obra escrita por alguém que domina completamente a língua portuguesa e a linguagem literária. O prazer de se ler um livro escrito por quem é mestre na própria língua já é um prazer de per si. Ainda mais num país com uma tradição de escritores que não entenderam que a literatura é feita, antes de tudo e mais do que tudo, de linguagem, e não apenas pela nobre causa dos temas sociais.

Aliás, vale aqui um parêntese: o que tem enfraquecido a arte brasileira durante tanto tempo é esse vício social que acomete nossos artistas de querer sobrepor a realidade ao ofício do ato criador da própria obra de arte, que se traduz nessa busca desesperada por explicar nossas misérias mais do que fazer um excelente trabalho artístico. Como dizia Aristóteles, na sua Poética, em arte "o impossível se deve preferir a um possível que não convença". A arte precisa de artistas e não de sociólogos.

As lições da Poética de Aristóteles e Horácio estão dentro da obra de Buarque: "a quem domina a linguagem e o assunto escolhido não faltará eloquência nem lúcida ordenação". Não que Chico Buarque se dobre ao fazer clássico como engessamento do ato criativo ou com um preceituário de soluções práticas, como condenou Paul Valéry em sua Première Leçon Du Cours de Poétique, dizendo que na poética clássica "o rigor se fez regra e exprimiu-se em fórmulas precisas". Ao contrário, no caso do nosso escritor o próprio domínio da linguagem é usado contra essa ideia lhe dando a liberdade de brincar com a estrutura do romance, fazendo e desfazendo o plano narrativo com maestria rara e sendo essa mesma desarticulação e articulação um recurso que revela o próprio ponto de vista interior do velho personagem sobre a história que conta.

Podemos pensar em Leite derramado a partir da ideia de que não se pode confundir reportagem com arte. Embora a narrativa de Chico Buarque perpasse a saga de uma família de ancestrais portugueses do tempo do Império aos nossos dias, alimentando-se do mundo real e da História, não o faz com métodos científicos ou documentais; ao contrário, cria um universo paralelo e até antagônico a esse mundo real. Na verdade, complica-o um pouco mais. E se este livro tem motivação política, aí reside sua força crítica. Ou, parafraseando Albert Camus, "em arte a crítica se instala na verdadeira criação, não apenas no comentário". E ainda, seguindo a ideia de T. W. Adorno, no seu famoso ensaio "Lírica e Sociedade", "nada que não esteja nas obras, na própria forma destas, legitima a decisão quanto ao seu conteúdo, o poetizado ele mesmo, representa socialmente".

Entrar por essa clave em Leite derramado é o que farei a seguir. O romance narra os pensamentos de um velho preso a uma cama de hospital que se dirige ora à sua filha, ora às enfermeiras, recontando o que seria sua história pessoal dentro do contexto da própria história brasileira, do Império aos nossos dias, em suas mudanças sociais, econômicas e comportamentais.

À primeira vista parece fácil perceber isso, mas quem narra é a memória de um velho perturbado por um passado complicado, sendo essa mesma memória dominada por emoções que deságuam a todo momento sobre sua cabeça na forma de desafetos, traições, taras e, além do mais, a realidade próxima da morte. Então, o reino do narrador é o próprio reino da arte, aquela arte condenada por Platão como imprevisível, paradoxal, dominada pelos sentidos, por sentimentos mórbidos, fantasias ilusionistas, própria para loucos e videntes.

Alegoricamente, podemos pensar que uma história do Brasil só poderia ser escrita nesses termos, os termos da própria realidade brasileira, que é delirante, perversa, desconstrutiva, insólita, tingida por contradições, como a memória do personagem que a narra. Nesse ponto Chico dá uma lição aos historiadores pragmáticos e racionalistas, oferecendo a possibilidade de se tentar entender uma realidade delirante a partir do próprio delírio.

A decadência da família do narrador e a própria decadência do país, que vai da tradição assentada na estrutura do poder imperial até o poder atual, com o neto traficante de drogas que consome com seu avô algumas carreiras de coca, retraçam o percurso de uma sociedade perversa em todos os sentidos, da escravidão e seu correlato e consequente racismo histórico até o abuso de poder e total falta de pudor (o velho olhando e desejando a bunda da namorada do neto) em usar este poder.

"Estou nesse hospital infecto." Esta frase do narrador talvez traduza o sentido que o próprio personagem dá ao Brasil e sua história. Espécie de paciente terminal, o Brasil de Leite derramado é pessimista. O próprio título do livro nos dá essa ideia de algo que serve para nos nutrir mas que perdemos. Um Brasil que poderia ter sido, mas não foi e pelo visto nunca será. E adianta chorar sobre o leite derramado?

E é desarticulando a narrativa que percebemos de fato isso. Nos tornamos incapazes de organizarmos os sentidos atribuídos aos personagens, pois não sabemos se são reais ou se estamos sendo induzidos por uma memória perversa, tão perversa quanto a realidade que a criou ou do qual o personagem participou.

Este mérito do romance de Chico Buarque se sobrepõe a todos. Ele é capaz de provocar a emoção estética, ou seja, o arrebatamento que nos possibilita navegar em águas turvas, ter o sentido da impossibilidade de diferenciar real e imaginário, possibilitando-nos pensar ao mesmo tempo por ordem de um discurso histórico e outro fantasioso sem saber bem qual é qual. Lugar de nossa particularidade nacional esta de sermos uma mistura irreconciliável entre desejo irrefreável (de foder e poder?) e vontade de criar a civilização democrática? Sermos o lugar da riqueza e da violência que se apodera dessa riqueza e a transforma em opressão econômica, racismo, abuso de poder e na consequente descrença social num projeto de nação a ser construída democrática e historicamente por todos?

Perversão psíquica e perversão histórico-social se confundem na narrativa. Não sabemos bem quem domina quem, quem gera quem e o quanto isso é ao mesmo tempo fabuloso (no duplo sentido da palavra) e destruidor da ideia de uma possibilidade de se estabelecer qualquer realidade sob controle.

As entrelinhas são muitas, os ditos e não-ditos é que falam, o embaralhamento é a corda do trapezista sobre a qual pendemos, seja como leitores ou como partícipes da suposta "realidade" brasileira. Chico nos devolve a realidade do nosso país com inteligência histórica visível, sem pragmatismos políticos ralos, nos levando para dentro da geléia-geral traçada no próprio interior do romance enquanto linguagem.

"Quando você compilar minhas memórias vai ficar tudo desalinhavado, sem pé nem cabeça. Vai parecer coisa de maluco", diz o personagem em certa passagem do livro. E o nosso país, não parece coisa de maluco? Eu, por mim, diria sobre o romance, seguindo Platão, que não só é coisa de maluco, mas coisa de vidente. É o que Leite derramado é.

Portanto, nem tudo nesse país se perdeu, do caos de nossa miséria histórica surge a riqueza brilhante que é um escritor de altíssima qualidade, que além de já nos presentear com sua música genial, nos brinda agora com a maturidade literária que sempre sonhamos.

Como nota final chamo a atenção para a orelha do livro, sensível e inteligentemente feita por Leyla Perrone-Moisés, ultimamente a mais sofisticada crítica literária deste país.

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 28/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
02. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
03. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
04. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
05. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/4/2009
21h17min
Eu achei o livro muito mal escrito. Comprei com as melhores intenções e não consegui ler. Mas vou escrever um post pra tentar explicar isso melhor. Abçs.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
25/4/2009
08h13min
"Palavra boa. Não de fazer literatura, palavra, mas de habitar fundo o coração do pensamento, palavra!" Não é o escritor quem faz a literatura. Nós a resultamos. Ainda não pude rir ou chorar sobre o "Leite Derramado". Como ex-educador, chorei muito sobre um leite derramado, que praticamente acabou com a figura do Educador no governo Médici: Estrutura e Funcionamento do Ensino de Primeiro e Segundo Grau (Lei 5692/71), Leyla Moisés Perrone era o nome da fera. É a mesma?
[Leia outros Comentários de Dalton]
25/4/2009
18h23min
Essa Leyla Perrone que voce citou, Dalton, só pode ser outra, claro.
[Leia outros Comentários de jardel]
29/4/2009
10h00min
Eu também achei o livro ótimo. Comecei a escrever um comentário, e me perdi em tantas coisas. Chico é o cara, mesmo, maravilhoso, completo como artista. Estou encantada.
[Leia outros Comentários de Laura]
7/5/2009
20h39min
Vou ler o livro. Só espero que não tenha o mesmo hermetismo de "Estorvo".
[Leia outros Comentários de Marcio Rufino]
18/5/2009
11h31min
Há público hoje para a leitura de "Leite Derramado"? Há leitores cultos, que entendem de história do Brasil profundamente? Que entendem também de literatura? Pois até agora apenas vi comentários do tipo: "acho chato, não gostei", "não li e por isso acho que não gostarei" etc., e gosto é como o...: cada um tem o seu. É preciso haver debates mais inteligentes sobre a cultura brasileira, senão ficaremos no botequismo de sempre.
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROGRAMA SEMEANDO: OS SEGREDOS DAS ÁGUAS
ELIANA SANT ANNA E MARLI SALES
SENAR E FAEMG
(2006)
R$ 4,00



GRIMÓRIO DO PAPA HONÓRIO- OS MISTERIOSOS SEGREDOS OCULTOS DO PAPA HONÓ
PAPA HONÓRIO
CIÊNCIAS OCULTAS
R$ 480,00



DICIONÁRIO DOS SONHOS (5445)
LADY S. ROBINSON E TOM CORBETT
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 14,00



TOM JONES
HENRY FIELDING
SUZANO
(2002)
R$ 12,00



FILOSOFIA - VOLUME UNICO
CELITO MEIER
ESFERA
(2016)
R$ 130,00



UM SHOW EM JERUSÁLEM - O REI NA TERRA SANTA
LÉA PENTEADO
GLOBO
(2011)
R$ 21,82



A EMPRESA CONTEMPORÂNEA E SUAS NECESSIDADES
MARINA PALHARINI UND MARIA BARRETO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ESTUDO DE ROUBANDO O FOGO DOS CÉUS DE STEPHEN MACE
TESLA DI MURBOX
TESLA DI MURBOX
R$ 47,00



OPERAÇÃO RHINEMANN
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1974)
R$ 8,10



O PÚBLICO, O PRIVADO E O ENSINO FLUMINENSE (1954-1970)
PABLO SILVA MACHADO BISPO DOS SANTOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 447,00





busca | avançada
30052 visitas/dia
922 mil/mês