O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth' | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A discreta crise criativa das novelas brasileiras
>>> Um post sem graça
>>> Política em perguntas
>>> Os Estertores da Razão
>>> Encontro com Marina Silva
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Mais Recentes
>>> Viva Com Esperança. Segredos para ter saúde e qualidade de vida. de Mark Finley - Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> Esperança Para Viver. O VERDADEIRO CAMINHO DA FELICIDADE. de Ellen G. White. pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Cascão 360 - Outubro/2000 - Uma Folha De Jornal, Mil Idéias na cabeça de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Chico Bento 354 - Agosto/2000 - O Fenômeno de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Magali 185 - Julho/1996 - Gato De Guarda - Editora Globo de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Ed & Lorraine Warren Lugar sombrio de Carmen Reed e AL snedeker & Ray Garton pela Darkside (2021)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> A cabana de William P. Young pela Sextante (2008)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta (2014)
>>> Eram os Deus Astronautas? de Erich von Daniken pela Edições Melhoramentos (1977)
>>> Pequena Filocalia - O Livro Clássico da Igreja Oriental de Vários Autores pela Paulus (1985)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> Búfalo - Zodíaco Chinês de Catherine Aubier pela Pensamento (1982)
>>> Sociologia e Sociedade - Leituras de introdução á Sociologia. de José de Souza Martins pela Livros Tecnicos (1977)
>>> Luz Emergente - A Jornada da Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (1993)
>>> Os homens dos Pés Redondos de Antônio Torres pela Francisco Alves (1973)
>>> Maça Profana de Wellington Soares pela The Books (2003)
>>> Teologia do Novo Testamento de George Eldon Laad pela Juerp (1985)
>>> Colette - Uma Biografia de Allan Massie pela Casa Maria (1989)
>>> Enigmas Bíblicos Revelados de Ernesto Barón pela Ceg (1998)
>>> Salvador de Sá e aluta pelo Brasil e Angola 1602-1686 Vol. 353 de C. R. boxer pela Ed. da usp (1973)
>>> Relações da Psicanálise com analistas, instituições e pacientes de David Zimmermann pela Artes Médicas (1988)
>>> Os Africanos no Brasil Vol. 9 de Nina Rodrigues pela Companhia Ed. Nacional (1997)
>>> Na Colméia do inferno - 1ª coleção veredas de Pedro Bandeira pela Moderna (1991)
>>> Os libertos: sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX de Pierre verger pela Corrupio (1992)
>>> Ao passar das caravanas ciganas de Valéria Sanchez Silva Contrucci pela Zenda (1995)
>>> O Jesus Histórico de Otto Borchert pela Sociedade religiosa edições vida nova (1985)
>>> Contra a Maré: Watchman Nee de Angus Kinnear pela Clc (1989)
>>> Encontro Com a Morte de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Por uma sociologia do protestantismo brasileiro de Vários autores pela Umesp (2000)
>>> Liberdade e Exclusivismo: ensaios sobre os batistas ingleses de Zaqueu Moreira de Oliveira pela STBNB edições (1997)
>>> Teologia Oriental: A identidade das igrejas orientais católicas no Codex Canonum Ecclesiarum Orientalum Vol. III de Thodoro Corrêa de Oliveira pela Gráfica (2009)
>>> Introdução ao estudo do novo testamento de Broadus David Hale pela Juerp (1985)
>>> Aquinas - Selected Philosophical Writings de Tomás De Aquino pela Oxford University Press (1993)
>>> Histórias Com Gente Dentro de Guaracy Pinto pela do Autor (2011)
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Noções Básicas de Citologia, Histologia e Embriologia de L.C. Junqueira; J. Carneiro pela Nobel (1988)
>>> Fairy Tail Zero de Hiro Mashima pela Jbc (2017)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/2/2016
O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
Duanne Ribeiro

+ de 3600 Acessos

Pelo assassinato empreendido por Macbeth, protagonista da peça shakespeariana que leva o seu nome, o caos fez sua obra-prima. A descrição é feita por aquele que será o carrasco do criminoso, Macduff, frente ao corpo esfaqueado do seu rei. Todavia, o que é dito nessa frase se espraia para além da cena do crime fundamental da trama: a perda de referências, a falência das classificações, o casamento contraditório dos opostos, esses elementos permeiam toda a narrativa e contribuem para a sua força aguda. No cinema, é a adaptação do diretor Justin Kurzel — que, com Michael Fassbender no papel principal, estreou ao fim de 2015 no Brasil — a que mais bem transpôs essas tensões à imagem em movimento.

Há pelo menos três outras adaptações cinematográficas dessa obra: Macbeth (1948), de Orson Welles; Trono Manchado de Sangue (1957), de Akira Kurosawa; e A Tragédia de Macbeth (1971), de Roman Polanski — é em confronto com esses filmes que tentaremos delimitar a originalidade visual do Macbeth de Kurzel, ao mesmo tempo em que vamos discutir a interpretação feita por cada qual do trabalho de Shakespeare — quais aspectos são ressaltados, que elementos significativos são acrescentados. A comparação entre seus momentos essenciais indica a variedade de símbolos que podem ser extraídos da história de ascensão e queda de um rei maldito da Escócia.

O enredo do qual todos os quatro filmes partem é o seguinte: Macbeth derrota, em batalha, um grupo que se insurgia contra o rei. No retorno após a luta, encontra, acompanhado de outro líder militar, Banquo, um bando de bruxas, que lhe profetizam duas conquistas: se tornará barão de um novo domínio e, além disso, será rei. À Banquo, dizem que seu futuro não chega a tais alturas, mas sua prole alcançará a realeza. Pouco depois, Macbeth recebe a notícia de que, realmente, a ele fora atribuído mais um baronato. A segunda previsão se mostrará também verdadeira? A ambição perturba a ele e à sua mulher, que se esforça a convencê-lo de que o sucesso está a um gesto brusco: a morte de Duncan, o rei.

Bêbados da possibilidade do poder, embebedam (de maneira mais trivial) os guardas que deviam proteger o soberano e cumprem o crime. Os filhos do monarca fogem e Macbeth é coroado. Outra vez o sucesso — mas a terceira previsão se mostrará também verdadeira? Por Banquo ter sido anunciado como uma ameaça à sua prosperidade, Macbeth o manda matar, a ele e seu filho, Fleance, falhando quanto a esse último. O meio fracasso rói a sua calma. Em um banquete servido à corte, sua crise se complica quando vê, com um silêncio afrontador, o fantasma de Banquo. Sua aparente loucura assusta a todos os presentes. É a situação que marca o início do esfarelamento do seu reinado.

Macbeth então retorna às bruxas, que lhe previnem novamente sobre o que virá: não há o que temer até que a floresta de Dunsinane avance sobre o seu castelo; e não há que temer dano exceto do homem que não nasceu de mulher. Isto lhe parece como o atestado de que só lhe espera a glória. Agarra-se à coroa com crueldade: chacina qualquer um, mulher, criança ou homem que esboce um desafio. Com isso, perde apoio dos nobres e da plebe. Na Inglaterra, os herdeiros do rei atraiçoado se organizam para lhe tomar o trono. Marca do crime, a loucura engolfa sua mulher e a leva ao suicídio. Tudo está arruinado e o cerco se põe à sua volta. Macbeth enfrenta os invasores certo de sua invulnerabilidade. Até que, enfim, as derradeiras coisas ditas pelas feiticeiras se comprovam, e ele quebra.

Cristãos, Roda da Vida Budista, Carne e Política
Essa história é contada com ênfases e imaginários distintos pelas quatro obras. Welles faz uma composição teatral — no mais das vezes, a continuidade entre as cenas é construída pelo movimento e posicionamento no cenário, e não por cortes — na qual a dramaticidade própria do branco e preto é reforçada por jogos de luz e sombra que, embora nem sempre se possa fazer essa afirmação, têm também profundidade simbólica: nesta obra de 1948, o que se dá é uma batalha entre o bem e o mal, isto é, entre a cristandade (o que é provado pela adição de um personagem ao original de Shakespeare, o padre, que desconfia do que é dissimulado na morte do rei e, depois, instrui a revolta contra o usurpador) e o demônio (as bruxas, que dirigem a ruína moral e material do protagonista, manipulando um boneco que condecoram, coroam e degolam). Nesta luta, Macbeth é apenas um joguete.

Kurosawa se apropria das bases da narrativa, prescindindo do texto shakespeariano, e as encena no Japão feudal. Macbeth é Washizu; Banquo é Miki; em vez de bruxas, um kami (divindade, espírito ancestral): uma mulher velha e fantasmagórica que expõe a filosofia essencial do filme. Quando a encontramos, ela está cantando sobre a futilidade das buscas humanas, sua ambição e arrogância, na medida em que tudo, no fim, se dissipa. A moldura de Trono Manchado de Sangue reforça essa ideia: abre-se e fecha-se a película com um monumento ao castelo da Teia de Aranha, onde todos os eventos se passam. Ou seja: todo o som e fúria não foram mais do que a agitação de um idiota em um palco que nem mais existe (mas, poderíamos debater, resta algo que significa alguma coisa: a saída da roda da vida, como propõe o budismo). Washizu será um caso particular desse preceito geral, sem que nada o obrigue — a kami, com efeito, lhe diz que que os humanos temem enxergar o que há dentro deles; com efeito, é por sua escuridão interior que fará tudo que fará.

Em Polanski as considerações metafísicas anteriores parecem distantes. Tudo é concreto, o que se vê por escolhas sutis de representação (por exemplo, as bruxas não desaparecem no ar, mas se escondem, e quando Macbeth diz que passaram do corpóreo ao incorpóreo, trata-se só de ironia), pelo realismo com que se exibe o cotidiano (e, ao mostrar o trabalho no castelo, seus músicos e cozinheiros, ressalta-se a rede social sobre a qual tudo ocorre) e pela brutalidade visual (de que as mortes de Macbeth e sua esposa são prova; a cabeça cortada em close de um, o corpo retorcido, pela queda, da outra). É um mundo de carne, não um mundo de alma. Talvez por isso, aqui transpareça com força o caráter político da desgraça do protagonista: os invasores adentram um castelo abandonado, sem exército ou povo; o aríete inútil passa pelos portões que bastou tocar para abrirem. Esse elemento se encontra também em Kurosawa (Washizu é morto não por um Macduff japonês, mas por soldados que, sem mais obediência, o flecham até o óbito), mas tem outras cores aqui.

Um Teatro de Antíteses
O Macbeth de Kurzel se aproxima do realismo da versão de Polanski — as cenas de luta são marcadas por sujeira, sangue e carne rasgada —, mas sua concepção visual parece se inspirar principalmente em Kurosawa: tanto em um quanto em outro, assistimos às cenas através de árvores retorcidas; e tanto lá como cá os raios de luz surgem na tela como que sólidos no ar. Entretanto, o que torna este trabalho de 2015 original é a tradução que faz, como indicamos acima, da dissolução lógica, da confusão entre os contrários que existe na peça de Shakespeare, em que o bem e o mal, o bom e o ruim, o feliz e o infeliz, o morto e o vivo, a escuridão e a luz se mesclam; em que florestas andam e homens não nascem de mulheres. No dramaturgo inglês, são as falas que apresentam esse contexto; em Kurzel, as tensões estão colocadas na fotografia e na edição. É uma composição feita de antíteses: a imobilidade e o movimento na sequência de guerra que abre o filme; a divisão da tela entre céu e terra, neblina e rocha, “corpóreo e incorpóreo”; a presença de um foco de luz em oposição aos personagens em parte mais escura.

A construção de uma visualidade forte, no entanto, sofre a fragilidade da interpretação do texto. Kurzel, como Welles e Polanski, segue de perto o texto de Shakespeare; porém, é a adaptação em que os diálogos mais soam artificiais, pomposos, assim como morosos de forma a afetar o andamento da história (esse meu comentário, é claro, está marcado pelos limites da minha impressão pessoal). Em Welles e, sobremaneira, em Polanski, ganham mais vida, sentimento e trivialidade (no bom sentido) as conversas e monólogos. Kurzel parece ver no texto algo “sério”, contundente, solene — talvez por isso tenha excluído do todo os momentos cômicos (o empregado que abre o portão do castelo, o filho de Macduff que ironiza sobre a honestidade) que pontuam a dramaturgia.

Sim, contundente e solene: como o olhar das bruxas. No Macbeth de 2015, elas são quatro figuras impassíveis, colhendo o que resta dos soldados após a guerra ou observando como se desenrola um futuro que já avistaram; seria esse o nosso próprio olhar? Se em Polanski só ouvimos os sons da batalha, se em Kurosawa só temos as notícias dos mensageiros e se em Welles, como em Shakespeare, começamos com a luta encerrada, em Kurzel somos postos dentro do embate. Acompanhamos essa tragédia anunciada, vemos a degradação (não necessária, o que é catártico) do protagonista e prevemos que o mesmo deve ocorrer mais uma vez: o filho de Macduff, segundo rei profetizado, pega a espada de Macbeth; o filho de Duncan, rei recém-coroado se arma da espada do pai. A violência é cíclica. Se a obra-prima do caos foi reparada desta vez, permanece no sistema restabelecido o gérmen da sua corrupção. Que, quando ocorrer, terá como vigias engajadas e indiferentes, impunes e inocentes, as bruxas.

Vemos que, em cada filme, subjaz uma interpretação do que significa a corrupção do poder. Nesse sentido, Orson e Kurzel estão em extremos opostos; no primeiro há uma Ordem que se possa restabelecer; no segundo, trata-se de momentos intercalados de crise e estabilidade, sem uma referência ou inteireza a ser atingida. Os outros dois diretores parecem concordar com essa última visão: Kurosawa, deixando aberta, implicitamente a possibilidade de sair do ciclo à nulidade do Nirvana; e, Polanski, retratando a brutalidade e a secura desse processo. As profetas de Kurzel, porém, não se chocam, sua expressão, como apontamos, é amortecida. Se pudermos especular que cada produção capta as perspectivas de cada época, poderíamos dizer que, frente ao poder que violenta, fenece e volta a prosperar, seria esse o nosso olhar?

---

Nota do Autor:

Mais conteúdo produzido por Duanne Ribeiro em http://duanneribeiro.wordpress.com.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 1/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
03. Caiu na rede, virou social de Fabio Gomes
04. Nova Gramática do Poder de Marilia Mota Silva
05. Entredentes, peça de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Controle de Inconstitucionalidade das Leis
Luiz Fabião Guasque
Freitas Bastos
(2004)
R$ 9,28



Romantismo
Adilson Citelli
Atica
(2004)
R$ 5,00



Cinderela - Minha Princesa Preferida - Disney Princesa
Culturama
Culturama
(2016)
R$ 8,38



O Xale de Selim e Outros Contos
Honoré de Balzac
Ediouro
(1996)
R$ 6,90



The 50 Greatest Beers in the World: An Experts Ranking of The
Stuart A. Kallen
Citadel
(1996)
R$ 38,28



Mischief
Amanda Quick
Bantam Books
(1997)
R$ 5,00



Mexa-se Com o Método Pilates
Nova Cultural
Nova Cultural
(2004)
R$ 9,00



O últimos Dias da Humanidade
Alfredo Paulo
Universal
(2002)
R$ 5,00



A Avaliação de Professores numa perspectiva internacional
Maria Assunção Flores (Org.)
Areal
(2010)
R$ 60,00



Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil
Fábio Giambiagi; Ana Cláudia Além
Elsevier
(2000)
R$ 20,00





busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês