O fim dos livros físicos? | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/11/2020
O fim dos livros físicos?
Luís Fernando Amâncio

+ de 3100 Acessos

Estamos prontos para abrir mão dos livros físicos e aderir de corpo e alma aos e-books? Se essa fosse a pergunta de um milhão de dólares, seria a maneira mais fácil de me tornar um milionário.

Para mim, a resposta é óbvia e negativa. Não conseguiríamos fazer essa substituição. É só observar os nossos hábitos como leitores. A pessoa que compra um livro não está apenas interessada no conteúdo das páginas em si: é uma relação de amor em diversas camadas.

Além da leitura, queremos aspirar o odor do papel e da tinta gráfica. Tocamos o livro com carinho, sentindo na ponta dos dedos a aspereza de cada passagem de página. Nos deleitamos com a beleza estética de nossa aquisição, desde as cores na capa até as fontes no corpo do texto. Até que a relação evolui para o quarto, onde damos ao livro lugar de destaque na nossa mesa de cabeceira, bem pertinho de nós. Consumado o ato, ou seja, finalizada a leitura, ostentamos o objeto em nossas estantes, como exibicionistas expondo suas conquistas.


Como ilustração, a biblioteca do Carluxo: com livros físicos, mas virtual (fake)

Em resumo, o leitor muitas vezes não procura o livro apenas para a leitura: ele também quer sair para jantar e andar de mãos dadas na praça.

Com isso em vista, fica parecendo que os e-books jamais serão uma ameaça aos livros físicos, certo? Sim e não. O famoso “depende”. Embora não apresente tantas camadas de deleite, o livro eletrônico apresenta vantagens e se encaixa no perfil do consumidor de cultura contemporâneo.

Porque consumo é hábito e muda com o tempo. Pense no adolescente dos anos 1980, chegando em casa com a “bolacha”, nosso saudoso vinil, para ouvir sua banda preferida. Visão nostálgica que chama, né? Hoje, nossos jovens abrem seu aplicativo de streaming e procuram a playlist que combina com seu humor. Simples assim.

As idas às locadoras de filmes nos sábados à tarde, pagar para jogar uma hora de videogame nas casas especializadas, as lojas especializadas na venda de CDs... Dá pra fazer um Museu dos Hábitos Extintos.

Embora eu não veja o livro físico entrar nesse museu – ao menos não agora – o consumo de sua versão digital cresce a cada dia. O que é compreensível. O e-book é incrivelmente prático, ecológico e tende a ser mais barato. Para a experiência ser mais confortável, vale investir em um e-reader, os dispositivos de leitura de livros digitais (kindle, kobo, lev). Eles costumam ter modelos com preços acessíveis. Se não quiser fazer esse investimento, é possível baixar aplicativos em seu celular ou tablet para fazer a leitura.

Quem já esteve de mudança e precisou carregar caixas e caixas de livros sabe o quanto é mágico transportar centenas de obras nesses dispositivos que pesam menos de 100 gramas. Sua hérnia de disco agradece.

Além das comodidades na aquisição de novos títulos. Comprar um e-book não tem frete e a entrega é imediata.

Para os escritores, o aumento do mercado de livros digitais é entusiasmante. A publicação digital é mais acessível, barata e a distribuição pode ser ampla. Ela nos resguarda da lentidão no trato com algumas editoras e possibilita que nossas obras fiquem acessíveis por preços mais convidativos ao leitor.

Entretanto, se eu tivesse que apostar em algo, jamais perderia meu dinheiro anunciando a morte do livro físico. Ainda estamos consideravelmente apegados ao objeto em si. Afinal, como montar aquele visual de intelectual em conferências virtuais sem uma estante de livros atrás? A composição bibliófila é quase uma exigência nas reuniões no Zoom ou no Google Meet.

Por outro lado, abrir o coração ao e-book é se adequar aos tempos atuais. Jamais será uma traição aos livros físicos. Há espaço para os dois, ao menos por enquanto. Nesse caso, o poliamor está liberado.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 20/11/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2020
01. O pai tá on: um ano de paternidade - 28/8/2020
02. Pílulas Poéticas para uma quarentena - 5/6/2020
03. A desgraça de ser escritor - 31/7/2020
04. O fim dos livros físicos? - 20/11/2020
05. Cabelo, cabeleira - 23/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês