Página de rosto | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
Mais Recentes
>>> Quase Tudo Em Cinco Envelopes de Lucio Pessoa pela Giostri (2016)
>>> O Romance da Besta Fubana de Luiz Berto pela Bagaço (1995)
>>> Odisséia- Adap. Roberto Lacerda de Homero pela Scipione (1997)
>>> Perdidos na Lua de André Laurie pela Nacional (1984)
>>> Onde Fica o Ateneu? - Com Suplemento de Luiz Gê; Ivan Jaf pela Atica (2008)
>>> Faz de Conta de Mirna Pinsky pela Moderna (1984)
>>> Ioga e Meditação de Swami Tilak pela Didatica e Cientifica Ltda (1991)
>>> Madman Vol. 1 de Mike Allred pela Dark Horse Comics (2006)
>>> O Estudante de Adelaide Carraro pela Global (1987)
>>> Seleções Março de 1975 de Vários pela Readers Digest (1975)
>>> Gotham City Contra o Crime - Vol. II de Greg Rucka pela Panini (2005)
>>> Shocking Pink de Erica Spindler pela Mira Books (1998)
>>> Seleções -março de 1973 de Varios pela Readers Digest (1973)
>>> E Agora? de Odettte de Barros Mott pela Brasiliense (1978)
>>> Texhistórica Nº41 de Da Editora pela Globo (2000)
>>> Todas as Coisas sem Nome de Walther Moreira Santos pela Cepe (2017)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas pela America do Sul (1988)
>>> A Testemunha Ocular do Crime de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Um Passe de Magica de Agatha Christie pela Record
>>> Assassinato no Campo de Golfe de Agatha Christie pela Adameri (1974)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> Por Que Ele Não Ligou? de Matt Titus - Tamsen Fadal pela Sem Fronteiras (2021)
>>> Granite man de Elizabeth Lowell pela Mira Books (1991)
>>> Cipreste Triste de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1987)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Quarta-feira, 14/11/2001
Página de rosto
Daniela Sandler

+ de 5000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Sinto como se me vigiassem, inquisitivos: eles, meus livros. Lombadas impassíveis, ombro a ombro, como um escudo em cada prateleira; seus nomes proclamam todas as idéias, todas as belezas, toda a dor de cada um dos romances, contos e poemas que já li. E então, Daniela, qual livro você vai escolher? Vasculho as estantes, estas aqui, exiladas, dominadas pelo outro idioma, o inglês, e pelos títulos de história filosofia arte sociologia e arquitetura, por ensaios e teoria, teses e crítica (suspiro). Eu aqui nos EUA, fazendo meu doutorado. Quem há de carregar livros, os livros da vida inteira, numa mudança temporária? No Brasil, as paredes do meu quarto abarrotadas, minha mãe coitada quase se afogou em tanto livro quando fez a mudança da casa. É lá que estão os outros: lá os romances, contos e poemas, lá o português dos autores intraduzíveis. Vasculho aquelas estantes também. Elas também me vigiam.

Tantos livros há tanto tempo, tão pouco tempo para os livros que ainda faltam: resultado, não releio, quase nunca. Esses livros habitam minha vida fisicamente, os volumes criando pó, as capas invólucros mudos e os textos escapando aos poucos da memória – sem que eu perceba. Afinal, esqueço o texto, mas ainda amo a obra. Lembro-me não do discurso dos autores, mas do meu próprio; com o tempo, até esse esqueço, e guardo apenas o vago sentimento: daquele livro gostei, o outro amei; um abriu mundos, outro roubou as palavras da minha boca; naquele mergulhei como uma alucinação, o outro levou meses para terminar.

Fora o fetiche dos livros como objeto concreto – a decoração involuntária formada pelas cores das capas, a curiosa série de mensagens enunciada nos títulos, nomes de autores, editoras –, sem falar na já abandonada ilusão da osmose (ah, se os livros entrassem na minha cabeça apenas por dividir o mesmo quarto...), há outras maneiras pelas quais os livros nos definem, ou me definem. Trocar, no primeiro encontro amoroso, confidências sobre os livros preferidos, como a sondar terreno. Transcrever passagens prediletas, epígrafes da nossa vida. Nunca mais ver o mundo da mesma forma, depois de ler aquele romance! Habitar por semanas um universo paralelo, deixar o livro invadir os sonhos, os afetos, os humores. E por fim – o maior terror? – ver meus próprios escritos impregnados involuntariamente pelos escritos dos outros que já li.

Delongas. E então, Daniela? O velho recurso, um monte de palavras, a distração da escrita, e ainda não citei um título sequer. O mais espantoso é que passei semanas recitando as obras e os autores favoritos, uma profusão de nomes e de motivos para escolher um ou outro (senão como prediletos, ao menos como tema desta coluna). Tenho pruridos, como se estivesse lidando com gente: como decidir a ordem de menção dos livros? como deixar claro que a seqüência à qual me obriga o fluxo da língua não corresponde à hierarquia afetiva ou intelectual? E quem disse que há hierarquia? E quem disse que não há? E os gêneros? E os híbridos?

Claro que tenho pruridos como se estivesse lidando com gente. “Os livros que amamos” – título deste especial – revela muito menos dos livros, os amados, e muito mais de nós, que amamos. Demoro a desvelar os nomes, os primeiros títulos da lista, como quem hesita ao remover a peça de roupa. Penumbra, por favor...

Sim, porque não há outra maneira de contar por exemplo que apesar de todas as minhas pretensões de originalidade eu também rezo pela cartilha dos livros-comuns, primeiros-clichês, como numa lista dos dez-mais publicada na virada do milênio: Grande Sertão: Veredas; No Caminho de Swann; O Retrato do Artista Quando Jovem; Hamlet, Macbeth, Rei Lear; contos de Chekov, estórias curtas de Wilde, Esperando Godot, Fernando Pessoa, Walter Benjamin, Werther, Fausto.

Ou como mostrar, então, as minhas idiossincrasias, o fato de eu amar segundos-livros, “obras menores”: de James Joyce, os Dublinenses; de Italo Calvino, Marcovaldo; ou de amar segundos-autores, aqueles que perderam favor intelectual ou saíram de moda: Mario de Andrade (a obra toda, poesia e prosa), Fitzgerald, Singer; ou o fato de eu ter chorado no final de O Nome da Rosa porque nunca mais poderia ler o livro pela primeira vez. Ou, mais curioso ainda, os motivos para gostar de cada obra – como uma certa refeição de ervilhas descrita num dos contos Dublinenses (que infelizmente não consegui achar a tempo de citar aqui), uma das passagens mais tocantes que já li (mais tarde, vi o comentário de um crítico dizendo que essa é uma das refeições mais melancólicas da literatura – hum, não fui a única a prestar atenção na tal passagem!). Ou outra refeição – uns miolos refogados que o Marcovaldo come, ou tenta comer, numa de suas desventuras urbanas. Esse episódio, juro, levou-me às lágrimas.

Terminar esta coluna não há de ser mais fácil que o resto do percurso. Hoje a memória, persuadida mais por fadiga que por julgamento, me oferece essa lista limitada de motivos e pensamentos, títulos e nomes. Amanhã, antes mesmo que eu releia meu relato, irei me lembrar de todos os outros, serei invadida pelos livros esquecidos, pelas passagens fundamentais que não citei, pelas minhas próprias razões – ainda que eu possa tentar me reconfortar (nos confortar), observando que afinal as nossas afeições e idéias mudam mesmo o tempo inteiro.

Ainda sinto como se me vigiassem. Fugi da questão. Como sempre, não escolho. Você tem idéia do quanto demoro quando vou à livraria? Não é só indecisão. Sou dispersiva. Enfio-me em alas secundárias, vielas; distraio-me. Distraio-me agora: terá todo leitor o impulso de escrever também, assim como eu? Na minha estante uma lombada não tem título: é um caderno, um diário, em forma de livro. Ler é tão fundamental que não consigo adormecer sem pôr meus olhos sobre ao menos um par de páginas. Surpreendo-me com colegas que contam ter passado o verão inteiro sem ler um livro. Ou aqueles (a maioria) que deixam de ler ficção durante o semestre porque os textos obrigatórios para os cursos já são carga de leitura suficiente. Ora, como se eu fosse ler “apenas” o que me mandam!... onde eu estava mesmo? Ah, o diário. Queria dizer, aliás, de novo, como não vivo sem livros – ah, que clichê! Esses livros todos pedindo uma resposta. Lembro-me menos do discurso dos autores do que do meu próprio... esqueço o texto, ainda amo a obra. Como responder à questão – os livros que amamos, quais? – senão com o desvio de caminho, digressões? Ler, sem parar; não há um livro apenas, não há só um livro. Sem falar naqueles que ainda virão.


Daniela Sandler
Riverside, 14/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Se ele não me lê de Ana Elisa Ribeiro
02. Auster no scriptorium de Jonas Lopes


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2001
14h38min
Caríssima Daniela.Gosto de como você escreve.Seduz.Gostaria que você comentasse nas próximas colunas aqueles livros que te comoveram.Mais um de cada vez.Abraços.Contineu escrevendo.
[Leia outros Comentários de heraldo vasconcellos]
14/11/2001
20h18min
Daniela Essa vez deu fome.Me lembrei do cozido que o marinheiro comeu no inicio de Moby Dick. A tua escrita começa a dar fome de ler.Um abraço, Jacques.
[Leia outros Comentários de Jacques Stifelman]
14/11/2001
20h18min
Querida Daniela Que bom ler você mais uma vez! E desta vez quis mandar meu comentário para lhe dizer que sinto, frequentemente, como você, essa espécie de nostalgia ao ver um livro querido e pensar que esqueci o texto embora continue amando a obra. Sabendo que deixou uma marca, que acabou fazendo parte da minha vida, mas sem conseguir mais encontrar os contornos de tudo isso. Eu achava que era uma questão de idade. Fico reconfortada ao ver que você expressa um sentimento semelhante. Obrigada, um abraço saudoso, Ligia
[Leia outros Comentários de Ligia Lessa Mattos]
23/11/2001
17h35min
Daniela. Adoro teus textos, a identificação é enorme, principalmente quando você fala das pessoas que não têm tempo para leituras que não sejam as obrigatórias; mas isto só entende quem descobriu este universo sublime. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Roberto Mafra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tempos Que Outros Tempos Não Apagam.
Cecília Silva
Taba Cultural
(2001)



Um Dia Feliz
Nilson Denadai
Pandorga
(2008)



Atm Internetworking With Atm Volume III
Uyless Black
Prentice Hall Series
(1998)



Dona Vitória da Paz
Fábio Gusmão
Planeta
(2006)



Au-au. Três Contos de Cão
Jõao do Rio Rudyard Kipling
Dantes
(2004)



Escola Bíblica de Formação de Líderes - 2º Ano Trimestre 2
Não Informado
Do Autor



Cae Practice Tests Plus
Alan Stanton
Longman
(2000)



Petir Glossaire des Thèmes Diconographie Chrétienne Vol 2
Jean Cabanot
Confluences
(1996)



Comment Apprend-on Quon Va Être Publié?
Revista Décapage Tome 53
Flammarion
(2015)



Reflexões Sobre o Novo Código de Processo Civil
Carlos Roberto de Castro Jatahy e Outros
Fgv
(2016)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês