Ouro Preto
Não deixa de ser curioso o fato de, há cerca de quatro anos, os livros do jornalista e escritor mineiro Jaime Prado Gouvêa estarem disponíveis para aquisição apenas em sebos. Nascido na metade da década de 1940, Jaime Prado trabalhou no Jornal da Tarde e na sucursal de O Globo em Minas Gerais, além de ter integrado o Suplemento Literário de Minas Gerais em diversas fases do periódico, do qual é hoje superintendente.

A curiosidade reside no fato de, apesar de não ter sido um escritor inveterado, Jaime ser autor de uma obra portentosa, apesar de curta. No espaço de dezesseis anos, teve três livros de contos publicados: Areia tornando em pedra (1970), Dorinha Dorê (1975) e Fichas de vitrola (1986). Além desses, em 1991 publicou seu único romance, O altar das montanhas de Minas. Desde então, Jaime absteve-se de publicar ― e, a partir de certo ponto, escrever ― ficção.

Depois de dezesseis anos ― coincidência? ― sem nada publicar, em 2007 foi editada uma seleção do que de melhor havia nos seus livros de contos, segundo o autor, juntamente com mais (em suas palavras) "dois contos e meio" inéditos. Daí se originou o volume Fichas de vitrola & outros contos, uma obra "firme, forte, delicada", como diz o também jornalista e escritor Humberto Werneck, no prefácio do livro. Era o começo do retorno de Jaime Prado Gouvêa às livrarias.

Agora, neste início de ano, foi publicada uma nova edição de O altar das montanhas de Minas (Record, 2010, 208 págs.). Na orelha da primeira edição, reaproveitada nesta nova, Caio Fernando Abreu diz que o romance é "um dos livros mais fortes, belos e comoventes que li nos últimos tempos". Não é nenhuma surpresa, para aqueles que tiveram algum contato com a obra do escritor mineiro, que as palavras de Caio F. continuem de pé, mesmo passados quase vinte anos da publicação original da obra, que não perdeu seu vigor com o tempo.

Tal como a Divina Comédia de Dante Alighieri, O altar das montanhas de Minas é dividido em três partes, cujos títulos poderiam ser os mesmos da obra de Dante, com uma pequena inversão: a primeira seria o Paraíso; a segunda, o Inferno; e, a terceira, o Purgatório ― mas, como que para encerrar o ciclo, caminhando para o Paraíso.

O protagonista do romance é um jornalista, Dirceu Dumont. Logo nas primeiras páginas, fica-se sabendo que Dumont está começando a escrever um romance, cujo protagonista chama-se Álvaro Garreto, pseudônimo originado do cruzamento entre Almeida Garrett (escritor português), Antonio Barreto (poeta mineiro) e Álvaro de Campos (um dos heterônimos de Fernando Pessoa).

A ideia de escrever o livro vem depois que uma certa Marília (clara referência ao poema "Marília de Dirceu", de Tomás Antônio Gonzaga) lhe entrega vários escritos de Garreto, dizendo-lhe que ele e Dumont são parentes. Porém, Marília não revela a verdadeira identidade do escritor com quem, supostamente, teve um caso de amor. É para forçar-se a pesquisar sobre esse misterioso antepassado que Dumont decide escrever um livro sobre ele.

Ao tentar descobrir quem de fato era Álvaro Garreto, Dumont retoma contato com um ex-colega de redação, o Rezende, através do qual conhece Bárbara, uma mulher misteriosa que lhe levará ao inferno: na volta de uma viagem que fazem a Ouro Preto ― em parte para procurar pistas de Garreto, em parte para se lançarem em uma aventura amorosa ―, eles sofrem um grave acidente de carro. É o começo da derrocada de Dirceu Dumont.

Apenas ele escapa com vida, e para isso contou com uma boa dose de sorte. Somente depois de passar seis meses no hospital, entre cirurgias e tratamentos ― ele agora precisará de uma bengala para poder andar ―, é que Dirceu tem alta. Em seguida vê-se obrigado a abandonar Belo Horizonte e vai morar em Ouro Preto ― consequência de sua inconsequente relação com Bárbara, cujo passado é comprometedor. Já na cidade histórica, torna-se cliente assíduo de um bar na zona boêmia da cidade, cujo dono é um mineiro que se diz espanhol.

Aposentado por invalidez, sem parentes nem amigos, Dumont vive seus dias em Ouro Preto como se fosse um personagem de Beckett, à espera de um Godot que ele sequer sabe se existe e que talvez não apareça jamais.

Apesar das várias referências literárias ― sendo uma delas a Fichas de vitrola ― e do "romance dentro do romance" ― que, no fim das contas, não se concretiza ―, O altar das montanhas de Minas não chega a ser um "metalivro", porque a elas se sobrepõe a vida de Dirceu Dumont e seus revezes, muito menos uma daquelas obras repletas de citações e referências que muitas vezes mais atrapalham do que ajudam. Essas menções, na verdade, são artifícios utilizados pelo autor para, de certa forma, "brincar" com um gênero literário tão praticado na história da literatura, os livros dentro dos livros.

O que está em foco, em O altar das montanhas de Minas, é a história de um homem que, por causa de um movimento mal ensaiado, de uma decisão infeliz, perde o rumo de sua vida e é obrigado a reaprender a viver. Felizmente para Dumont, e também para o leitor que o acompanhar nesta jornada que começa paradisíaca, se torna cruel e termina de maneira terna, nem toda esperança está perdida. As montanhas de Minas lhe reservam um final que, se não é feliz, ao menos não é trágico.

Jaime Prado Gouvêa é um autor que, ainda segundo Caio F., "só peca por publicar tão pouco". Quem sabe agora, com o ressurgimento de seus livros para a nova geração de leitores, Jaime Prado volte a escrever e publicar. Mas, caso isso não aconteça, ao menos tem-se nova oportunidade de ler este escritor de grande talento cuja obra é pequena em quantidade, mas enorme em qualidade e abrangência.

Para ir além

O altar das montanhas de Minas | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural


busca | avançada
39801 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Viral Loop, de Adam Penenberg
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> O Agressor, de Rosário Fusco
>>> Elke Coelho e a estética glacial-conceitual
>>> Como escrever bem - parte 3
>>> Como escrever bem - parte 3
>>> Maria Rezende no Sesc BH
>>> Literatura para quê?
>>> Por que HQ não é literatura?
Mais Recentes
>>> A selva do dinheiro + Histórias clássicas do inferno econômico
>>> Oscarito Nosso Oscar de Ouro
>>> A Nudez da Verdade
>>> Emoções em Prosa e Verso
>>> A Telessaúde no Brasil e a Inovação Tcnológica na Atenção ...
>>> O Pagador de Promessas
>>> O Caçador das Bolachas Perdidas
>>> Juizado Especial: Criação Instalação, Funcionamento e a ...
>>> Meu Querido Canibal
>>> Anjo de Quatro Patas
>>> Vencendo Aflições, Alcançando Milagres
>>> Eles Pedem em Casamento, Elas Pedem o Divórcio
>>> Procurando Firme
>>> Ensino Holístico da Medicina
>>> Depressão e Autoconhecimento: Como Extrair Preciosas Lições ...
>>> Utopia?
>>> Resistência: a História de uma Mulher Que Desafiou Hitler
>>> Uma Herença Preciosa
>>> Prazer uma Abordagem Criativa da Vida
>>> O Retorno Financeiro de Programas de Promoção da Segurança, ...
>>> Confissão de uma Harpista
>>> Os Mestres de Gurdjieff
>>> Proposta para uma Graduação Médica Contemporânea
>>> O Tao da Física
>>> O Santeiro do Mangue e Outros Poemas
>>> Português para Concursos
>>> Bola na Rede: a Batalha do Bi
>>> Paulo Francis Polemista Profissional
>>> Fisiologia e Fisiopatologia do Hormônio de Crescimento
>>> Ser Médico no Brasil - o Presente no Passado
>>> Padre Severino da Pessoa ao Instituto
>>> Micropoderes Macroviolencias
>>> Educação e Tecnologias no Brasil
>>> Cultura e Tecnologias no Brasil
>>> Hupe - Série Rotinas Hospitalares Pediatria 2 Volumes
>>> A Exposição Oral nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - Vol. 3
>>> O Reverso da Logística e as Questões Ambientais no Brasil
>>> Tempos Modernos - João Paulo dos Reis Velloso
>>> Gestão Financeira de Fundos de Pensão
>>> Águias Terrestres - uma Missão Planetária
>>> Homem de Montana
>>> Freud - Pensamento Vivo
>>> Manuelzão e Miguilim
>>> O Poder dos Pêndulos
>>> Confesso Que Vivi
>>> Em Cantos do Ser
>>> Amestrando Orgasmos
>>> Um Auto de Gil Vicente (mundo das Letras)
>>> Fale Já - Aprenda Chinês Cd-rom
>>> A Arte de Escutar
COLUNAS

Sexta-feira, 21/5/2010
O altar das montanhas de Minas
Rafael Rodrigues

+ de 7100 Acessos


Ouro Preto

Não deixa de ser curioso o fato de, há cerca de quatro anos, os livros do jornalista e escritor mineiro Jaime Prado Gouvêa estarem disponíveis para aquisição apenas em sebos. Nascido na metade da década de 1940, Jaime Prado trabalhou no Jornal da Tarde e na sucursal de O Globo em Minas Gerais, além de ter integrado o Suplemento Literário de Minas Gerais em diversas fases do periódico, do qual é hoje superintendente.

A curiosidade reside no fato de, apesar de não ter sido um escritor inveterado, Jaime ser autor de uma obra portentosa, apesar de curta. No espaço de dezesseis anos, teve três livros de contos publicados: Areia tornando em pedra (1970), Dorinha Dorê (1975) e Fichas de vitrola (1986). Além desses, em 1991 publicou seu único romance, O altar das montanhas de Minas. Desde então, Jaime absteve-se de publicar ― e, a partir de certo ponto, escrever ― ficção.

Depois de dezesseis anos ― coincidência? ― sem nada publicar, em 2007 foi editada uma seleção do que de melhor havia nos seus livros de contos, segundo o autor, juntamente com mais (em suas palavras) "dois contos e meio" inéditos. Daí se originou o volume Fichas de vitrola & outros contos, uma obra "firme, forte, delicada", como diz o também jornalista e escritor Humberto Werneck, no prefácio do livro. Era o começo do retorno de Jaime Prado Gouvêa às livrarias.

Agora, neste início de ano, foi publicada uma nova edição de O altar das montanhas de Minas (Record, 2010, 208 págs.). Na orelha da primeira edição, reaproveitada nesta nova, Caio Fernando Abreu diz que o romance é "um dos livros mais fortes, belos e comoventes que li nos últimos tempos". Não é nenhuma surpresa, para aqueles que tiveram algum contato com a obra do escritor mineiro, que as palavras de Caio F. continuem de pé, mesmo passados quase vinte anos da publicação original da obra, que não perdeu seu vigor com o tempo.

Tal como a Divina Comédia de Dante Alighieri, O altar das montanhas de Minas é dividido em três partes, cujos títulos poderiam ser os mesmos da obra de Dante, com uma pequena inversão: a primeira seria o Paraíso; a segunda, o Inferno; e, a terceira, o Purgatório ― mas, como que para encerrar o ciclo, caminhando para o Paraíso.

O protagonista do romance é um jornalista, Dirceu Dumont. Logo nas primeiras páginas, fica-se sabendo que Dumont está começando a escrever um romance, cujo protagonista chama-se Álvaro Garreto, pseudônimo originado do cruzamento entre Almeida Garrett (escritor português), Antonio Barreto (poeta mineiro) e Álvaro de Campos (um dos heterônimos de Fernando Pessoa).

A ideia de escrever o livro vem depois que uma certa Marília (clara referência ao poema "Marília de Dirceu", de Tomás Antônio Gonzaga) lhe entrega vários escritos de Garreto, dizendo-lhe que ele e Dumont são parentes. Porém, Marília não revela a verdadeira identidade do escritor com quem, supostamente, teve um caso de amor. É para forçar-se a pesquisar sobre esse misterioso antepassado que Dumont decide escrever um livro sobre ele.

Ao tentar descobrir quem de fato era Álvaro Garreto, Dumont retoma contato com um ex-colega de redação, o Rezende, através do qual conhece Bárbara, uma mulher misteriosa que lhe levará ao inferno: na volta de uma viagem que fazem a Ouro Preto ― em parte para procurar pistas de Garreto, em parte para se lançarem em uma aventura amorosa ―, eles sofrem um grave acidente de carro. É o começo da derrocada de Dirceu Dumont.

Apenas ele escapa com vida, e para isso contou com uma boa dose de sorte. Somente depois de passar seis meses no hospital, entre cirurgias e tratamentos ― ele agora precisará de uma bengala para poder andar ―, é que Dirceu tem alta. Em seguida vê-se obrigado a abandonar Belo Horizonte e vai morar em Ouro Preto ― consequência de sua inconsequente relação com Bárbara, cujo passado é comprometedor. Já na cidade histórica, torna-se cliente assíduo de um bar na zona boêmia da cidade, cujo dono é um mineiro que se diz espanhol.

Aposentado por invalidez, sem parentes nem amigos, Dumont vive seus dias em Ouro Preto como se fosse um personagem de Beckett, à espera de um Godot que ele sequer sabe se existe e que talvez não apareça jamais.

Apesar das várias referências literárias ― sendo uma delas a Fichas de vitrola ― e do "romance dentro do romance" ― que, no fim das contas, não se concretiza ―, O altar das montanhas de Minas não chega a ser um "metalivro", porque a elas se sobrepõe a vida de Dirceu Dumont e seus revezes, muito menos uma daquelas obras repletas de citações e referências que muitas vezes mais atrapalham do que ajudam. Essas menções, na verdade, são artifícios utilizados pelo autor para, de certa forma, "brincar" com um gênero literário tão praticado na história da literatura, os livros dentro dos livros.

O que está em foco, em O altar das montanhas de Minas, é a história de um homem que, por causa de um movimento mal ensaiado, de uma decisão infeliz, perde o rumo de sua vida e é obrigado a reaprender a viver. Felizmente para Dumont, e também para o leitor que o acompanhar nesta jornada que começa paradisíaca, se torna cruel e termina de maneira terna, nem toda esperança está perdida. As montanhas de Minas lhe reservam um final que, se não é feliz, ao menos não é trágico.

Jaime Prado Gouvêa é um autor que, ainda segundo Caio F., "só peca por publicar tão pouco". Quem sabe agora, com o ressurgimento de seus livros para a nova geração de leitores, Jaime Prado volte a escrever e publicar. Mas, caso isso não aconteça, ao menos tem-se nova oportunidade de ler este escritor de grande talento cuja obra é pequena em quantidade, mas enorme em qualidade e abrangência.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Furto de Ricardo de Mattos
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2010
01. Meus melhores livros de 2009 - 22/1/2010
02. O altar das montanhas de Minas - 21/5/2010
03. O grande jogo de Billy Phelan - 2/4/2010
04. Sobre o preço dos livros 1/2 - 20/8/2010
05. O petista relutante - 29/10/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERRA DOS HOMENS
A. SAINT EXÚPERY
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1968)
R$ 8,99



CEIA DOMINICANA: ROMANCE NEOLATINO, A
REINALDO SANTOS NEVES
BERTRAND BRASIL
(2008)
R$ 58,72



MINHA VIDA DE MENINA
HELENA MORLEY
COMPANHIA DE BOLSO
(2018)
R$ 32,90



TEATRO DE LUIGI PIRANDELLO (TEATRO ITALIANO) - EM ESPANHOL
LUIGI PIRANDELLO
INSTITUTO CUBANO DEL LIVRO
(1973)
R$ 20,00



QB VII - 3ª EDIÇÃO
LEON URIS
BRUGUERA
(1970)
R$ 8,00



FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO - 2 - TERMOLOGIA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA - 1ª EDIÇÃO
KAZUHITO YAMAMOTO; LUIZ FELIPE FUKE
SARAIVA
(2010)
R$ 8,00



AZUL: ESTRANHOS CAMINHOS
JOSÉ AFRÂNIO M. DUARTE
ARMAZÉM DAS IDEIAS
(2003)
R$ 7,00



DIÁRIO DE UM BANANA - 8 MARÉ DE AZAR
JEFF KINNEY
VERGARA & RIBA
(2018)
R$ 26,00
+ frete grátis



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



ENCONTRO DE AMOR/ UMA ESTRANHA MULHER/ O FAROL DO NORTE
A. J. CRONIN - CAPA DURA
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1961)
R$ 11,00





busca | avançada
39801 visitas/dia
773 mil/mês