A poesia de Carol Sanches | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
50836 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 12/5/2020
A poesia de Carol Sanches
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1300 Acessos



A poeta Carol Sanches lançou em 2019 o livro de poesias Não me espere para jantar, publicado pela editora Patuá. O livro é composto de 50 poemas, divididos em 5 séries, denominadas, na seguinte ordem, “o ipê lá de casa”, “um ovário a menos”, yo soy el arma de fuego”, “do tempo do lambari” e “dois minutos".

O nome de um livro de poesia pode servir de chave interpretativa para o conjunto dos poemas que ele possuiu. Creio que o livro de Carol Sanches se encaixe nessa categoria. Não que a leitura individual de cada poema deva estar sujeita a uma interpretação unicamente através dessa chave. Cada poema é um universo particular, sendo escrito ao sabor de alguma indagação pessoal, tensão momentânea ou referências culturais específicas do poeta. Embora - não podemos deixar de pensar assim - nessa chave interpretativa que é o título, esteja também a possibilidade de demarcar um aspecto saliente no livro, que não deixa de chamar a atenção.

O título do livro reproduz a famosa frase “não me espere para jantar”, que é dita quando alguém tem outra coisa para fazer fora do universo doméstico. Ou seja, quando a vida vai se desenrolar, nem que seja por alguns instantes, fora de casa. No caso dos poemas de Carol Sanches, nota-se uma espécie de interesse pelo universo da cidade, seja em sua relação com a paisagem urbana, da natureza, ou de aspectos corriqueiros da vida cotidiana. A cidade é peremptoriamente sua casa. No poema de abertura do livro, denominado I (todos os 50 poemas são nomeados por números romanos), já se pode ver a demarcação desses espaços dos “outros quarteirões” praticamente assimilados como se fossem a própria casa da poeta.

o ipê lá de casa

acordou rosa

assim acordaram todos os outros ipês

de todos os outros quarteirões

lá de casa



O foco da atenção - embora à primeira vista seja o ipê, que é um elemento externo à casa -, são os quarteirões, morada da poeta, lugar onde tem sua captura dos elementos do mundo, pois ali, parece, é sua morada ideal e local de confronto com as possibilidades da vida. Nessa primeira série de poemas é mais marcante como “a natureza urbana das árvores” define a relação da poeta com o mundo externo. Seja na sua apreciação ou mesmo dando voz às árvores, prisioneiras do espaço da cidade, tal qual a própria poeta: “talvez um dia/ a mais rebelde delas/ se junte a mim/ num impulso feroz/ (...) somos tão parecidas/ abro o vidro e estico involuntariamente o pescoço/ por favor/ preciso respirar/ mais alto”.

Para além das árvores, outros animais e eventos da natureza (morcego, vento, minhocas, peixes, planetas, são elementos onde a poeta enfrenta seu Eu numa projeção de possibilidades de existência ou revolta, de afetos ou desafetos ou algum problema relativo à existência doméstica, o que é mais desenvolvido na série “um ovário a menos”. Nesse contexto o “hoje eu volto para casa” fermenta uma tensão maior do que nas situações onde a vida se desenrola fora de casa.

Na série “yo soy el arma de fuego”, inscreve-se a poética da escritora, na definição e afirmação clássica do (des)lugar da arte e de sua utopia (desde Platão, quando o poeta é expulso da República), dita diretamente na afirmação do poema XXII: “a arte pertence ao campo/ das inutilidades/ (...)/ reivindiquemos, pois/ o direito ao campo das inutilidades (...) só o que é inútil/ não faz partido com guerras movimentos de ódio intersecção/ de ideais/ só o que é inútil é capaz de mudar/ o mundo”. A essa perspectiva (leminskiana) da arte como objeto inutilitário, soma-se o conclame utópico do “não existe poesia neutra/ tímida/ poesia de meta/ o que há é o fundo sem/ perspectiva de chão”.

Há também espaço para a existência amorosa nessa mesma série e na seguinte “no tempo do lambari”, nos poemas XXX e XL. No mais belo e lírico poema do livro, o de número XXX, a presença do amado transtorna e transborda o desejo da poeta, que se vê como uma bomba, pronta para ser desarmada. Vale reproduzi-lo aqui para deleite do leitor:

“só de te ver assim
passando por mim
minhas partes se recolhem
apertando os lábios
guardando-me em carne
segredos úmidos
num perplexo estado de gerúndio

só de te ver assim
passando por mim
comprimo o desejo como quem
(prende o ar e)
estufa por dentro
embolando infinitos nós por todo o meu
corpo inteiro
ativando a bomba num tic tac de-que-aguarda-ser
desarmada

só de te ver assim, passando por
mim
me entra até enxame de abelhas africanas
enquanto vou pedindo rogando implorando
que me enxague as picadas
numa marola demorada que vai do atlântico
ao pacífico sul

daí me perco
nas voltas de mim e da terra
vou-me dando em manobras
durante a pele
aguardando em meus poros côncavos
os carinhos de mim
vou hasta el fin da fronteira da areia
com o mar das minhas correntezas
translúcidas
só de te ver assim
passando por mim”.

Na série final, denominada “dois minutos”, o espaço para o niilismo diante da existência que se faz passado se exprime no poema XLV, quando o bater da meia noite deixa entrar o maior vazio na imagem dos “degraus com suas passadas de ar”: "o passado estala no piso/ envergado pelo tempo/ as paredes escondem/ camadas de perfumaria antiga/ os ponteiros do relógio se debatem/ confusos, sem saber se ficam/ ou continuam/ a atmosfera escura/ cheira a vazio/ mas nada disso se compara aos/ degraus/ com suas passadas de ar/ à meia noite”.

Os poemas exalam vida, seja nas reflexões sobre a velhice, os amores passados, o tempo que tudo corrói, a incerteza do presente, a maternidade, o esquecimento, a desilusão, todos elementos intrincados nesse emaranhado de pensamentos e emoções filtradas pela linguagem, por vezes entrecortada, por vezes numa dicção coloquial, onde o obscuro e a clareza da existência existem como luz e sombra, se debatendo para gerar a fagulha da poesia, “como princípio do fogo/ minutos antes do incêndio” da vida.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/5/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020
02. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
03. A poesia de Carol Sanches - 12/5/2020
04. Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena - 28/4/2020
05. A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri - 24/3/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEMAS E ESTRUTURAS NA OBRA DE FERNANDO NAMORA
PIERRETTE E GÉRARD CHALENDAR
MORAES EDITORES
(1979)
R$ 8,38



CONTOS DE ANDERSEN - 2ª EDIÇÃO - COLEÇÃO LEITURA
HANS CHRISTIAN ANDERSEN
PAZ E TERRA
(2005)
R$ 19,95



ZERO ZERO ALPISTE
MIRNA PINSKY
FORMATO
(2014)
R$ 9,90



REVISTA CLÁUDIA - JUN/2017 - NOVA
OBRA COLETIVA / CAPA (FÁTIMA BERNARDES)
ABRIL
(2017)
R$ 10,00



MUITO MAIS QUE CINCO MINUTOS
KÉFERA BUCHMANN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2015)
R$ 5,90



CANTOS DE VIDA AMOR Y LIBERTAD
RAFAEL CEDEÑO (EDITOR)
MADRES DE PLAZA
(1985)
R$ 40,00



BUENA GENTE ESPANHOL 2
ENCINA ALONSO ARIJA MATILDE NEUS
MACMILLAN
(2017)
R$ 104,00



O EU CÓSMICO
TED PETERS
SICILIANO
(1993)
R$ 6,36



LES MOTS
JEAN-PAUL SARTRE
GALLIMARD
(1978)
R$ 10,00



TIPO DESTINO
SUSANE COLASANTI; ANA LÚCIA RODRIGUES
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 12,90





busca | avançada
50836 visitas/dia
1,8 milhão/mês