A poesia de Carol Sanches | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alfredenses são receptivos, afirma turista
>>> Por um trânsito mais humano, artistas pintam os muros de escolas públicas em Embu das Artes
>>> PAULUS Editora lança a obra clássica 'A Revolução dos Bichos', de George Orwell
>>> Tik lança EP autoral que transita entre rock, jazz e indie
>>> CASA MUSEU EVA KLABIN RELEMBRA A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 EM FESTIVAL NO MÊS DE MAIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia e papo furado
>>> Saints and Sinners
>>> Memorial de Berlim
>>> Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma relação orgânica com a rede
>>> BBB e Narciso
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Apesar de vocês
>>> Bloom sobre Shakespeare
Mais Recentes
>>> Moderna Plus Biologia 2 Parte I de Amabis Martho pela Moderna (2009)
>>> Bio - Volume único + Testes de Vestibulares e Enem de Sonia Lopes pela Saraiva (2013)
>>> A Conquista da Matemática - 7º Ano - Sebo Tradição de Giovanni; Giovanni Jr.; Castrucci pela Ftd (2012)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Estratégia de Empresas de David Menezes Lobato pela Fgv (2009)
>>> Dead Lagoon de Michael Dibdin pela Faber and Faber (1994)
>>> Tristão e Isolda de Cecília Casas pela Ediouro (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day pela Best Seller (2012)
>>> O Exame Final de Julio Cartázar pela Civilização Brasileira (1996)
>>> Suicídio Político / Eleanor & Abel / Vínculos de Sangue / Jornada... de Michael Palmer e Outros pela Readers Digest (2015)
>>> A Educação Física e Recreação para o Pré - Escolar de Nilce V Machado pela Do Autor (1985)
>>> Abz do Rock Brasileiro de Marcelo Dolabela pela Estrela do Sul (1987)
>>> Duzinha 3 Edição de Clotilde Chaparro Rocha pela Coleção Itiquira (2010)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> Às Portas da Noite de Dalva Agne Lynch pela Blocos (2003)
>>> O Poder da Amizade de Tom Rath pela Sextante (2007)
>>> The Glam Decor de Formaplas pela Dnp (2010)
>>> Sentimeento do Mundo de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Visão do Paraíso de Sergio Buarque de Holanda pela Publifolha
>>> The Razors Edge de W. Somerset Maugham pela Penguin Books (1963)
>>> O Corpo Tem Suas Razões de Thérèse Bertherat Carol Bernstein pela Martins Fontes (2001)
>>> O que é Racismo de Joel Rufino dos Santos pela Brasiliense (1980)
>>> Garotas da rua Beacon - Cidade Fantasma de Annie Bryant pela Fundamento (2011)
>>> World Class Combo Split 2A with CD-ROM de Nancy Douglas, James R. Morgan pela National Geographic (2012)
>>> Sol da Liberdade de íris Paula Rocha pela Boa Nova (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 12/5/2020
A poesia de Carol Sanches
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2500 Acessos



A poeta Carol Sanches lançou em 2019 o livro de poesias Não me espere para jantar, publicado pela editora Patuá. O livro é composto de 50 poemas, divididos em 5 séries, denominadas, na seguinte ordem, “o ipê lá de casa”, “um ovário a menos”, yo soy el arma de fuego”, “do tempo do lambari” e “dois minutos".

O nome de um livro de poesia pode servir de chave interpretativa para o conjunto dos poemas que ele possuiu. Creio que o livro de Carol Sanches se encaixe nessa categoria. Não que a leitura individual de cada poema deva estar sujeita a uma interpretação unicamente através dessa chave. Cada poema é um universo particular, sendo escrito ao sabor de alguma indagação pessoal, tensão momentânea ou referências culturais específicas do poeta. Embora - não podemos deixar de pensar assim - nessa chave interpretativa que é o título, esteja também a possibilidade de demarcar um aspecto saliente no livro, que não deixa de chamar a atenção.

O título do livro reproduz a famosa frase “não me espere para jantar”, que é dita quando alguém tem outra coisa para fazer fora do universo doméstico. Ou seja, quando a vida vai se desenrolar, nem que seja por alguns instantes, fora de casa. No caso dos poemas de Carol Sanches, nota-se uma espécie de interesse pelo universo da cidade, seja em sua relação com a paisagem urbana, da natureza, ou de aspectos corriqueiros da vida cotidiana. A cidade é peremptoriamente sua casa. No poema de abertura do livro, denominado I (todos os 50 poemas são nomeados por números romanos), já se pode ver a demarcação desses espaços dos “outros quarteirões” praticamente assimilados como se fossem a própria casa da poeta.

o ipê lá de casa

acordou rosa

assim acordaram todos os outros ipês

de todos os outros quarteirões

lá de casa



O foco da atenção - embora à primeira vista seja o ipê, que é um elemento externo à casa -, são os quarteirões, morada da poeta, lugar onde tem sua captura dos elementos do mundo, pois ali, parece, é sua morada ideal e local de confronto com as possibilidades da vida. Nessa primeira série de poemas é mais marcante como “a natureza urbana das árvores” define a relação da poeta com o mundo externo. Seja na sua apreciação ou mesmo dando voz às árvores, prisioneiras do espaço da cidade, tal qual a própria poeta: “talvez um dia/ a mais rebelde delas/ se junte a mim/ num impulso feroz/ (...) somos tão parecidas/ abro o vidro e estico involuntariamente o pescoço/ por favor/ preciso respirar/ mais alto”.

Para além das árvores, outros animais e eventos da natureza (morcego, vento, minhocas, peixes, planetas, são elementos onde a poeta enfrenta seu Eu numa projeção de possibilidades de existência ou revolta, de afetos ou desafetos ou algum problema relativo à existência doméstica, o que é mais desenvolvido na série “um ovário a menos”. Nesse contexto o “hoje eu volto para casa” fermenta uma tensão maior do que nas situações onde a vida se desenrola fora de casa.

Na série “yo soy el arma de fuego”, inscreve-se a poética da escritora, na definição e afirmação clássica do (des)lugar da arte e de sua utopia (desde Platão, quando o poeta é expulso da República), dita diretamente na afirmação do poema XXII: “a arte pertence ao campo/ das inutilidades/ (...)/ reivindiquemos, pois/ o direito ao campo das inutilidades (...) só o que é inútil/ não faz partido com guerras movimentos de ódio intersecção/ de ideais/ só o que é inútil é capaz de mudar/ o mundo”. A essa perspectiva (leminskiana) da arte como objeto inutilitário, soma-se o conclame utópico do “não existe poesia neutra/ tímida/ poesia de meta/ o que há é o fundo sem/ perspectiva de chão”.

Há também espaço para a existência amorosa nessa mesma série e na seguinte “no tempo do lambari”, nos poemas XXX e XL. No mais belo e lírico poema do livro, o de número XXX, a presença do amado transtorna e transborda o desejo da poeta, que se vê como uma bomba, pronta para ser desarmada. Vale reproduzi-lo aqui para deleite do leitor:

“só de te ver assim
passando por mim
minhas partes se recolhem
apertando os lábios
guardando-me em carne
segredos úmidos
num perplexo estado de gerúndio

só de te ver assim
passando por mim
comprimo o desejo como quem
(prende o ar e)
estufa por dentro
embolando infinitos nós por todo o meu
corpo inteiro
ativando a bomba num tic tac de-que-aguarda-ser
desarmada

só de te ver assim, passando por
mim
me entra até enxame de abelhas africanas
enquanto vou pedindo rogando implorando
que me enxague as picadas
numa marola demorada que vai do atlântico
ao pacífico sul

daí me perco
nas voltas de mim e da terra
vou-me dando em manobras
durante a pele
aguardando em meus poros côncavos
os carinhos de mim
vou hasta el fin da fronteira da areia
com o mar das minhas correntezas
translúcidas
só de te ver assim
passando por mim”.

Na série final, denominada “dois minutos”, o espaço para o niilismo diante da existência que se faz passado se exprime no poema XLV, quando o bater da meia noite deixa entrar o maior vazio na imagem dos “degraus com suas passadas de ar”: "o passado estala no piso/ envergado pelo tempo/ as paredes escondem/ camadas de perfumaria antiga/ os ponteiros do relógio se debatem/ confusos, sem saber se ficam/ ou continuam/ a atmosfera escura/ cheira a vazio/ mas nada disso se compara aos/ degraus/ com suas passadas de ar/ à meia noite”.

Os poemas exalam vida, seja nas reflexões sobre a velhice, os amores passados, o tempo que tudo corrói, a incerteza do presente, a maternidade, o esquecimento, a desilusão, todos elementos intrincados nesse emaranhado de pensamentos e emoções filtradas pela linguagem, por vezes entrecortada, por vezes numa dicção coloquial, onde o obscuro e a clareza da existência existem como luz e sombra, se debatendo para gerar a fagulha da poesia, “como princípio do fogo/ minutos antes do incêndio” da vida.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/5/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura feminina de Adélia Prado de Marcelo Spalding
02. Por que me ufano da América Latina de Andréa Trompczynski


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
02. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
03. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
04. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
05. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bouddha I - Le Rêve de Lumiere
Patricia Chendi
Roberto Laffont
(1999)



Matematica Financeira Fcc (2008)
Wagner Carvalho
Ferreira
(2008)



Do Crepúsculo a Aurora - uma Lágrima
Albert Zbiti Kolonda; Sylvestre Sangala Mulangwa
Curitiba
(2008)



Nao Faca Tudo Sozinho
Daven Michaels; Leonardo Abramowicz
Saraiva
(2000)



Latifúndio Midiota Crimes, Crises e Trapaças
Leonardo Wexell Severo
Papiro
(2012)



Box Conecte Química 3
João Usberco; Edgard Salvador
Saraiva
(2014)



Damien
Jacquelyn Frank
Nova Cultural
(2009)



Da Razão à Emoção - Ensaios Rosianos e Outros
Fábio Freixieiro
Nacional
(1968)



Andanças
Rubem Ivo
Hsb
(2001)



Shakespeare - Macbeth (Teatro Inglês)
William Shakespeare
L&pm
(2000)





busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês