Digite seu nome no Google | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
70622 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Pouca gente sabe
>>> O chilique do cabeleireiro diante da modelo
>>> Paradiso por Metheny
>>> A nova propaganda anda ruim
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Manual para o leitor de transporte público
>>> Ganha-pão
>>> Comunicação: conselhos para (jovens) pesquisadores
Mais Recentes
>>> Marketing e Comunicação na era Pós-digital-as Regras Mudaram de Walter Longo pela Hsm Management (2014)
>>> Forças Irresistíveis de Danielle Steel pela Record (2002)
>>> Memorial do Convento de José Saramago pela Bertrand (1987)
>>> Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1986)
>>> O livro das pequenas infidelidades: contos de Edgard Telles Ribeiro pela Companhia Das Letras (1994)
>>> Competências e Qualificações Profissionais de Olivier Bertrand pela Iiep (2005)
>>> Vida e Proeza de Aléxis Zorbas de Nikos Kazantzákis pela Tag (2011)
>>> O Grande Arcano de Paloma Sánchez-Garnica pela Record (2008)
>>> O Futuro da Democracia de Norberto Bobbio pela Paz e terra (1996)
>>> A Crise do Homem na Meia-Idade Recomeçando a Vida Depois dos 40 de Nancy Mayer pela Record (1978)
>>> Acesso a justiça de Mauro Cappelletti; Ellen Gracie Northfleet pela Safe (2002)
>>> Um minuto para mim de Spencer Johnson, M.D pela Record (2006)
>>> Problemas? oba! de Roberto Shinyashiki pela Gente (2011)
>>> Queda de gigantes de Ken Follett pela Sextante (2010)
>>> Minutos com Chico Xavier de José Carlos de Lucca pela Ebm (2009)
>>> Combo Livros Questões com Gabaritos Comentados de Aylton Barbosa, Fabrício Sarmanho, Raquel Camurça, José Almir Fontella Dornelles, Ronaldo Oliveira e Marcos David Soares dos Santos pela Vestcon (2010)
>>> As sete leis espirituais do sucesso de Deepak Chopra pela Bestseller (2003)
>>> As Astreintes e o Processo Civil Brasileiro de Guilherme Rizzo Amaral pela Livraria do Advogado (2004)
>>> Coleção Sinopses para concursos, v.7 - processo penal de Leonardo Barreto Moreira Alves pela Juspodivm (2014)
>>> A Escrita ou a Vida de Jorge Semprun pela Companhia das Letras (1995)
>>> Ante os Tempos Novos - Espirita de Suely Caldas Schubert pela Leal (2016)
>>> Modelagem matemática do controle biológico da mosca-das-frutas por parasitoide na fruticultura brasileira de Viviane de Lima Noronha, Carlos Eduardo de Souza Rodrigues, Rosana da Paz Ferreira e Tainara Miranda Campos pela Brazil Publishing (2020)
>>> Urdiduras: Memorial de Inês A. Castro Teixeira de Inês Assunção de Castro Teixeira pela Brazil Publishing (2020)
>>> Uma fera sempre à espreita – o que é fantasia em Freud de Ronaldo Manzi pela Brazil Publishing (2020)
>>> National Geographic Brasil Nº 224 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Esaú e Jacó / Memorial de Aires de Machado de Assis pela Nova Cultural (2003)
>>> National Geographic Brasil Nº 225 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Montaigne - Os Pensadores de Michel de Montaigne pela Nova Cultural (2004)
>>> National Geographic Brasil Nº 218 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Sociologia do sobrenatural de Luigi Sturzo pela Aster, Casa do castelo (1960)
>>> Do direito natural á sociologia de Jacques Leclercq pela Duas cidades
>>> Ciência x Espiritualidade de Chopra e mlodinow pela Sextante (2018)
>>> Ciência x Espiritualidade de Chopra e mlodinow pela Sextante (2018)
>>> Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal de Allan Pease & Barbara Pease pela Sextante (2004)
>>> O Gerente Minuto de Kenneth Blanchard & Spencer Johnson pela Record (1981)
>>> Contabilidade Geral: Teoria e mais de 1.000 questões de Ed Luiz Ferrari pela Impetus (2013)
>>> Aulas de Direito Constitucional para Concursos de Vicente Paulo; Marcelo Alexandrino; Frederico Dias pela Método (2012)
>>> Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil de Fabio Giambiagi; Ana Cláudia Além pela Elsevier (2011)
>>> Genética: Texto e Atlas de Eberhard Passarge pela Artmed (2004)
>>> Gestão por Processos: Uma Abordagem da Moderna Administração de José Osvaldo de Sordi pela Saraiva (2008)
>>> Gestão de Contratos: Melhores Práticas Voltadas aos Contratos Empresariais de Walter Freitas pela Atlas (2009)
>>> Desafios eclesiais e missionários da cooperação de Israel Batista (org) pela Sinodal (2007)
>>> Marketing de A a Z de Philip Kotler pela Campus (2003)
>>> Contos de Fadas e Suas Versões Originais - Sem Censura de Marina Avila (org.) pela Wish (2016)
>>> Cuidando de quem cuida de Roseli M. kuhnrich de Oliveira pela Sinodal (2007)
>>> Marketing 4.0 - do tradicional ao digital de Philip Kotler pela Sextante (2017)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Globo (2001)
>>> Crer: informações sobre fé de Helmut Thilicke (cord). pela Sinodal /EST (2007)
>>> Com Açúcar, Com Afeto: Fiz Seu Poema Predileto de Danci Ramos pela Edigal (2009)
>>> Missão e evangelização na América Latina e Caribe de Nilton Giese (org) pela Sinodal (2012)
COLUNAS >>> Especial Google

Quarta-feira, 8/3/2006
Digite seu nome no Google
Ana Elisa Ribeiro

+ de 31900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O que é Google?

Se você der uma passadinha no site da empresa Google, vai ver que há explicação para esse nome. Segundo eles, Google provém de "Googol", um termo da matemática que designa o 1 seguido de 100 zeros. Essa gracinha verbal tem a ver com a missão da empresa: organizar o montalhão de informações dando sopa pela Rede.

Considerada a maior empresa internacinoal de busca na Internet, a Google fez uma visitinha ao Brasil no final do ano passado para comprar mais tecnologia. Os executivos Larry Page, presidente de produtos, e Sergey Brin, presidente de tecnologia, foram bater papo presencial com professores e pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais. E isso não é à-toa.

O Google foi criado em 1998 e tem, hoje, 3.482 funcionários espalhados pelo mundo, a maioria na sede, em Mountain View, na Califórnia. A empresa oferece mais ou menos 8 bilhões de URLs na Web. Na América Latina, o Brasil é o país de localização do Google. A visita a Belo Horizonte foi para comprar a Akwan, uma empresa mineira criada em 2000 por um grupo de professores da UFMG.

Funcionamento e virtude

Ainda me lembro de quando pesquisava pelo Yahoo. A Universidade Federal de Minas Gerais desenvolveu o Miner, que foi comprado pelo UOL. Achei o máximo. Depois fiz pesquisa pelo TodoBR, também da UFMG. Mas quando o Google apareceu, ah, não teve pra mais ninguém.

O Google funciona ajeitando tudo o que existe na Rede por freqüência de palavras e/ou de acessos. Se alguém pesquisa Carmen Miranda, a chance de cair em um site oficial é muito grande, porque ele é o mais acessado, mostra mais credibilidade e é onde o nome da artista aparece mais vezes. E assim por diante, vai-se pesquisando tudo.

Se eu quiser saber sobre bruxas e escrever "bruxa" no campo de pesquisa do Google, ele me mostrará todos os sites da Rede em que aparece a palavra "bruxa". Imagine que tragédia! Explosão de informação. Impossível pesquisar com um mínimo de precisão. Navegar não é preciso, desse jeito. Mas se eu apuser ali várias palavras relativas a bruxa, além de "bruxa", de maneira a especificar mais minha intenção, o resultado da pesquisa ficará mais próximo do que eu preciso. Capiscou?

Se eu quiser uma letra de música e escrever "estrada", apenas isso, vão aparecer todas as estradas do mundo digital na minha frente. Impossível trafegar por todas elas. Mas se eu fechar o cerco, posso colocar a frase inteira: "entre no meu carro, na estrada de Santos", aí, sim, a letra do Rei me aparece inteira. Posso copiar, colar no Word, planejar uma aula ou cantarolar. As chances de essa combinação inteira ("entre no meu carro, na estrada de Santos") aparecer em outro lugar é mínima. É por essas e outras que o Google é tão extraordinário. E mesmo assim, há quem consiga enganar o motor para ser mostrado em primeiro lugar na lista de procurados.

O que é uma "googada"

"Espera aí, vou dar uma googada aqui e te falo". Era assim que eu falava quando ficava devendo a resposta de algo a alguém. O Google era sempre a ferramenta de busca que me dava a esperança de encontrar algo sobre aquele assunto misterioso. No entanto, procurar não é coisa de máquina. Mesmo com um motor fabulosamente construído como este, quem manda na busca ainda é o leitor-usuário. Há algumas competências que não foram transferidas para a máquina e parece que não serão, ao menos ao longo do meu tempo de vida.

Quando uso o Google, antes de entrar na Internet, preciso querer algo, ter um objetivo, ter uma tarefa para cumprir. Isso é da alçada do leitor. A partir do meu objetivo, inicio uma procura com a ferramenta, mas isso também não resolve todos os meus problemas. É necessário saber procurar. Caso contrário, o Google, minha Mãe Dinah digital, voltará de mãozinhas abanando. Ou pior: responderá que existem milhões de páginas sobre aquele tema na Rede. Ai, meu Deus, e por onde começar? Daí vem aquela preguiça de vasculhar site por site, link por link, atrás de alguma coisa tão vaga quanto comum.

Recapitulando: o motor de busca é um espetáculo, mas tem que saber usar. Meu pai, sábio fazedor de filhos, já dizia: "sabendo usar não vai faltar". Essa frase jamais saiu da minha cabeça. Aliás, é dela que saem também as palavras-chave que ajudarão a encontrar meu site de pesquisa. Sigam meus passos:

1. Primeiro eu preciso saber o que quero procurar. A motivação pode ser qualquer uma: curiosidade infantil, pesquisa escolar, doutoramento, cantada, vontade de ajuntar páginas sobre qualquer coisa. Sei lá.

2. Depois eu preciso preencher o campo do Google com uma ou mais palavras e clicar em "pesquisar".

3. Quando ele vier com a resposta, trará uma lista de links por ordem de freqüência. Como assim? Bem, este é outro caso.

Gmail

Eu tinha um domínio na Internet. Era o patife.art.br. Foi meu lote na Lua desde 2001, quando eu e Lucas Junqueira resolvemos construir um site para publicar bobagens. O Patife foi desativado em 2006, agorinha mesmo. Junto com ele, foi-se meu endereço eletrônico mais conhecido. É claro que deu dó, mas eu tinha boas razões para abandonar o domínio.

Para começar, nosso serviço de hospedagem estava muito caro. Havia outros tão bons quanto, cobrando um terço do preço. Mas minha preguiça de manter o site não me deixava tomar a iniciativa de mudá-lo de lugar. Além disso, migrar meus e-mails armazenados daria muito trabalho.

Nossa hospedagem era um serviço prestado em São Paulo, por uma empresa bacana. Atendimento vip, para fazer jus ao preço, 0800, tira-dúvidas eficiente. Até que um dia a empresa foi comprada por outra, bem maior, e os serviços pioraram em razão inversamente proporcional. Uma lástima. A interface do e-mail ficou tão esquisita que passei a ter preguiça de ler minhas mensagens. Muito importante falar em interfaces gráficas, minha gente. Não basta enfeitar, tem que atender. Fui ficando chateada com a coisa, webmail fora do ar, manutenção toda hora, 0800 ineficiente, atendimento fraco. Para que pagar mais caro? No serviço antigo, a interface do webmail era simples, até feia, mas muito funcional. Neste, bombadão, a interface era bonitinha, mas ordinária. No entanto, o que mais me irritou não foi isso, foi a piora extraordinária do serviço de busca interna do e-mail. Eu já não conseguia mais encontrar as mensagens e os endereços das pessoas. Foi quando me apresentaram o Gmail. Primeiro me deu uma preguiça imensa de mudar de endereço, mas quando me disseram que esta conta era do Google, ah, tudo mudou em minha vida. Logo que recebi o convite, pesquisei um login bonitinho e mandei brasa. Em poucos minutos, transferia meus dados para lá, tinha espaço para nadar de braçada, podia importar dados de todos os tamanhos e cores, meus contatos entravam automaticamente, eu começava a digitar um nome e o navegador apresentava o resto sozinho. Minha avó, assustada, diria que "isso é coisa do capeta".

Bem, melhor mesmo foi o motor de busca. Qualquer mensagem que eu quisesse aparecia em fração de segundo. Tudo à mão. Era a velha e boa sensação de trabalhar numa mesa com tudo ao alcance dos dedos. Coisa de sistema inteligente. Fiquei fã do Google e de tudo o que eles fazem. Meu próximo passo é instalar o desktop. Minha máquina vai ficar dos infernos!

Importância

Li em algum lugar que encontrar alguém no Google, especialmente entre os primeiros links, é boa medida da importância que se tem na Rede. Há quem exagere e pense até em importância no mundo. Não vamos adiantar as coisas. O fato é que vale a pena matar a curiosidade e digitar o nome na pesquisa do Google.

Fiz isso a primeira vez há alguns anos. Apareci lá no topo no Blocos Online, site de poesia da escritora carioca Leila Míccolis. Foi uma sensação gostosa. Pensei: "ótimo, estou fácil, extremamente fácil". E isso foi boa medida de como andava minha vida digital.

Atualmente, me digito no Google e o Digestivo Cultural aparece em primeiro lugar. Bom para nós dois. Depois vem meu blog, semidesativado; o Blocos Online, o Jornal de Poesia, o Portal Literal; eventos importantes: Seminário sobre o livro e a história editorial (Rio de Janeiro, Casa de Rui Barbosa), Revolução dos Cravos (com endereços portugueses), Salão do Livro (Belo Horizonte), Primavera do Livro (Rio de Janeiro), entre outros quitutes. Também me vejo perambulando pela Plataforma Lattes, pelas entrevistas do Paralelos e em blogs que nem conheço. Em todo caso, sempre com referência explícita. Bom, não? Sim, é bom.

Digite seu nome no Google e veja no que dá. Aprovação em concursos, lista de colégio, blogs amigos. Veja lá por onde seu nome anda. O Google costuma ser preciso. É um jeito divertido de ser ubíquo. Eis uma característica mirabolante do mundo digital: você está em todos os lugares e não desgasta, não tem cheiro e não solta tiras por aí.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 8/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mas se não é um coração vivo essa linha de Elisa Andrade Buzzo
02. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
03. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
04. Regras de civilidade (ou de civilização) de Julio Daio Borges
05. Antes que o amor seja apenas uma trégua de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


Mais Especial Google
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/3/2006
00h16min
Gostei muito do relato da Ana, tinha coisas que nao sabia e nem imaginava... mas, afinal, sobre o google nao tem o que comentar, é incomparavel.
[Leia outros Comentários de Laercio Silva]
18/4/2006
09h59min
Grato, Ana Elisa, pelas preciosas informações sobre o Google. O Google é para a Web o que a Microsoft é para o computador: não tem para ninguém. Freqüentemente, sirvo-me do Google para saber se meus artigos tiveram alguma repercussão na Rede. A propósito: alguém já batizou seu filho com o nome de "Google"? Tem louco pra tudo...
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
27/9/2010
14h56min
Ainda bem que não saio soltando meu último nome por aí... A propósito, é bom lembrar que é diferente, pelo menos comigo, digitar Nome Sobrenome de Último Nome e digitar "Nome Sobrenome..." (com aspas).
[Leia outros Comentários de Alexandre Maia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A ESPADA DE HEROBRINE
JIM ANOTSU
GRUPO AUTÊNTICA
(2015)
R$ 6,90



UM SOL E DOIS OLHOS ÂMBAR
Y. N. DANIEL
BIBLIOTECA24X7
(2008)
R$ 10,00



DO CORPO À ALMA: MISSIONÁRIOS DA CONSOLATA E ÍNDIOS MACUXI EM RORAIMA
MELVINA ARAÚJO
HUMANITAS
(2006)
R$ 34,00



OS GRANDES PROCESSOS DA HISTÓRIA VOLUME 74
HENRI ROBERT
LIVRARIA DO GLOBO
(1940)
R$ 9,90



SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE - VOL 2 - 03/1980 - ANO 1
VÁRIOS AUTORES
CORTEZ
(1980)
R$ 6,60



PSICOPATOLOGIA CLÍNICA
KURT SCHNEIDER
MESTRE JOU
(1950)
R$ 150,00



BIBLIOGRAFIA SOBRE RELIGIOSIDADE POPULAR
ESTUDOS DA CNBB
PAULINAS
(1981)
R$ 49,11



UNIVERSIDADE HACKER - VOLUME 1
ULBRICH, HENRIQUE CESAR, DELLA VALLE, JAMES
DIGERATI BOOKS
R$ 17,00



MULHERES
ANA PAULA MORAES
DEZ
(2004)
R$ 5,00



A CULTURA NACIONAL E A PRESENÇA DO MASP
ANNA CARBONCINI/ EUGÊNIA GORINI/ PATRÍCIA PIESCO
A RAÍZES ARTES GRÁFICA
(1982)
R$ 7,90





busca | avançada
70622 visitas/dia
2,0 milhões/mês