A selfie e a obsolescência do humano | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/10/2016
A selfie e a obsolescência do humano
Marta Barcellos
+ de 8000 Acessos

Uma multidão de jovens espreme-se diante da celebridade que sorri e acena – Hillary Clinton, a candidata à presidência dos Estados Unidos pelo partido Democrata. Diante dela? Não. Mais ou menos. Espera: a foto não faz sentido. Os jovens estão enfileirados de costas para Hillary! Uma pegadinha/montagem da internet?

Não: uma pegadinha para o meu cérebro. Em frações de segundo e de espanto, a imagem passa a fazer sentido. Meus olhos e neurônios, desenvolvidos numa sociedade pré-tecnológica, primeiro captam as dezenas de braços estendidos, depois identificam os celulares que seguram e finalmente percebem que se trata de uma selfie coletiva. Mais tarde, saberei (lendo na BBC) que a própria candidata propôs a brincadeira – o que me traz algum alívio. Pelo menos a cena, que meu cérebro “primitivo” demorou a decifrar, ainda não é tão espontânea assim.

Espontânea? Pois é disso que quero tratar aqui. Talvez esteja na hora de pararmos de ser ingênuos em relação à espontaneidade em nossa era de aceleração tecnológica. Já não existe a “natureza humana”, como romanticamente gostamos de acreditar. O professor Laymert Garcia dos Santos, sociólogo da tecnologia, costuma dizer que há uma nova natureza humana na sociedade tecnologizada. Um processo que começou a se acelerar na década de 1970. Ele diz que todas as transformações tecnológicas do século XX poderiam ser comprimidas em 16 anos, concentrados na parte final. Sabe quantos anos de aceleração tecnológica caberão no século XXI? Vinte e cinco mil anos.

É meio confuso, mas a conclusão é que, comparativamente ao que seremos daqui a duas gerações, eu, você e os que estão nascendo agora somos uma espécie de povo primitivo. Laymert usa também a metáfora do trem bala, para mostrar como a estratégia de aceleração total impõe um ritmo difícil de acompanhar. Quem não entrar no trem bala corre o risco de ser excluído, um “loser” ou “diferente” que acabará sendo descartado. Um refugiado na Europa, um pobre no Brasil, alguém que não importa porque está fora do jogo.

Agora, imagine o impacto de uma aceleração que tende a nos transformar em neoprimitivos dentro de nossa própria cultura. É imenso, esse impacto. No entanto, ficamos aqui nos agarrando à ideia de que todo tipo de comportamento novo, como o de fazer uma selfie coletiva, reflete uma característica “humana”, pré-existente, potencializada pela tecnologia. Observo isso desde o início da internet. Ah, as pessoas não ficaram exibidas e vaidosas por causa das redes sociais e das câmeras no celular (porque afinal sempre foram assim), não ficaram violentas e radicais por causa do anonimato (porque sempre foram assim), não se tornaram voyeurs e stalkers obsessivos e deprimidos (porque sempre foram assim).

Nesse ritmo do trem bala, talvez acreditemos que somos o que sempre fomos por absoluta falta de tempo para refletir. Por falta de pausa. Ou, ainda, porque a ideia de uma “obsolescência do humano” é insuportável – principalmente por nos parecer um problema individual; e não social, global, como de fato é.

A tecnologia está nos transformando, e precisamos admitir isso. A nossa experiência cotidiana, nosso modo de pensar e de existir, tudo está mudando. A atualização do IOS 9.3.4, que fiz hoje cedo, já começou a ter um impacto sobre mim, bem como os novos algoritmos do Facebook me induziram a atitudes que talvez jamais tomasse. Sim, eu não abri mão de estar no trem bala. Ainda. Mas olho em volta e vejo... amigos desempregados, amigos deprimidos, amigos que acreditam ser culpa sua este difuso sentimento de obsolescência. E são amigos jovens, diga-se de passagem.

Para não terminar este texto deprimindo ainda mais as pessoas, ressalto que acredito em lugares de resistência – como as artes, a literatura, os espaços de afeto, místicos e comunitários. Afinal, as mudanças tecnológicas não fazem parte de um grande complô alienígena para nos substituírem por robôs. Por trás delas, estão apenas (?) corporações do setor investindo para ter mais lucros, perenidade, monopólios; enfim, está o nosso conhecido sistema capitalista.

Vamos tirar divertidas selfies coletivas? Claro! Mas que exista sempre um fotógrafo para flagrar a situação desconexa, viralizar a imagem por aí, e desafiar nossos cérebros neoprimitivos a pensar no assunto.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 7/10/2016

Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Rio E Seu Segredo
Zhu Xiao-Mei
Objetiva
(2008)



Euclides Roxo e a modernização do ensino de Matemática no Brasil
Wagner Rodrigues Valente
Sbem
(2003)



Manual do Advogado
Valdemar P. da Luz
Manole
(2014)



Nao Hara - Culinária Japonesa, Sabores Tropicais
Danusia Barbara, Alexander Landau
Senac rio
(2009)



Os Caminhos do Desejo
Geneviève Bon
Círculo do Livro
(1989)



Livro Turismo Brasil O Guia que Mostra o que os Outros só Contam Guia Visual
Vários Autores
Publifolha
(2008)



A hora da sentença
John Godey
Nova Época
(1969)



Dom Pedro II Na Alemanha. Uma Amizade Tradicional
Dom Carlos Tasso De Saxe-coburgo E Braganca
Senac Sao Paulo
(2014)



Ler é aprender José lins do rego 10 - Fogo Morto
Estadão
Klick



O Poder dos Inquietos / a Startup de 100
Chris Guillebeau
Saraiva
(2014)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês