A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 1/9/2015
A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3200 Acessos


"Caminhei muitas noites por esta trilha de pedras até chegar à aldeia de minha infância". Não é Kafka quem escreveu esta frase, mas poderia ter sido. Na verdade, esse é o início do romance A delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes, publicado pela Editora Terracota, de São Paulo, em 2014.

Numa espécie de retorno à terra natal, o personagem Léo encontrará os hipopótamos do título, que não são outra coisa que os habitantes desse mundo fantasmagórico e, por vezes, grosseiramente real, de pessoas do seu passado, que transtornam a sua mente.

Que trilhas de pedras seriam essas que o personagem trilhou? Seria uma metáfora do seu desenvolvimento (e desencantamento) vivido fora da aldeia de sua infância? E porque os habitantes desse lugar ao qual retorna agora seriam transformados em hipopótamos?

Perto do fim do romance, esclarece-se a angústia da trilha de pedras: "Eu poderia contar tudo o que me aconteceu na cidade grande. Poderia falar das noites que passei em claro, bebendo café, fumando e tentando escrever. Poderia falar das mulheres, sempre as mulheres! Enigma molhado. Poderia falar das bocas de porco e dos lugares elegantes em que trabalhei. Poderia falar de como bebi e me droguei e de como depois parei de beber e me drogar. Eu poderia contar tanta coisa... MAS NÃO AQUI."

Talvez a vida de Léo tenha sido a mesma vida dos hipopótamos (apesar do deslocamento espacial), entregues ao vazio cotidiano, na perseguição de suas obsessões, que no fim... "vão dar em nada, nada, nada". Talvez o "ser hipopótamo" nunca saiu de dentro dele, embora o deslocamento para o universo urbano oferecesse outras diversões e ansiedades.

O pessimismo de Léo ao longo do livro tem sua fonte na origem, como tenta esclarecer o personagem: "Pode até acontecer de a origem ser o vazio e, neste caso, feito um Gautama Ocidental, um Schopenhauer primitivo, erguerei altar em homenagem ao nada."


A reflexão filosófica que procede deste entendimento desumaniza a figura do personagem, que sabe que, apesar de sua capacidade de pensar, de "olhar para deus" e "sondar as estrelas", todos serão "devorados por vermes da mesma maneira que os porcos". Uma reflexão alegórica, como numa pintura barroca, onde a reflexão diante da caveira anuncia uma redenção pelo encontro com o sublime espiritual. No caso de Léo, talvez sem redenção, como veremos à seguir.

"Cada um tem seu fardo", diz Léo em outro momento reflexivo. Esse peso da existência, talvez fruto das frustrações, dos amores mal amados, dos sonhos que seriam fiascos, transtorna seu olhar, sem, no entanto, deixar de redimir os hipopótamos, seus iguais, que gritam por uma "delicadeza", mesmo sendo suas existências pesadas na balança do fardo que carregam.

O conflito entre espírito e carne, quase a natureza de Léo, mortifica sua existência, envenena seus pensamentos. Não o deixa ser espírito, pois sempre há a exigência da carne. Léo contorce-se como o "Escravo" de Michelângelo em seu conflito platônico entre o desejo do sublime-espiritual e os desejos terrenos e prosaicos da carne. Não há imagem melhor disso que a seguinte passagem:

"O estado natural do eu não é de gota, mas de Oceano. Por isto, o eu tenta das mais variadas formas romper os limites, cindir a casca... Tenta a arte, tenta o amor, tenta a amizade, mas enquanto há a carne, e a carne veste o corpo, estamos todos inapelavelmente condenados à mais terrível solidão."

As metáforas são terríveis quando fala da carne, mas deixando claro que o conflito arte X vida se dá numa única vertente, a dos apelos do corpo que adoecem o espírito: "... a carne é um invólucro frágil para ser rasgada pela luz. Criam-se chagas na pele, forma-se sífilis no espírito. Brota o pus em qualquer orifício."


Há uma espécie de esgrima baudelairiano no romance, que se revela nessa tensão entre a existência prosaica e o espírito tensionado do personagem - que se sabe prosaico e ao mesmo tempo capaz de pensar sua própria nulidade, enquanto os hipopótamos apenas "vivem" rumo à sua destruição inconsciente. A frieza do personagem, que exibe sua perfeita e irônica consciência diante do "teatro do mundo", pode ser vista na passagem abaixo:

"Depressa, Léo. Seu pai está encrencado lá no bar, disse o Gordo ainda menino, mas já com as primeiras manchas de vitiligo pelas mãos. Tive que fingir desespero. As palavras dele não falaram, caíram no oco dentro de mim. Achei que ficaria melhor num filme melodramático hollywoodiano com uma música que insinuasse tensão e as legendas fluorescentes embaixo: "PREOCUPEM-SE!" Que é para não restarem dúvidas quanto ao que devemos sentir no teatro dos dias."

Esse distanciamento, motor da reflexão de qualquer categoria, de qualquer criação filosófica ou artística, aproxima e afasta ao mesmo tempo a existência de Léo da existência dos hipopótamos. Daí o transtorno sempre presente na mescla dos estados físico e psicológico que promovem uma autocorrupção de si mesmo: "A insônia piora o que já é difícil".

Nunca ele próprio, mas "o espectro de si mesmo" é que procura um livro em que "as pistas estivessem por toda parte, mas o mistério não encontrasse solução, como na vida." Essa vida insolúvel é tensão constante. "Como dançar se, como disse Nietzsche, é aos homens espirituais que a vida impõe sua mais forte oposição? Como dançar sobre a corda bamba se mal conseguimos nos equilibrar para seguir adiante?"

O "sim à vida", proclamado por Nietzsche contra o niilismo de Schopenhauer, não é propriedade da vida de Léo. Personagem atormentado pela existência, nem escrever o liberta da prisão. Para ele o pior só amplia o pior: "Procurei a origem da angústia e só encontrei mais angústia".


Perdido o sentido de tudo, Léo parece não colocar nada no lugar, nem a aventura da literatura como libertação do peso do viver. Não aceita, talvez, que para ser artista, é do prazer dessa consciência do vazio da existência que brotará a arte. E a carne, matéria da vida, é o elemento que impede o espírito de encontrar, não a paz, mas o sentido transfigurado da vida na criação: a arte, essa mentira que torna a vida suportável. Mas como, se para Léo, não há sentido? O que lhe sobra é um desejo diáfano: "Gostaria de poder acreditar em alguma mentira que fizesse sentido..."


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
03. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
05. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS DEZ MANDAMENTOS - PRINCÍPIOS DIVINOS PARA MELHORAR SEUS...
LORON WADE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2007)
R$ 7,80



O MUNICÍPIO COMO SISTEMA POLÍTICO
ANA MARIA BRASILEIRO
FGV
(1973)
R$ 9,99



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



DIGITAL CASH COMMERCE ON THE NET
PETER WAYNER
AP PROFESSIONAL
(1997)
R$ 22,36



DIÁRIO DE UMA SONHADORA
FRANCISCA A. CASTRO CORRÊA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 7,00



AUTODEFESA PSIQUICA - 1ª EDIÇÃO
DION FORTUNE
PENSAMENTO
(2015)
R$ 27,00



ESTRELA DA NOITE OS IMORTAIS VOLUME 5
ALYSSON NOEL
ÍNTRISECA
(2013)
R$ 7,00



TEMPO DE EPIGRAMA
ROLANDO ROQUE DA SILVA
EDIPE ARTES GRÁFICAS
(1979)
R$ 10,00



PRISIONEIROS DO INVERNO
JENNIFER MCMAHON; ANA CAROLINA MESQUITA
RECORD
(2014)
R$ 18,00



BRIGA DE CASAL LIÇÕES DE AMOR
JOSE ANGELO GAIARSA
GENTE
(1997)
R$ 22,00





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês