Cony: o existencialista, agora, octogenário | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
24815 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em Itaguaí, Mangaratiba, Angra dos Reis e Paraty (RJ)
>>> Festival de Teatro de Curitiba para Joinville
>>> TIETÊ PLAZA INAUGURA A CACAU SHOW SUPER STORE
>>> A importância da água é tema de peças e oficinas infantis gratuitas em Vinhedo (SP)
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em SP e público aprende a combater vilões com higiene
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
Colunistas
Últimos Posts
>>> Barracuda com Nuno Bettencourt e Taylor Hawkins
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
Últimos Posts
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
>>> Humanidade do campo a cidade
>>> O Semáforo
>>> Esquartejar sem matar
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balada
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Música em 2004
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Índio quer apito
>>> A profecia de Os Demônios
>>> 9º Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Viciados em Internet?
Mais Recentes
>>> Box Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2005)
>>> 2001 Uma odisseia no espaço de Arthur C. Clarke pela Aleph (2013)
>>> Segredos e virtudes das plantas medicinais de Seleções Reader's Digest pela Seleções Reader's Digest
>>> Como fazer quase tudo de Seleções Reader's Digest pela Seleções Reader's Digest
>>> Dicionário Escolar Latino Português de Ernesto Faria pela Sem (1967)
>>> Box Agatha Christie capa dura de Agatha Christie pela Harper Collins (2020)
>>> Desenhando com o lado direito do cérebro de Betty Edwards pela Ediouro (2005)
>>> Treze Almas de Marcelo Cezar pela Vida & Consciência (2014)
>>> Coleção Segredos do Coração de Coleção Segredos do Coração pela Ciranda Cultural
>>> Holocausto Brasileiro de Daniela Arbex pela Intrínseca (2019)
>>> Uma guerra americana de Omar El Akkad pela Harper Collins (2017)
>>> Como solucionar nossos problemas humanos de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa Brasil (2016)
>>> A Filosofia na alcova ou escola de libertinagem de Marquês de Sade pela Thesaurus
>>> E não sobrou nenhum de Agatha Christie pela Globo Livros (2014)
>>> A Volta ao Mundo em 80 Dias de Júlio Verne pela Pé da Letra (2018)
>>> Cabeça Oca no Mundo de Cora Coralina de Christie Queiroz pela Martin Claret (2012)
>>> Saúde e Vida de Fernando Carraro pela Ftd (2011)
>>> Fontes de Alimentos 410 de Newton C. Braga pela Saber (2005)
>>> Espionagem e contra espionagem eletrônica 410 de Newton C. Braga pela Saber (2005)
>>> Cadê meu Cabelo 410 de Dave Santana pela Global (2014)
>>> O Curupira em uma dança da pesada 410 de Jorge Saad pela Ftd (2009)
>>> Alguns medos e seus segredos 410 de Ana Maria Machado pela Global (2009)
>>> Como mudar o mundo 410 de Stela Barbieri pela Ftd (2015)
>>> Le Capital de Karl Marx com Ex-Libris Conselheiro Cândido L. M. de Oliveira de Gabriel de Ville pela C. Marpon et E. Flammarion (1886)
>>> É uma janela ou uma banguela 410 de Jonas Ribeiro pela Elementar (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/5/2006
Cony: o existencialista, agora, octogenário
Jonas Lopes
+ de 9100 Acessos

Em O Ventre, primeiro romance de Carlos Heitor Cony, lemos já na primeira página uma frase que serve de carta de intenções do então jovem autor: "Só creio naquilo que possa ser atingido pelo meu cuspe. O resto é cristianismo e pobreza de espírito". Essa frase diz muito do protagonista usual dos livros de Cony: um melancólico incurável - não o melancólico usual, triste e choroso, e sim um de humor cruel, amargo, anárquico, de tom quase sempre auto-depreciativo -, desiludido com Deus (há sempre uma ruptura, uma fé que se perdeu), individualista e egoísta. Alguém que trocaria de vida facilmente, se tivesse coragem para isso.

Como toda estréia, O Ventre, de 1958, sofre um pouco com as influências excessivamente expostas. No caso, o narrador tipicamente machadiano e a postura existencialista, herdada de Sartre. A semente da futura obra de Cony, entretanto, está toda ali. Com o tempo, pôde-se perceber que essas características não se encaixam apenas nos personagens, mas no próprio Cony. Ler as entrevistas do escritor chega a ser incômodo, de tão crítico que é de si mesmo. Modéstia ou charme? Logo depois se redime, cunha alguma frase deliciosa, cética e amargurada (como "o homem é um projeto falido" ou "sou um grande batedor de maionese").

O carioquíssimo Carlos Heitor Cony nasceu a 14 de março de 1926. Ou seja, completou oitenta anos. A repercussão da data na imprensa foi quase nula. Não surpreende. Cony é um autor subestimado, tido como de segundo escalão. Uma injustiça. Se ele não criou nenhuma grande obra-prima nem quebrou paradigmas, também não escreveu nada ruim. Manteve um padrão constante de qualidade. Em futuras enquetes de melhor qualquer coisa, seu destino deve ser o de nunca aparecer, pois cada crítico deverá votar em um livro diferente. É difícil escolher um favorito.

Sua infância foi marcada por um detalhe bem peculiar. Cony, até os cinco anos, não falou. A família acreditava que o menino era mudo. Voltou a falar depois de um susto de um vôo rasante de um hidroavião, e nunca mais parou. Aos doze anos, entrou para o seminário, que abandonou anos depois, quando constatou que não tinha fé. Em 1947 cobriu as férias do pai, o jornalista Ernesto Cony Filho, no Jornal no Brasil. Começa ali sua relação com a imprensa, que dura até hoje.

Em 1956, inscreveu O Ventre no Prêmio Manuel Antônio de Almeida. Os jurados (Manuel Bandeira entre eles) elogiaram o livro, mas o consideraram pesado demais para ganhar. Pouco tempo depois, o jovem Cony apareceu no prédio da editora Civilização Brasileira. Exigia falar com o dono, Ênio Silveira, e entregar-lhe seu trabalho para ser publicado. Ênio avisou-lhe que era procurado por dezenas de novos ficcionistas, por que ele seria um caso à parte? Cony contou a história do concurso e garantiu que seu livro era bom. O editor resolveu apostar. O maior diferencial da prosa era o enfoque urbano, longe da metafísica regionalista de um Guimarães Rosa, em algum lugar entre o impiedoso retrato da classe média carioca de Nelson Rodrigues e o desencanto do Fernando Sabino de O Encontro Marcado.

Depois de O Ventre vieram A Verdade de Cada Dia (1959, escrito em nove dias) e Tijolo de Segurança (1960). Ironia: ambos foram inscritos naquele mesmo prêmio e ganharam. Em 1961 Cony lança seu livro mais pungente (e o mais autobiográfico), Informação ao Crucificado. É a história de João Falcão, que, aos onze anos, entra para o seminário e, exatamente como Cony, sofre por ter dúvidas em relação à fé. Ainda assim, é apaixonado por aquela vida. Acha que ser padre é bonito, "bonito e difícil". No final, vai embora, com ainda mais dúvidas ("Que serei lá fora? Ateu? Devasso? Carola? Problemas secundários. O futuro não conta, nem mesmo a eternidade. Importa é danar o coração, depois de tanto masturbá-lo") e uma certeza: Deus acabou.

Matéria de Memória (1962) e Antes, o Verão (1964) são dois momentos de maturidade. No primeiro, o autor brinca com três pontos de vista, o de uma mulher, seu amante e seu filho. Seus pensamentos são todos escondidos pelos três, em uma trama de desentendidos e informações que se cruzam sem se tocarem. Antes, o Verão é seu livro mais doído. Parece apenas mais uma história de um casal em vias de fim de caso. Cony, entretanto, brinca com pequenos detalhes, como a casa de praia que entra em decadência junto com o casal, e a maresia de Cabo Frio que corrói o relacionamento. No final, sobra o silêncio.

Desde 1960 Cony vinha escrevendo crônicas políticas para o Correio da Manhã. Em 1965 (ano de Balé Branco) começaram seus problemas com a ditadura. Foi preso seis vezes, passou um ano e meio exilado (hoje recebe uma gorda e polêmica pensão do governo, como "indenização"; essa é outra discussão...). O regime militar foi explorado em Pessach: a Travessia (1967), romance dividido em duas partes. Na primeira o intelectual (e judeu) Paulo Simões recusa-se a entrar para o Partido Comunista em favor de sua individualidade. É um trecho exemplar, sério concorrente a melhor coisa que Cony escreveu. O nível cai um pouco na segunda parte, em que o personagem é "seqüestrado" pelos guerrilheiros e acaba aderindo à luta. Sobram farpas para todos os lados, tanto para os militares quanto para os supostos revolucionários.

Pilatos, de 1973, é considerado pelo próprio Carlos Heitor Cony o seu melhor trabalho. "Pilatos sou eu, inteiro", disse à revista EntreLivros. Otto Maria Carpeaux chamou de "originalíssimo" o livro: "não tem semelhança com nenhuma outra obra da literatura brasileira". Na inusitada (e algo escatológica) história, um homem perde o pênis e passa a carregá-lo consigo, dentro de um vidro. A ditadura é novamente explorada, em pinceladas sarcásticas.

Começa aqui um longo intervalo na carreira ficcional de Cony, que durou o resto da década de setenta, toda a de oitenta e metade da de noventa. Nesse tempo, escreveu algumas reportagens longas (uma sobre Getúlio, outra sobre JK) e trabalhou na revista Manchete. Sua volta aos holofotes aconteceu só em 1993, quando substituiu o recém-falecido Otto Lara Resende como cronista da Folha de S. Paulo - logo se tornou um dos cronistas mais conhecidos do país.

O retorno à ficção ocorreu em 1995, com Quase Memória, talvez seu livro mais conhecido. Quase Memória, escrito em três semanas, vendeu demais e começou uma espécie de "onda Cony" no Brasil. Curiosamente, é um livro pouco característico. É bem mais otimista que o Cony habitual, menos perturbado - a amargura dá lugar ao lirismo. Na história, o jornalista Carlos Heitor Cony recebe um pacote misterioso, que seria de seu pai falecido. Feito uma madeleine carioca, o pacote desperta no narrador lembranças das desventuras do pai, um tanto anti-heróicas e atrapalhadas. Cony sentiu vontade de voltar à ficção após a morte da sua cadela Mila. Não pretendia lançar Quase Memória; e só o fez pela insistência de Ruy Castro, que adorou o livro.

O romance seguinte também foge das características habituais do autor: O Piano e a Orquestra, de 1996, explora territórios picarescos e folhetinescos. Só com A Casa do Poeta Trágico (1997) Cony volta às histórias de desamores e angústias pessoais do começo da carreira. O esquálido Romance sem Palavras (1999), escrito em meros onze dias, retorna à ditadura, numa espécie de conclusão moral de Pessach. O Indigitado (2001) faz parte da coleção Cinco Dedos de Prosa e passou despercebido. O último livro de Cony é A Tarde da Sua Ausência, um estudo simples (mas não simplório) da classe média carioca e da dissolução familiar. A novidade é o uso da repetição - de cenas, frases, até capítulos inteiros. O recurso é meio picareta, mas funciona bem.

Cony chegou a rascunhar uma continuação de Informação ao Crucificado, com o ex-seminarista João Falcão trinta anos mais velho. Desistiu. Atualmente, ocupa-se com Messa para o Pappa Marcello, um livro que vem tentando escrever há quase quarenta anos - a essa altura já é quase uma lenda. Logo ele, acostumado a escrever em tempo recorde.


Jonas Lopes
Florianópolis, 3/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
04. Boccacio sobre a peste de Julio Daio Borges
05. Gustavo Rezende: uno... duplo... de Humberto Pereira da Silva


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
02. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
03. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Direito Tributário
Ricardo Cunha Chimenti
Saraiva
(2005)



O Viés do Acaso
Regina Moraes
Nova Era
(2010)



Tough times never last, but tough people do !
Robert H. Schuller
Bantam Books
(1984)



Parque Antigo
Galeão Coutinho
Saraiva
(1920)



A Máquina de Xadrez
Robert Löhr
Record
(2007)



Surfando nas Ondas Espirituais
Ron Luce
Vida
(1997)



Lições Zen - a Arte da Liderança
Thomas Cleary
Madras
(2009)



Venise
Cartoville
L'essentiel en un clin d'oeil



Hacia El Espanol
Fátima Cabral Bruno
Saraiva
(2000)



Segredos de Seis Corações
Sônia Barros
Scipione
(2014)





busca | avançada
24815 visitas/dia
1,2 milhão/mês