Literatura engajada | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> Auto da Barca do Inferno de Gilvicente pela Estadão
>>> Bússola - a Invenção Que Mudou o Mundo de Amir D. Aczel pela Zahar (2002)
>>> A Democracia como Proposta de Francisco Weffort pela Ibasa (1991)
>>> Ações de Combate a Pobreza Rural - Vol 6 de Carlos Miranda e Cristina Costa pela Iica (2007)
>>> Propaganda para quem pqga a conta de Plínio Cabral pela Summus (2001)
>>> Gestão do Conhecimento de Harvard Business Review pela Elsevier (2000)
>>> Vitoriosa espinhos e perfumes de Lazara lessonier pela Artesanal (1988)
>>> Melyssa Em um Mundo Secreto de Bernardes pela Partners
>>> O Silêncio dos Velho Jamelões de Frendly Persuasione pela Percy Pacheco (2010)
>>> Crônica 6 de Carlos Eduardo Novaes e Outros pela Ática (2013)
>>> Conecte Literatura Brasileira - Parte 1 de William Cereja; Thereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> O misterio no colegio de Ganymedes Jose pela ao livro tecnico (2001)
>>> Direito do Trabalho - 1100 Questoes Comentadas de Stevao Gandh Costa pela Sintagma (2012)
>>> Sharpe Em Trafalgar de Bernard Cornwell pela Record (2006)
>>> Amala de Hana de Karen Levine pela Melhoramentos (2007)
>>> Os Venenos da Coroa de Maurice Druon pela Círculo do Livro
>>> Liberando o Fluir do Avivamento de Gregory R Frizzell pela Printmark (2005)
>>> A Cerimonia do Cha de Paulo Coelho pela Caras (1999)
>>> More Ups Than Downs de David Buck pela The Memoir Club (2001)
>>> Spatial Resilience in Social-ecological Systems de Graeme Cumming pela Springer (2011)
>>> Plano de Marketing de John Westwood pela Clio (2007)
>>> Vamos Aquecer o Sol de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramento (2006)
>>> Magnificat III de Silvia Maria D. Domingos pela Scortecci (2014)
>>> Juarez de Biblioteca de historia pela Tres (1990)
>>> Os Subterrâneos do Vaticano de André Gide pela Abril Cultural (1971)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/4/2016
Literatura engajada
Marta Barcellos

+ de 3700 Acessos

Filha da “revolução”, burguesa sem religião, geração coca-cola. Nascida pós-golpe de 1964, eu tinha tudo para ser a típica adolescente alienada da música da Legião Urbana (em disco lançado em 1984, no finalzinho da ditadura). Mas fui salva da desinformação – então alimentada pelo medo e pela censura – graças à biblioteca do meu pai, com quem morei dos 10 aos 15 anos.

Era apenas uma estante, mas ocupava toda a parede e se estendia até o teto. Com a empregada proibida de mexer nela, estava sempre repleta de poeira. Lembro-me de minhas primeiras leituras, romances “para conhecer o verdadeiro Brasil”: Jorge Amado, Érico Veríssimo, Graciliano Ramos. E das obras do chamado realismo mágico latino-americano, que meu pai me indicava quase como lição de casa: nelas, eu deveria procurar as explicações para o que “estava acontecendo”.

O que “estava acontecendo” tinha relação com os cochichos dele com os amigos, também professores, com os cartazes das peças de teatro que decoravam a sala, com as músicas estranhamente alegres do Chico Buarque (“apesar de você, amanhã há de ser...”), e com o fato de lermos o Jornal do Brasil – e não o Globo, como o vizinho nada confiável.

Privilegiada por crescer neste ambiente politizado, eu convivia com um vocabulário que – só depois perceberia – muita gente da minha geração ignorava: ditadura, tortura, censura, abertura (quantos sufixos de ação!), exílio, anistia. Sabia que “revolução” era o nome dado pelo “outro lado” ao golpe militar. Por sinal, o único vício de linguagem equivocado do qual fui vítima talvez tenha sido o de falar “golpe militar” (estranhando quando alguém mencionava a “revolução” de 64), e não nomear corretamente aquele episódio histórico: um golpe civil-militar (sucedido por um regime militar).

Palavras são poderosas. Como diz Roland Barthes, a língua “não é nem reacionária, nem progressista; ela é simplesmente fascista; pois o fascismo não é impedir de dizer, é obrigar a dizer.” Que o digam as aulas de Moral e Cívica, obrigatórias na escola.

Hoje, quando percebo – por causa do atual momento político – de que forma foi possível que o golpe de 1964 tenha recebido apoio de boa parte da população, reflito sobre o motivo de ter afastado a palavra “civil” do episódio que tanto me horrorizava. Sim, houve apoio da população. Sim, muitos eram “bem intencionados”.

Nunca houve, porém, um mea culpa da sociedade civil. Somente alguns poucos apoiadores do golpe se explicaram depois, alegando-se enganados, ou desinformados. Além disso, nada viram, nada sabiam.

Só que, graças à biblioteca do meu pai, acabei sabendo mais do que talvez fosse suportável para a minha idade. Depois dos romances lidos como alegorias do autoritarismo vigente (com a republicação das obras de José J. Veiga, recordei-me da impressão causada por Sombras de reis barbudos, por exemplo), surgiram, na estante empoeirada, livros bem mais explícitos. Foi assim que li Em busca do tesouro, da Alex Polari, O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira, até chegar ao livro que passou a me dar pesadelos, Brasil: nunca mais.

Os relatos frios, precisos e detalhados da tortura e da repressão política, coletados em um projeto liderado por Dom Paulo Evaristo Arns, não me permitiam digerir o jantar sem esforço. Com frequência, me flagrava pensando na estratégia que adotaria caso fosse torturada. O quanto seria corajosa?

Muitos anos depois, fui informada de ter perdido meu tempo com literatura ruim: era tudo “apenas” literatura engajada. Sei não. Acho que essas leituras teriam sido bastante úteis para a formação de muita gente.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da vitrola ao microchip de Rodolfo Felipe Neder
02. Primeiro de Abril de Mario AV


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês