Era uma vez o conto de fadas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
>>> Releitura de Ian Soffredini, O Pequeno Príncipe faz sessões em Santos
>>> 4º Edição Point BlackCultural
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Lendo no Kindle
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> O do contra
>>> Tecnologia de Minority Report
>>> Filipe II da Espanha: homem e rei
Mais Recentes
>>> O Primo Basílio de Eça de Queirós pela Klick (1997)
>>> The World of the First Australians de R. M ; C. H Berndt pela Lansdowne press (1977)
>>> O Guardião da Sétima Passagem: A Porteira Luminosa de Rubens Saraceni pela Madras (2018)
>>> Eleanor & Park de Rainbow Rowell pela Novo Seculo (2019)
>>> Pedagogia Crítica Uma metodologia na construção do conhecimento de Maria rosa cavalheiro marafon pela Vozes (2001)
>>> Edgar Cayce On Atlantis de Edgay Evans Cayce pela Greenhouse Publications (1989)
>>> Actas e Actos do Governo Provisório de Dunshee de Abranches pela Memória Federal (1998)
>>> Currículo: Teoria e História de Ivor F. GOodson pela Vozes (1995)
>>> O amor nos tempos do cólera de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> A Arte do Johrei - Ensinamentos Meishu Sama de Johrei no waza pela Luxriens (2000)
>>> O segredo de Jasper Jones de Craig Silvey pela Intrínseca (2012)
>>> A Família Moskat de Isaac Bashevis Singer pela Francisco Alves (1982)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Sir Lancelote, Onde Esta Voce? de Kate Mcmullan pela Rocco (2006)
>>> O começo de tudo de Robyn Schneider pela Novo Conceito (2014)
>>> Livro Infantil? Projeto Gráfico Metodologia e Subjetividade de Guto Lins pela Rosari (2002)
>>> Ame e Dê Vexame de Roberto Freire pela Master Pop (2013)
>>> We - a Chave da Psicologia do Amor Romântico de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> A Economia das Crises de Nouriel Roubini e Stephen Mihm pela Intrínseca (2010)
>>> A Mala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Contos Folclóricos Brasileiros de Marco Haurélio; Mauricio Negro pela Paulus (2010)
>>> Geometria Analítica de Reis pela LTC (1996)
>>> Dropz de Rita Lee pela Globo (2017)
>>> O que Precisamos Saber Sobre Liderança? de James Kouzes^Barry Posner pela Elsevier (2011)
>>> A Meta: Um processo de melhoria contínua Ano 2013 de Eliyahu M. Goldratt ; Jeff Cox pela Nobel (2002)
COLUNAS

Quinta-feira, 2/4/2009
Era uma vez o conto de fadas
Marcelo Spalding

+ de 11600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Era uma vez o conto de fadas, textos puros e ingênuos de fundamental importância para a formação dos valores infantis num tempo em que as crianças obedeciam mais, ouviam mais, eram, enfim, mais crianças.

Como é tentador começar o texto assim, mas seria ridículo! Ou, pelo menos, tão ingênuo e superficial quanto a versão que nossa geração ouviu dos contos de fadas. Porque se por um lado é verdade que os contos de fadas leves e bem desenhados da Disney marcaram nossa infância, também é verdade que na sua origem tais contos divertiam homens, mulheres e crianças ao redor de uma fogueira, falando de lobos e princesas, amor e morte. Isso num tempo em que sequer existia infância, e a literatura era transmitida oralmente.

Centenas de anos depois, tais histórias não perderam sua força nem popularidade, e são fonte de inspiração constante para escritores infanto-juvenis (figura inexistente até bem pouco tempo) e até para contistas experimentados, como a escritora Lívia Garcia-Roza. Em Era outra vez (Companhia das Letras, 2009, 88 págs.), seu mais recente livro de contos, Lívia revisita as narrativas infantis a partir de abordagens contemporâneas, atualizando conflitos e personagens num mundo sem tanto espaço para a imaginação ― nem tempo para magias.

A ideia não é original. Nós mesmos, aqui em Porto Alegre, através do Grupo Casa Verde, publicamos uma antologia de contos em 2006 intitulada Era uma vez em Porto Alegre, com proposta bem semelhante. Assim como decerto outros o fizeram em outros lugares. Mas o importante, afinal, não é a originalidade, e sim a abordagem que se faz desse tipo de história. Como sabemos, histórias como Cinderela e Branca de Neve remontam à Idade Média, e talvez ficassem restritas ao folclore europeu não fosse o grande esforço de compilação feito no século XVIII, especialmente pelos Irmãos Grimm. Reunidos em livros, os contos atravessaram o século e chegaram nas mãos de Walt Disney, que aproveitou o núcleo central das narrativas para desenvolver belas histórias de amor ao gosto de meninos e meninas que não passavam frio no inverno nem precisavam trabalhar em campos ou minas.

É esse tipo de história que ficou conhecida como "conto de fadas", ainda que haja mais a presença de animais do que propriamente de fadas, e que hoje repetimos a exaustão para relembrar ou recriar. No caso de Lívia, uma recriação não apenas temática, como também estética.

Partindo das personagens e dos temas das narrativas tradicionais, a autora constrói um conto moderno com todas as suas exigências (unidade de ação, intensidade, tensão, efeito, subtexto), confrontando a própria realidade ao mundo mágico das fadas, como em "A cigarra e a formiga" ou "A pequena sereia". Ali a fábula ou a história infantil são apenas pretexto para um belíssimo conto sobre o egoísmo dos pais, o abandono afetivo das crianças e sua incrível capacidade de inventar a vida ao redor, descobrindo risos e brincadeiras onde o leitor sentirá angústia e opressão (exemplar nesse sentido é o romance Extremamente alto e Incrivelmente perto, de Jonathan Safran Foer).

Em alguns contos, como em "Pequena Sereia", o clássico narrador dos contos de fada, em terceira pessoa, dá lugar para os leitores das histórias infantis, as crianças. E essa voz infantil, de uma criança madura, nada ingênua mas aberta à fantasia, é uma das mais fortes no livro, capaz de nos remeter de volta à própria infância e nos fazer questionar se os contos de fadas não estariam se acabando mais por nossa falta de tempo e imaginação do que pelas crianças do mundo de hoje.

"No caminho de volta pra casa, a sereia contou que era filha do Comandante dos Sete Mares (Sete Mares?). Quase perguntei onde eles ficavam, mas ela podia achar que eu não sabia, então eu não disse nada. Quis perguntar a mamãe se ela conhecia o Comandante, e ela disse que estávamos atravessando a rua e era para eu prestar atenção, não era hora de conversa. Olhei então para a sereinha, só que ela não me viu, porque estava no fundo do balde. Devia estar dormindo, com febre, por causa do resfriado. Mamãe puxou minha mão dizendo que ainda estávamos em pleno perigo, e eu totalmente desligada. Tentei de novo conversar com ela, mas mamãe nunca acha que é hora de conversa, nem ela nem meu pai, e meu irmão não diz nada, dá um chute na bola e quebra uma vidraça e mamãe pergunta se foi de propósito, então ele ri e sai de perto. Aí ela liga pro meu pai do celular e diz que meu irmão voltou a quebrar um vidro, e depois desliga, porque acho que papai também não quer conversa." (em "A pequena sereia")

Ou:

"Antes de eu sair outra vez, mamãe apareceu na porta do quarto e mandou eu jogar o gato fora, de preferência em frente à casa do meu pai, que ficava distante da nossa. (...) Quando minha mãe deu as costas, escutei o gato dizer que ia pular em cima dela. Encarei-o porque, apesar de cruel, ela é minha mãe desde o início." (em "O gato de botas")

Verdade que a criança solicitante e manhosa está presente em alguns contos, como em "Os três porquinhos" ou "A bruxa". "A bruxa", por exemplo, é um diálogo entre mãe e filha, com algumas intromissões furiosas do pai. A filha não consegue dormir por causa de determinada bruxa, e a mãe já tem dificuldades de se manter acordada durante o dia, levando o irritadiço pai a soluções extremas. De macho. E nos fazendo pensar quem ali, afinal, é a bruxa...

Em outros contos temos algumas inversões um tanto previsíveis, como um Lobo Mau que quer tirar satisfação daqueles que o tornaram vilão de suas histórias ou um espelho que se rebela contra a madrasta. Mas, de modo geral, a heterogeneidade do conjunto faz jus à riqueza dos contos de fadas, fonte inesgotável ainda hoje, num tempo de Shrek, Bob Esponja e Pokémon, num tempo de pais ocupados, avós viajantes e irmãos individualistas.

Sem contar que a leitura de um livro desses é sempre agradável, basta o conto mencionar um Lobo Mau para temermos pelas menininhas, lembrar Os Três Porquinhos para pensarmos na nossa casa de tijolos, citar os sete anões para ouvirmos, lá no cantinho do nosso passado, "eu vou, eu vou, para casa agora eu vou"...

Nota do Editor
Leia também "O casal 2000 da literatura brasileira".

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 2/4/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann de Jardel Dias Cavalcanti
02. Quem vem lá? de Renato Alessandro dos Santos
03. Dez pessoas para se seguir de Jardel Dias Cavalcanti
04. Meu assassino de Guilherme Pontes Coelho
05. Siga em frente, não siga ninguém de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2009
01. Quanto custa rechear seu Currículo Lattes - 5/3/2009
02. O melhor da década na literatura brasileira: prosa - 31/12/2009
03. Literatura para quê? - 17/12/2009
04. Literatura e interatividade: os ciberpoemas - 10/9/2009
05. Era uma vez o conto de fadas - 2/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/4/2009
09h30min
Marcelo, fiquei muito feliz em abrir o Digestivo e encontrar o artigo sobre "Era outra vez". Sou um pouco suspeita, pois adoro a literatura produzida pela Lívia. A voz dessa incrível escritora pode ser ouvida com a máxima força em todos os seus livros. E com que suavidade nos conduz! Ela aborda todos os tipos de relação, com seu toque de humor tão peculiar, sem perder a mão em suas frases inteligentes. E é nessa coletânea, aparentemente simples pelo título, sobre temas que remetem à literatura juvenil, que ela nos entrega uma prosa de primeira grandeza, para todos nós, eternas crianças, que deveríamos continuar a ser. O conto da Pequena Sereia é um primor, até sua última frase, que o encerra de forma muito especial. E para quem ainda não teve contato com a prosa de Lívia Garcia-Roza, indico também três romances fortes e marcantes: "Milamor", "Meu marido" e "Meus queridos estranhos". E "A cara da mãe", para quem quiser ler mais contos.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
2/4/2009
21h21min
Olá, Marcelo. Um belo trabalho de interpretação de uma obra que realmente merece a atenção do leitor. Livro de claros e escuros, que merece ser interpretado também a partir do diagnóstico vivo das lacunas que deixamos no nosso rumo a maturidade. É peça importante para a percepção e crítica do que pensamos ter preenchido no crescimento, mas que de alguma forma estará sempre faltando. Além do seu trabalho sempre agudo e amadurecido, tenho que registrar minha admiração pelo conjunto dos comentários da Ana Cristina Melo, que mulher admirável temos aqui!
[Leia outros Comentários de Domingos de Souza]
6/4/2009
08h04min
A visão da autora tem como tema recorrente no livro a constante idéia de esfacelamento não da autoridade dos pais, mas de ausência de laços familiares. Mas não é a vitória do individualismo, é a ausência de alternaativa senão no coletivo. O Grande Irmão venceu. O que não se esperava claramente é que pessoas iriam querer isso. Queremos câmaras nas ruas, nos shoppings, em condomínios etc. Queremos TVs ligadas 24 horas para "educar" filhos, que mandam nos pais e no consumo, pois ambos trabalham fora; e/ou quando se volta da trabalho, melhor deixar a TV ligada, ou a internet, afinal a escola educa, ou não?
[Leia outros Comentários de Jarbas Machioni]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Força do Carisma - Como Encantar as Pessoas e Se Destacar... 2ª Ed.
Frank Naumann
Lafonte
(2017)



Educação e Autoritarismo no Estado Novo
Célio da Cunha
cortez
(1981)



I Ching O Livro das Mutações
Richard Wilhelm
pensamento



Os Amores - Confira !!!
Bocage / Capa Dura
Nova Cultural
(1982)



O Peregrino do Amor
Roger Housden
ediouro
(2003)



Bravos Candangos
Conceição Freitas
Do Autor
(2018)



Iniciação à Escrita Mágica Divina
Rubens Saraceni
Madras



Resumo de Direito Administrativo - Descomplicado
Marcelo Alexandrino - Vicente Paulo
Gen - Método
(2014)



A Toalha Vermelha -
Fernando Vilela
Brinque Book
(2007)



Mensalão
Merval Pereira
Record
(2013)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês