A pintura do caos, de Kate Manhães | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
>>> Um ano de blog
>>> Aracy Guimaraes Rosa
Mais Recentes
>>> Evangelho por Emmanuel - Comentários ao Evangelho Segundo Mateus de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2015)
>>> A Casa do Califa de Tahir Shah pela Roça Nova (2008)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Personagens da Boa Nova de Federação Espírita do Paraná pela Fep (2010)
>>> Francisco - o Sol de Assis de Divaldo Franco e Cezar Braga Said pela Leal (2014)
>>> Salomé - o Encanto das Mulheres Que Surgem do Céu de Sandra Carneiro pela Vivaluz (2014)
>>> Eight early tantras of the great perfection - elixir ambrosia de Christopher wilkinson pela Christopher wilkinson (2016)
>>> O Homem Que Amava os Cachorros de Leonardo Padura pela Boitempo (2014)
>>> O fogo invisível: O segredo mais importante da humanidade está prestes a ser revelado de Javier Sierra pela Planeta (2018)
>>> Moreira da Silva: O último dos malandros de Alexandre Augusto pela Sonora (2013)
>>> O Bairro: Viva a Nossa Turma - Geografia e História de Aracy do R. Antunes; Maria de L. de A. Trindade pela Access (2013)
>>> Antes de Nascer o Mundo de Mia Couto pela Companhia das Letras (2016)
>>> Teogonia: A Origem dos Deuses- edição revisada e acrescida do original grego de Hesíodo pela Iluminuras (1995)
>>> Bíblia de Jerusalém - Média Encadernada de Deus e Vários autores pela Paulus (2004)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Abril Cultural (1979)
>>> Gente pequena também tem direitos de Malô Carvalho pela Autêntica (2012)
>>> Gramatyka? Dlaczego nie?!: Ćwiczenia gramatyczne dla poziomu A1 de Joanna Machowska pela Universitas (2014)
>>> Você e a Mediunidade de M. B. Tamassia pela O Clarim (2001)
>>> Depois da Queda de Dennis Lehane pela Companhia das Letras (2018)
>>> Erros e Acertos de Célia Xavier De Camargo pela O Clarim (2002)
>>> História Moderna e Contemporânea de Alceu Luiz Pazzinato; Maria Helena Valente Senise pela Ática (1998)
>>> Atlas Visual Compacto do Corpo Humano de Rúbia Yuri Tomita pela Rideel (1999)
>>> Tranca ruas das almas de João Ribeiro & Decelso pela Eco (1974)
>>> Umbanda dos pretos velhos de Antonio Alves Teixeira pela Eco (1985)
>>> O livro da bruxa de Amadeo de Santander pela Eco (1974)
COLUNAS

Terça-feira, 8/9/2020
A pintura do caos, de Kate Manhães
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3000 Acessos



“Porque não surrupiar dos outros se isso nos leva mais longe?” Esta frase de Francis Bacon se aplica à obra de Kate Manhães. Seu trabalho é nitidamente permeado por boas influências que a faz prolongar efeitos já constituídos em outras obras. No caso, podemos pensar na obra do próprio Francis Bacon e artistas como Picasso, Lucien Freud ou Fabricius Nery (tal como Kate, artista de Campinas). O diálogo é promissor. E vamos usar a palavra diálogo, tal como o próprio Bacon fez, por exemplo, alinhavando de Picasso, Velásquez e Rembrandt ao cinema de Eisenstein em seu trabalho.

Kate Manhães vive em Campinas, interior de São Paulo. Já desenvolve seu trabalho de pintora à décadas. Em geral, sua pintura reúne temas à partir de reflexões existenciais e sociais, aliados às questões formais que têm seu ponto forte na pintura de tradição modernista (Picasso, Lucien Freud, Francis Bacon e os pintores campineiros Egas Francisco e Fabricius Nery).

Do ponto de vista formal, seu trabalho tem como elementos centrais a fragmentação do corpo humano e geometrias aproveitadas dos cenários e como “cenários” onde as imagens se concentram. A geometria, no entanto, não cria espaços naturalistas, mas se porta como uma espécie de estrutura que tenta manter em pé o caos das imagens que centralizam boa parte de suas telas.

O corpo humano é desconstruído ou deformado segundo princípios que vão da ironia ao puro desgaste de uma ideia, o que numa pintura expressionista acabaria por se constituir numa narrativa mais clara. Ao contrário da vertente expressionista (caso de Egas Francisco), que expande o drama das imagens em cores e gestos largos buscando ampliar sua expressão narrativa, aqui, no caso de Kate Manhães, o que pesa é uma desconstrução pós-moderna da narrativa, produzida pela fragmentação e desconexão direta da imagem em todos os espaços da tela.

Mesmo a geometria constante não produz sentido objetivo quando busca delimitar os espaços onde a ação acontece. Os espaços são, assim, fantasmagóricos, embora sustentem a tela para que os pedaços dos corpos não voem para além deles mesmos.

Na tela que comentaremos, denominada Espectador do Caos, a conjunção de referências - mais objetivamente provindas de Picasso e Francis Bacon como influências mais diretas -, a artista fragmenta aquilo que já era fragmentado nas suas referências e aquilo que não era fragmento (como, talvez, a presença de Lucien Freud) é levado ao paroxismo do desmembramento, refazendo-se num misto caótico de Guernica (note-se a referência nos braços caídos no primeiro plano central) e Bacon.

Se o tema da tela é o caos, ele se expande para além de uma possível interpretação. Um elemento interessante na tela é que não só o personagem que observa o casos (ele também com o rosto fragmentado, sendo visto de três ângulos diferentes) é colocado nessa posição, mas também nós, aqui, somos colocados impunemente na posição do mesmo observador desse caos de corpos em fragmentos.

A incapacidade de dar sentido ao que se observa, tantos são os fragmentos, é o que revela a situação (do mundo de hoje?) da impossibilidade de nomear o real a partir de uma certeza unitária. Mesmo o círculo que envolve o esqueleto, como uma espécie de lente de aumento, não consegue conectar o sentido desse fragmento ao restante das imagens. Ele apenas amplia a ideia das partes, sendo um fragmento dentre os tantos outros aqui apresentados. Não adianta revelar o interior do corpo, não há sentido a ser revelado nessa operação anatômica, a não ser o de uma nova divisão do corpo humano em mais partes.

Aqui, se se quiser ampliar o discurso sobre a obra, pode-se falar em fragmentação da verdade, da narrativa, da história e a consequente intraduzibilidade do sentido do corpus do existir contemporâneo.

A presença de um urubu (aqui em cor azul) também como um espectador dos fragmentos humanos, esperando o apodrecimento deste mundo para efetuar seu devoramento, é bastante sintomático de uma apresentação alegórica do homem na atual conjuntura como apenas um resto humano na expectativa de sua degeneração futura.

Se a tela pretende-se uma nova Guernica, aqui o esfacelamento vai além da referência histórica (no caso da obra de Picasso, o bombardeio de uma cidade espanhola pelos fascistas). O que Kate propõe é uma interpretação mais geral da humanidade. Quem está destroçado é o homem como um todo, ou o que havia de humanidade no homem. E a nós espectadores, resta o que? Assistir o ocaso da humanidade.



Para ir além: para acessar outras obras de Kate Manhães visitem no instagram: atelieoraculo


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/9/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A normalidade sedutora d'Os Normais de Lucas Rodrigues Pires
02. Pigmentômetro de Félix Maier


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
03. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
04. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
05. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes - 29/9/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cinquenta tons de cinza
E L James
Intrínseca
(2012)



Estandartes das Tribos de Israel
Plínio Martins Filho
Atiliê Editorial
(2001)



O Fabricante de Terremotos
Wilson Rocha
Ática
(1995)



Contornos do Dia Que Vem Vindo - 1ª Edição
Leonora Miano
Pallas
(2009)



Inglês: Guia de Conversação para Viagens
Folha de São Paulo
Publifolha
(1999)



O Círculo Matarese
Robert Ludlum
Nova Fronteira
(1979)



Os Portais do Santuario
Os Portais do Santuario
Esotera
(2001)
+ frete grátis



Soltando os Bichos Em Três Tempos
Lindomar da Silva
Rhj
(2011)



É Facil Decorar/ Bolos-doces-salgados Vol Ii
Francisco / Elza Henriques
Calçada
(1958)



A Estrutura do Tesão Melissa
Claudia Riecken
Universidade Quantum
(2012)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês