Mas afinal, o que é podcasting? | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
50174 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
>>> HORA MARCADA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> De perto, ninguém é normal
>>> 14 de Outubro #digestivo10anos
>>> Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
>>> O primeiro parágrafo
>>> O prazer da literatura em perigo
>>> Aulas de filosofia on-line
>>> Mezzo realidade, mezzo ficção
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Esquema Dilma opta por Russomano
Mais Recentes
>>> Pântano De Sangue - Coleção Os Karas de Pedro Bandeira pela Moderna (2013)
>>> Droga de Americana! - Os Karas de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> O Livro da sua Vida de Osho pela Cultrix (2019)
>>> Inveja - O Inimigo Oculto de Alexandre Bez pela Juruá (2011)
>>> O Livro Do Tibete de M. Nilsa Lopes e J. C Alarcon pela Caioá (1996)
>>> Rituais Celtas de Andy Baggott pela Madras (2002)
>>> Apresentaçao da Poesia Brasileira de Manuel Bandeira pela Ediouro (2001)
>>> Tarô de Stefanie Caponi pela Mantra (2022)
>>> Livro de Tarefas Pense Magro de Judith Beck pela Artmed (2009)
>>> Calendário Cósmico de Stellarius pela Nova era (2000)
>>> A Magia dos Metais de Mellie Uyldert pela Pensamento (1990)
>>> Multiletramentos na Escola de Roxane Rojo pela Parábola (2012)
>>> Dicionário do doceiro brasileiro de Dr Antonio José de Souza Rego pela Senac (2010)
>>> Video Marketing. Como Usar O Dominio Do Video Nos Canais Digitais Para Turbinar O Marketing De Produtos Marcas E Negocios de Jon Mowat pela Autêntica Business (2018)
>>> O livro de Gizé de M. Nilsa Lopes e J. C Alarcon pela Caioá (1996)
>>> Salmos - Misterios Revelados de Moacyr Martins pela Empório do Livro (1998)
>>> Gastroenterologia Pancreatites de José Galvão Alves pela Rubio (2002)
>>> O livro do Brasil 2 de M. Nilsa Lopes pela Humi (2007)
>>> Apertada E Sem Espaço de Julia Donaldson pela Brinque-book (2003)
>>> Ícaro Redimido de Gilson Freire pela Inede (2020)
>>> Gestao Do Design de Cyntia Malagutti pela Belas Artes (2008)
>>> Dinossauros de Paul Barret pela Wmf Martins Fontes (2011)
>>> Pai rico, pai pobre de Robert Kiyosaki, Sharon Lechter pela Elsevier (2000)
>>> Italian Folktales de Italo Calvino pela Mariner Books (1980)
>>> Introdução Ao Novo Testamento de Douglas Moo, Leon Morris, D.A. Carson pela Vida Nova (1992)
COLUNAS >>> Especial Podcasts

Terça-feira, 29/8/2006
Mas afinal, o que é podcasting?
Daniela Castilho
+ de 11500 Acessos

É uma boa pergunta, não? Vamos tentar responder.

O termo podcasting apareceu pela primeira vez no dia 12 fevereiro de 2004 num artigo do jornalista Ben Hammersley, no jornal britânico The Guardian e foi cunhado com a junção de duas palavras em inglês: Broadcast, que significa transmissão e iPod, nome do player de MP3 desenvolvido pela Apple de Steve Jobs. Ou seja, originalmente, podcasting era o termo que designava o arquivo de áudio gerado em um iPod e distribuído via internet.

Posteriormente, na tentativa de desvincular o nome do iPod da Apple do "sistema de distribuição de áudio via syndication", o uso do termo podcasting foi generalizado de tal forma que ficou complicado tentar explicar o que é e o que não é podcasting. Na Wikipedia, por exemplo, a definição de podcasting deixa bem claro que o elemento principal que o diferencia de qualquer outro sistema de distribuição de áudio via internet é o fato dele ser distribuído através do syndication (XML, RSS feed) - e não que o elemento principal é o iPod. A Wikipedia assinala que qualquer arquivo de áudio distribuído via syndication é considerado podcasting - mesmo que seja conferências de empresas, áudio-aulas, cursos de línguas, relatórios de empresas. Se é áudio distribuído via RSS fees, é podcasting.

O iPod da Apple é basicamente um driver móvel que pode armazenar qualquer tipo de arquivo de computador (imagens, dados, etc) com a capacidade adicional de tocar MP3 - pode ser ligado no aparelho de som do carro, por exemplo, ou a um par de fones de ouvidos. Existem vários outros similares de outras marcas a preços muito mais convidativos que a peça de griffe da Apple.

Para fazer um podcasting você não precisa de um iPod da Apple. Você pode gravar o áudio com qualquer gravador, digital ou analógico, depois gerar o seu MP3, colocar em um servidor que gere o XML/RSS feed - existem dúzias de servidores gratuitos de podcasting pela web - e depois linkar esse XML no seu site, seu blog ou linkar em um sistema de distribuição de RSS/feed como, por exemplo, o Feedburner.

O arquivo de áudio do seu podcasting precisa estar armazenado em um servidor conectado 24 horas por dia à internet - porque o ouvinte pode decidir a qualquer momento fazer o download do arquivo de áudio - que gere o XML necessário para o feed. O podcast não é "ao vivo", é "gravado", pode ser distribuído em streaming ao invés de download, mas é necessário que o servidor onde você armazenou seu arquivo de áudio seja um servidor de streaming.

O podcasting não é exatamente uma rádio on-line - embora muita gente esteja chamando o podcasting de "rádio on-line". Uma rádio pressupõe programação, horários, transmissão 24 horas. As rádios on-line já existiam na internet muito antes da Apple inventar o iPod - ou do jornalista Ben Hammersley inventar o termo podcasting. Rádios on-line têm usado sistemas de audio streaming para poder transmitir o dia todo, podem ter sua programação gravada ou transmitir ao vivo. O mais antigo (de 1999) e mais famoso sistema para streaming de rádios on-line via internet é o Shoutcast, que foi desenvolvido pela Nullsoft, pertencente ao grupo AOL. O Shoutcast oferece software, servidor e streaming gratuitos para quem quiser criar uma rádio on-line em seu próprio computador. Os arquivos que serão servidos não precisam ser enviados para o servidor, eles são servidos diretamente do computador do "dono da rádio" para todos os ouvintes, on-line, através do servidor da Shoutcast. O dono da rádio também pode transmitir ao vivo, se tiver um microfone conectado ao seu computador. Escutar as rádios servidas pelo Shoutcast também é gratuito - basta um player que toque MP3 para ouvir as rádios, pode ser Winamp, Itunes, XMMS, Zinf.

O podcast é interessante para quem quer manter arquivos de áudio armazenados em um servidor para consultas do usuário quando quiser, mas se o objetivo do usuário for ter uma rádio on-line, o Shoutcast - ou outros servidores gratuitos de streaming, como o Peercast, criado em 2002 - são muito mais recomendáveis.

Agora que descobrimos o que é podcasting, a grande pergunta é: ele vai durar?

Provavelmente não.

Todas as vezes, nos últimos doze anos de internet, que alguma novidade tecnológica apareceu, foi alardeada como sendo "a revolução da internet" ou a "nova coqueluche da internet". Modismos à parte, fãs de tecnologia à parte, a internet em si é que é a revolução - muita gente já tentou regulamentar e "governar" a internet, mas essa rede viva prossegue ingovernável e não-regulamentável. A internet é uma fonte inesgotável de informações - também gera lixo eletrônico na mesma proporção - com uma volatilidade altíssima: um site que ontem estava no ar, hoje já desapareceu sem deixar vestígio, uma tecnologia que até hoje de manhã era "de ponta" é substituída em menos de 24 horas por outra mais eficiente ou mais barata.

A grande qualidade da internet é ter possibilitado que qualquer pessoa conectada a um modem com um mínimo de recursos de informática tenha se transformado em um ávido consumidor de informações, um editor de notícias, um produtor de arte e cultura.

O que trafega na internet é passageiro. A internet é que continua.

O podcasting é distribuído por RSS e, com certeza, uma hora outra tecnologia mais eficiente será desenvolvida. O podcasting não é tão eficiente quanto o audio streaming, consome muita banda de tráfego e exige grande capacidade de armazenagem - o audio streaming permite que se transmita ao vivo, sem precisar gravar e armazenar tudo.

Enquanto não é substituído por outra tecnologia, vamos nos divertindo com podcastings - e com autocastings, blogcastings, podcatchers, mobilecasting, narrowcastings, peercastings, vodcastings, phonecastings, skypecastings, webcastings, videocastings e streaming media. (quer a lista completa com explicações? Wikipedia!) Eu particularmente, prefiro ler a ouvir; sou mais usuária de blogcastings que streaming media, mas quando vou ouvir alguma coisa, prefiro audio streaming porque detesto fazer download, logo, fujo dos podcastings; sou mais fã de música on-line do que de programas falados de rádio, adoro os videocastings... mas aí já entramos no terreno das preferências pessoais.

Por falar em videocasting, já viram o YouTube? Parece ser a mais nova coqueluche da internet.

Nota do Editor
Daniela Castilho é designer, diretora de arte e assina o blog MadTeaParty, onde este texto foi originalmente publicado.


Daniela Castilho
São Paulo, 29/8/2006

Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2006
01. Hotmail versus Gmail: nem um, nem outro - 27/3/2006
02. Orkut, um sonho impossível? - 7/2/2006
03. Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo - 10/4/2006
04. Mas afinal, o que é podcasting? - 29/8/2006
05. A difícil arte de fazer arte - 27/10/2006


Mais Especial Podcasts
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Curso Em Milagres
Lilian Salles de Oliveira Paes
Foundation for Inner Peace
(1996)



Livro Administração A Cabeça De Steve Jobs As Lições Do Líder Da Empresa Mais Revolucionaria Do Mundo
Leander Kahney
Harpercollins Brasil
(2008)



Haitian Vodou: Spirit, Myth & Reality
Patrick Bellegarde-smith and Claudine Michel
Indiana
(2006)



Relações Assessorias e Redações
Varios
Cubic
(1999)



De volta para casa
Mary Sheldon
Record
(2003)



Correntezas da Maldade
Michael Connelly
Record
(2006)



An Analysis of Anti Money Laundering Systems in Brazil
Fernanda Emília Costa Campos
Sergio Antonio Fabris
(2010)



Onde Esta Tudo Aquilo Agora?
Fernando Gabeira
Companhia das Letras
(2012)



/Benditos Hormônios!
Dr. J. Ron Eaker
Graça
(2000)



Livro Literatura Brasileira O Negociador
Frederick Forsyth
Record
(1989)





busca | avançada
50174 visitas/dia
1,8 milhão/mês