Literatura e interatividade: os ciberpoemas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Incubus - Circles
>>> Citizen Kane
>>> Da vitrola ao microchip
>>> De onde vem a carne que você come?
>>> (Re)masterizados e (Re)mixados
>>> Um mundo além do óbvio
>>> Anarchy in the U.K.
>>> História do Ganesha
>>> A sombra de Saramago
Mais Recentes
>>> Como Cuidar do Seu Meio Ambiente de Desconhecido pela Bei (2002)
>>> Esposa 22 de Melanie Gideon pela Intrinseca (2012)
>>> Você, Líder do Seu Sucesso de Inácio Dantas pela Clube dos Autores (2018)
>>> Mundo Em Transformação de Antonio Cabral; Leonardo Coelho pela Autêntica (2006)
>>> Nós Dois na Madrugada de Sanne Munk Jensen e Ringtve pela Suma (2018)
>>> O Videogame do Rei de Ricardo Silvestrin pela Record (2009)
>>> Cinema Transcendental: um Guia de Filmes Sobre a Vida Após a Morte de Lyn, Tom Davis Genelli pela Pensamento (2014)
>>> Histórias para o Coração da Mãe de Alice Gray pela United Press (2005)
>>> Lua Nova - Formato Menor de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> O Mar de Monstros - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Dois de Rick Riordan pela Intrinseca (2009)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Estadão (1995)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro Volume 321 de Vários Autores pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Guia do Servidor Linux Edição Servidor 3 de Conectiva pela Conectiva (1999)
>>> Introdução a Teoria das Linhas de Transmissão de José Thomaz Senise pela Mauá (1979)
>>> Feijoada na Copa de Chico Anísio pela Círculo do Livro (1976)
>>> Espinhos do Tempo de Zibia Gasparetto pela Os Caminheiros (1990)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Record (1978)
>>> Catálogo Antunes 87/8 de José Manuel Antunes pela Do Autor (1988)
>>> Biologia de los Microelementos y Su Funcion de Karl H. Schutte pela Tecnos (1966)
>>> Dicionário do Antiquariato de Codex pela Codex (1968)
>>> Relais & Chateaux 2001 de Relais pela Relais (2001)
>>> Guatemala Kunst Der Maya de I. Bolz-augenstein pela Greven (1966)
>>> Julie Ou La Nouvelle Heloise de Rousseau pela Flammarion (1967)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/9/2009
Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Marcelo Spalding

+ de 11200 Acessos

Muito se tem falado sobre o fim do livro, e, por conseguinte, no fim da literatura. Mas tenho me dedicado a estudar o contrário: de que forma a literatura estará presente em outra mídia, no caso, a internet. Alguns teóricos da literatura, como Douwe Fokkema e Elrud Ibsch, em Conhecimento e Compromisso, chegam a admitir que a produção eletrônica de poesia e ficção não é impossível e "possa até levar a novos gêneros interativos", apesar de entenderem que "as novas mídias prejudicam o papel dos livros e outras formas impressas". Não por acaso os autores utilizam o termo "interativo", pois a interatividade tornou-se símbolo das possibilidades digitais já nos anos 80 e ganhou força com a evolução da World Wide Web nos anos 90.

Mas o que seria a interatividade? O que seria interativo? O computador, por sua "arquitetura sui generis", e tudo o que nele for publicado? Nesse caso, poderíamos considerar um livro publicado em PDF, digamos Dom Casmurro, de Machado de Assis, como interativo?

Diversos autores abordaram a questão da interatividade, não sem antes problematizá-la. Marco Silva, em Sala de aula interativa, busca recuperar a origem do termo, distingui-lo do termo "interação", usado na psicologia e ciências sociais, por exemplo, e apontar as duas críticas principais a que o termo esteve sujeito desde sua aparição, a polissemia e a banalização. Já Alex Primo escreve seu Interação mediada por computador "a partir de uma insatisfação com as teorias e conceitos de 'interatividade'", preferindo abordar a questão de outro modo e retomando o termo interação para distinguir entre interação mútua e reativa. Aqui iremos utilizar o termo "interatividade", ainda que ciente de sua polissemia e banalização crescentes, por ser um termo familiar nos estudos literários para se referir à interação mediada por computador em obras digitais.

Alguns romances clássicos da literatura universal podem ter antecipado a chamada multilinearidade da era digital, mas estão, naturalmente, amarrados ao seu suporte, o milenar papel. O Jogo da Amarelinha, talvez ainda o mais notável, é um romance escrito por Cortázar em 1963, e é considerado a principal obra do autor. A professora Marta Hoppe Navarro afirma que vários títulos de suas obras acentuam a tendência lúdica do notável escritor argentino, e define Rayuela ― seu título no original ― como uma obra que "revolucionou a literatura latino-americana com um romance para ser lido em saltos, de um capítulo a outro, como se fosse o jogo da amarelinha que lhe dá o título".

São algumas experiências contemporâneas de literatura on-line, porém, que têm chamado a atenção e atraído para si o termo "interativo". Uma dessas experiências é o conjunto de ciberpoemas dos gaúchos Ana Cláudia Gruszynski e Sérgio Capparelli publicados no site Ciber&Poemas. O site foi desenvolvido no ano 2000 e utiliza a linguagem Flash, software profissional que cria animações para a Web. No site há duas seções de poesias, uma com 12 poesias visuais, em que o usuário pode simplesmente ver e deixar um comentário no mural de recados, e outra com 10 ciberpoemas, em que o usuário é chamado a compor o poema arrastando ou clicando em elementos visuais dispostos na tela.

Em artigo sobre o desenvolvimento dos ciberpoemas, os autores explicam que o trabalho foi dividido em três fases. Primeiramente, "foram criados 28 poemas visuais, convergindo tecnica e esteticamente texto escrito com imagens do design, da pintura e outros tipos de desenho". Na segunda fase, oito poemas visuais foram escolhidos para serem retrabalhados hipertextualmente por diferentes profissionais, e na terceira fase foi feita uma parceria com o estúdio W3haus para o desenvolvimento do site e o planejamento de mais alguns ciberpoemas.

No referido artigo, os autores mencionam alguns ciberpoemas, como "Zigue-Zague" ― chamado pelos autores de uma "narrativa interativa", pois há uma tela em que há opções dispostas em links para o usuário escolher a sequência ― e "Chá", este último destacado no design do site como "super interativo". Segundo os autores, "as possibilidades do hipertexto na ciberpoesia vão muito além da convergência de diferentes linguagens. Elas abrem também uma janela para a interatividade, isto é, a participação do navegador no poema", e o ciberpoema "Chá" mostraria algumas dessas possibilidades, estabelecendo uma "zona de diálogo com o leitor que, se quiser apreender o poema, deverá agir e reagir e a cada ação/reação recriar um poema novo".

Vamos nos deter um pouco nesse ciberpoema, em que o usuário vê na tela do computador uma xícara de chá vazia, um bule, um saquinho de chá e três imagens (um selo com um casal de beijando, estrelas e corações), que podem ser arrastadas para dentro da xícara. Quando o usuário estiver satisfeito, clica em "Pronto", e se tiver esquecido de colocar água ou de colocar o saquinho, será avisado para fazê-lo. Depois, a colherinha move-se na tela, mexe o chá e "então tem-se surpresas inesperadas, como as sonoridades dos ingredientes para o chá ou do bule de cujo bico vertem letras". A escrita do poema está na fumaça que sai da xícara, e realmente, dependendo dos três elementos que escolhemos colocar na xícara, essa fumaça tem formas, cores, movimentos e sons diversos. O texto, porém, curiosamente permanece o mesmo: "Deixe a infusão/ o tempo necessário/ até que os nossos aromas/ e os nossos sabores/ se misturem".

É visível, em poemas como "Chá", o potencial criativo das ferramentas e mídias criadas a partir da nova tecnologia, mas parece fundamental questionarmos em que medida a interatividade de "Chá" é tão distinta daquela proposta por Cortázar há 45 anos atrás com seu Jogo da Amarelinha. Tanto em um quanto em outro o texto escrito permanecerá o mesmo independente das ações do leitor, sendo que em Cortázar ainda há uma possibilidade de quebrar a linearidade, enquanto em "Chá" o texto se apresentará em movimento mas como uma sequência linear. Afora isso, em ambos os textos a participação do leitor é incentivada mas dirigida, pois o leitor não poderá, por exemplo, criar um poema sem colocar o saquinho ou a água em "Chá", assim como não compreenderá a história de Cortázar se não seguir a numeração já previamente planejada pelo autor. Sem falar que tampouco poderá, o leitor, acrescentar novos elementos não previstos anteriormente, como outras imagens na xícara ou novos capítulos no Jogo da Amarelinha.

Dessa forma, poderíamos questionar em que medida essa interatividade propagada pelo site transforma, de fato, o leitor de um ciberpoema em um leitor participativo, em uma espécie de co-autor de um poema como "Chá". Mas num artigo como este talvez o mais importante não seja definir se "Chá" é ou não um exemplo da "literatura interativa" preconizada por Douwe Fokkema e Elrud Ibsch, e sim perceber que há um movimento importante por parte de escritores contemporâneos em utilizar as novas ferramentas de comunicação para ampliar a participação do leitor, obrigando os estudos de literatura a revisitar conceitos sobre autoria e recepção surgidos exatamente entre os teóricos da literatura.

Se por um lado os ciberpoemas aqui visitados exageram ao se definirem como "super interativos" apenas pelos cliques, sons e movimentos, por outro lado, podemos ver um poema como "Chá" em linha com o sonho de Mallarmé ou os romances de Cortázar e Calvino, exemplares das tentativas criativas de trazer o leitor para dentro da criação e buscando, se não transformá-lo num co-autor da obra, pelo menos alterar sobremaneira seu tipo de participação.

Do Jogo da Amarelinha ao jogo do "Chá", a tecnologia evoluiu a passos largos e apresenta aos autores contemporâneos novas ferramentas, novas mídias com potenciais e possibilidades que precisam ser exploradas e conhecidas com o tempo. O clicar e arrastar das imagens é ainda um passo pequeno, tímido, como ainda pequena seria a composição de versos a partir de uma análise combinatória dos elementos dispostos na xícara. Demonstram, porém, que a literatura é mais do que o objeto livro e atravessará, sim, séculos e gerações através de gêneros interativos, gêneros multimídia e/ou gêneros hipertextuais.

Nesse sentido, para terminar, não poderíamos deixar de citar duas frases emblemáticas que nos relembram a infinitude não do livro, não do homem, mas da literatura. A primeira, de Calvino: "no universo infinito da literatura sempre se abrem outros caminhos a explorar, novíssimos ou bem antigos, estilos e formas que podem mudar nossa imagem do mundo". A derradeira, de Borges: "talvez me enganem a velhice e o temor, mas suspeito que a espécie humana ― a única ― está por extinguir-se e que a Biblioteca perdurará: iluminada, solitária, infinita, perfeitamente imóvel, armada de volumes preciosos, inútil, incorruptível, secreta".


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 10/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O ladrão incendiário de Ana Elisa Ribeiro
02. A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery de Jardel Dias Cavalcanti
03. As janelas de Guilherme de Elisa Andrade Buzzo
04. O delfim, de José Cardoso Pires de Ricardo de Mattos
05. Meus Toms de Rafael Fernandes


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2009
01. Quanto custa rechear seu Currículo Lattes - 5/3/2009
02. O melhor da década na literatura brasileira: prosa - 31/12/2009
03. Literatura para quê? - 17/12/2009
04. Literatura e interatividade: os ciberpoemas - 10/9/2009
05. Era uma vez o conto de fadas - 2/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempo de Espera - Autografado
Oseas Araújo
Oficina Ed
(2005)



100 Magias Para Guardar Segredos
Editora Edelbra
Eldebra
(2002)



Introdução á Sociologia-ensino Médio-volume único
Pérsio Santos de Oliveira
ática
(2009)



Os Anjinhos Inspiram a Sua Vida - 2ª Edição
Marlis Salzmann
Pensamento
(2006)



Ações Tipicamente Constitucionais e a Liminar
Antonio Moura Borges
Edijur
(2008)



Qual É a Cor do Amor
Patrícia Senna e Emerson Pontes
Prazer de Ler
(2011)



Ovni as Forças Armadas Falam
Jean-claude Bourret
Difel
(1980)



Direito Internacional Leituras
Cláudio Finkelstein
Atlas
(2007)



Papel
Alda
Ibep Nacional
(2005)



O Guarani
José de Alencar
Ática
(2004)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês