Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 40
>>> Assim rasteja a humanidade
>>> Mário Faustino
>>> A dança das imagens de Murilo
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Leia de ouvido
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Walter Burkert (1931-2015)
>>> Os quadrinhos e o castelo do Graal
Mais Recentes
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
>>> O Vendedor de Sonhos - O Chamado de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Indulgência de Francisco Cândido Xavier pela Ide (1989)
>>> Liga da Justiça : A Guerra do Demônio Parte 1 e 2 de Alan Grant pela Mythos (2003)
>>> O Fiel da Balança de Taylor Caldwell pela Globo
>>> Júlia Especial vol. 10: O caso do detetive Baxter de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Vida e Sexo de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1970)
>>> Júlia Especial vol. 09: O caso do ônibus fantasma de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Júlia Especial vol. 07: O caso dos grafites apagados de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> O Sexo No Casamento de Regina Navarro Lins; Flávio Braga pela Best Seller (2006)
>>> Júlia Especial vol. 06: O caso da Rua Magnólia de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Batman - Guardião de Hollywood - Ed. Especial de DC Comics pela Mythos (2002)
>>> A Vida em Família de Rodolfo Calligaris pela Ide (1980)
>>> Dinho e Suas Finanças de David F. Hastings pela Fgv (2015)
>>> Hoje é Dia de Maria - Coletânea de Fotos da 1ª e 2ª Jornadas de Luis Alberto de Abreu, Luiz Fernando Carvalho pela Globo (2006)
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Segunda-feira, 10/4/2006
Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo
Daniela Castilho
+ de 12100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Eu imagino que deve ter muito mais gente por aí, talvez lendo isso aqui agora mesmo, que tenha sido aluno do professor Aguinaldo. O professor deu aula de Literatura no colégio Equipe e na Universidade Mackenzie, durante a década de 80. Eu tinha uns quinze anos quando comecei a ter aulas com ele no colégio.

Assistir às aulas do professor Aguinaldo era um universo à parte. Até hoje, vejo as pessoas falarem de literatura como se fosse alguma coisa árida, mítica, encriptada ou sabe-se lá o que mais. Para mim, desde pequena, sempre foi encantamento. Com as aulas do professor Aguinaldo, então, magia, pura magia.

Então tinha aquele sujeito, o Guimarães Rosa e seus livros. Eu já tinha lido sofridamente um tal de José de Alencar que me entediava à beira das lágrimas. Tinha sofrido horrores nas mãos de um português chamado Camões que tinha escrito uns Lusíadas do qual só lembro "das armas e dos barões assinalados"... era isso mesmo? Meu mundo se dividia em duas literaturas - as que meu pai me dava para ler, que incluíam Monteiro Lobato, Julio Verne, Lewis Carrol e Albert Camus, e que eu amava, amava - e aquelas coisas insuportavelmente chatas que professores de mau humor mandavam ler e que todo mundo lia porque ia cair no vestibular e tinha que lembra que "as armas e os barões assassinados" era de um tal de Camões - ou nem era?

Guimarães Rosa, não. Guimarães Rosa era outra coisa muito diferente. Primeiras Estórias. O professor Aguinaldo pediu-nos que comprássemos o livro e que não lêssemos. Ainda, não. Primeiro, ele sacou uma edição pequena e já bem usada de sua pasta surrada de falso couro marrom que fechava com um fecho de metal - rapaz, o que tinha de coisa especial naquela pasta - folheou o livreto, arrumou os óculos redondos de aro no nariz e falou - eloqüentemente, como era seu modo de ser - de como Guimarães Rosa era um sujeito que tinha nascido no meio do sertão das Minas Gerais - que, claro, nenhum de nós conhecia, crianças de cidade. Fui ver uma vaca pela primeira vez aos vinte e dois anos de idade, já formada em Artes Plásticas e dando aulas de artes numa escola tombada pelo Patrimônio Histórico no interior do estado de São Paulo, as vacas pastando no horizonte de aquarela, capim verde, céu azul, meus alunos de seis anos me explicando que vaca usa brinco, dona, que é pra identificar. Mas, então, o Guimarães, o sertão.

O professor Aguinaldo abriu o livro amassado, folheou, secou o suor da testa, começou a contar como tinha conhecido Guimarães e como era o sertão do Guimarães, ficou folheando, folheando - disse algo como "ah, vamos ver isso" - e leu:

"Foi de incerta feita - o evento. Quem pode esperar coisa tão sem pés nem cabeça?"

E parou. "Não, não é isso que eu quero ler" - disse, continuando a folhear o livrinho pardacento e amassado. "Ah, é isso".

Novamente, arruma os óculos, comenta que está calor e ameaça começar a ler. Fecha o livro. A classe ri. O professor olha para nós com seriedade. "Não, eu não vou ler, eu vou contar" - e começa a contar a história de como uma moça filha de mãe leviana foi abandonada pela família e é entonce acolhida em uma fazenda de polvilho. O polvilho, como sabemos, é farinha de mandioca crua, curada, branco, branco. O trabalho da moça, muito agradecida pela acolhida em sua má fortuna, é quebrar mandioca para fazer a farinha do polvilho. O calor grassa. O trabalho é duro. O professor transpira. A classe escuta em silêncio. A mandioca branca, moída e sovada pelas mãos nuas da moça se torna um caldo branco de grude, mandioca brava, as pessoas todas reunidas em suas roupas de algodão branco, sovando aquela mandioca que um dia vai virar farinha, mas que por enquanto é caldo grude branco que cola na mão, na roupa, no cabelo, cobrindo tudo de um branco de cal. A moça é triste, socando a mandioca. A moça sonha com coisas que não sabe se vai ter, se vai esperançar, porque é pobre e é triste, apesar de moça. A goma da mandioca, o polvilho branco porque a polpa da mandioca é branca, reverbera no sol. As pessoas cobertas de polvilho reverberam no sol. Transpiram como o professor Aguinaldo. E então, uma tarde quente e branca de polvilho, aparece o moço dono da fazenda no seu cavalo, no meio daquela brancura toda, reluzindo sol, um moço bonito de sorriso branco e dá de cara com aquela moça pobre coberta de branco e se apaixona. Um moço príncipe de cavalo para amar aquela moça pobre que tem tantos sonhos. A classe toda silenciosa escutando. O professor Aguinaldo ri, seca o suor da testa com o lenço branco, ajeita o óculos, olha para seus sapatos, pára e fala:

"Nossa, eu vim com uma meia de cada cor!" A classe ri. O professor ri, pega o livro outra vez. Seca o suor da testa com o lenço branco.

"Sou doido? Não. Na nossa casa, a palavra doido não se falava, nunca mais se falou, os anos todos, não se condenava ninguém de doido. Ninguém é doido. Ou, então, todos. Só fiz, que fui lá. Com um lenço, para o aceno ser mais."

O sinal do final da aula toca, o professor fecha o livro, coloca na pasta amarrotada, pede pra gente ler para dali a duas semanas. Imagine, lemos para o dia seguinte, na urgência desesperada da curiosidade de quinze anos de saber mais do polvilho, do famigerado polvilho, a moça, o moço, o cavalo, o sertão.

Eu amo Guimarães Rosa, sempre vou amar, por causa do professor Aguinaldo e aquele seu jeito de mostrar o que as literaturas têm de especial. Bons tempos, professor, bons tempos.


Daniela Castilho
São Paulo, 10/4/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os sons do 22 de Patrícia Chmielewski
02. Parque de Diversão Brasil de Daniel Bushatsky
03. 2009 e minhas leituras de Rafael Fernandes
04. O ensaísta Machado de Assis de Celso A. Uequed Pitol
05. Mário Faustino e a poesia de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2006
01. Hotmail versus Gmail: nem um, nem outro - 27/3/2006
02. Orkut, um sonho impossível? - 7/2/2006
03. Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo - 10/4/2006
04. Mas afinal, o que é podcasting? - 29/8/2006
05. A difícil arte de fazer arte - 27/10/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/4/2006
11h33min
Olá, Daniela, fui aluna do Agnaldo no Equipe, lá no meio dos anos setenta; era meu professor predileto e entendi que além de jornalismo eu teria que fazer literatura; ele gostava do que eu escrevia e eu gostava, adorava suas aulas. Ele não gostava da cor amarela; ele chamava as pessoas pelo nome que ele achava que elas tinham a cara de tal nome. Ele disse a letra do parabéns a você para o Fernando Pessoa no dia de seu aniversário... veja só, não é o máximo? Essa do Guima eu não sabia, e adorei! Só ele mesmo, né? Que bom que foi aluna dele e viveu parte do que vivi, belas experiências. O Agnaldo é um verdadeiro educador, não acha? Abraço! Isa
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
23/6/2007
11h08min
Ah, minha querida Daniela! Posso te chamar assim? Vou me dar esse luxo porque somos irmãos em Agnaldo. Ele foi meu orientador na Pós-graduação da UNESP de Rio Preto. Esperei anos por ele. Eu o queria, queria me parecer com ele (quando eu crescesse). Não consegui. Mas não posso desistir, hoje eu também sou professor de literatura aqui no interior de São Paulo, em Fernandópolis. Mas não posso dizer que sou, pois vivo de imitá-lo com meus parcos instrumentos. Há tempos não o vejo. Tenho muita saudade dele. Iremos um dia em Buritama e o veremos de novo. Foi muito bom ler o seu depoimento sobre ele.
[Leia outros Comentários de Paulo Custódio]
4/3/2011
16h09min
Que delícia alguém falar do Professor Agnaldo... Que saudades! Fui aluna dele na Universidade Mackenzie década de 80. Meu Deus... é inesquecível! Aonde ele anda, alguém sabe???
[Leia outros Comentários de Fattima Lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro de Bolso Literatura Brasileira 111 Ais
Dalton Trevisan
L&pm Pocket
(2000)



Esta é uma História de Amor
Jessica Thompson
Novo Conceito
(2014)



Livro Religião Maçonaria Do Outro Lado da Luz
William Schnoebelen
Luz e Vida
(1997)



O governo Kubitschek
Maria Victoria de Mesquita Benevides
Paz e Terra
(1976)



De Repente
Barbara Delinsky
Bertrand Brasil
(2003)



A Conquista da Felicidade
Bertrand Russell
Nova Fronteira
(2015)



Steam Lifeboats
Nicholas Leach
Foxglove
(2023)



O Melhor do Cortella
Mario Sergio Cortella
Planeta
(2018)



Paulo e Estêvão Para Jovens Leitores
Adeilson Salles
Feb
(2012)



Afrodite - Romance de Costumes Antigos
Pierre Louys
Ediouro
(1991)





busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês