A despedida de Ingmar Bergman | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 28/8/2006
A despedida de Ingmar Bergman
Marcelo Miranda

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Bergman

Identificar uma obra-prima no cinema é tarefa muitas vezes subjetiva. No caso do cinema de Ingmar Bergman, nem tanto: alguns de seus filmes podem receber a tão polêmica alcunha sem medo ou hesitação, pelo simples motivo de serem, essencialmente, o que de mais lindo e intenso que a tela grande pode proporcionar. O espectador agora tem a chance de ver o provável (e assumido) último filme de Bergman. Saraband foi lançado em DVD no país e já está disponível nas locadoras. Oportunidade de conferir na tela o ocaso de um cineasta fundamental que, aos 88 anos, ainda guarda muito a dizer da natureza humana.

Sueco nascido em 1918, na cidade de Uppsala, Bergman teve forte formação luterana, por conta da rígida criação do pai. Isso influiria em toda a sua obra. Estudou em Estocolmo e iniciou carreira artística no teatro. Foi nos palcos que adquiriu boa parte dos conceitos e idéias que desenvolveria à perfeição no cinema - arte na qual começou como roteirista. O primeiro filme, Crise, data de 1945, desde então com as obsessões típicas que permeariam os filmes: religiosidade à flor da pele, pecado, culpa e morte, sempre a morte.

Porque Bergman é, acima de tudo, um cineasta fúnebre, pesado, carregado de tristeza e desilusão. Não foi sempre assim: dirigiu comédias também, como o curioso Sorrisos de uma noite de amor (1955), inspirado em Shakespeare. Só que foi no drama que o status de gênio realmente tomou forma. Um de seus filmes mais emblemáticos e referenciados é O Sétimo Selo (1956), em que, ao retornar das Cruzadas, um homem se encontra cara a cara com a morte e, num jogo de xadrez, define o rumo da humanidade. Curiosamente, há otimismo no desfecho, o que vai contra muito do que Bergman costuma fazer, mas ainda assim resume boa parte das características do diretor.

Morangos Silvestres (1957) veio logo em seguida, novamente tendo a morte como tema principal - na trajetória do velho que relembra grandes momentos de sua vida. O Rosto (1958) tem no título o que mais fascina o sueco: a face humana, as rugas, as expressões de amor, ódio, medo, frustração. Poucos cineastas dão tanto valor ao rosto, herança vinda provavelmente do dinamarquês Carl Dreyer e seu A Paixão de Joana D'Arc (1928). Os ângulos fechados acima do pescoço tiram quaisquer impressões de teatro que o cinema de Bergman ainda possa manter - já que, no fundo, ele encena na tela pequenas tragédias dramáticas, em linguagem que remeteria aos palcos não fosse a consistência e o impacto de sua câmera.

Isso fica mais explícito em Gritos e Sussuros (1972), considerado por muitos (inclusive por este colunista) o auge de Bergman. Apostando na simplicidade de recursos, o sueco entrega às atrizes (as parceiras tradicionais Harriet Andersson, Ingrid Thulin e Liv Ullmann), auxiliadas pela fotografia avermelhada e pelos simbolismos da imagem e do som, toda a complexidade de uma crise familiar iniciada - como não poderia deixar de ser - pela aproximação da morte. Num processo de completa desintegração, Bergman descasca a personalidade de cada personagem, chegando a dissecar "como uma cebola", segundo o próprio roteiro, cada ruga do rosto de Liv Ullman, a atriz-fetiche, a musa maior, do sueco, mulher com quem ele inclusive se casou e teve filhos. Gritos e Sussurros é a grande prova de que o cinema pode conjugar arte e humanidade, dor e agonia.

Bergman
Cena de Gritos e Sussurros

Alguns filmes do diretor também têm tom operístico, como A Fonte da Donzela (1959) e A Flauta Mágica (1975), sendo este último uma adaptação quase literal da ópera de Mozart. Bergman ainda conseguiu demonstrar na tela a inquietação da chegada de um regime totalitarista em O Ovo da Serpente (1979), em que cunhou a expressão usada ainda hoje para falar do pré-nazismo. E também captou a delicadeza das relações amorosas através do olhar de gente apaixonada e confusa - são os casos de Cenas de um Casamento (1974) e Fanny e Alexander (1982).

Listar o que é obrigatório para ver de Bergman é impossível. Além dos citados, são indispensáveis O Silêncio (1962), Sonata de Outono (1978) e Persona (1966), este um dos mais maravilhosos e tristes estudos da personalidade feminina, resumidos na presença de Bibi Andersson e Liv Ullmann. Mas também Através de um Espelho (1960), A Hora do Lobo (1968) e Depois do Ensaio (1984) não podem jamais faltar. O ideal é simplesmente ver todos. Mas vale o aviso: nunca assista a um Bergman seguido de outro. Seus filmes têm pesos de concreto, batem fundo na alma e precisam sempre ser refletidos e digeridos por algum tempo.

E chegamos a Saraband. Realizado com câmera digital exclusivamente para a televisão, teve uma exibição em canal sueco e chegou a passar em salas comerciais na França. Aqui no Brasil, foi direto para o disco doméstico, o que não significa que o filme não mereça atenção - existe uma falsa idéia de que filmes que vão direto para as locadoras se deram mal no exterior ou são tão ruins que a distribuidora não bancou nos cinemas, mas isso é uma outra história. Incrível como Bergman torna este seu dito filme final quase um epitáfio

Liv Ullman olha para a câmera e relembra o passado. É assim o início do fim de Ingmar Bergman. Saraband retoma os personagens da minissérie (transformada em longa-metragem) Cenas de um Casamento e mostra uma espécie de epílogo de toda a cinematografia do diretor. A melancolia das imagens e diálogos de Saraband reflete situações de dor. O foco é a perda. Perda do amor, da inocência, da felicidade, da vida.

Perda da vida, morte: é isso que realmente move os filmes de Bergman. Não é diferente aqui. A principal personagem não é Liv Ullmann, interpretando Marianne, ex-esposa de Johan. É Anna, a nora falecida de Johan, a mãe de Karin, a mulher de Henrik. Todos os personagens gravitam em torno dessa presença ausente, dessa defunta que deixou marcas profundas em cada um.

Bergman
Liv Ulmann e Erland Josephson em Saraband

A sarabanda é uma dança espanhola, mas também um movimento musical difícil de ser atingido e que, quando existe, é sublime. O caminho de Karin, filha de Anna, é uma sarabanda: ela está presa ao desejo do pai desde a morte da mãe. Seu percurso rumo à libertação é o mote do filme, e a encenação cíclica de Bergman (os personagens aparecem em duplas, sempre tendo um dialogando com alguém da cena anterior) parece ir ao encontro do desfecho de uma saga de pessoas angustiadas.

Desfecho que não se refere só a Saraband, mas ao próprio Bergman. Quando Liv Ullmann ressurge de frente a uma mesa, novamente a nos olhar, a câmera sufocante do diretor se aproxima daquele rosto enrugado e olhos lacrimejantes, como a assumir que a vida, apesar das batalhas pessoais, é mais cruel do que se quer reconhecer. No cinema de Ingmar Bergman, não é qualquer um que consegue atingir a sarabanda.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 28/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
02. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
03. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
04. O regresso, a última viagem de Rimbaud de Eugenia Zerbini
05. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/8/2006
15h54min
Bergman só é um cineasta porque produziu filmes; a frase é, desculpe-me, óbvia. Lidando com cinema é natural (ou espera-se) que alguma coisa da especificidade (argh!) cinematográfica apareça na obra. Assim é que Bergman acaba focando os rostos ou usando algum corte, alguma montagem, tipicamente cinematográfica. Mas ele faz isso quase relutantemente. Bergman "pensa" como diretor de teatro. "Gritos e Sussurros" ou "O Sétimo Selo" poderiam ser facilmente montados em palco, sem grandes problemas. Se alguém tentar uma coisa dessas com, digamos, "2001 - Uma Odisséia no Espaço", essa eu queria ver. Mas isso realmente não importa. Bergman é um grande autor com seu grande e sombrio teatro que esfarela questões sem importância. Um teatro que não é pra todo mundo, não é pra mim, que preciso de pelo menos um ano de intervalo entre dois filmes dele, para me recompor de toda aquela morbidez cristã excessiva.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERINTERESSANTE 216 QUANDO A VIDA COMEÇA?
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2005)
R$ 6,90



AS NOTÍCIAS + MALUCAS DO BRASIL
ALESSANDRO BENDER
PARIS EDITORIAL
(2005)
R$ 8,00



PSICOLOGIA
A PSICOPEDAGOGIA
DOM QUIXOTE
(1992)
R$ 47,88



SIMAO, O MAGO
JEAN CLAUDE CARRIERE
SICILIANO
R$ 10,00



URBANIZAÇÃO E SUBDESENVOLVIMENTO
VARIOS
ZAHAR EDITORES
(1969)
R$ 9,80



A PERFEITA MULHER CASADA
LUIS DE LEÓN
ESCALA
R$ 5,00



FEITIÇO MORTAL
RUTH RENDELL
BEST SELLER
R$ 10,00



DICTIONNAIRE DE LA PRÉHISTOIRE
MICHEL BRÉZILLON
LIBRAIRIE LAROUSSE
(1969)
R$ 35,82



ENTRE TODOS OS HOMENS - 4ª
FREI BETTO
ATICA
(1998)
R$ 10,00



O PLANO INFINITO
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2013)
R$ 48,00





busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês