Alívios diamantinos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/8/2006
Alívios diamantinos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Ouvi a manhã. Era tão diferente do batente da capital, que eu ouvi a manhã. Ela tinha, assim, um som de folhas misturado com certo cheiro de mato. Mas também não era bem isso, nem só isso. Tinha céu aberto, de um azul quase inexprimível. Além disso, as pedras imensas faziam as vezes de montanhas milenares e delas também exalava um cheiro de dureza histórica.

Ao ouvir a manhã, atentei logo para as cores. O céu aparecia bem acima do telhado. Pela fresta atrás das cortinas, visualizei o dia. Amplo como os dias na cidade não costumam ser. Os tempos e os intervalos todos tão diversos. Tão comparativamente outros. Outrossim. Anotei na agenda: não precisarei de você. Parti.

O café, com leite e frutas, era servido num salão de onde se divisava um imenso arredor de pedra. Uns o chamavam montanha, outros, Diamantina, outros ainda diziam Cruzeiro. Lá no alto, bem em cima, uma cruz revelava a altura.

Daqui se vê o segundo pico mais alto de Minas. A segunda cidade mais alta do Brasil. O primeiro vestígio desta vida de fugazes. O suco e o açúcar pareciam lentos. A porta aberta se transformava numa varanda aberta, como as que Oscar Niemeyer gostava de planejar. O limpo, a curva, o seco. E eu. Vendo as árvores retorcidas da paisagem amarelada. Em alguns lugares, o fogo havia lambido as mechas, restaram sombras pretas. Carlos Herculano Lopes, escritor das Gerais, me dizia, de dentro do ônibus: coitado do gado, por aqui o fogo acabou de passar. E os bois fingiam mascar chicletes.

De dez às doze eram horas amenas. De doze às quatorze, o atípico horário de almoço. De então para agora, o entardecer vagaroso dos altos de Minas. A escola, ao lado a botique, ao lado a lanchonete, ao lado a padaria, o Banco do Brasil, a curva, a descida, o mercado velho ao largo, o restaurante. Por acaso, almocei no Apocalipse. Queria ali um suflê de fim de mundo. Nem precisou. Atrás do prato com folhas e relvas, divisei, novamente, a varanda. Por trás dela, um horizonte de pedra, mas agora em pose diversa da sacada do hotel. Comi santificada. O tempo mugia. Era lento como um chuvisco. As duas horas de almoço, que na capital têm sentido de distância e de correria, pareciam uma tarde inteira.

A volta foi constante. Velocidade de caracol. Lojinhas, do outro lado o casaco, do outro, o cachecol. De dia, sol quente. De noite, intemperanças. Diamantina faz frio, mas só quando a noite se veste de padre. Até soneca pós-prandial teve gente que fez. Preferi passear pelos paralelepípedos históricos, catedral, Chica da Silva, apreensiva com os beirais, querendo comprar ímãs e pés de moleque. Inconstei por uns tempos. Bolo, chocolate de inverno, xícara quente, vapor, banho pelando. Diamantina favorece as horas. Escamoteei o retorno ao trabalho, mas nem precisava. Às quatorze em ponto eu estava lá, como se fosse precisa. Na capital, esses minutos são diamantes. Parecem dinheiro, quando vistos de perto. Em Diamantina, os minutos são eles mesmos, sem tirar nem pôr.

A tarde passou muda. Assim, como quem caminha ao lado. Nem pompa, nem relógios de parede. Fizemos poesia por horas a fio. Cada verso, uma tonteira boa. Às dezessete horas ainda era dia. Cheiro de chá. Nem o lanche parecia ter a pressa dos desafortunados. Diz Maria, poeta aposentada, que Diamantina é lenta. Não acho. Diamantina é o tempo. A capital é que avança sem terminar de acontecer as coisas. E a gente vai junto, envelhece antes do necessário.

Às dezoito é hora do pão de queijo, do queijo só. Talvez um banho, a tevê, os ares da noite querendo esfriar. O casaco rosa espera em cima da cama. O cobertor faz diferença. Banho daqueles que nublam o espelho. Toalha. No lugar das buzinas histéricas, dos cheiros de gás, toca um sino. O sino da igreja matriz. Toca várias vezes. Eu me surpreendo. Nem há carros na rua. Nem pessoas atravessam fora da faixa. Nem é hora de correr pelas avenidas. É hora de ouvir o sino, a Ave Maria e do pão quente.

Anoitece. E é hora de Jorge chegar com o coração cheio de flores. E me dá-las todas, dizer que nasceram sozinhas, que foram cultivadas durante a viagem, com o sol da estrada, e que não morrerão jamais. E eu acredito. Tomar caldo quente, fumegar nossos olhos, dormir como anjos diamantinos.

Série diamantina

I
Diamantina foi cravada
na pele
de uma montanha

II
Dia de calor
Noite de frio
Diamantina tem
temperamentos

III
Alinhavo árvores
nas montanhas
para alcançar
o céu de julho

IV
Lua e Sol, daqui,
não me parecem inimigos
Diamantina tece contrários

V
Imagens, retratos, palavras:
Álbum de alívios
diamantinos

VI
desci a rua
ladeira, altitude
até minha respiração
garimpou pedras preciosas

VII
almoce no Apocalipse
e experimente o suflê
de fim de mundo

Festival

ainda não ouvi pássaros
cantarem em coro
talvez estejam em oficinas


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
03. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto
04. Lina Chamie e sua cartografia sentimental de SP de Elisa Andrade Buzzo
05. Em defesa das calçadas de Eduardo Carvalho


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
02h14min
"...Diamantina é o Beco do Mota/ Minas é o Beco do Mota/ Brasil é o Beco do Mota/ viva meu país..." Belo texto, Ana.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
9/8/2006
05h58min
Quando temos uma ligação com alguma cidade do interior, só guardamos as boas lembranças e sensações. É tudo o que tenho da cidadezinha de meus avós paternos. Quando vou pra lá, até engordar em engordo! Tudo é diferente. O gosto da comida, da água, o ar, tudo. Em Diamantina não deve ser diferente. E pelo texto da Ana, quem não conhece a cidade, fica doido pra conhecer.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
9/8/2006
12h10min
Muitos anos distante de minha cidade natal, sinto-me recompensado pelo seu texto. É como se estivesse novamente subindo curvado àquelas ladeiras, com os olhos no formato das pedras em que pisava. Diamantina é uma cidade cravada em minha memória.
[Leia outros Comentários de Rodrigo L Caldeira]
9/8/2006
22h06min
Ana Elisa, você arrasou! Amei! Tô com mais vontade ainda de ir a Diamantina...
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
12/8/2006
14h28min
Ana, seu texto sobre Diamantina é uma delícia. Acho que todo mundo deveria ir a Diamantina pelo menos uma vez na vida (como os mulçumanos vão a Meca...). Você tem razão: o tempo em Diamantina é real (dá tempo de apreciar os madornentos rebanhos de nuvens no céu, na hora de sol a pique, escutar o coro da passarada à tarde - se não estiverem em oficinas - e ouvir estrelas à noite). Um beijão da aluna, Beatriz
[Leia outros Comentários de Beatriz Sampaio]
13/8/2006
17h57min
Lindo texto. Poesia pura, nem foi preciso chegar aos versos. Acho que tô precisando de um tempo assim diamantino... Abraços
[Leia outros Comentários de Matheus]
14/8/2006
16h06min
Ana Elisa
rara poeta
entre flores
diamantes/diamantinos
diamantido
nesse tecer
alvos
nesse rever
algo
[Leia outros Comentários de André Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMUNICAÇÃO COM OS ANJOS E OS DEVAS - 1ª EDIÇÃO
DOROTHY MACLEAN
PENSAMENTO
(2001)
R$ 25,95



A GAROTA INGLESA
DANIEL SILVA
ARQUEIRO
(2015)
R$ 130,00



O EXAME DE LATIM (EDIÇÃO B - SEM PONTOS)
NICOLAU FIRMINO
SIMÕES LOPES E OUTRAS
(1941)
R$ 32,28



THE VITAMINS - CHEMISTRY, PHYSIOLOGY, PATHOLOGY VOL III
W. H. SEBRELL JR ROBERT S. HARRIS
ACADEMIC PRESS
(1954)
R$ 31,98



DENUNCIAÇÃO DA LIDE NO DIREITO PROCESSUAL CIVIL BRASILEIRO
SYDNEY SANCHES
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1984)
R$ 31,28



FILOSOFAR PELO FOGO ANTOLOGIA DE TEXTO ALQUÍMICOS
FRANÇOISE BONARDEL
MADRAS
(2012)
R$ 68,61



NOVÍSSIMO CURSO VESTIBULAR NOVA CULTURAL HISTÓRIA DO BRASIL 1 E 2
CLARENCE JOSÉ DE MATOS
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 20,00



SOCIEDADES POR QUOTAS
AGOSTINHO ANTONIO F. CADETE
ELCLA (PORTO)
(1992)
R$ 26,82



SEXO DEFINITIVO-TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE SEXO SENSUALIDADE
JUDY BASTYRA
MADRAS
(2013)
R$ 99,00



TABLEAUX SYNOPTIQUES D EXPLORATION CHIRURGICALE DES ORGANES
DOCTEUR CHAMPEAUX
J-B BAILLIÈRE ET FILS
(1901)
R$ 75,87





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês