Um dândi na bolha do tempo | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/3/2009
Um dândi na bolha do tempo
Pilar Fazito

+ de 2800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Estou no fim do mundo. Ou quase. Desde que vieram com esse papo de que a Terra é redonda, o início emenda com o fim e a coisa fica cíclica, de forma que a gente não sabe mais onde o planeta acaba. Então, não sei bem se posso dizer que estou no fim do mundo. Mas o certo é que estou num lugar em que o tempo parece ter parado. Perdida em meio à Chapada Diamantina, numa cidadezinha simpática, feita de pedras e de pessoas que cantam enquanto andam, crianças que brincam de amarelinha, cães que tomam sol no meio da rua o dia inteiro porque carro, aqui, necas de pitibiriba, e casas que vivem de portas e janelas abertas.

Neste universo paralelo existe um único telefone público e uma única lan house que pode ser qualificada, no mínimo, de insólita. São apenas dois computadores à disposição dos habitantes. Mais do que o suficiente para os poucos e tranquilos moradores de Igatu. Logo na entrada um cartaz explica as regras de uso: é proibido entrar em sites pornôs e criança só pode usar a internet fora do horário de aula. Em frente à lan house do João, existe uma loja de não-sei-o-quê, cuja plaquinha diz: "entre aqui e compre alguma coisa". Não dá para entender quais são os produtos à venda, já que eu não atendi ao apelo. Não foi por falta de querer, mas é que, toda vez que passo em frente ao lugar, o Amarildo não está. Aliás, não conheci pessoalmente o Amarildo, mas soube que é conhecido não só na cidade como também nas redondezas por ser o fã número um da Xuxa. Dizem que até a Camila Pitanga, quando passou por estas bandas, ficou impressionada com a dedicação dele pela rainha dos baixinhos e, assim como a Vânia, dona de uma simpática pousada, teve vontade de promover, facilitar ou até financiar o encontro com a loura.

Uma semana em cidade pequena basta para a gente saber de tudo o que se passa, conhecer as pessoas e os vira-latas pelo nome e saber da vida alheia. Nesses lugares, o tempo parece que parou ou foi metido dentro de uma grande bolha de sabão. Gente de cidade grande vira bicho esquisito em pouco tempo e depois acha graça de um estilo de vida simples como este, que deveria ser considerado normal. Aí, chega querendo se enturmar logo e acha que pode se tornar "um deles" com duas ou três doses de pinga, ou depois de passar uma tarde jogando conversa fora na soleira da porta.

Algumas pessoas não podem. Por mais que se esforcem, por mais que gostem de admirar a natureza, pegar uma trilha de terra aos sábados, uma cachoeira aos domingos, que se encantem com o cheiro de terra molhada, existem aqueles que não se dão muito bem quando se trata de escolher as serras em detrimento das cidades. É que depois de uma certa idade, fica difícil se adaptar a um estilo de vida mais... rústico? Não é questão de frescura, veja bem. Nem todo dândi é dândi porque quer. Uns, como eu, têm hérnia de disco. E vai botar essa gente para escalar pedras, fazer rafting, sentar em troncos de árvore ou dormir em redes... Não dá. É preciso respeitar o limite do corpo, o que não quer dizer que eu não seja capaz de andar um dia inteiro - em terreno plano, que fique bem entendido.

Outra coisa problemática para um dândi em cidadezinhas como esta é que a gente sempre se dá mal até quando faz o bem. Ontem, por exemplo, passei em frente a um muro alto, sobre o qual estava um menininho muito simpático que me pediu ajuda para descer. Maldita educação católica que nessas horas buzina na nossa consciência um "faça o bem sem perguntar a quem". Pergunte! Sempre pergunte! E dependendo da resposta, vá cuidar da sua vida. Eu não perguntei e veja no que deu: querendo ser gentil, ajudei o peralta a descer do muro, depois tomei meu rumo. Quando voltava para a pousada, já mais tarde, topei com a mãe do garoto. No meio da rua, levei um safanão bastante assustador e custei a entender por que, em vez de agradecer a ajuda que dei ao filho, a mulher reclamava e me xingava até a quinta geração. Ela dizia que eu não poderia ter feito isso porque o menino estava de castigo, por ter jogado pedras na casa de não sei quem. Eu disse que não sabia e pedi desculpas, mas ela foi arrastando o recalcitrante mirim pelo bracinho, falando que não havia desculpas para o que eu tinha feito.

Eu queria ter um ego mais bem resolvido para não me deixar afetar por esse tipo de coisa, mas confesso que fico aborrecida por dias até conseguir mandar tudo para as cucuias. A questão é que, por ter facilitado a fuga de um foragido da justiça materna - mais implacável do que qualquer outra -, não obtive perdão. Ainda tentei argumentar, dizendo que não sabia da condição do menino, mas a mãe babava e falava que ele só tinha cinco anos e que eu não poderia ter feito o que fiz. Então, meu coleguinha criminoso rebateu ofendido para ela: "eu não tenho cinco anos, tenho quatro!", como se isso bastasse para impor mais respeito. Foi a única frase disso tudo que me fez ter vontade de rir e achar que valeu a pena ter ajudado o mocinho.

Enfim, a mãe foi. O boyzinho foi. E eu fiquei arrasada no meio da rua. Mas hoje já estou indo também. Quem sabe eu consiga deixar para trás esse sentimento ruim de quando a gente é mal compreendido e não sabe o que poderia ter feito de diferente. Quando eu voltar a esta cidadezinha, certamente, isso já terá se diluído em meio às histórias e aos fantasmas que cobrem as paredes e as ruínas de pedras, remanescentes da época do garimpo. O Amarildo já terá conhecido a Xuxa pessoalmente e Igatu continuará a ser esta simpática bolha temporal, onde os vira-latas têm nomes.


Pilar Fazito
Igatu, 2/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 2 de Rafael Fernandes
02. Deflorando a Coluna de Tyler Durden


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/2/2009
22h10min
Amarildo é um herói de verdade.
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
3/3/2009
14h55min
Pilar: Adorei seu texto. Sabe que é assim mesmo? Exatamente como descreveu. Bom ler você. Sua descrição perfeita me fez viajar pela cidadezinha, ficar com vontade de conhecer o Amarildo. E ainda tem mais, dar a maior risada com a bronca que o meninhinho deu na mãe. Hehe! Não pude resistir.
[Leia outros Comentários de Anny(Anna)]
18/3/2009
08h25min
Cara Pilar... Gostei muito de seu texto. Parece um conto de ficção. Acho que você tem jeito para contista. Talvez até seja. Parabéns pelo belo e simples texto. Marcos
[Leia outros Comentários de Marcos Arrebola]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FALCÃO TRIGOSO A VIDA E A OBRA DO PINTOR
SYLVIA PURWIN DE FIGUEIREDO FALCÃO TRIGOSO
INAPA
(1997)
R$ 39,08



IMPLANTAÇÃO CERTIFICAÇÃO ISO 9001: 2008
FERNANDA FLORES NASCIMENTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O MÁGICO DE OZ (TEXTO INTEGRAL)
L. FRANK BAUM
ÁTICA
(1997)
R$ 14,90



CONSELHOS ESCOLARES E RESULTADOS DE AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA(IDEB):
WALDÍSIA RODRIGUES DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



GARCIA D ORTA E AMATO LUSITANO NA CIÊNCIA DO SEU TEMPO
A. J. ANDRADE DE GOUVEIA
BIBLIOTECA BREVE
(1985)
R$ 26,00



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 335 - ANO 37 - AGOSTO 2000
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(2000)
R$ 7,00



TIPO ASSIM , CLARICE BEAN
LAUREN CHILD
ÁTICA
(2009)
R$ 28,00



1001 PENSAMENTOS
GILBERTO SANTOS
CAMPO DAS LETRAS
(2001)
R$ 41,37



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



ATLAS FOTOGRÁFICO À CORES DE ANATOMIA MICROSCÓPICA
PIETRO MOTTA
LIVRARIA ATHENEU
(1974)
R$ 29,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês