O petista relutante | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2010

Sexta-feira, 29/10/2010
O petista relutante
Rafael Rodrigues

+ de 5600 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Fazia tempo que eu não me envolvia tanto com política. A última vez foi pouco depois que entrei na faculdade, quando inventei de participar do movimento estudantil. A ilusão de que, juntos, poderíamos mudar o mundo, ou de que o movimento estudantil tem bastante credibilidade, começou a acabar quando, ao pedir a palavra numa assembleia geral e propor nem lembro exatamente o que, uma garota ― do mesmo "partido" que eu, diga-se ―, que não deve ter escutado uma palavra do que eu disse, começou a gritar histericamente comigo.

Foi aí que comecei a ver no que estava me metendo.

Mas a ilusão acabou mesmo quando, numa outra assembleia, desta vez restrita a alunos do "meu" curso, inventaram de fazer uma votação para saber se seria feita uma votação para saber se seria necessário fazer uma determinada votação. Nesse dia, soltei um gracejo que deve fazer estremecer meio mundo de gente, mas que é só uma piada: "excesso de democracia dá nisso". E foi então que pulei fora da "militância".

(Tempos depois, ouvi uma frase ainda melhor, de um candidato a reitor da universidade: "movimento estudantil tem que ser um só: da sala para a biblioteca e da biblioteca para a sala". A frase é engraçada, mas o candidato não foi eleito, lógico.)

Na época, lá nos idos de 2002 para 2003, eu era petista. Não do tipo "roxo", mas talvez do tipo "chato". Com sete anos a menos de idade, eu não sabia muita coisa de política ― e ainda não sei, diga-se, ou sei muito pouco ―, mas isso não me impedia de discutir o assunto com colegas e amigos, argumentando sabe-se lá o quê.

Meu petismo durou até 2006, quando pipocaram as denúncias do mensalão. Nem mesmo depois de conhecida a origem do esquema ― que nasceu em Minas Gerais, uma criação do então senador Eduardo Azeredo, do PSDB ―, ou de saber que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fez algo parecido para garantir a aprovação da emenda que possibilitou sua reeleição, pagando a políticos para votarem a favor dela, nem mesmo esses fatos me fizeram voltar atrás na minha decisão de refutar o rótulo de "petista".

A partir de então, passei a acompanhar o noticiário político de maneira um pouco mais distante, mas não a ponto de ficar alheio aos fatos mais importantes. A diferença é que, depois do mensalão, o PT, para mim, passou a ser um partido como todos os outros, e não mais "o" partido. Tanto que, na eleição de 2006, só votei no presidente Lula no segundo turno. No primeiro, meu voto foi para Cristovam Buarque.

Mas, como eu dizia, fazia tempo que eu não me envolvia tanto com política. O motivo, se é que não ficou explícito, foi a desilusão com nossos políticos e, principalmente, com o PT, partido ao qual tentei me filiar, sem sucesso, lá em 2002. Mas, se acabei me envolvendo ― até demais ― com estas eleições, se voltei a acompanhar de perto o noticiário e as campanhas ― me refiro à eleição presidencial ― foi porque vi na candidatura de Marina Silva uma terceira via, uma saída para a mesmice política que estamos vivendo há décadas. Não apenas escrevi, aqui mesmo no Digestivo, um texto apoiando sua candidatura, como também reativei meu endereço pessoal para publicar textos sobre a candidata.

Infelizmente, Marina Silva ficou no primeiro turno, apesar de ter conseguido um número expressivo de votos ― quase vinte milhões. Sua campanha foi limpa, conduzida de forma ética e sem ataques gratuitos ou desonestos aos outros candidatos. Marina Silva conseguiu fazer com que quase 20 milhões de brasileiros não tivessem vergonha de demonstrar a esperança que têm num Brasil melhor, numa maneira correta e íntegra de se fazer política.

O que Marina fez é realmente espantoso, ainda mais numa eleição presidencial que já vem sendo considerada a mais suja desde a eleição de 1989, entre Fernando Collor de Mello e Lula. Há quase vinte anos, o nível do "embate" entre esses dois candidatos é algo que até hoje faz muita gente ter calafrios. Além de fazer ataques pessoais ― e muitas vezes mentirosos ― a Lula, a campanha de Collor conseguiu com que, por exemplo, a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) ameaçasse "organizar uma campanha de saída de empresários do país caso Luis Inácio Lula da Silva, candidato do PT, chegasse à presidência" (Uma breve história do Brasil, de Mary Del Priore e Renato Venancio, página 290). Foi uma campanha baseada no medo, no terror, como vem sendo esta campanha ― por parte do PSDB e seu candidato, José Serra.

Tanto oficialmente, através de assessores, de membros do partido e do próprio candidato, quanto extra-oficialmente, através de blogs e veículos de imprensa que apoiam a candidatura do PSDB, a violência dos ataques é assustadora. Não há, é óbvio, santos na política, e a campanha do PT cometeu alguns deslizes. Mas nada comparado ao que vêm fazendo os psdbistas.

Houve de tudo. Desde descobertas como a de que José Serra e seu "companheiro" Aécio Neves mandaram produzir dossiês um contra o outro ― um fato que a imprensa "serrista" insiste em atribuir ao PT, de forma quase criminosa, por estar manipulando as informações ―, até a censura, solicitada pelo PSDB, de um veículo de informação ― a saber, a Revista do Brasil, que teve sua edição número 52, do mês de outubro, proibida de circular no país. O detalhe é que os tucanos vinham acusando o PT de querer controlar a imprensa. Um paradoxo que não tem tamanho.

É quase óbvio que, num segundo turno sem Marina Silva e com a presença do PT, um ex-petista, como eu, vote na candidatura do Partido dos Trabalhadores. Tomei essa decisão logo depois de ter sido sacramentado o segundo turno, mas não por absoluta convicção, e sim por falta de uma melhor opção. Nas últimas semanas, acompanhando o desenrolar das campanhas, decidi que era hora de acordar aquele petista que estava adormecido dentro de mim. Porque os ataques passaram a ser mais ferozes ― como este vídeo abominável produzido por militantes tucanos ―, e as mentiras se tornaram insuportáveis ― como o caso da bolinha de papel que atingiu o candidato José Serra, e que o seu vice, Indio da Costa, disse ser um objeto de pelo menos dois quilos, ou como a "notícia" de que Marina Silva estaria apoiando José Serra, invencionice desmentida pela própria ex-candidata. Mas, principalmente, porque o governo Lula deu maior atenção à população pobre deste país. Um governo verdadeiramente democrático não pode privilegiar uns poucos em detrimento da maioria. Deve cuidar de todos, priorizando aqueles que têm necessidades mais urgentes. Foi o que Lula fez. É o que o PSDB não sabe, nunca quis e não quer fazer.

A verdade é que, no fim das contas, e na minha opinião, estamos escolhendo o candidato "menos pior", neste segundo turno. A melhor opção para o Brasil, e isto está mais do que provado, ficou no primeiro turno, e ela atende pelo nome de Marina Silva. O engraçado ― na verdade, o trágico ― é que muita gente deixou de votar nela porque "ela não ia ganhar", como se disso ― do candidato sair vencedor ― dependesse o voto. Mas quem sabe agora o Brasil não aprende esta lição, de que não se vota em quem supostamente vai ganhar, mas em quem acreditamos que pode fazer algo de bom ― ou de melhor ― para o país? Quem sabe em 2014 Marina não volta para, espero eu, ser eleita já no primeiro turno?

Não quero envelhecer logo, até porque tenho muitos planos para os próximos anos, e quero degustá-los vagarosamente. Mas não vejo a hora de 2014 chegar. E não é pela Copa. É pela Marina.

Nota do autor
O título desta coluna foi inspirado no título do livro O fundamentalista relutante.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 29/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
02. Vinicius de Julio Daio Borges
03. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
04. A maldade humana de Gian Danton
05. Predadores humanos de Gian Danton


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2010
01. Meus melhores livros de 2009 - 22/1/2010
02. O altar das montanhas de Minas - 21/5/2010
03. O grande jogo de Billy Phelan - 2/4/2010
04. O petista relutante - 29/10/2010
05. Sobre o preço dos livros 1/2 - 20/8/2010


Mais Especial Eleições 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/10/2010
11h32min
O verdadeiro abstêmio não vai em festa de alcoólatras... A falta de opção não justifica votar no menos mal ou menos pior. "O PT não rouba nem deixa roubar". Essa grande mentira permaneceu incólume, durante todo o tempo em que Lula, o "operário", esteve no poder. Quem garante que sua indicação não irá manter a mesma toada? Aparelhamento, "maracutaias", nepotismo, conchavos, tráfico de influência, Delúbios, Valérios, Zés, Erenices. A lista é enorme, não ficou sem renovação um mês sequer. Desencanto, mentira e sofisma continuam pautando o desempenho dos governos de qualquer partido. O PT foi mais longe. Matou a última esperança. A Marina não tem carisma, não tem competência administrativa, não tem discurso e foi "marketada" como um azarão do tipo Collor. Não deu. Não tinha nada para dar certo. Um Obama caboclo. Só promessas...
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
29/10/2010
11h39min
Artigo muito interessante, coaduno com quase tudo, não posso dizer que sou um ex-petista, pois nunca me desfiliei do Partido e voto em bons amigos e conhecidos ainda. Passei a ter uma posição mais crítica, pois crítica sempre tive. Mas quando vejo a campanha do PSDB ressuscitando mortos-vivos, tais como TFP e monarquistas, penso que não estou votando no menos pior, mas no menos retrogrado. (Infelizmente Dilma também deu umas concessões ao obscurantismo religioso.).
[Leia outros Comentários de Edson B de Camargo]
29/10/2010
11h50min
Duas observações: 1) não acho que esta tenha sido a "campanha mais suja", mas sim a mais "escancarada", para o bem e para o mal. Tudo está muito às claras para quem sabe ler entrelinhas (o que percebo cada vez mais que não são muitos, mesmo dentre os bem informados; pelo jeito, uma gestão bem feita de informações e do conhecimento não é para muitos). 2) Ainda bem que a Marina não ganhou. O movimento que ela vai conduzir nos próximos anos é essencial para o país e ela não conseguiria fazê-lo sendo presidente.
[Leia outros Comentários de maria thereza amaral]
29/10/2010
13h26min
Ser ou nao ser um Petista. Eis a questão. Mas ser implica em agir, estar presente. Quando o Lula ainda não era Presidente, também tinha a ilusão de que, como tal, ele seria o melhor e mais perfeito deles. Sei disso porque o próprio Lula confidenciou para mim sua esperanca: "Quero ser Presidente porque poderei fazer o que tem que ser feito". Só que Presidente tem compromissos anteriores a cumprir, goste ou não; tem subordinados que não pode controlar, tem todo um país cheio de mazelas anteriores, impressas no costume brasileiro do "jeitinho". Ser Petista, ou do PV, PSDB ou qualquer outro, implica em participar seriamente e não deixar aos sempre presentes oportunistas a chance de converterem-se em Malufs, Collors e toda uma corja de exploradores.
[Leia outros Comentários de maria anna machado.]
29/10/2010
14h10min
Rafael, achei sincero seu texto. Não sou e nunca fui PSDB e muito menos PT. Votei na Marina no primeiro turno e vou votar nela nas próximas eleições (se a Dilma permitir). Mas devo dizer que votarei no Serra neste segundo turno simplesmente por acreditar nas palavras de Eça de Queirós: "Os políticos são como fraldas: devem ser trocados periodicamente, e pelo mesmo motivo". Sei que o Serra foi governo na era FHC e a fralda foi exatamente a mesma que a deixada pelo Lula (note bem: nem pior, nem melhor), mas é o que temos para o momento. Basta de Lulismo, ainda que por um tempo. E Marina na cabeça em 2014!
[Leia outros Comentários de Klauss ]
30/10/2010
00h44min
Rafael, concordo com muitas das coisas que você disse e para complementar gostaria de citar o jornalista Paulo Nogueira quando se refere a Serra: "Se é um homem público genuinamente interessado no Brasil, Serra tem uma oportunidade de fazer um grande gesto final: a aposentadoria, para que rostos novos e propostas novas possam aparecer na oposição".
[Leia outros Comentários de Roberto]
12/11/2010
19h16min
Rafael, legal seu texto. Nunca fui petista, mas sempre fui esquerda e já votei Lula,Brizola e Cristovam. Fiquei feliz por seu desfecho com o PT, porque o meu, com o PSDB, foi triste, eu fazia faculdade quando surgiu o PSDB e todo aquele discurso da Social Democracia, como 3ª via. Rapaz, eu não me filiei por um triz, e hoje, olhando para trás, os 8 anos vergonhosos de FHC, dou graças a Deus por não ter cometido esse pecado. Gosto da Marina, acho um grande nome, mas ela ainda não tem a envergadura para assumir uma presidência. Ela deixou o PT porque foi preterida por Lula, que optou por Dilma, e não vejo nada de mais nisso, porque o meu preferido na esquerda hoje é o Ciro Gomes. Uma grande dúvida que tenho com a Marina são os empresários que aderiram de forma oportunista ao PV... E eu penso que a Marina e PV devem orientar todos esses empresários, especialmente o Guilherme Leal, que resolvam suas situações com o fisco, sem deixar pendengas, caso queiram seguir carreira pública.
[Leia outros Comentários de Muchacho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RESUMO DE DIREITO COMERCIAL COLEÇÃO 5 RESUMOS
MIXIMILIANUS CLÁUDIO AMÉRICO FÜHRER
MALHEIROS
(1995)
R$ 6,99



RAMSÉS - O FILHO DA LUZ - VOL. 1
CHRISTIAN JACQ
BERTRAND BRASIL
(1999)
R$ 7,90



NORDESTE 1817
CARLOS GUILHERME MOTA
PERSPECTIVA
(1972)
R$ 15,00



P503 O PLANETA DOS CAVADORES
PERRY RHODAN
OURO
(1988)
R$ 4,00



CANDIDE ET AUTRES CONTES
VOLTAIRE
POCKET
(1998)
R$ 12,00



TOULOUSE-LAUTREC & LAFFICHE
FOUNDATION DIAN VIERNY-MUSÉE MAIL
REUNION DES MUSÉES NATINAUX
(2002)
R$ 130,00



MANCHETE - JUNHO, 1970 - EDIÇÃO SONORA - A EPOPÉIA DO TRI
BLOCH EDITÔRES/ MANCHETE
BLOCH
(1970)
R$ 18,00



TRANSMISSÃO DE CALOR
DEMÉTRIO ELIE BARACAT
PAYM
R$ 30,00



HISTÓRIA DA TEORIA ANTROPOLÓGICA - 1ª EDIÇÃO
PAUL A. ERICKSON & LIM D. MURPHY
VOZES
(2015)
R$ 84,95



VIAGENS NA MINHA TERRA
ALMEIDA GARRETT
MARTIN CLARET
(2012)
R$ 7,90





busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês