A difícil arte de fazer arte | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> A Flor - uma História para Adultos Que Só Criança Acredita de Sergio Motti Trombelli pela Rge (2012)
>>> Revista Conteúdo Psi - Volume I, N. 2 de Conteudo psi pela Conteudo psi (2019)
>>> O Corpo Em Que Nasci de Guadalupe Nettel pela Rocco (2013)
>>> Japão Estende Seus Tentáculos pelo Pacífico de Abril Coleçoes pela Abril (2009)
>>> Desabandono de Ricardo Josua; Ricardo Josua pela Tordesilhas (2013)
>>> Tristessa de Jack Kerouac pela L&pm Pocket (2018)
>>> Dicionário Brasileiro - Espanhol- Português de Vários Colaboradores pela Oficina de Textos (1997)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus Elsevier (2005)
>>> Letramento Corporal - Atividades Físicas e Esportivas... de Margaret Whitehead pela Penso (2019)
>>> Filhos Autonomos, Filhos Felizes de Cris Poli pela Gente
>>> Spectrum workbook 6 de David P. Rein pela Prentice Hall (1994)
>>> A Dieta de South Beach de Arthur Agatston pela Sextante (2003)
>>> Es Negocio Nivel 1 - Cuaderno Recursos y Ejercicios - Com Cd de Varios Autores pela Espasa (2003)
>>> A Teoria de Tudo de Jane Hawking; Sandra M Dolinsky; Julio de A. Filho pela Unica (2014)
>>> Mãe de Primeira Viagem de Vanessa Dwek pela Giostri (2012)
>>> Sherlock Holmes - Estudo Vermelho de Arthur Conan Doyle pela Genios
>>> O Código da Inteligência de Augusto Cury pela Ediouro Sinergia (2008)
>>> O Céu e o Fundo do Mar de Fernando Bonassi pela Geração Editorial (1999)
>>> Unidos em Favor da Paz de Ernesto Olivero pela Loyola (1991)
>>> O Sertanejo de José de Alencar pela Edigraf
>>> Fisiologia Renal de Gerhard Malnic pela Epu (1983)
>>> Os Pensadores - Santo Agostinho de José Américo Motta pela Nova Cultural (1999)
>>> Os Patriotas de James Barlow pela Livros do Brasil
>>> Fábulas de La Fontaine Com Tradução de Caroline Kazue Furukawa de Jean de La Fontaine pela Madras (2004)
>>> Os Labirintos da Tradução de Sabine Gorovitz pela Unb (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/10/2006
A difícil arte de fazer arte
Daniela Castilho

+ de 8400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu mantenho um trabalho artístico desde 1996 em paralelo com as minhas atividades profissionais - na verdade, enquanto escrevo essa frase sou tomada por uma dúvida: quais são as minhas atividades profissionais? A impressão que tenho, em meio a quase dezoito anos de carreira é que tudo é paralelo a tudo. Na dura caminhada de trabalhar com produto artístico - se é que essa é uma boa definição - já fiz design gráfico, já trabalhei com livro e revista, já fiz cinema, vídeo, multimídia, internet. Falando nisso, quem não é multimídia hoje? Somos todos multi-utilidades, multimeios, multi-artistas.

Desde 1996, mantenho minhas artes online. Apesar de não ganhar dinheiro e vender muito pouco online, ao menos a minha arte está sendo vista - a internet me trouxe uma visibilidade que eu não sabia onde buscar. As galerias e escritórios de arte são praticamente inacessíveis para quem não tem dinheiro ou quem indique. O mercado da arte é um mercado fechado, que não se interessa por novidades, totalmente mercantilista.

Em 2005, graças à exposição na internet, eu fui convidada para participar da Bienal de Florença. O que eu mais precisava, na época do convite, era de orientação. Entrei no site da Bienal, li tudo que encontrei, vi as referências, o quem é quem. O júri contava com pessoas do Museu de Arte Latino Americana, do MAC (Museu de Arte Contemporânea) de São Paulo, entre outros museus. Parece-me uma Bienal válida, verdadeira, sólida. Entretanto, quando fui em busca de informações básicas - nunca expus em um evento desses, não tenho dinheiro para participar, não sei como ir, preciso de patrocínio, o que faço? - com pessoas do mercado de arte e possíveis patrocinadores aqui no Brasil, além de uma coleção de negativas - ninguém está interessado em uma artista que é totalmente inédita a não ser na internet -, escutei comentários cínicos do tipo "se você tem que pagar pra ir e eles não te pagam pra ir, essa Bienal não vale nada" ou "isso não é Bienal, é feirinha de arte".

Pode ser, mas então como expor no mundo real? Isso ninguém me diz.

Fui convidada novamente para participar da edição da Bienal de Florença de 2007 e adivinhem? Eu ainda não consegui informações que realmente me ajudem a participar, não tenho dinheiro para ir e não descobri se a Bienal de Florença é séria ou uma "feirinha de arte". Fica, por enquanto, a alegria de ter a minha arte reconhecida em algum lugar que parece ser "oficial".

Para o artista, expor seu trabalho é fundamental. É o início de tudo. É o objetivo de tudo. Arte é para ser vista. Entretanto, mesmo com a internet, a maioria dos artistas, especialmente os iniciantes, é invisível. Ninguém do mundo "oficial" se interessa por eles.

Uma grande amiga minha está trabalhando na Bienal São Paulo, a maior Bienal oficial que acontece no Brasil e uma das maiores bienais oficiais do mundo. Ela está correndo como em uma maratona, produzindo catálogos, verificando materiais necessários às exposições, organizando a montagem.

Graças a ela, fiz a diagramação do livro de contos/catálogo da artista baiana Virginia de Medeiros com edição limitada impressa pelo Eloísa Cartonera, projeto artístico, social e comunitário criado por um grupo de argentinos, que já publicou obras inéditas ou esgotadas de autores como Ricardo Piglia, Gonzalo Millán, e Enrique Linh. Talvez esse seja o único espaço que eu vá ter na vida em uma Bienal Oficial, quem sabe?

No Brasil, a arte, como o cinema, ainda é coisa pra ricos, os pobres ficam de fora.

Mas nem tudo está perdido, porque eu vou participar da Bienal Paralela da Xiclet. Enquanto a Bienal Oficial de São Paulo tem como tema "Como viver junto" (junto com quem?), a Bienal da Xiclet tem como tema "Como viver longe" e como sempre, é "sem-curadoria, sem-seleção, sem-juros, sem-jabá, sem-entrada e sem-patrocinador".

A abertura oficial da Bienal da Casa da Xiclet foi no dia 07 de outubro - com arte underground, popular e inédita de muitos artistas que nunca tiveram espaço, com cerveja, animação, agito, gente, tudo ali na Vila Madalena, aos pés de uma favela e próximo de diversas grandes produtoras cinematográficas. Xiclet sabe como viver junto com pobres e ricos, artistas inéditos e consagrados - alguns dos artistas que expuseram em sua bienal não-oficial são mundialmente reconhecidos, como Stuart Temple, jovem inglês muito badalado no mundo da moda.

Xiclet começou suas bienais em 2002 com o tema "Quero ser Nelson Leirner", com a participação de 40 artistas. O próprio Nelson apareceu por lá e levou alguns trabalhos para casa. Em 2004, Xiclet promoveu a "Bienal de C. é Rola", com a participação de 20 artistas. Em 2005 Xiclet promoveu uma exposição chamada "Quero ser Amigo(a) da Lisette", fazendo uma provocação à curadora da bienal-oficial de São Paulo, que apareceu para conferir. Ainda nesse ano, promoveu a Bienal MERcuSUL - numa paródia ao imenso mercado de arte do Mercosul. Sempre provocando o mercado "oficial" de arte, promoveu esse ano a "Feira 'Marginal' SP" para incluir artistas que foram rejeitados pela Feira de Arte oficial da cidade.

A Casa da Xiclet continua a ser o espaço mais democrático, mais livre e mais cultural da arte de São Paulo e já conta com "extensões": a Casa do Giuliano, Casa do Jailtão, a Let's Xic e a Galeria Favo. É nesses endereços todos, da Vila Madalena a São Mateus, que acontece a Bienal Paralela.

Nota do Editor
Daniela Castilho é designer, diretora de arte e assina o blog MadTeaParty, onde este texto foi originalmente publicado.


Daniela Castilho
São Paulo, 27/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ad Usum Juventutis de Ricardo de Mattos
02. Uma outra visão do jornalismo de Fabio Silvestre Cardoso
03. Qual é o seu departamento? de Elisa Andrade Buzzo
04. Um grande sarau na região de Campos do Jordão de Tatiana Cavalcanti
05. Strindberg e o inferno de todos nós de Guilherme Conte


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2006
01. Hotmail versus Gmail: nem um, nem outro - 27/3/2006
02. Orkut, um sonho impossível? - 7/2/2006
03. Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo - 10/4/2006
04. Mas afinal, o que é podcasting? - 29/8/2006
05. A difícil arte de fazer arte - 27/10/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/11/2006
21h55min
Você deve ser de um mundo paralelo...
[Leia outros Comentários de Claus]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comentários ao Novo Código Civil
Rodrigo da Cunha Pereira
Gen Forense
(2013)



Matematica Integrada 1 Grau
Wenceslau Carlos Galvão e José Carlos Pereira
Polar



A sucessão no vaticano
Wellington miareli mesquita
Landscape
(2007)



Mensagens de Maria para o Mundo
Annie Kirkwood
Record
(1995)



Assassins Creed - Renascença -
Oliver Bowden
Galera Record
(2014)



Ensaio sobre o trágico
Peter Szondi
Jorge zahar
(2004)



O Chamado da Floresta
Jack London
L&pm Pocket
(2020)



St. Pauls. The cathedral guide
Sem autor aparente
Pitkin pictorial guides
(1983)



O Cozinheiro Cientista
Diego Golombek - Pablo Schwarzbaum
Civilização Brasileira
(2021)



Abri Minha Agência, e Agora?
Antônio Lino Pinto
Dash
(2013)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês