A pintura do caos, de Kate Manhães | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
>>> Arquitetura & construçao--outubro--2007--escadas na medida certa. de Abril pela Abril (2007)
>>> Beethoven de Bernard Fauconnier pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E O Cliente De Sábado de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Ladrão de casaca de Maurice Leblanc pela L&Pm (2012)
>>> Convite para um homicídio de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Assassinato no beco de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Dom quixote de Miguel de Cervantes pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia - volume 2 de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E A Mulher Do Ladrão de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Os primeiros casos de Poirot de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2556--o poder fulminante das redes sociais de Abril pela Abril (2017)
>>> Cartier-bresson: o olhar do século de Pierre Assouline pela L&Pm (2012)
>>> Teoria quântica de John Polkinghorne pela L&Pm (2012)
>>> Andy Warhol de Meriam Korichi pela L&Pm (2012)
>>> Pretinha, Eu? de Julio Emilio Braz pela Scipione (2004)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura de Miguel de Angeli, Jose Cervantes pela Scipione (2006)
>>> O Natal do Avarento, de Charles Dickens pela Scipione (2012)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Scipione (2010)
>>> O Corcunda de Notre-Dame de Victor Hugo pela Scipione (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 8/9/2020
A pintura do caos, de Kate Manhães
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2700 Acessos



“Porque não surrupiar dos outros se isso nos leva mais longe?” Esta frase de Francis Bacon se aplica à obra de Kate Manhães. Seu trabalho é nitidamente permeado por boas influências que a faz prolongar efeitos já constituídos em outras obras. No caso, podemos pensar na obra do próprio Francis Bacon e artistas como Picasso, Lucien Freud ou Fabricius Nery (tal como Kate, artista de Campinas). O diálogo é promissor. E vamos usar a palavra diálogo, tal como o próprio Bacon fez, por exemplo, alinhavando de Picasso, Velásquez e Rembrandt ao cinema de Eisenstein em seu trabalho.

Kate Manhães vive em Campinas, interior de São Paulo. Já desenvolve seu trabalho de pintora à décadas. Em geral, sua pintura reúne temas à partir de reflexões existenciais e sociais, aliados às questões formais que têm seu ponto forte na pintura de tradição modernista (Picasso, Lucien Freud, Francis Bacon e os pintores campineiros Egas Francisco e Fabricius Nery).

Do ponto de vista formal, seu trabalho tem como elementos centrais a fragmentação do corpo humano e geometrias aproveitadas dos cenários e como “cenários” onde as imagens se concentram. A geometria, no entanto, não cria espaços naturalistas, mas se porta como uma espécie de estrutura que tenta manter em pé o caos das imagens que centralizam boa parte de suas telas.

O corpo humano é desconstruído ou deformado segundo princípios que vão da ironia ao puro desgaste de uma ideia, o que numa pintura expressionista acabaria por se constituir numa narrativa mais clara. Ao contrário da vertente expressionista (caso de Egas Francisco), que expande o drama das imagens em cores e gestos largos buscando ampliar sua expressão narrativa, aqui, no caso de Kate Manhães, o que pesa é uma desconstrução pós-moderna da narrativa, produzida pela fragmentação e desconexão direta da imagem em todos os espaços da tela.

Mesmo a geometria constante não produz sentido objetivo quando busca delimitar os espaços onde a ação acontece. Os espaços são, assim, fantasmagóricos, embora sustentem a tela para que os pedaços dos corpos não voem para além deles mesmos.

Na tela que comentaremos, denominada Espectador do Caos, a conjunção de referências - mais objetivamente provindas de Picasso e Francis Bacon como influências mais diretas -, a artista fragmenta aquilo que já era fragmentado nas suas referências e aquilo que não era fragmento (como, talvez, a presença de Lucien Freud) é levado ao paroxismo do desmembramento, refazendo-se num misto caótico de Guernica (note-se a referência nos braços caídos no primeiro plano central) e Bacon.

Se o tema da tela é o caos, ele se expande para além de uma possível interpretação. Um elemento interessante na tela é que não só o personagem que observa o casos (ele também com o rosto fragmentado, sendo visto de três ângulos diferentes) é colocado nessa posição, mas também nós, aqui, somos colocados impunemente na posição do mesmo observador desse caos de corpos em fragmentos.

A incapacidade de dar sentido ao que se observa, tantos são os fragmentos, é o que revela a situação (do mundo de hoje?) da impossibilidade de nomear o real a partir de uma certeza unitária. Mesmo o círculo que envolve o esqueleto, como uma espécie de lente de aumento, não consegue conectar o sentido desse fragmento ao restante das imagens. Ele apenas amplia a ideia das partes, sendo um fragmento dentre os tantos outros aqui apresentados. Não adianta revelar o interior do corpo, não há sentido a ser revelado nessa operação anatômica, a não ser o de uma nova divisão do corpo humano em mais partes.

Aqui, se se quiser ampliar o discurso sobre a obra, pode-se falar em fragmentação da verdade, da narrativa, da história e a consequente intraduzibilidade do sentido do corpus do existir contemporâneo.

A presença de um urubu (aqui em cor azul) também como um espectador dos fragmentos humanos, esperando o apodrecimento deste mundo para efetuar seu devoramento, é bastante sintomático de uma apresentação alegórica do homem na atual conjuntura como apenas um resto humano na expectativa de sua degeneração futura.

Se a tela pretende-se uma nova Guernica, aqui o esfacelamento vai além da referência histórica (no caso da obra de Picasso, o bombardeio de uma cidade espanhola pelos fascistas). O que Kate propõe é uma interpretação mais geral da humanidade. Quem está destroçado é o homem como um todo, ou o que havia de humanidade no homem. E a nós espectadores, resta o que? Assistir o ocaso da humanidade.



Para ir além: para acessar outras obras de Kate Manhães visitem no instagram: atelieoraculo


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/9/2020


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
03. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
04. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
05. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Genütlichkeit - Saudade - Breve História de Treze Tílias
Luiz José Gintner
Do Autor
(1993)



Direito de Autor - 3ª Edição
Carlos Alberto Bittar
Forense Universitária (rj)
(2000)



Lobo Solitário 3 - os Marcadores de Trilha
Kazuo Koike e Gozeki Kojima
Sampa
(1990)



Reforming the Worlds Money
Sir Roy Harrod
Macmillan
(1966)



Como Lidar Com Pessoas Manipuladoras
George K. Simon
Universo dos Livros
(2016)



Passado Sempre Presente
Eurico Serzedello Machado
Cia Edit Americana
(1970)



Introduction to Switching Theory and Logical Design
Frederick J. Hill e Gerald R. Peterson
Wiley International
(1968)



Manual de Direito Administrativo - Curso Moderno de Graduação
José Cretella Júnior
Forense



Ação Social das Empresas, a - Quem Ganha Com Isso?
Adriana Guazzelli Charoux
Peirópolis
(2007)



Récits Dune Vie Fugitive (memoires Dun Lettré Pauvre)
Chen Fou e Prefácio de Paul Demiéville
Gallimard
(1967)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês