Como o Google funciona | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arte, cultura e democracia
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Vendedor de Passados
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Casimiro de Brito
>>> Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé
>>> Só uma descrição
>>> 7 de Agosto #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Almanaque Wicca 2006 de N/a pela Pensamento (2019)
>>> Data Science do Zero - primeiras regras com python de Joel Grus pela Alta Books (2016)
>>> Python para Análise de Dados - tratamento de dados com pandas, numpy e ipython de Wes McKinney pela O'Reilly (2018)
>>> A História de The Zondervan Corporation pela Sextante (2012)
>>> Em Guarda de William Lane Craig pela Companhia das Letras (2011)
>>> A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy de Lawrence Sterne pela Companhia das Letras (1998)
>>> The Book of Genesis de Robert Crumb pela W. W. Norton & Company (2009)
>>> Armada de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Jogador Número 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Senhorita Christina de Mircea Eliade pela Alaúde (2011)
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração - Edição Compacta de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Drácula de Bram Stoker; Becky Cloonan pela HarperCollins (2012)
>>> La Misere du Monde de Bourdieu, Pierre pela Seuil (1993)
>>> O Poder Americano e os Novos Mandarins de Noam Chomsky pela Record (2006)
>>> O Banqueiro do Mundo - Lições de Liderança do Diplomata das Finanças Globais de William R. Rhodes pela GloboLivros (2012)
>>> O Sinal - O Santo Sudário e o Segredo da Ressurreição de Thomas de Wesselow pela Paralela (2012)
>>> Conectado - O Que a Internet fez com Você e o Que Você Pode Fazer Com Ela de Juliano Spyer pela Zahar (2007)
>>> Economia nua e crua - O Que é, Para que Serve, Como Funciona de Charles Wheelan pela Zahar (2014)
>>> A Era do Inconcebível - a Desordem do Mundo Não Deixa de nos Surpreender de Joshua Cooper Ramo pela Companhia Das Letras (2010)
>>> A sacada - Como empreendedores Inteligentes Superam Desafios de Norm Brodsky e Bo Burlingham pela Best Business (2009)
>>> Blowback - Os custos e as consequências do império americano de Chalmers Johnson pela Record (2007)
>>> Um breve história do século xx de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2008)
>>> A Virada - O CEO que Ergueu os Negócios na AT&T e GM de Ed Whitacre e Leslie Cauley pela Elsevier (2013)
>>> A Doutrina dos 20% de Ryan Tate pela Elsevier (2012)
>>> Descubra o Seu Economista Interior de Tyler Cowen pela Record (2009)
>>> A Crise e Seus Efeitos - As Culturas Econômicas da Mudança de Manuel Castells, Gustavo Cardoso, João Caraça pela Paz e Terra (2013)
>>> Surtando em Wall Street - Memórias de um operador do Lehman Brothers de Jared Dillian pela Zahar (2014)
>>> Java Como Programar 6º Edição de Paul Deitel e Harvey Deitel pela Pearson Prentice Hall (2007)
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios de Karan Girotra e Seguei Netessine pela Elsevier (2014)
>>> Código de Processo Civil Anotado... Atual. Até a Lei N. 10. 444, De... de Sálvio de Figueiredo Teixeira/Min. STJ/STE/ Autografado pela Saraiva (2003)
>>> Para Viver em Paz. O Milagre da Mente Alerta de Thich Nhat Hanh pela Vozes (1985)
>>> Uma Paixão no Deserto de Honoré de Balzac pela Paulinas (1988)
>>> Direito Penal - Volume 1/ Encadernado de Giuseppe Bettiol pela Revista dos Tribunais (1966)
>>> Bicho-do-mato de Martha Azevedo Pannunzio pela José Olimpio (1985)
>>> O jogo do bicho como jogar e ganhar de Gehisa Saldanha pela Ediouro (1986)
>>> Contos da Carochinha (Biblioteca Infantil- 11 Volumes Encadernados) de Figueiredo Pimental (e Colaboradores) pela Livr. Quaresma/ RJ. (1956)
>>> 30 anos à frente do Museu Lasar Segall de Mauricio Segall pela Museu Lasar Segall (2001)
>>> Da Prescrição Penal de Antonio Rodríguez Porto pela José Bushatsjy (1977)
>>> Cuerpo Del Derecho Civil de Bartolomé Rodriguez de Fonseca pela Tip.de Narciso Ramirez Y.C (1874)
>>> Freakonomics. O Lado Oculto E Inesperado De Tudo Que Nos Afeta de Steven D. Levitt e Stephen J. Dubner pela Campus (2007)
>>> A Semântica de Pierre Giraud pela Difel (1975)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene pela Rocco (2000)
>>> Convenções da Oit de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2009)
>>> Manual de Português- 3ª e 4ª Séries (ginasiais) de Celso Cunha pela Livr. São José/ RJ. (1964)
>>> As Nulidades no Direito do Trabalho de Ari Pedro Lorenzetti pela Ltr (2008)
>>> O Sucesso Segundo DEUS de Antônio Carlos Costa pela Pórtico (2016)
>>> O Que É Correto: A Verdade na Analise... (Num. Autenticado) de Dr. Candido Lago pela Typographia Am. / RJ. (1932)
>>> Projetos Culturais - técnicas de modelagem de Hermano Roberto Thiry-Cherques pela FGV (2008)
>>> Dama de Copas de Cecília Costa pela Record/ RJ. (2003)
>>> Guinada de Cecília Vasconcellos pela Record/ RJ. (2001)
COLUNAS >>> Especial Google

Terça-feira, 14/3/2006
Como o Google funciona
Ram Rajagopal

+ de 22700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Muitos amigos meus, leigos em ciência da computação, me pediram uma explicação sucinta e sem jargões de como o Google funciona. Qual a receita mágica que determina as páginas que o Google deve responder quando você faz a sua busca? Em primeiro lugar, vale esclarecer que o Google não é dono de nenhum grande mistério tecnológico. Mas, certamente, desenvolveram uma tecnologia interessante, e que vamos entender um pouco melhor a seguir.

O Google é basicamente um banco de dados inteligente. Se você já usou o fichário da biblioteca do seu colégio, então sabe já como um banco de dados funciona. Os dados são agrupados em tabelas (as gavetas do fichário), e ordenados de acordo com palavras-chave, como autor ou título. A vantagem do banco de dados sobre o fichário é que o ordenamento pode ser por um número imensamente maior de características. Já imaginou se sua biblioteca tivesse que ter trinta tipos de fichários, um para ordernar por autor, outra por título de livros, outra por ano de publicação, outra por editora, e assim por diante.

Pois bem, o que o Google faz é acumular cada página da Web num banco de dados. O endereço da página, o nome, e as palavras mais frequentes e suas respectivas frequências são todas incluídas na ficha daquela página (cada página é como um livro a ser catalogado). O mais importante, todas as outras páginas para as quais a página linca também são guardadas. Quando você digita a sua busca na caixinha do Google, o software traz todas as fichas cujo conteúdo casam com sua busca.

Para fazer isto de forma eficiente, um dicionário global é criado (o famoso dicionário reverso ou índice reverso), onde cada palavra que existe na Web aparece uma vez. E na ficha de cada palavra são colocados códigos que se relacionam com as páginas que contém aquela palavra. Uma maneira de entender isso é que cada palavra tem uma lista com os endereços das páginas que a contêm. Quando você digita uma palavra e clica em buscar, tudo que precisa ser feito é imprimir na tela as listas de endereços de todas as palavras que você pediu.

Mas então onde está o segredo do Google? Até aí não há nada demais. Na verdade o que foi citado já é feito há anos por bancos de dados não estruturados. O segredo do Google, e na verdade de qualquer buscador, está em duas coisas: como ele faz para encontrar todas páginas da Grande Rede e como ele decide a ordem em que vai listar os resultados. Os nomes técnicos para estas duas atividades são crawling e scoring. Um bom buscador é bastante abrangente, e ao mesmo tempo lista as respostas na ordem que o maior número de pessoas espera. E responde à busca rápido.

Por exemplo, se você procurar por "Ronaldo" no Google Brasil, você espera que os primeiros linques que apareçam sejam sobre o Ronaldinho Gaúcho ou sobre Ronaldo Fenômeno. Não que a primeira página seja a de Ronaldo, seu vizinho, e a resposta de posição 1,233,233 seja a primeira com Ronaldo, o jogador de futebol. Ao mesmo tempo, se você coloca "World Champion 2002", quer que algo relacionado ao assunto apareça e provavelmente ficará decepcionado se não aparecer. E além disso tudo, sua paciência não aguenta esperar duas horas para uma busca ser respondida.

Todo buscador, do Google ao MSN Search, passando pelo Yahoo, pelo Ask Jeeves e até o Cadê, procura atender a esses três requisitos. Mas como falei do Google, vamos entender melhor como ele funciona. O crawling do Google, assim como o da maioria dos buscadores é feito através de programas de computador que vão seguindo todos os linques de uma página, e acumulando as informações das páginas visitadas, a partir de uma página inicial. Uma boa página inicial é a de um índice como o Yahoo (www.yahoo.com) . A coisa toda é feita de forma organizada, de maneira que ao final do processo, um componente desconectado da Web inteira foi explorada. Outra página inicial deve ser fornecida para explorar outros componentes desconectados. Por exemplo, é pouco usual um índice em inglês levar a descobrir páginas em alfabetos não ocidentais. Portanto o crawler, programa que faz o engatinhamento, tem que ser reinciado com uma página em japônes.

Para cada página visitada, o Google cria uma ficha de biblioteca. As palavras da página que estão no dicionário global tem suas frequências contadas, o endereço da página é anotado na ficha, e o endereço de todas as páginas para as quais a página linca são anotados. Finalmente, o próprio dicionário global é emendado caso alguma palavra nova seja encontrada.

Ao fim do processo de crawling - que há uns dez anos atrás demorava cerca de uma semana para visitar a Web inteira, e hoje demora bem mais que um mês - o Google tem um gigantesco banco de dados com informações concisas da página. Uma enxugada no dicionário global é feita, para remover palavras frequentes demais, como por exemplo preposições, e para remover palavras infreqüentes demais, como um erro de tipografia exdrúxulo. Por isso, se seu nome for muito incomum (muito mesmo), você não será indexado pelo Google. Se seu nome for muito incomum, mas você cometer um ato que te põe nas capas de vários jornais, a frequência do seu nome aumenta, e o Google vai te indexar.

O próximo passo é então como o scoring do Google é feito. Uma maneira natural de ordenar as páginas, quando uma busca é feita, é simplesmente pela frequência com que a palavra buscada aparece na página. Por exemplo, se você busca por "mágica", uma página que contenha a palavra mil vezes, é provavelmente mais importante do que uma que contem a palavra somente dez vezes. Infelizmente, um esquema simplista como este pode ser facilmente burlado, com indivíduos criando páginas que tenham milhões de vezes a palavra "mágica", mesmo sem ser relacionado ao assunto ou para vender um livro específico de mágica.

Cada buscador tem então a sua receita mágica para contrabalançar este tipo de problema. O Google usa uma idéia de pontos por autoridade (relevance scoring). Talvez tenha sido a grande sacada da dupla Brin & Page ao projetar seu buscador. A pontuação do Google soma aos pontos tradicionais (como frequência da palavra, importância da palavra num contexto dado por alguma fórmula simples pré-programada, etc.), uma pontuação dada por reputação.

Como medir reputação? A idéia é simples: se páginas com muita reputação apontam para você, então você tem muita reputação. É uma propriedade hereditária. Matematicamente isto é feito usando teoria dos grafos, a mesma que você usa para colorir mapas-múndi com o mínimo de cores possíveis. Mas como medir a reputação de uma página na Web, se você não sabe a reputação de ninguém a priori?

Um jeito simples, solução de engenheiro, é montar um usuário aleatório (um random browser ou monkey browser). A maneira como este usuário funciona é a seguinte: ele começa de uma página inicial e escolhe aleatoriamente um linque a ser clicado. Ele segue para a página clicada e repete o processo. O processo é feito indefinidamente. Após muito longo tempo (provavelmente após centenas de bilhões de cliques) você pode calcular a reputação de cada página com uma fórmula simples: conte o número de vezes que a página foi visitada pelo monkey browser. Para normalizar a pontuação, o melhor é calcular a fração do total de páginas visitadas que cada página aparece. Só para deixar a coisa mais simples, suponha que a Web tem só 3 páginas, A, B e C. Suponha que o monkey browser viajou por cem páginas usando o método aleatório e visitou A trinta vezes. Então a reputação de A é simplesmente 30/100 (ou seja, 0.3 de 1.0).

Uma interpretação bacana do seu score de relevância normalizado desta forma é que ele é simplesmente a chance de um monkey browser ir parar na sua página. Se a probabilidade é alta, então sua página é importante. Tudo isto já era conhecido em teoria dos grafos, e o que os dois jovens de Stanford fizeram com a ajuda de seus professores foi incorporar isto a busca na Web.

Para concluir, um último detalhe: se o Google realmente precisasse lançar macacos aleatórios para calcular a pontuação, provavelmente iriam levar anos para se concluir o cálculo, afinal precisariam fazer bilhões de visitas para se ter um número confiável (a Web tem bilhões de páginas). Felizmente, existe uma maneira eficiente de calcular estas probabilidades sem fazer visita alguma. Você só precisa saber a estrutura de linques do conjunto de páginas (que página liga com quem). O algoritmo é bastante antigo, tem mais de 100 anos. E uma das suas aplicações anteriores foi resolver problemas como calcular as frequências de vibração na corda do seu violão ou a chance de se ganhar em pôquer.

O que destacou o Google das outras máquinas de busca existentes foi a idéia de fazer um crawling mais completo que todo mundo, numa época em que ninguém se dispunha a fazer isso, e a receita da reputação entrando como parte da pontuação da página. Portanto agora você já sabe os principais segredos do Google, e pode seguir para descobrir truques para aparecer no topo da lista.


Ram Rajagopal
Berkeley, 14/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ler Oswald Spengler em 2014 de Celso A. Uequed Pitol
02. A Banda Mais Bonita da Internet e a Memética de Noah Mera
03. Hitch 22 de Guilherme Pontes Coelho
04. Memória das pornochanchadas de Gian Danton
05. A evolução da nova democracia brasileira de Luis Eduardo Matta


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2006
01. Sobre responsabilidade pessoal - 1/5/2006
02. Como o Google funciona - 14/3/2006
03. Como começar uma carreira em qualquer coisa - 24/4/2006
04. Música é coração, computadores, não? - 28/2/2006
05. Reflexão para eleitores - 4/9/2006


Mais Especial Google
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/3/2006
09h04min
Adorei seu texto, me lembrei de uma tarde inteira que você pacientemente passou me explicando como a Google funciona. Não é porque é meu irmão não, mas o texto está uma maravilha!!! Saudades, Beijos, Lakshmi
[Leia outros Comentários de Lakshmi ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SINAL VERDE
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
CEC
(1980)
R$ 5,50



O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
CHARLES BERLITZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,49



YOGA
COLEÇÃO CARAS ZEN
CARAS
(2004)
R$ 4,00



O DIA DO LEÃO MUSSOLINI
ROY MACGREGOR-HASTIE
NOVA FRONTEIRA
(1977)
R$ 12,00



THE STORY OF SHERWIN WILLIAMS 7988
HENRY SHERWIN E EDWARD WILLIAMS
DESCONHECIDA
R$ 35,00



SACRALIDADE DA VIDA
DAISY PECCININI
INSTITUTO VICTOR BRECHERET
(2012)
R$ 25,11



A MORTE DE D.J. EM PARIS
ROBERTO DRUMMOND
OBJETIVA
(2018)
R$ 15,00



GENTE COMO A GENTE
JUDITH GUEST
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,00



DIREITOS CIVIS E RELAÇÕES RACIAIS NO BRASIL
JORGE DA SILVA
LUAM
(1994)
R$ 18,82



ENTENDA E PONHA EM PRÁTICA AS IDEIAS DE ANDREW GROVE
ROBERT HELLER
PUBLIFOLHA
(2001)
R$ 7,50





busca | avançada
38827 visitas/dia
1,0 milhão/mês