Notas confessionais de um angustiado (Final) | Cassionei Niches Petry | Digestivo Cultural

busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
>>> São Paulo recebe exposição ‘À Meia Luz Na Pele’ em dois pontos da capital
>>> Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de São Paulo
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> Sobre os jornais e a internet
>>> Cem anos de música do cinema
>>> Inutilidades e pianos
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Educadores do Futuro
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
Mais Recentes
>>> Biblioteca do Escoteiro Mirim - Completa 20 Volumes de Disney pela Círculo do Livro (1989)
>>> Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio (1830) Volume I: A Ciência da Lógica de G. W. F. Hegel pela Edições Loyola (2005)
>>> Islamismo e humanismo latino: Diálogos e desafios de Arno Dal Ri Júnior (org.) pela Vozes (2004)
>>> Consciência e liberdade em Sartre: por uma perspectiva ética de Carlos Eduardo de Moura pela EdUFSCar (2012)
>>> Sartre: Direito e Política - Ontologia, liberdade e revolução de Silvio Almeida pela Boitempo (2016)
>>> Imigração Atual: Dilemas, Inserção Social e Escolarização - Brasil, Argentina, EUA de Leda Maria de Oliveira Rodrigues pela Escuta (2017)
>>> Os Céticos Gregos de Victor Brochard pela Odysseus (2009)
>>> Ontologia, Conhecimento e Linguagem: Um encontro de Filósofos Latino-Americanos de Plinio Smith Ulysses Pinheiro, Marco Rufino pela Mauad (2001)
>>> Discurso do Método de Descartes pela Lafonte (2017)
>>> Pensamento Alemão no Século XX - Volume 3: Grandes Protagonistas e Recepção da Obra no Brasil de Wolfgang Bader , Jorge de Almeida pela Cosac Naify (2013)
>>> Revista Matéria Prima - Práticas Artísticas no Ensino Básico e SecundárioVol. 6 (1), janeiro–abril 2018, quadrimestral de Vários pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa & Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Ar (2018)
>>> Ser e Tempo de Martin Heidegger pela Vozes (2012)
>>> AIDS no Brasil : A agenda de construção de uma epidemia de Jane Galvão pela 34 (2000)
>>> Trópicos utópicos: Uma perspectiva brasileira da crise civilizatória de Eduardo Giannetti pela Companhia das Letras (2016)
>>> Razão e Sensibilidade de Jane Austen pela Tricaju (2021)
>>> Arsène Lupin e a Rolha de Cristal de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> O Livro da Selva de Rudyard Kipling pela Principis (2021)
>>> Tarzan de Edgar Rice Burroughs pela Principis (2021)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-exupéry pela Tricaju (2021)
>>> A Odisseia de Homero pela Principis (2021)
>>> Persuasão de Jane Austin pela Principis (2019)
>>> Verdade ao Amanhecer de Ernest Hemingway pela Bertrand Brasil (2015)
>>> Sonhos na Casa da Bruxa e Outros Contos de H. P. Lovercraft pela Principis (2020)
>>> Cinco Semanas Em um Balão de Júlio Verne pela Principis (2020)
>>> Da Terra á Lua de Júlio Verne pela Principis (2020)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/1/2020
Notas confessionais de um angustiado (Final)
Cassionei Niches Petry

+ de 2000 Acessos

LIX

O que move a narrativa é o conflito. Para Koch, “o conflito — isto é, algum embate a ser resolvido entre as pessoas — é a única coisa que nos faz perguntar: O que vai acontecer? O leitor que não se interessar por isso não vai se interessar pela leitura, e ponto final”. Em Os óculos de Paula, a expectativa do leitor deve relacionar-se ao envolvimento dos protagonistas, se vão levar adiante o caso amoroso, se o marido dela ou a esposa dele irão descobrir. As ideias discutidas durante o enredo também são conflitos em que se busca uma solução: Paula irá adiante com suas indagações metafísicas? Fred continuará pensando no suicídio somente no seu aspecto teórico? São esses os suspenses que buscam prender o leitor na história. Ao mesmo tempo, porém, pretendo provocar reflexão, incomodar quem está lendo, pois minha ideia de obra de arte segue nesse sentido.

LX

Uma das preocupações na elaboração do romance Os óculos de Paula é o tempo da narrativa. A história se passa na maioria das vezes no espaço temporal relativo ao reencontro da Paula e do Fred. Também é narrado um passado comum aos dois, quando namoravam na faculdade, e o passado da infância, com fragmentos da vida de cada um. Busquei não marcar os planos no tempo verbal. Todos estão no pretérito. O contexto vai revelar ao leitor sobre que época se refere o que se está lendo. Há ainda o plano do escritor, que, por sua vez, está no presente. (...)

O que aconteceu com as personagens no passado pode explicar suas ações no presente. Por que Fred se tornou ateu? Por que ele se preocupa tanto com o tema do suicídio? Por que Paula é insegura nas suas escolhas e se baseia muito na opinião das outras pessoas?

LXI

Já escolhi, dentre as possibilidades que tinha, o final da história. Escrevi um esboço das dez últimas páginas. Já sei aonde tenho que chegar, mas ainda falta muito para atingir um número considerável de laudas para que possa chamar Os óculos de Paula de romance.

Não digo que passo por um bloqueio criativo, mas estou numa fase da história em que não consigo pôr no papel o que tenho em mente ou anotado nas folhas de um caderno de capa azul, fragmentos soltos cujos motivos pelos quais anotei eu não lembro mais. O prazo é o maior motivador e desmotivador ao mesmo tempo. Sempre que sinto a aproximação da data da entrega, acabo sempre conseguindo concluir meus projetos de escrita. Por outro lado, o prazo retira do texto uma qualidade maior que ele poderia ter.

LXII

Uma mudança no romance. A primeira, o uso do pronome de tratamento “você” no lugar da segunda pessoa “tu”, mesmo nos diálogos entre Fred e Paula. Um motivo é deixar a narrativa menos regionalizada; o outro é não usar a inevitável mistura de tratamento, que deixa o texto muito pobre gramaticalmente. (...)

Pensei num narrador que, ao mesmo tempo em que focasse em Paula — um narrador em 3ª pessoa parcial, portanto —, soubesse de aspectos da história além dos relacionados a essa personagem apenas. Ele sabe, mas omite, ou melhor, sugere, deixando um suspense ao final dos curtos capítulos e, quando dá a voz ao Fred, ele se esconde ou sai em disparada como escreveu Vargas Llosa, pois deixa a personagem expor seus pontos de vista sem o filtro do narrador.

LXIII

Relendo a obra do Rubem Fonseca, percebo que há uma influência do autor na minha escrita, mas não a que comumente influencia os demais escritores, que é o tema da violência urbana, mas sim com relação às citações às vezes enciclopédicas outras vezes literárias, principalmente as que aparecem na fala de personagens. O orientador já havia se referido a esse ar professoral do Fred como um possível problema na narrativa, mas permaneci firme no propósito, pois tinha a ideia de revelar traços da personalidade da personagem através de seus discursos em rodas de amigo ou nas postagens do blogue. As divagações enciclopédicas e literárias servem para, além de dar indícios do que pode acontecer, retardar a narrativa.

Escrevi há pouco um capítulo em que Fred discorre sobre esse assunto depois de ler um livro do autor de Bufo & Spallanzani. Tenho em mente dar indícios ao leitor, que podem ser falsos, de que Fred é “o escritor” que aparece na história, apesar de este escritor, na sua última aparição, ter insinuado que seria, na verdade, o marido de Paula. Desejo manter esse suspense até o desfecho da narrativa, que já está delineado.

Quem narra a história? É a pergunta que ainda quero deixar sem resposta para o leitor. É uma espécie de “narrador não-confiável”, na acepção de David Lodge, com o objetivo de “revelar a lacuna entre as aparências e a realidade e mostrar como os seres humanos distorcem e ocultam essa última”. O narrador é uma das personagens, mas conta a história sobre o seu ponto de vista, no caso, a favor da ficção: “Assim como no mundo real, precisamos ter alguma forma de distinguir a verdade da mentira do mundo imaginário do romance para que a história desperte nosso interesse.”

LXIV

A narrativa se encaminha para o clímax. Ela seguiu um determinado ritmo, criou alguns conflitos. Agora, porém, precisa crescer e provocar um momento de maior tensão que deve se manter até o desfecho que, pretendo, surpreenda o leitor. David Lodge escreve que a “maioria das narrativas traz um elemento de surpresa. Se conseguimos prever todas as reviravoltas de uma determinada trama, é muito improvável que ela nos cative. Mas, além de convincentes, as reviravoltas precisam ser inesperadas.”

As reflexões de Fred com relação ao suicídio são indícios do que vai acontecer, porém, quem vai cometer o suicídio deve ser uma incógnita para o leitor, assim como quem está narrando a história. Para Forster, o “mistério é essencial para um enredo e não pode ser apreciado sem inteligência [...]. Para apreciar um mistério, parte da mente deve ser deixada para trás, matutando, enquanto que a outra parte deve prosseguir seu caminho”.

Para representar o clímax, decidi narrar com mais detalhes uma cena de sexo entre Paula e Fred. A relação sexual é uma espécie de narrativa, com seu início lento, que vai crescendo até atingir o orgasmo, que é o clímax. Antes de chegar a esse momento máximo com Fred, Paula é interrompida por uma ligação que incidirá no desfecho da história, na verdade o falso final.

LXV

É preciso terminar a narrativa. Um final foi escrito, porém a história não terminou: "Talvez devêssemos distinguir entre o fim da história de um romance — a resolução ou a não-resolução deliberada das questões narrativas levantadas na mente do leitor — e a última ou as últimas páginas do texto, que muitas vezes funcionam como uma espécie de epílogo ou post-scriptum, uma desaceleração suave do discurso antes da parada final", escreveu LODGE.

As páginas derradeiras correspondem mais do que um retardamento. Na verdade, há um novo elemento que fecha o enredo, mas que proporciona uma nova leitura. Há uma ficção dentro de outra ficção e tudo que aparecera até agora resulta em novo significado e o final, por sua vez, fica aberto para interpretações. Surge um conflito que vai ficar sem solução, salvo na mente do leitor. (...)

NOTA FINAL

Li muito nos últimos meses sobre técnicas literárias para produzir esse trabalho. O que não está nessas notas é porque não foi útil para a elaboração do romance, pelo menos conscientemente: “É o feeling, em suma, [...] que dá ao escritor o ritmo das frases, a extensão dos episódios, as proporções dos elementos que se alternam, de modo que os diálogos deem lugar a uma descrição, um resumo da narrativa, ou uma ação concreta", escreveu John Gardner. Algumas escolhas no processo se deram em virtude não do que os teóricos me diziam, mas do que eu com leitor pensava que era melhor, tendo em vista as centenas de romance que já li.

Busquei refletir sobre o processo de criação de uma forma que pode ser resumida nessas palavras de Milan Kundera: "Uma teoria ágil e prazerosa; assim é como teoriza um romancista: conservando a sua própria linguagem com ciúme, fugindo do jargão dos eruditos." Ao mesmo tempo em que precisava escrever um trabalho acadêmico, a escrita não poderia destoar da própria narrativa. Logo, as reflexões são de um escritor, não de um teórico, mas um escritor que precisava teorizar e se utilizar de teóricos para refletir. Foi esse círculo urobórico que procurei seguir, sabendo que correria o risco de engolir a própria cauda.


Cassionei Niches Petry
Santa Cruz do Sul, 15/1/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
02. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
03. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
04. Ação Social de Ricardo de Mattos
05. Caminhos para a esquerda de Celso A. Uequed Pitol


Mais Cassionei Niches Petry
Mais Acessadas de Cassionei Niches Petry em 2020
01. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I - 26/8/2020
02. Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II - 7/10/2020
03. As luzes se apagam - 13/5/2020
04. Jogando com Cortázar - 23/12/2020
05. Notas confessionais de um angustiado (Final) - 15/1/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




On Dirait Qu Il Va Neiger Journal Iii
Pascal Sevran
Albin Michel (paris)
(2002)



Aventuras Artísticas
Terri Bose
Madras
(2006)



O Alma
José Oliveira
Madras
(2016)



Aircraft
John W. R. Taylor
Hamlyn Paperbacks
(1980)



O Controle da Agressão e da Violência
Jerome L Singer
Epu; Edusp
(1975)



The Street Lawyer
John Grisham
Island Books
(1999)



Les Mammifères En France
Marie Charlotte Saint Girons
Sang de La Terre
(1989)



O Mundo dos Gnomos
Não Informado
Siciliano
(1985)



Violência do Mundo
Jean Baudrillard
Anima
(2004)



Reflexiones Sobre La Revolucion de Nuestro Tiempo
Harold J. Laski
Editorial Abril (buenos Aires)
(1945)





busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês