Literatura engajada | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> Secrets of Yoga de Jennie Bittleston pela Dk (2000)
>>> Stress Você pode ser o Próximo Previna-se de João Vilas Boas pela Vilas (1998)
>>> O que é Ensinar de Regis de Morais pela E.p.u (1986)
>>> As Aventuras de Sandy e Junior de Toni Brandão pela Simbolo
>>> Humor nos tempos do Collor de Jó Soares / Veríssimo / Millôr Fernandes pela L&PM (1992)
>>> Def 2013 Pocket - Dicionário de Especialidades Farmacêuticas de Merck pela Epuc (2013)
>>> O Biscateiro de Abdias José dos Santos pela Vozes (1981)
>>> Deadpool - Meus Queridos Presidentes de Posehn Duggan - Moore pela Panini Comics (2015)
>>> Europa - Guia Visual - Folha De São Paulo de Publifolha pela Publifolha (2005)
>>> Formação de Professores e Trabalho Docente de Vários Autores pela Metodista (2007)
>>> Coleção Enciclopédia Disney - 8 Volumes de Disney pela Planeta (2001)
>>> Fórum dos Coordenadores de Joaquim Barbosa / Bárbara Sicardi pela Metodista (2003)
>>> O Último Portal de Eliana Martins / Rosana Rios pela Seguinte (2003)
>>> Batman Planetary - Edição de Luxo de Warren Ellis - John Cassaday - Dc Comics pela Panini (2014)
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes de Joyce Meyer pela Thomas Nelson (2001)
>>> Democracia Francesa de V Giscard D Estaing pela Difel (1977)
>>> Esperança Viva - Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora (2016)
>>> Manual Merck de Veterinaria de Merck pela Roca (2001)
>>> Conjugar Es Fácil En Español De España Y De América (spanish Edition) de González Hermoso, Alfredo pela Edelsa Grupo Didascalia (1997)
>>> Amy, Minha Filha - Amy, My Daughter de Micht Winehouse pela Record (2012)
>>> Avaliação da Inteligência de Marília Ancona-Lopez pela E.p.u (1987)
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela Jose Olympio (1973)
>>> Contos E Lendas - Os Doze Trabalhos De Hércules de Christian Grenier - Carlos Fonseca ilustrador pela Cia Das Letrinhas (2013)
>>> Educação do Olhar Vol2 de Vários Autores pela Mec (1998)
>>> Tres Sombras de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos Na Cia (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/4/2016
Literatura engajada
Marta Barcellos
+ de 4300 Acessos

Filha da “revolução”, burguesa sem religião, geração coca-cola. Nascida pós-golpe de 1964, eu tinha tudo para ser a típica adolescente alienada da música da Legião Urbana (em disco lançado em 1984, no finalzinho da ditadura). Mas fui salva da desinformação – então alimentada pelo medo e pela censura – graças à biblioteca do meu pai, com quem morei dos 10 aos 15 anos.

Era apenas uma estante, mas ocupava toda a parede e se estendia até o teto. Com a empregada proibida de mexer nela, estava sempre repleta de poeira. Lembro-me de minhas primeiras leituras, romances “para conhecer o verdadeiro Brasil”: Jorge Amado, Érico Veríssimo, Graciliano Ramos. E das obras do chamado realismo mágico latino-americano, que meu pai me indicava quase como lição de casa: nelas, eu deveria procurar as explicações para o que “estava acontecendo”.

O que “estava acontecendo” tinha relação com os cochichos dele com os amigos, também professores, com os cartazes das peças de teatro que decoravam a sala, com as músicas estranhamente alegres do Chico Buarque (“apesar de você, amanhã há de ser...”), e com o fato de lermos o Jornal do Brasil – e não o Globo, como o vizinho nada confiável.

Privilegiada por crescer neste ambiente politizado, eu convivia com um vocabulário que – só depois perceberia – muita gente da minha geração ignorava: ditadura, tortura, censura, abertura (quantos sufixos de ação!), exílio, anistia. Sabia que “revolução” era o nome dado pelo “outro lado” ao golpe militar. Por sinal, o único vício de linguagem equivocado do qual fui vítima talvez tenha sido o de falar “golpe militar” (estranhando quando alguém mencionava a “revolução” de 64), e não nomear corretamente aquele episódio histórico: um golpe civil-militar (sucedido por um regime militar).

Palavras são poderosas. Como diz Roland Barthes, a língua “não é nem reacionária, nem progressista; ela é simplesmente fascista; pois o fascismo não é impedir de dizer, é obrigar a dizer.” Que o digam as aulas de Moral e Cívica, obrigatórias na escola.

Hoje, quando percebo – por causa do atual momento político – de que forma foi possível que o golpe de 1964 tenha recebido apoio de boa parte da população, reflito sobre o motivo de ter afastado a palavra “civil” do episódio que tanto me horrorizava. Sim, houve apoio da população. Sim, muitos eram “bem intencionados”.

Nunca houve, porém, um mea culpa da sociedade civil. Somente alguns poucos apoiadores do golpe se explicaram depois, alegando-se enganados, ou desinformados. Além disso, nada viram, nada sabiam.

Só que, graças à biblioteca do meu pai, acabei sabendo mais do que talvez fosse suportável para a minha idade. Depois dos romances lidos como alegorias do autoritarismo vigente (com a republicação das obras de José J. Veiga, recordei-me da impressão causada por Sombras de reis barbudos, por exemplo), surgiram, na estante empoeirada, livros bem mais explícitos. Foi assim que li Em busca do tesouro, da Alex Polari, O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira, até chegar ao livro que passou a me dar pesadelos, Brasil: nunca mais.

Os relatos frios, precisos e detalhados da tortura e da repressão política, coletados em um projeto liderado por Dom Paulo Evaristo Arns, não me permitiam digerir o jantar sem esforço. Com frequência, me flagrava pensando na estratégia que adotaria caso fosse torturada. O quanto seria corajosa?

Muitos anos depois, fui informada de ter perdido meu tempo com literatura ruim: era tudo “apenas” literatura engajada. Sei não. Acho que essas leituras teriam sido bastante úteis para a formação de muita gente.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/4/2016

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do desprezo e da admiração de Guga Schultze
02. We the Media, de Dan Gillmor de Julio Daio Borges
03. A Borboleta sem Asas de Nanda Rovere
04. Boa Novidade de Juliano Maesano


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Perfect Heresy
S. O'shea
Profile Books
(2011)



Comentários às novas regras conrábeis brasileiras
Osmar Reis Azevedo
IoB
(2010)



Moscow City Guide
Mara Vorhees
Lonely Planet
(2006)



Vida de Don Quijote y Sancho
Miguel de Unamuno
Alianza
(2000)



Revista Bravo! Ano 3 Número 28
Phillippe Starck; Lobo Antunes; Antonio Araújo; Arrigo Barnabé; Bigas Luna
Davila
(2000)



O Camelô Figura Emblemática da Comunicação
Jean Yves Mollier
Edusp
(2009)



Meditação integral: Mindfulness como um caminho para crescer, despertar e estar presente em sua vida
Ken Wilber
Vozes
(2020)



Um amanhecer para recomeçar
Gilvanize balbino pereira pelo espirito saul
Petit
(2010)



Problemas de Cristalografia
P. Ducros - J. Lajzerowicz - Bonneteali
Paraninfo
(1968)



The Mediterranean Table
Sonoma Press
Sonoma Press
(2015)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês