Ser escritor ou estar escritor? | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
>>> O naufrágio é do escritor
Mais Recentes
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
>>> O Verdadeiro Livro dos Sonhos e da Sorte de Ahmed El-Khatib pela Rígel
>>> Capitães de Areia de Jorge Amado pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Baudolino de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> Dangerous - O Maior Perigo é a Censura de Milo pela Milo Yannopoulos (2018)
>>> Los Celtas: Magia, Mitos Y Tradicion de Roberto Rosaspini Reynolds pela Continente (1998)
>>> Cinco Anos - Julgamento Político na União Soviética de J. Oliveira Freitas Trad pela Intercontinental
>>> Feng Shui no Trabalho de Darrin Zeer pela Sextante (2008)
>>> O Poder do Hábito de Charles Duhigg pela Objetiva (2012)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Sexta-feira, 2/6/2006
Ser escritor ou estar escritor?
Jonas Lopes
+ de 14000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quando foi lançado no ano passado o "Movimento Literatura Urgente", uma coisa me chamou a atenção no site do manifesto - fora as propostas e requisições deles - era a lista de assinantes. Dezenas de nomes, acompanhados de um "escritor" e o nome da cidade em que o cidadão reside. Logo me veio a dúvida: o que faz de alguém um escritor? I mean, o que dá a uma pessoa o "direito" de adicionar esse detalhe em sua assinatura? Criar um blog e colocar exercícios de ficção lá? Fazer amizade com o pessoal do Paralelos? Publicar um conto em uma antologia, seja ela qual for? Quais são os critérios?

A impressão que fica é que nessa nova geração não se quer ser escritor, mas estar escritor. Circular no meio literário, ser convidado para a FLIP, aparecer na "Tinta Fresca" da EntreLivros, ter seu livro resenhado pelo Rascunho ou pelo Digestivo, enfim, todo o status que a "profissão" traz. E nunca desenvolver um projeto ficcional. Há um pouco de ingenuidade romântica nisso, mas às vezes acho que bom mesmo era na época do Stendhal, que orgulhosamente escrevia para cem (bons) leitores. Poxa, não são poucos os blogueiros-escritores que já possuem comunidade no Orkut com mais de cem membros. Não sejamos hipócritas: é evidente que a glória é essencial, que ter o trabalho reconhecido faz parte do processo. Agora, e a obra, cadê?

Uma etapa básica do processo de formação do escritor é, ou deveria ser, a descoberta do escritor em si. Para Proust, "o único livro genuíno, um grande escritor não precisa inventá-lo, no sentido comum, pois ele já existe em cada um de nós, e sim traduzi-lo". Não basta, pois, sentar-se ao computador, abrir o Word e deitar monólogos que se transformarão em contos ou romances. Muitos aspectos estão envolvidos. Como a forma, o estilo, a escolha desta idéia e não daquela. Todas essas certezas só advêm da prática. Anos de prática. Há influência, é evidente, dos autores que admiramos, dos efeitos que determinadas leituras nos proporcionaram. Mas literatura não é algo assim tão amorfo, ora.

Digamos que P.R., um novo autor, tem como modelos literários Ítalo Calvino, Herman Melville e Muriel Spark. Autores bem distintos entre si. Como P.R. saberá para que lado seu texto vai pender? Treinando. Se o processo funcionar bem, nosso jovem autor escreverá livros que não terão nada a ver com os de seus modelos. O que tiramos da experiência de leitura não são apenas noções de estilo e de escolas literárias, e sim pontos de vista, experiências, filosofia. Não é preciso querer escrever sobre marinheiros para admirar e ser influenciado por O Coração das Trevas ou Lord Jim - além de uma boa história, esses livros trazem idéias na entrelinhas, para serem dissecadas.

"Sou donde nasci", afirmou Guimarães Rosa. Todos somos. Faulkner só começou a se destacar na literatura quando percebeu que seu grande tema era o sul decadente onde havia crescido. Balzac praticamente transcrevia o que via nos salões da alta-sociedade parisiense, somando às histórias toques de ficção e brilho narrativo. O grande barato da literatura está nesse descobrir qual é o seu universo ficcional, qual é o tipo de linguagem adequado à sua personalidade e àquilo que se propõe. Não é algo como "vou escrever como Beckett"; somos escolhidos pela linguagem, pelo estilo, pelos cenários e pelos temas. E eles podem ou não dizer respeito a nossa vida e ao nosso meio social.

E o escritor é, antes de tudo, um leitor. E o que é um leitor, senão um acúmulo de idéias conflitantes e/ou convergentes, um punhado de "concordos" e "discordos" que, fundidos, formam um quociente? É um processo demorado? Naturalmente, demanda tempo para que se adquira uma bagagem de leitura suficiente. Por isso é tão bacana. Os pretendentes a autores não têm se dado esse tempo. Querem publicar com vinte e dois, vinte e cinco anos. Não dão mostras de querer viver por aquilo, apenas viver daquilo. Clarice Lispector escrevia para não morrer. Essa necessidade de literatura parece extinta. A idéia de passar anos se preparando soa como tortura das mais cruéis. Ok, a própria Clarice - assim como Thomas Mann - começou a publicar muito cedo. São exceções, e ainda produtos de uma época em que a formação humanística era infinitamente mais consistente do que a que vemos hoje nas escolas e universidades.

Quanto aos blogs e a utilização da internet como fonte de divulgação, não vejo nada de mais, a princípio. A internet é uma ferramenta, como o eram as revistas literárias (tão pouco lidas hoje, uma pena) e os folhetins. E que mal pode fazer para um jovem autor utilizar um espaço para desenvolver sua arte? O problema é quando o blog serve mais como publicidade do que como estudo, e aí voltamos à questão do estar escritor. Navegando por alguns dos sites pessoais de autores, quase tudo que vejo são cumprimentos a amigos e anúncios de lançamentos de livros dos parceiros. Literatura mesmo, pouca. É bacana caminhar ao lado de outros escritores, trocar experiências; só isso não dá. Imagine se Borges e Bioy Casares passariam todo o tempo tecendo loas um ao outro em hipotéticos blogs.

Outra conseqüência perniciosa desse jogo de comadres é se unir contra os "inimigos comuns", como a crítica. Isso aconteceu, por exemplo, com Jerônimo Teixeira, que falou mal de novos autores na Veja e vem sendo massacrado por eles nos blogs. Deus, isso é terrorismo. Jornalista não tem compromisso com nenhum movimento ou geração. Parem para pensar em quantos grandes autores e livros foram criticados em seu lançamento e hoje são tidos como clássicos. Se foi assim com eles, que eram gênios, por que haveria de ser diferente com vocês? Os bons ficam, sempre.

E não, não é por panela ou perseguição que vocês não ganham os prêmios literários. Uma carreira é construída aos poucos mesmo. Vejam o caso do Bernardo Carvalho, que lançou vários romances lidos por meia dúzia de críticos e só veio a receber prêmios e atenção com Nove Noites, quase dez anos depois de sua estréia. Carvalho teve a sorte de ter uma grande editora (a Companhia das Letras) bancando o desenvolvimento de sua carreira. Quanto a isso, os novos autores não podem reclamar, pois alguns deles estão em grandes editoras - André Sant'anna e Daniel Galera na própria Companhia, Marcelino Freire e Marcelo Mirisola na Record, Santiago Nazarian e João Paulo Cuenca na Planeta. Uma chance assim vale mais que mil Jabutis, nesse ponto da carreira. Portanto, escrevam.


Jonas Lopes
Florianópolis, 2/6/2006

Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
02. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
03. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/6/2006
13h58min
Você tirou as palavras da minha boca. Esgota tudo o que venho falado sobre essa nova geração de autores que parecem escrever pela manhã e postar à tarde. Realmente escrever requer tempo, esperiência e, logicamente, talento. E o ato de escrever é irmão siamês da do ato de ler. gd ab
[Leia outros Comentários de Julio Cesar Corrêa]
3/6/2006
18h27min
Realmente, excrever requer esperiência. Socorro! Júlio
[Leia outros Comentários de Julio]
9/6/2006
02h21min
Que artigo tão lúcido e sagaz. Eu vi um rapaz dizer numa peça: "escritor não precisa escrever algo, mas pensar em escrever algo". A Clarice Lispector se dizia escritora amadora. Quem escreve para não morrer, sendo escritor ou não, de repente lê seu artigo, morre. Sejam ou estejam, mas não morram.
[Leia outros Comentários de Caiocito Campos]
15/6/2006
01h21min
Minha opinião pessoal é: feliz do agraciado ser que redime sua consumição com a escrita do sentir. Se houver mais disso nessa geração, com certeza teremos verdadeiros escritores.
[Leia outros Comentários de Mariana Souza]
28/2/2008
09h58min
Ser ou estar escritor, é um dilema na minha vida. Sei que quero ser ou estar escritora o tempo todo. Quero que seja minha profissão. Mas isso não depende só da minha vontade.
[Leia outros Comentários de Tiana de Souza ]
3/5/2009
23h28min
Nem adianta eu falar que seu artigo tá uma belezura - seria apenas mais um em meio a multidões. Mesmo assim atrevo-me: você é o cara!
[Leia outros Comentários de Leandro Campos]
22/6/2011
19h01min
Seu artigo é despretensioso e sincero. Também me sinto incomodada com toda essa superficialidade. Não me refiro à comunidades virtuais - a internet é uma ferramenta útil e essencial no mundo contemporâneo -, me refiro a essa vontade estúpida que vários aspirantes têm de obter publicidade, fama e sei lá mais o quê. Também tenho blogs, mas não quero divulgar a minha imagem, mas sim meus textos. Você fez bem em citar a influência dos autores que admiramos. Sou fã de dois escritores completamente diferentes: Clarice Lispector e José Saramago. Estilos diferentes, visões distintas. O que eles têm comum? A universalidade com que exploram a condição humana. Cada qual do seu jeito. Quando li a obra-prima ''A hora da estrela'' (Lispector) decidi que ser escritora não seria apenas um hobby para mim, tive uma espécie de ''epifania''. Se eu quero viver da literatura? Jamais. Não preciso viver da arte. A arte é que precisa viver em mim.
[Leia outros Comentários de Adriane Santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De volta para a vida à sombra do destino 360
Paulo Lima
Novo Século
(2005)



Livro Administração O Contrato de Agência Seus Elementos Tipificadores e Efeitos Jurídicos
Gustavo Haical
Revista dos Tribunais
(2012)



Vinte dias em coma
Wilson Frungilo Jr.
Ide
(2011)



Vocabulario Maritimo Internacional
Sydnea Meyer Philbert
Sideral
(1975)



Teoria Geral da Ação Civil Pública -3ª Edição
Pedro Lenza
Revista dos Tribunais
(2008)



Uma Questão de Tempo
Marcial Jardim
Aliança
(2008)



Informática Instrumental
Cícero Caiçara Junior, Egon Walter Wildauer
InterSaberes
(2013)



Contágio
Robin Cook
Record
(1998)



Moderna plus historia volume unico (completo)
Alexandre alves
Moderna
(2017)



A Viagem do Elefante
Jose Saramago
Companhia Das Letras
(2008)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês