A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
Mais Recentes
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 1/9/2015
A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3100 Acessos


"Caminhei muitas noites por esta trilha de pedras até chegar à aldeia de minha infância". Não é Kafka quem escreveu esta frase, mas poderia ter sido. Na verdade, esse é o início do romance A delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes, publicado pela Editora Terracota, de São Paulo, em 2014.

Numa espécie de retorno à terra natal, o personagem Léo encontrará os hipopótamos do título, que não são outra coisa que os habitantes desse mundo fantasmagórico e, por vezes, grosseiramente real, de pessoas do seu passado, que transtornam a sua mente.

Que trilhas de pedras seriam essas que o personagem trilhou? Seria uma metáfora do seu desenvolvimento (e desencantamento) vivido fora da aldeia de sua infância? E porque os habitantes desse lugar ao qual retorna agora seriam transformados em hipopótamos?

Perto do fim do romance, esclarece-se a angústia da trilha de pedras: "Eu poderia contar tudo o que me aconteceu na cidade grande. Poderia falar das noites que passei em claro, bebendo café, fumando e tentando escrever. Poderia falar das mulheres, sempre as mulheres! Enigma molhado. Poderia falar das bocas de porco e dos lugares elegantes em que trabalhei. Poderia falar de como bebi e me droguei e de como depois parei de beber e me drogar. Eu poderia contar tanta coisa... MAS NÃO AQUI."

Talvez a vida de Léo tenha sido a mesma vida dos hipopótamos (apesar do deslocamento espacial), entregues ao vazio cotidiano, na perseguição de suas obsessões, que no fim... "vão dar em nada, nada, nada". Talvez o "ser hipopótamo" nunca saiu de dentro dele, embora o deslocamento para o universo urbano oferecesse outras diversões e ansiedades.

O pessimismo de Léo ao longo do livro tem sua fonte na origem, como tenta esclarecer o personagem: "Pode até acontecer de a origem ser o vazio e, neste caso, feito um Gautama Ocidental, um Schopenhauer primitivo, erguerei altar em homenagem ao nada."


A reflexão filosófica que procede deste entendimento desumaniza a figura do personagem, que sabe que, apesar de sua capacidade de pensar, de "olhar para deus" e "sondar as estrelas", todos serão "devorados por vermes da mesma maneira que os porcos". Uma reflexão alegórica, como numa pintura barroca, onde a reflexão diante da caveira anuncia uma redenção pelo encontro com o sublime espiritual. No caso de Léo, talvez sem redenção, como veremos à seguir.

"Cada um tem seu fardo", diz Léo em outro momento reflexivo. Esse peso da existência, talvez fruto das frustrações, dos amores mal amados, dos sonhos que seriam fiascos, transtorna seu olhar, sem, no entanto, deixar de redimir os hipopótamos, seus iguais, que gritam por uma "delicadeza", mesmo sendo suas existências pesadas na balança do fardo que carregam.

O conflito entre espírito e carne, quase a natureza de Léo, mortifica sua existência, envenena seus pensamentos. Não o deixa ser espírito, pois sempre há a exigência da carne. Léo contorce-se como o "Escravo" de Michelângelo em seu conflito platônico entre o desejo do sublime-espiritual e os desejos terrenos e prosaicos da carne. Não há imagem melhor disso que a seguinte passagem:

"O estado natural do eu não é de gota, mas de Oceano. Por isto, o eu tenta das mais variadas formas romper os limites, cindir a casca... Tenta a arte, tenta o amor, tenta a amizade, mas enquanto há a carne, e a carne veste o corpo, estamos todos inapelavelmente condenados à mais terrível solidão."

As metáforas são terríveis quando fala da carne, mas deixando claro que o conflito arte X vida se dá numa única vertente, a dos apelos do corpo que adoecem o espírito: "... a carne é um invólucro frágil para ser rasgada pela luz. Criam-se chagas na pele, forma-se sífilis no espírito. Brota o pus em qualquer orifício."


Há uma espécie de esgrima baudelairiano no romance, que se revela nessa tensão entre a existência prosaica e o espírito tensionado do personagem - que se sabe prosaico e ao mesmo tempo capaz de pensar sua própria nulidade, enquanto os hipopótamos apenas "vivem" rumo à sua destruição inconsciente. A frieza do personagem, que exibe sua perfeita e irônica consciência diante do "teatro do mundo", pode ser vista na passagem abaixo:

"Depressa, Léo. Seu pai está encrencado lá no bar, disse o Gordo ainda menino, mas já com as primeiras manchas de vitiligo pelas mãos. Tive que fingir desespero. As palavras dele não falaram, caíram no oco dentro de mim. Achei que ficaria melhor num filme melodramático hollywoodiano com uma música que insinuasse tensão e as legendas fluorescentes embaixo: "PREOCUPEM-SE!" Que é para não restarem dúvidas quanto ao que devemos sentir no teatro dos dias."

Esse distanciamento, motor da reflexão de qualquer categoria, de qualquer criação filosófica ou artística, aproxima e afasta ao mesmo tempo a existência de Léo da existência dos hipopótamos. Daí o transtorno sempre presente na mescla dos estados físico e psicológico que promovem uma autocorrupção de si mesmo: "A insônia piora o que já é difícil".

Nunca ele próprio, mas "o espectro de si mesmo" é que procura um livro em que "as pistas estivessem por toda parte, mas o mistério não encontrasse solução, como na vida." Essa vida insolúvel é tensão constante. "Como dançar se, como disse Nietzsche, é aos homens espirituais que a vida impõe sua mais forte oposição? Como dançar sobre a corda bamba se mal conseguimos nos equilibrar para seguir adiante?"

O "sim à vida", proclamado por Nietzsche contra o niilismo de Schopenhauer, não é propriedade da vida de Léo. Personagem atormentado pela existência, nem escrever o liberta da prisão. Para ele o pior só amplia o pior: "Procurei a origem da angústia e só encontrei mais angústia".


Perdido o sentido de tudo, Léo parece não colocar nada no lugar, nem a aventura da literatura como libertação do peso do viver. Não aceita, talvez, que para ser artista, é do prazer dessa consciência do vazio da existência que brotará a arte. E a carne, matéria da vida, é o elemento que impede o espírito de encontrar, não a paz, mas o sentido transfigurado da vida na criação: a arte, essa mentira que torna a vida suportável. Mas como, se para Léo, não há sentido? O que lhe sobra é um desejo diáfano: "Gostaria de poder acreditar em alguma mentira que fizesse sentido..."


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 1/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
05. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O HOSPITAL: A LEI E A ÉTICA
JOSÉ DE QUEIROZ CAMPOS E JUAREZ DE QUEIROZ CAMPOS
LTR (SP)
(1976)
R$ 21,28



SE EU TIVESSE NADADEIRAS
JEANE CABRAL SCHLATTER
CIRANDA CULTURAL
(2012)
R$ 19,90



O QUE É JAZZ
ROBERTO MUGGIATI
BRASILIENSE
R$ 8,00



COMENTÁRIOS À CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO
VALENTIN CARRION
SARAIVA
(2005)
R$ 27,00



VILLA LOBOS - O FLORESCIMENTO DA MÚSICA BRASILEIRA
MANUEL NEGWER
MARTINS FONTES
(2009)
R$ 26,00



O SENHOR DA CHUVA
ANDRÉ VIANCO
NOVO SECULO
(2002)
R$ 15,00



ANJOS DO MEU ALTAR
IRIS DE CARVALHO
RAZÃO CULTURAL
(1988)
R$ 24,00



ORIGEM DOS DIREITOS DOS POVOS
JAYME DE ALTAVILA
MELHORAMENTOS
R$ 10,50



TURISMO E HOTELARIA UMA VISÃO MULTIDISCIPLINAR
LECY CIRILO E SILVANA FURTADO ( ORG. )
ANHEMBI MORUMBI
(2007)
R$ 4,78



NÃO ME DEIXE AQUI RINDO SOZINHO
ANDRÉ LAURENTINO
REALEJO EDITORA
(2017)
R$ 31,84





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês