Alívios diamantinos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Florbela Espanca, poeta
>>> Mamãe falhei
>>> À procura de barranco
>>> As armas e os barões
>>> 11 de Setembro e a Era do Terror
>>> Sobre as ilusões perdidas
>>> Mistérios Literários
>>> Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos
>>> Caminho para a Saúde
Mais Recentes
>>> O Herói Perdido de Rick Riordan pela IntrÍnseca (2011)
>>> Sem Folego de Brian Selznick pela Sm (2012)
>>> Manual De Metodos E Tecnicas De Pesquisa Cientifica de Izequias Estevam Dos Santos pela Impetus (2016)
>>> A Droga Da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> Compliance: Como Implementar de Marcos Assi pela Trevisan (2018)
>>> Nate Está Na Área de Lincoln Peirce pela Sextante (2014)
>>> Nós de Mauricio Negro pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> Análise Técnica Clássica de Flávio Lemos, Celso Cardoso pela Saraiva (2010)
>>> Zumbizito: Descubra Seu Segredo de Kevin Bolger pela Novo Século (2012)
>>> Entrevista de Clarice Lispector pela Rocco (2007)
>>> Drogas: sua Liberdade Por um Fio de Denise Ortega pela Nova (2008)
>>> A Droga Do Amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2014)
>>> O pulo da Carpa! de André Gravatá pela Sm (2022)
>>> Desmontando A Arara de Renata Bueno pela Ftd (2010)
>>> É Possível Superar A Violência Na Escola? de Luciene Regina Paulino Tognetta pela Do Brasil (2012)
>>> Sentidos De Milicia: Entre A Lei E O Crime de Greciely Cristina Da Costa pela Unicamp (2014)
>>> Odisseia Em Quadrinhos de Silvana Salerno pela Ftd (2022)
>>> Passaro Amarelo de Olga de Dios pela Boitatá (2016)
>>> Implantação De Inovações Curriculares Na Escola: A Perspectiva Da Gestão de Esther Carvalho pela Cla (2019)
>>> Metodologia OPEE: 20 Anos Inspirando Projetos de Vida de Leo Fraiman pela Ftd (2023)
>>> A Mala Maluca de Donaldo Buchweitz pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Sangue Do Olimpo: Os Herois Do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Sonho Transdisciplinar E As Razões Da Filosofia de Hilton Japiassu pela Imago (2006)
>>> A Importância De Ser Prudente, Um Marido Ideal E Outras Peças de Oscar Wilde pela Veríssimo (2024)
>>> O Sucesso Jamais Será Perdoado - A Autobiografia Do Barão De Mauá de Irineu Evangelista De Souza pela Avis Rara (2024)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/8/2006
Alívios diamantinos
Ana Elisa Ribeiro
+ de 3900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Ouvi a manhã. Era tão diferente do batente da capital, que eu ouvi a manhã. Ela tinha, assim, um som de folhas misturado com certo cheiro de mato. Mas também não era bem isso, nem só isso. Tinha céu aberto, de um azul quase inexprimível. Além disso, as pedras imensas faziam as vezes de montanhas milenares e delas também exalava um cheiro de dureza histórica.

Ao ouvir a manhã, atentei logo para as cores. O céu aparecia bem acima do telhado. Pela fresta atrás das cortinas, visualizei o dia. Amplo como os dias na cidade não costumam ser. Os tempos e os intervalos todos tão diversos. Tão comparativamente outros. Outrossim. Anotei na agenda: não precisarei de você. Parti.

O café, com leite e frutas, era servido num salão de onde se divisava um imenso arredor de pedra. Uns o chamavam montanha, outros, Diamantina, outros ainda diziam Cruzeiro. Lá no alto, bem em cima, uma cruz revelava a altura.

Daqui se vê o segundo pico mais alto de Minas. A segunda cidade mais alta do Brasil. O primeiro vestígio desta vida de fugazes. O suco e o açúcar pareciam lentos. A porta aberta se transformava numa varanda aberta, como as que Oscar Niemeyer gostava de planejar. O limpo, a curva, o seco. E eu. Vendo as árvores retorcidas da paisagem amarelada. Em alguns lugares, o fogo havia lambido as mechas, restaram sombras pretas. Carlos Herculano Lopes, escritor das Gerais, me dizia, de dentro do ônibus: coitado do gado, por aqui o fogo acabou de passar. E os bois fingiam mascar chicletes.

De dez às doze eram horas amenas. De doze às quatorze, o atípico horário de almoço. De então para agora, o entardecer vagaroso dos altos de Minas. A escola, ao lado a botique, ao lado a lanchonete, ao lado a padaria, o Banco do Brasil, a curva, a descida, o mercado velho ao largo, o restaurante. Por acaso, almocei no Apocalipse. Queria ali um suflê de fim de mundo. Nem precisou. Atrás do prato com folhas e relvas, divisei, novamente, a varanda. Por trás dela, um horizonte de pedra, mas agora em pose diversa da sacada do hotel. Comi santificada. O tempo mugia. Era lento como um chuvisco. As duas horas de almoço, que na capital têm sentido de distância e de correria, pareciam uma tarde inteira.

A volta foi constante. Velocidade de caracol. Lojinhas, do outro lado o casaco, do outro, o cachecol. De dia, sol quente. De noite, intemperanças. Diamantina faz frio, mas só quando a noite se veste de padre. Até soneca pós-prandial teve gente que fez. Preferi passear pelos paralelepípedos históricos, catedral, Chica da Silva, apreensiva com os beirais, querendo comprar ímãs e pés de moleque. Inconstei por uns tempos. Bolo, chocolate de inverno, xícara quente, vapor, banho pelando. Diamantina favorece as horas. Escamoteei o retorno ao trabalho, mas nem precisava. Às quatorze em ponto eu estava lá, como se fosse precisa. Na capital, esses minutos são diamantes. Parecem dinheiro, quando vistos de perto. Em Diamantina, os minutos são eles mesmos, sem tirar nem pôr.

A tarde passou muda. Assim, como quem caminha ao lado. Nem pompa, nem relógios de parede. Fizemos poesia por horas a fio. Cada verso, uma tonteira boa. Às dezessete horas ainda era dia. Cheiro de chá. Nem o lanche parecia ter a pressa dos desafortunados. Diz Maria, poeta aposentada, que Diamantina é lenta. Não acho. Diamantina é o tempo. A capital é que avança sem terminar de acontecer as coisas. E a gente vai junto, envelhece antes do necessário.

Às dezoito é hora do pão de queijo, do queijo só. Talvez um banho, a tevê, os ares da noite querendo esfriar. O casaco rosa espera em cima da cama. O cobertor faz diferença. Banho daqueles que nublam o espelho. Toalha. No lugar das buzinas histéricas, dos cheiros de gás, toca um sino. O sino da igreja matriz. Toca várias vezes. Eu me surpreendo. Nem há carros na rua. Nem pessoas atravessam fora da faixa. Nem é hora de correr pelas avenidas. É hora de ouvir o sino, a Ave Maria e do pão quente.

Anoitece. E é hora de Jorge chegar com o coração cheio de flores. E me dá-las todas, dizer que nasceram sozinhas, que foram cultivadas durante a viagem, com o sol da estrada, e que não morrerão jamais. E eu acredito. Tomar caldo quente, fumegar nossos olhos, dormir como anjos diamantinos.

Série diamantina

I
Diamantina foi cravada
na pele
de uma montanha

II
Dia de calor
Noite de frio
Diamantina tem
temperamentos

III
Alinhavo árvores
nas montanhas
para alcançar
o céu de julho

IV
Lua e Sol, daqui,
não me parecem inimigos
Diamantina tece contrários

V
Imagens, retratos, palavras:
Álbum de alívios
diamantinos

VI
desci a rua
ladeira, altitude
até minha respiração
garimpou pedras preciosas

VII
almoce no Apocalipse
e experimente o suflê
de fim de mundo

Festival

ainda não ouvi pássaros
cantarem em coro
talvez estejam em oficinas


Ana Elisa Ribeiro
Diamantina, 9/8/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Domingão de eleição de Daniela Castilho
02. O que é ser jornalista? de Marcelo Maroldi
03. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? de Arcano9
04. Aventuras pelo discurso de Foucault de Adriana Baggio
05. O mundo é o hemisfério norte de Daniela Sandler


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
02h14min
"...Diamantina é o Beco do Mota/ Minas é o Beco do Mota/ Brasil é o Beco do Mota/ viva meu país..." Belo texto, Ana.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
9/8/2006
05h58min
Quando temos uma ligação com alguma cidade do interior, só guardamos as boas lembranças e sensações. É tudo o que tenho da cidadezinha de meus avós paternos. Quando vou pra lá, até engordar em engordo! Tudo é diferente. O gosto da comida, da água, o ar, tudo. Em Diamantina não deve ser diferente. E pelo texto da Ana, quem não conhece a cidade, fica doido pra conhecer.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
9/8/2006
12h10min
Muitos anos distante de minha cidade natal, sinto-me recompensado pelo seu texto. É como se estivesse novamente subindo curvado àquelas ladeiras, com os olhos no formato das pedras em que pisava. Diamantina é uma cidade cravada em minha memória.
[Leia outros Comentários de Rodrigo L Caldeira]
9/8/2006
22h06min
Ana Elisa, você arrasou! Amei! Tô com mais vontade ainda de ir a Diamantina...
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
12/8/2006
14h28min
Ana, seu texto sobre Diamantina é uma delícia. Acho que todo mundo deveria ir a Diamantina pelo menos uma vez na vida (como os mulçumanos vão a Meca...). Você tem razão: o tempo em Diamantina é real (dá tempo de apreciar os madornentos rebanhos de nuvens no céu, na hora de sol a pique, escutar o coro da passarada à tarde - se não estiverem em oficinas - e ouvir estrelas à noite). Um beijão da aluna, Beatriz
[Leia outros Comentários de Beatriz Sampaio]
13/8/2006
17h57min
Lindo texto. Poesia pura, nem foi preciso chegar aos versos. Acho que tô precisando de um tempo assim diamantino... Abraços
[Leia outros Comentários de Matheus]
14/8/2006
16h06min
Ana Elisa
rara poeta
entre flores
diamantes/diamantinos
diamantido
nesse tecer
alvos
nesse rever
algo
[Leia outros Comentários de André Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Taça Escarlate
Luciane Monteiro
Inverso
(2019)



Livro Infantil Guilherme Augusto Araújo Fernandes
Mem Fox
Brinque Book
(2009)



Crianças Sem Problemas
Eduardo Goldenstein
Clinch
(1992)



Livro Religião Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas
Osvaldo Polidoro
Assahi
(2006)



Exames de Oab: Testes e Comentarios 4º Edição
Varios Autores
Premier Maxima
(2007)



Anasquistas Graças a Deus
Zélia Gattai
Circulo do Livro
(1987)



Desorientais Hai-kais
Alice Ruiz S
Iluminuras
(2006)



Conhecendo Argamassa
Fernando Antonio Piazza Recena
Edipucrs
(2007)



Desembarcando o colesterol
Fernando Lucchese
Sesi
(2010)



Uma Ponte Para a Sociedade Sustentável
Henrique Rattner
Senac
(2012)





busca | avançada
74889 visitas/dia
2,4 milhões/mês