A selfie e a obsolescência do humano | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
>>> A campanha on-line de Obama
>>> Entrevista de Emprego
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Mais Recentes
>>> La Estructura del Universo de G. J Whitrow pela Fondo de Cultura Economica (1956)
>>> A Revolução dos Campeões de Roberto Shinyashiki pela Gente (2009)
>>> Obras: o Sonho / Childe Harold / o Corsário / Amores de Don Juan de Lord Byron pela Cultura (1942)
>>> Concepto de Tecnica, Arte y Produccion En La Filosofia de Aristoteles de Virginia Aspe Armella pela Fondo de Cultura Economica (1993)
>>> Azincourt de Bernard Cornwell pela Record (2011)
>>> Historia e Linguagens de Zilda Marcia Gricoli Iokoi pela Humanitas Fflch/usp (2002)
>>> De Pedra e de Carne de Marcos Pasche pela Confraria do Vento (2012)
>>> Astronomia de Robert H. Baker pela Fundação Calouste Gulbenkian (1971)
>>> Capitalismo e a Revolução Burguesa no Brasil de Nelson Werneck Sodré pela Oficina de Livros (1990)
>>> Teología para La Posmodernidad: Fundamentación Ecuménica ( de Hans Kung pela Alianza Editorial (1989)
>>> Probabilidad e Inferencia Científica de Andrés Rivadulla pela Anthropos (1991)
>>> Las Filosofías Nacionales Siglos XIX y XX -historia de La Filosofia 9 de Yvon Beleval (org) pela Siglo Veintiuno Editores (1984)
>>> Kika, a Estranha: Aventuras e Desventuras de uma Colunista de Sexo Des de Kika- a Estranha: Aventuras e Desventuras de uma C pela Geração Editorial (2004)
>>> Leasing de Rodolfo de Camargo Mancuso pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Sobre os Instrumentos Sinfonicos e Em Torno Deles de José Alexandre dos Santos Ribeiro pela Record (2005)
>>> Biologia E Cidadania - V. 02 de Ayrton Cesar Marcondes pela Escala Educacional (2010)
>>> The Brazilian Book Chamber 50 Years de Sea pela Atica
>>> Diccionario Sinónimos Antónimos e Ideas Afines de Aarón Alboukrek; Gloria Fuentes S. pela Larousse (2003)
>>> Avessos de Miguel Reale Júnior pela Manole (2005)
>>> Livro - Planeta Terra Em Perigo: o Que Está, de Fato, Acontecendo ... de Elizabeth Kolbert pela Globo (2008)
>>> El Probelma de La Vida de C. U. M. Smith pela Alianza Editorial (1975)
>>> Lógica de Aguiar Netto pela Filo Juris
>>> A Intimação de John Grisham pela Rocco (2002)
>>> Teen 2 Teen Four de Joan Saslow pela Oxford (2017)
>>> Subjetividade Espaço e Tempo Em David Hume de Monica Loyola Stival pela Humanitas (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/10/2016
A selfie e a obsolescência do humano
Marta Barcellos

+ de 7100 Acessos

Uma multidão de jovens espreme-se diante da celebridade que sorri e acena – Hillary Clinton, a candidata à presidência dos Estados Unidos pelo partido Democrata. Diante dela? Não. Mais ou menos. Espera: a foto não faz sentido. Os jovens estão enfileirados de costas para Hillary! Uma pegadinha/montagem da internet?

Não: uma pegadinha para o meu cérebro. Em frações de segundo e de espanto, a imagem passa a fazer sentido. Meus olhos e neurônios, desenvolvidos numa sociedade pré-tecnológica, primeiro captam as dezenas de braços estendidos, depois identificam os celulares que seguram e finalmente percebem que se trata de uma selfie coletiva. Mais tarde, saberei (lendo na BBC) que a própria candidata propôs a brincadeira – o que me traz algum alívio. Pelo menos a cena, que meu cérebro “primitivo” demorou a decifrar, ainda não é tão espontânea assim.

Espontânea? Pois é disso que quero tratar aqui. Talvez esteja na hora de pararmos de ser ingênuos em relação à espontaneidade em nossa era de aceleração tecnológica. Já não existe a “natureza humana”, como romanticamente gostamos de acreditar. O professor Laymert Garcia dos Santos, sociólogo da tecnologia, costuma dizer que há uma nova natureza humana na sociedade tecnologizada. Um processo que começou a se acelerar na década de 1970. Ele diz que todas as transformações tecnológicas do século XX poderiam ser comprimidas em 16 anos, concentrados na parte final. Sabe quantos anos de aceleração tecnológica caberão no século XXI? Vinte e cinco mil anos.

É meio confuso, mas a conclusão é que, comparativamente ao que seremos daqui a duas gerações, eu, você e os que estão nascendo agora somos uma espécie de povo primitivo. Laymert usa também a metáfora do trem bala, para mostrar como a estratégia de aceleração total impõe um ritmo difícil de acompanhar. Quem não entrar no trem bala corre o risco de ser excluído, um “loser” ou “diferente” que acabará sendo descartado. Um refugiado na Europa, um pobre no Brasil, alguém que não importa porque está fora do jogo.

Agora, imagine o impacto de uma aceleração que tende a nos transformar em neoprimitivos dentro de nossa própria cultura. É imenso, esse impacto. No entanto, ficamos aqui nos agarrando à ideia de que todo tipo de comportamento novo, como o de fazer uma selfie coletiva, reflete uma característica “humana”, pré-existente, potencializada pela tecnologia. Observo isso desde o início da internet. Ah, as pessoas não ficaram exibidas e vaidosas por causa das redes sociais e das câmeras no celular (porque afinal sempre foram assim), não ficaram violentas e radicais por causa do anonimato (porque sempre foram assim), não se tornaram voyeurs e stalkers obsessivos e deprimidos (porque sempre foram assim).

Nesse ritmo do trem bala, talvez acreditemos que somos o que sempre fomos por absoluta falta de tempo para refletir. Por falta de pausa. Ou, ainda, porque a ideia de uma “obsolescência do humano” é insuportável – principalmente por nos parecer um problema individual; e não social, global, como de fato é.

A tecnologia está nos transformando, e precisamos admitir isso. A nossa experiência cotidiana, nosso modo de pensar e de existir, tudo está mudando. A atualização do IOS 9.3.4, que fiz hoje cedo, já começou a ter um impacto sobre mim, bem como os novos algoritmos do Facebook me induziram a atitudes que talvez jamais tomasse. Sim, eu não abri mão de estar no trem bala. Ainda. Mas olho em volta e vejo... amigos desempregados, amigos deprimidos, amigos que acreditam ser culpa sua este difuso sentimento de obsolescência. E são amigos jovens, diga-se de passagem.

Para não terminar este texto deprimindo ainda mais as pessoas, ressalto que acredito em lugares de resistência – como as artes, a literatura, os espaços de afeto, místicos e comunitários. Afinal, as mudanças tecnológicas não fazem parte de um grande complô alienígena para nos substituírem por robôs. Por trás delas, estão apenas (?) corporações do setor investindo para ter mais lucros, perenidade, monopólios; enfim, está o nosso conhecido sistema capitalista.

Vamos tirar divertidas selfies coletivas? Claro! Mas que exista sempre um fotógrafo para flagrar a situação desconexa, viralizar a imagem por aí, e desafiar nossos cérebros neoprimitivos a pensar no assunto.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 7/10/2016


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Viagens na Minha Terra
Almeida Garrett
Escala



A Medicina Nishi
Katsuzo Nishi
Ibrasa
(1988)



Por Que Eu? Confissões de uma Mulher / Capa Dura
Juliette
Circulo do Livro



A Arte de Criar Filhos sem Fazer Força
Marvin J. Gersh
Livros Que Constroem
(1976)



Como os Sábios Decidem
Bryn Zeckhauser
Ediouro
(2009)



Business Process Reengineering: Breakpoint Strategies For Market
Vários Autores
John Wiley & Sons
(1993)



Ressurreição a Mão e a Luva
Machado de Assis
Cultrix



1822 - Como um Homem Sábio, uma Princesa Triste e um Escocês
Laurentino Gomes
Nova Fronteira
(2010)



Romeu e Julieta: Música de Prokófiev Volume 3 - Capa Dura - Confira!!
Editora Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
(2018)



Carta ao Humano
Agnelo Alves
N Comunicação
(2011)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês