A selfie e a obsolescência do humano | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/10/2016
A selfie e a obsolescência do humano
Marta Barcellos
+ de 7400 Acessos

Uma multidão de jovens espreme-se diante da celebridade que sorri e acena – Hillary Clinton, a candidata à presidência dos Estados Unidos pelo partido Democrata. Diante dela? Não. Mais ou menos. Espera: a foto não faz sentido. Os jovens estão enfileirados de costas para Hillary! Uma pegadinha/montagem da internet?

Não: uma pegadinha para o meu cérebro. Em frações de segundo e de espanto, a imagem passa a fazer sentido. Meus olhos e neurônios, desenvolvidos numa sociedade pré-tecnológica, primeiro captam as dezenas de braços estendidos, depois identificam os celulares que seguram e finalmente percebem que se trata de uma selfie coletiva. Mais tarde, saberei (lendo na BBC) que a própria candidata propôs a brincadeira – o que me traz algum alívio. Pelo menos a cena, que meu cérebro “primitivo” demorou a decifrar, ainda não é tão espontânea assim.

Espontânea? Pois é disso que quero tratar aqui. Talvez esteja na hora de pararmos de ser ingênuos em relação à espontaneidade em nossa era de aceleração tecnológica. Já não existe a “natureza humana”, como romanticamente gostamos de acreditar. O professor Laymert Garcia dos Santos, sociólogo da tecnologia, costuma dizer que há uma nova natureza humana na sociedade tecnologizada. Um processo que começou a se acelerar na década de 1970. Ele diz que todas as transformações tecnológicas do século XX poderiam ser comprimidas em 16 anos, concentrados na parte final. Sabe quantos anos de aceleração tecnológica caberão no século XXI? Vinte e cinco mil anos.

É meio confuso, mas a conclusão é que, comparativamente ao que seremos daqui a duas gerações, eu, você e os que estão nascendo agora somos uma espécie de povo primitivo. Laymert usa também a metáfora do trem bala, para mostrar como a estratégia de aceleração total impõe um ritmo difícil de acompanhar. Quem não entrar no trem bala corre o risco de ser excluído, um “loser” ou “diferente” que acabará sendo descartado. Um refugiado na Europa, um pobre no Brasil, alguém que não importa porque está fora do jogo.

Agora, imagine o impacto de uma aceleração que tende a nos transformar em neoprimitivos dentro de nossa própria cultura. É imenso, esse impacto. No entanto, ficamos aqui nos agarrando à ideia de que todo tipo de comportamento novo, como o de fazer uma selfie coletiva, reflete uma característica “humana”, pré-existente, potencializada pela tecnologia. Observo isso desde o início da internet. Ah, as pessoas não ficaram exibidas e vaidosas por causa das redes sociais e das câmeras no celular (porque afinal sempre foram assim), não ficaram violentas e radicais por causa do anonimato (porque sempre foram assim), não se tornaram voyeurs e stalkers obsessivos e deprimidos (porque sempre foram assim).

Nesse ritmo do trem bala, talvez acreditemos que somos o que sempre fomos por absoluta falta de tempo para refletir. Por falta de pausa. Ou, ainda, porque a ideia de uma “obsolescência do humano” é insuportável – principalmente por nos parecer um problema individual; e não social, global, como de fato é.

A tecnologia está nos transformando, e precisamos admitir isso. A nossa experiência cotidiana, nosso modo de pensar e de existir, tudo está mudando. A atualização do IOS 9.3.4, que fiz hoje cedo, já começou a ter um impacto sobre mim, bem como os novos algoritmos do Facebook me induziram a atitudes que talvez jamais tomasse. Sim, eu não abri mão de estar no trem bala. Ainda. Mas olho em volta e vejo... amigos desempregados, amigos deprimidos, amigos que acreditam ser culpa sua este difuso sentimento de obsolescência. E são amigos jovens, diga-se de passagem.

Para não terminar este texto deprimindo ainda mais as pessoas, ressalto que acredito em lugares de resistência – como as artes, a literatura, os espaços de afeto, místicos e comunitários. Afinal, as mudanças tecnológicas não fazem parte de um grande complô alienígena para nos substituírem por robôs. Por trás delas, estão apenas (?) corporações do setor investindo para ter mais lucros, perenidade, monopólios; enfim, está o nosso conhecido sistema capitalista.

Vamos tirar divertidas selfies coletivas? Claro! Mas que exista sempre um fotógrafo para flagrar a situação desconexa, viralizar a imagem por aí, e desafiar nossos cérebros neoprimitivos a pensar no assunto.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 7/10/2016

Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autistas do Alem
Nelson Moraes
Petit



Livro - A Arte Mesopotâmica e Persa (col. Saber Ver a Arte)
Jaime Alvar Ezquerra
Martins Fontes
(1991)



Educação Infantil Ii
Maria de Lourdes Trüyillo de Mello
Paulus
(1997)



Fisico Quimica
Vera Lucia Duarte
Atual
(1982)



Livro - A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 1 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Switzerland - Lonely Planet
Nicola Williams, Damien Simonis, Kerry Walker
Lonely Planet
(2009)



Consultoria Empresarial - Métodos e Cases dos Campeões - Confira !!!
Mauricio Sita; Dino Carlos Mocsanyi
Ser Mais
(2013)



Meninas Super Poderosas: os Monstros de Giz
E. S. Mooney
Nbl
(2002)



Flores da Ruína - 1ªed
Patrick Modiano
Record
(2015)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês