Sábado, de Ian McEwan | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Três Irmãs
>>> Sempre procurei a harmonia
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> O ensaísta Machado de Assis
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> Os narradores de Eliane Caffé
>>> 7 de Setembro
>>> 8º Salão do Livro
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
Mais Recentes
>>> Monica Teen- The love Of An Angel de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2012)
>>> O Cachorrinho Samba de Maria José Dupré pela Ática (2006)
>>> Psicanálise e religião de Erich Fronm pela Livro íbero americano ltda (1962)
>>> Da Auto-estima a Individuação: Psicologia e espiritualidade de Jean Monbourquette pela Paulinas (2008)
>>> Vida: Oportunidade de Aprender de Alzemiro Rufino de Matos pela Editares (2014)
>>> Turma Da Mônica Jovem - Mônica E O Cavaleiro de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> O Matrimônio Perfeito de Samael Aun Weor pela Igb (2011)
>>> Transcendente de Lesley Livingston pela Jangada (2016)
>>> 50 Ideias de Filosofia que Você Precisa Conhecer de Ben Dupré pela Planeta (2015)
>>> O Rosto de Cristo: A Formação do Imaginário e da Arte Cristã de Armindo Trevisan pela Age (2003)
>>> A Sustentabilidade nos Tempos de Pandemia de Flavio Horowitz pela Brazil Publishing (2020)
>>> Ilíada de Homero pela L&Pm (2011)
>>> História Medieval de Cibele Carvalho pela Intersaberes (2016)
>>> Chico Bento Moço-Bravura Indomável de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Outlander: A Libélula no Âmbar - Livro 2 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Turma Da Monica Jovem-O Dono Do Mundo de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2009)
>>> Chico Bento Moço- O Manto Misterioso de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Outlander: A Cruz de Fogo Livro 5 - Parte 2 de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2017)
>>> Chico Bento Moço- Um Caipira na Corte do Rei Artur de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Turma da Mônica Jovem -Surge Uma Estrela de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Turma da Mônica Jovem - Fortes Emoções de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Outlander: Os Tambores do Outono Livro 4 - Parte 2 de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2016)
>>> Outlander: Os Tambores do Outono Livro 4 - Parte 1 de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2016)
>>> Turma da Mônica Jovem -Eles Cresceram de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Turma da Mônica Jovem - Novos Desafios! de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Outlander: O Resgate no Mar Volume 3 - Parte 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2015)
>>> A História Não Contada dos Estados Unidos de Oliver Stone; Peter Kuznick pela Faro Editorial (2015)
>>> Turma da Mônica Jovem - O brilho de Um Pulsar de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2009)
>>> O Deus crucificado de Jurgen Moltmann pela Academia Cristã (2010)
>>> Chico Bento Moço- A Árvore da Vida de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Paulo e Estêvão - Edição em Formato Grande de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2013)
>>> Turma da Mônica Jovem - O Dono do Mundo de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2009)
>>> Os Sentidos da Paixão de Adauto Novaes ( Org. ) pela Companhia das Letras (2009)
>>> Jerusalém no tempo de Jesus de Joachim Jeremias pela Academia Cristã , Paulus (2010)
>>> Apóstolo Paulo: Vida, obra e teologia de Jurgen Becker pela Academia Cristã , Efatá (2020)
>>> O Mundo de Sofia: Romance da História da Filosofia de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (1995)
>>> Estudos no novo testamento de Joachim Jeremias pela Academia Cristã , Efatá (2020)
>>> O príncipe de Nicolau Maquiavel pela L&Pm (2011)
>>> Pai Rico, Pai Pobre: O que os ricos ensinam a seus filhos sobre dinheiro de Robert T. Kiyosaki; Sharon L. Lechter pela Campus (2000)
>>> Shantaram de Gregory David Roberts pela Landscape (2005)
>>> O significado e a mensagem de Deus na bíblia de Trggve N. D. Mettinger pela Academia Cristã , Efatá (2020)
>>> Chico Bento Moço- Muito Além do Anzol de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Turma da Mônica Jovem - A Aventura Continua de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Antígona de Sófocles pela L&Pm (2010)
>>> Febre do Ouro de Disney pela Abril (1990)
>>> O Elo de Alexandria de Steve Berry pela Record (2008)
>>> Big - Para levar Sempre com Você de Disney pela Abril (1990)
>>> Star Wars Episódio 1: A Ameaça Fantasma de Terry Brooks pela Meia Sete (1999)
>>> Aliens de Disney pela Abril (1990)
>>> Elis Regina: Nada Será Como Antes de Julio Maria pela Master Books (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/1/2006
Sábado, de Ian McEwan
Jonas Lopes

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Se a vida, como afirmou Ralph Waldo Emerson, consiste naquilo que um homem está pensando o dia inteiro, Sábado (Companhia das Letras, 336 págs, 2005), o novo livro do inglês Ian McEwan (traduzido por Rubens Figueiredo), é um belo pedaço de vida. McEwan, autor do melhor romance da década até agora (Reparação), captura um dia na vida e nos pensamentos de Henry Perowne, um neurocirurgião bem-sucedido. Não um dia qualquer, mas aquele em que houve a maior manifestação da história de Londres, contra a entrada da Inglaterra na Guerra do Iraque junto com os Estados Unidos. Um milhão de pessoas foram às ruas protestar.

Neste dia "destinado a se destacar dos demais" - 15 de fevereiro de 2003 - Henry vê um avião em chamas pela janela às três horas da manhã, faz sexo com sua mulher, sofre um acidente de trânsito e foge por pouco de levar uma surra de marginais, é derrotado em uma disputada partida de squash, compra frutos do mar para o jantar, visita a mãe que sofre de Alzheimer em um asilo, assiste a um ensaio do filho guitarrista, reencontra-se com a filha pela primeira vez em seis meses, vê sua casa ser invadida pelos mesmos marginais que bateram em seu carro, faz uma cirurgia cerebral em um deles, e, por fim, termina o dia na cama refletindo sobre todos esses acontecimentos.

Ian McEwan declarou que a influência nessa narrativa de um só dia não vem tanto dos também britânicos James Joyce (Ulisses) e Virginia Woolf (Mrs. Dalloway), e sim dos americanos, como o Saul Bellow de Seize The Day. Bellow está na epígrafe de Sábado com um trecho de outro livro seu, a obra-prima Herzog, de 1964. Há outras semelhanças com o autor judeu morto no ano que passou. Baxter, o homem que bate no carro de Perowne, lembra o vagabundo e candidato a mafioso Rinaldo Cantabile, de O Legado de Humboldt. Ele até instiga a curiosidade do médico, como Cantabile instigava Charles Citrine, o protagonista de Humboldt.

Outra paixão de McEwan é John Updike. Sábado herdou da tetralogia Coelho, de Updike, o tempo verbal no presente, a prosa abundante e a intenção de abordar uma vida comum, de classe média, tendo como pano de fundo situações políticas e sociais. O clima de classe média alta lembra o do terceiro volume da tetralogia, Coelho Cresce.

Como o Joe Rose de Amor Para Sempre, romance de McEwan, o cirurgião é racional até a medula. Tornou-se frio graças à sua profissão e mantém uma vida sem muitos arroubos emocionais. Vive discutindo com a filha poeta, que é pura paixão. Não compartilha com ela o gosto pela ficção ("E a Perowne interessa ainda menos ter o mundo reinventado; ele o quer explicado"): ele lê, por indicação dela, clássicos como Madame Bovary e Anna Kariênina. Não consegue achar as histórias das adúlteras mais do que contos de fadas irrelevantes e aparentemente distantes de sua vida.

Só aparentemente. McEwan não deve ter escolhido citar esses livros à toa; ambos tratam de uma classe média entediada, vazia, com ênfase nas aparências. Perowne não capta a crítica de Flaubert e Tolstói por viver em um ambiente parecido com aqueles dos dois livros. Sua família é a personificação da perfeição. Além dele próprio, conceituado e talentoso, sua esposa é advogada competente, sua filha terá o primeiro livro de poesias lançado por uma grande editora, seu filho é a maior promessa inglesa do blues. Henry orgulha-se de não sentir vontade de ter relações com qualquer mulher que não a sua esposa. Tudo muito decente e correto. No afã de parecer incorruptível e infalível, a família Perowne, como diversas outras da classe média, fecha-se dentro da redoma que é seu círculo social. Uma boa casa em um bom bairro, uma profissão segura, uma Mercedes na garagem, o fim de semana no clube. Ocultam o próprio vazio. Henry mesmo não admite a emoção que sente, por exemplo, ao ouvir o filho tocar - como se nesses tempos de terror, fosse necessário ser o menos emotivo possível (embora ele saiba que "não é o racionalismo que vai derrotar os fanáticos religiosos, mas o comércio trivial e tudo o que ele acarreta (...) Comprar, em vez de rezar"). Com a paranóia pós-11 de setembro, os Perowne fogem desse terror:

"A caminho da escada principal, se detém diante da porta da frente. Ela dá direto para a calçada, para a rua, que vai para a praça e, em seu esgotamento, a porta assoma, de súbito, diante dele, estranhamente com seus acessórios - três sólidas fechaduras da marca Banham, dois ferrolhos de ferro preto, tão velhos quanto a casa, duas correntes de aço temperado, um olho mágico com cintura de metal, a caixa de circuitos eletrônicos que opera o sistema do interfone, o botão vermelho de pânico, o dispositivo de alarme com seus dígitos que brilham suavemente. Tantas proteções, tantas fortificações cotidianas: cuidado com os pobres da cidade, os viciados, os francamente maus".

Em Sábado, o cotidiano da família é colocado em choque com esses "perigos externos". O brilho da narrativa está em manter presente a tensão das manifestações contra a guerra, sempre de forma indireta. Perowne é atrapalhado pelo protesto, pois ruas são fechadas e param o trânsito. Ele vê jovens com bandeiras nas praças - de dentro de seu carro, note -, observa imagens dos manifestantes na televisão do asilo de sua mãe. Nunca os acontecimentos tomam a posição de frente, embora sempre estejam lá. Nos diálogos de cozinha entre Henry e seus filhos, todos debatendo se a Inglaterra deve entrar na guerra ou não - do lado de dentro, sempre.

McEwan encontra-se no domínio máximo de seu poderio narrativo. Suas sentenças estão cada vez mais longas, sem cair na prolixidade. O vigor descritivo é impressionante. Dois anos pesquisando e presenciando cirurgias cerebrais possibilitaram a ele trazer para o livro os mínimos detalhes dessas intervenções médicas. E ele ainda exercita em Sábado o gênero da ficção ensaística. Promove digressões analíticas sobre os temas mais diversos, como política, drogas, mídia, a validade da literatura nos tempos atuais, ciência, a relação entre emoção e razão e mortalidade (através da tocante mãe de Henry).

O inglês é mestre em criar situações impactantes e densas, que tiram o leitor do sério. É assim em Amsterdam no capítulo em que Clive, um compositor erudito, caminha por um vale à espera da inspiração para o clímax da sinfonia que está compondo para o final do milênio. É assim em Amor Para Sempre no incidente que abre o livro, uma queda de balão descrita de forma tão acachapante que quase ofusca o restante do livro. E é assim nas 200 primeiras páginas de Reparação - impossível escolher uma única cena em um romance tão irreparável -, até que a escritora juvenil Briony Tallis comete o erro que passará a vida inteira tentando reparar.

Em Sábado essa cena acontece quando a casa de Perowne é invadida por Baxter e um amigo. Não vale a pena estragar qualquer coisa descrevendo os detalhes, mas o desfecho da crise é curioso, no mínimo. A cena então se expande até Henry operar Baxter ao som das Goldberg Variations, de Bach: "Coloca delicadamente a tira de pericrânio sobre o surgicel e acrescenta uma segunda camada de surgicel e uma segunda tira de pericrânio, e põe outro absorvente por cima. Em seguida, o dedo de Rodney. Perowne enxágua a região mais uma vez, com solução salinizada, e espera. A opaca dura-máter, branca e azulada, permanece desimpedida. O sangramento estancou".

Mais que apresentar ao leitor apenas um dia na cabeça de Perowne, Ian McEwan traça um panorama rico do homem hoje - os temores de Henry e sua família são, hoje, universais, assim como suas esperanças, angústias e fragilidades. Sábado é um pouco sobre cada um de nós.

Para ir além






Jonas Lopes
São Paulo, 13/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
02. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
03. Senhores turistas, apressem-se! de Carla Ceres
04. Discos que me mudaram de Rafael Fernandes
05. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim de Ricardo de Mattos


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
02. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
03. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/1/2006
10h50min
Jonas Lopes, obrigado pela pela aula de literatura. Tens, agora, um aluno fiel. Tenho de ler este livro imediatamente. Parabéns, professor.
[Leia outros Comentários de Paulo S.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEGREDOS DA BEL PARA MENINAS
FRAN E BEL
ÚNICA
(2016)
R$ 9,90



RASTROS DE DOR
ROQUE JACINTHO
IDE / LUZ NO LAR
(2016)
R$ 23,00



DIVINA COMÉDIA- COLEÇÃO REENCONTRO LITERATURA
CECILIA CASAS - ADAPTAÇÃO
SCIPIONE
(2008)
R$ 29,00
+ frete grátis



SCIENCE ET STYLE CONEILS A UM JEUNE ÉCRIVAIN
TH. MOREUX
G DOIN & CIE
(1930)
R$ 186,76



CINTHIA HOLMES E WATSON E OUTRAS INCRIVEIS
CHRISTIANE GRIBEL; BRUNA ASSIS BRASIL
SALAMANDRA
(2015)
R$ 24,90



A SOLUÇÃO OTIMISTA
ÔMAR SOUKI
SOUKI HOUSE
(2001)
R$ 5,00



CONEXÃO MANHATTAN - CRONICAS DA BIG APPLE
LUCAS MENDES
CAMPUS
(1997)
R$ 6,90



A ODISSÉIA DE ASTERIX
GOSCINNY
RECORD
(1981)
R$ 25,00



MINI COLEÇÃO INFANTIL - ALÉM DO ARCO ÍRIS
EDITORA FAPI
FAPI
(2015)
R$ 10,37



A ESSÊNCIA DA FELICIDADE
DESMOND MORRIS
ROCCO
(2005)
R$ 22,39





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês