A pintura do caos, de Kate Manhães | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> L.S.D.eus
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Also known as
>>> No line on the horizon, do U2
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> Carteiros do Condado
>>> Amor fati
Mais Recentes
>>> A Revolução Russa - 4ª Edição - Série Discutindo a História de Maurício Tragtenberg pela Atual (1988)
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 1 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> O vencedor está só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Chave do Tesouro de J. Carlos de Assis pela Paz e Terra (1983)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 1 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2020)
>>> Tudo Sobre Meninas para Meninos de Cláudia Felício pela Planeta (2006)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 3 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> Comentários as Súmulas do Tst de Francisco Antonio de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Ecologia Objetiva de Dervile Ariza pela Nobel (1979)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> A Importância de Crer de R R Soares pela Graça (1999)
>>> O Desafio das Emoções Biblioteca Mente e Cérebro de Gláucia Leal Org. pela Duetto (2013)
>>> O Melhor do humor na internet - volume 2 de Netto Augusto M. Costa pela Best Seller (2010)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 2 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> O Resgate - Ele Não Desistiu de Você de Sergio Corrêa pela Unipro (2018)
>>> Sobre a China de Karl Marx e Friedrich Engels pela Publicações Escorpião (1974)
>>> O livreiro de cabul de Asne Seierstad; Grete Skevik pela Record (2006)
>>> O livro do bar de Carlos hauber pela Ediouro (1987)
>>> Ramses v.2 - the eternal temple de Christian Jacq pela Warner Books (1998)
>>> A Travessa Americana de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (1985)
>>> Educar sem Culpa - a Gênese da Ética de Tania Zagury pela Record (2003)
>>> A História da Aranha de Berny Stringle (Autor), Jackie Robb (Autor) pela Atica (2004)
>>> O Bichinho Da Maca de Ziraldo pela Melhoramentos (2001)
>>> Mr. Romance de Leisa Rayven pela Globo Alt (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 8/9/2020
A pintura do caos, de Kate Manhães
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4700 Acessos



“Porque não surrupiar dos outros se isso nos leva mais longe?” Esta frase de Francis Bacon se aplica à obra de Kate Manhães. Seu trabalho é nitidamente permeado por boas influências que a faz prolongar efeitos já constituídos em outras obras. No caso, podemos pensar na obra do próprio Francis Bacon e artistas como Picasso, Lucien Freud ou Fabricius Nery (tal como Kate, artista de Campinas). O diálogo é promissor. E vamos usar a palavra diálogo, tal como o próprio Bacon fez, por exemplo, alinhavando de Picasso, Velásquez e Rembrandt ao cinema de Eisenstein em seu trabalho.

Kate Manhães vive em Campinas, interior de São Paulo. Já desenvolve seu trabalho de pintora à décadas. Em geral, sua pintura reúne temas à partir de reflexões existenciais e sociais, aliados às questões formais que têm seu ponto forte na pintura de tradição modernista (Picasso, Lucien Freud, Francis Bacon e os pintores campineiros Egas Francisco e Fabricius Nery).

Do ponto de vista formal, seu trabalho tem como elementos centrais a fragmentação do corpo humano e geometrias aproveitadas dos cenários e como “cenários” onde as imagens se concentram. A geometria, no entanto, não cria espaços naturalistas, mas se porta como uma espécie de estrutura que tenta manter em pé o caos das imagens que centralizam boa parte de suas telas.

O corpo humano é desconstruído ou deformado segundo princípios que vão da ironia ao puro desgaste de uma ideia, o que numa pintura expressionista acabaria por se constituir numa narrativa mais clara. Ao contrário da vertente expressionista (caso de Egas Francisco), que expande o drama das imagens em cores e gestos largos buscando ampliar sua expressão narrativa, aqui, no caso de Kate Manhães, o que pesa é uma desconstrução pós-moderna da narrativa, produzida pela fragmentação e desconexão direta da imagem em todos os espaços da tela.

Mesmo a geometria constante não produz sentido objetivo quando busca delimitar os espaços onde a ação acontece. Os espaços são, assim, fantasmagóricos, embora sustentem a tela para que os pedaços dos corpos não voem para além deles mesmos.

Na tela que comentaremos, denominada Espectador do Caos, a conjunção de referências - mais objetivamente provindas de Picasso e Francis Bacon como influências mais diretas -, a artista fragmenta aquilo que já era fragmentado nas suas referências e aquilo que não era fragmento (como, talvez, a presença de Lucien Freud) é levado ao paroxismo do desmembramento, refazendo-se num misto caótico de Guernica (note-se a referência nos braços caídos no primeiro plano central) e Bacon.

Se o tema da tela é o caos, ele se expande para além de uma possível interpretação. Um elemento interessante na tela é que não só o personagem que observa o casos (ele também com o rosto fragmentado, sendo visto de três ângulos diferentes) é colocado nessa posição, mas também nós, aqui, somos colocados impunemente na posição do mesmo observador desse caos de corpos em fragmentos.

A incapacidade de dar sentido ao que se observa, tantos são os fragmentos, é o que revela a situação (do mundo de hoje?) da impossibilidade de nomear o real a partir de uma certeza unitária. Mesmo o círculo que envolve o esqueleto, como uma espécie de lente de aumento, não consegue conectar o sentido desse fragmento ao restante das imagens. Ele apenas amplia a ideia das partes, sendo um fragmento dentre os tantos outros aqui apresentados. Não adianta revelar o interior do corpo, não há sentido a ser revelado nessa operação anatômica, a não ser o de uma nova divisão do corpo humano em mais partes.

Aqui, se se quiser ampliar o discurso sobre a obra, pode-se falar em fragmentação da verdade, da narrativa, da história e a consequente intraduzibilidade do sentido do corpus do existir contemporâneo.

A presença de um urubu (aqui em cor azul) também como um espectador dos fragmentos humanos, esperando o apodrecimento deste mundo para efetuar seu devoramento, é bastante sintomático de uma apresentação alegórica do homem na atual conjuntura como apenas um resto humano na expectativa de sua degeneração futura.

Se a tela pretende-se uma nova Guernica, aqui o esfacelamento vai além da referência histórica (no caso da obra de Picasso, o bombardeio de uma cidade espanhola pelos fascistas). O que Kate propõe é uma interpretação mais geral da humanidade. Quem está destroçado é o homem como um todo, ou o que havia de humanidade no homem. E a nós espectadores, resta o que? Assistir o ocaso da humanidade.



Para ir além: para acessar outras obras de Kate Manhães visitem no instagram: atelieoraculo


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/9/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
03. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
04. I-ching-poemas de Bruna Piantino de Jardel Dias Cavalcanti
05. O chamado de Cthulhu de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
02. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
03. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
04. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
05. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes - 29/9/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




130 anos - Em Busca da República
9788551004968
Intrínseca
(2019)



As lutas do povo brasileiro - Do descobrimento a Canudos (História do Brasil)
Júlio José Chiavenato
Moderna
(1988)



Iracema / Ubirajara
José de Alencar
Edigraf



Mensagens Espirituais
Kahlil Gibran
Record



Educação e Reflexão
Pierre Furter
Vozes
(1973)



Das Confusões Desse Mundo de Águas
Adelson José Fontes Santos
Angellara
(1996)



O Fenômeno Humano Vol 16
Pierre Teilhard de Chardin
Tavares Martins
(1970)



Club Penguin - um Dia de Puffle
Disney
Melhoramentos
(2010)



Jango e Eu - Memórias de um Exílio sem Volta
João Vicente Goulart
Civilização Brasileira
(2016)



Vivendo Durante um Cancer
Marie Paule
Edusc
(1999)





busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês