Sultão & Bonifácio, parte I | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/2/2013
Sultão & Bonifácio, parte I
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3600 Acessos

Brás Cubas visitou a origem dos séculos. Ele viajou no lombo de um hipopótamo, que o sequestrou logo depois de Cubas ter sofrido duas metamorfoses: de barbeiro chinês, "bojudo" e "destro", que estilizava um mandarim, em Suma Teológica, "encadernada em marroquim, com fechos de prata e estampas"; e de Suma em si mesmo, o Brás Cubas de sempre. Tendo Cubas sobre o dorso, o animal galopou a uma velocidade inacreditável, "numa planície branca de neve, com uma ou outra montanha de neve, vegetação de neve, e vários animais grandes e de neve. Tudo neve; chegava a gelar-nos um sol de neve". Mesmo galopando tão veloz, o quadrúpede pode avisar a Cubas que até do Éden já haviam passado.

A origem dos séculos era o destino. Lá, Cubas conversou com a Natureza, ou Pandora, "um vulto imenso", que "tinha a vastidão das formas selváticas, e tudo escapava à compreensão do olhar humano". Preciso ignorar o diálogo dos dois para chegar ao trecho em que Natureza, ou Pandora, segura Cubas pelos cabelos e mostra a ele "uma redução dos séculos", um desfile inexorável da História, que passava sob os pés de Brás Cubas. Os séculos desfilavam num turbilhão, e para descrever isto "seria preciso fixar o relâmpago". Cubas foi espectador de tudo o que o mundo havia vivido e, em algum momento, sem que percebesse, já não estava nas mãos de Natureza, ou Pandora, mas no dorso daquele hipopótamo, que o conduzia ainda mais rápido, só que agora em direção ao último dos séculos. O último!

Quanto mais próximo do fim, mais rápido os séculos passavam por Cubas: "A marcha era tal que escapava a toda a compreensão; ao pé dela o relâmpago seria um século". Então as coisas começaram a ficar confusas e "um nevoeiro cobriu tudo - menos o hipopótamo que ali me trouxera". O bicho começou a diminuir; diminuiu até ficar do tamanho de um gato. E era mesmo um gato, que brincava com uma bolinha de papel à porta do quarto onde Brás Cubas teve este delírio, "O Delírio", capítulo VII de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Era o gato do delirante e ele se chamava Sultão.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é um dos nossos melhores romances e "O Delírio" talvez seja o melhor capítulo dele. A primeira vez que o leitor viaja às costas do hipopótamo é nada menos que incrível, sobretudo quando esta primeira vez acontece na adolescência. Foi meu romance predileto por algum tempo, e hoje está na minha lista dos mais-mais.

Uma coisa, contudo, me deixa intrigado. Sultão, o gato, só é mencionado uma singular e mísera vez em toda a história. Sultão sequer estava entre os onze amigos que presenciaram o enterro de Cubas. Do além, Brás Cubas, o defunto autor, conta a vida que teve para matar o tédio e nunca, nunca fala do pobre gato, senão no capítulo VII. Não era um hipopótamo que o acompanhava ao fim dos séculos, era Sultão que brincava à porta da alcova. Leia o romance. Você não vai achar uma palavra sobre o bichinho, senão estas:

"(...) um nevoeiro cobriu tudo, - menos o hipopótamo que ali me trouxera, e que aliás começou a diminuir, a diminuir, a diminuir, até ficar do tamanho de um gato. Era efetivamente um gato. Encarei-o bem; era o meu gato Sultão, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel..."

Uma curiosidade recalcitrante é saber como era Sultão, porque o gato não é descrito no romance. Costumo imaginá-lo cinzento, rajado, obviamente vira-lata. Também imagino que tenha aparecido a Brás Cubas ainda jovem, mas não bebezinho, e que ambos se adotaram não de imediato, mas em um misto recíproco de tolerância e indiferença. Agora, por que se adotaram, se precisasse haver um porquê fundamental, vou esperar Machado de Assis escrever. Também vou esperar, ainda mais ansioso, descrições do cotidiano de Sultão sob os cuidados de Cubas e, ainda mais importante, descrições de tratos e mimos, se houve, dispensados ao felino. Será que Sultão, depois de aprontar alguma bobagem, ouvia o familiar e icônico "Ah, brejeiro!"?

Prudêncio, Eugênia, Virgília, Quincas Borba, Marcela - quase todos os personagens reaparecem mais de uma vez ao longo da vida do defunto autor. Prudêncio, por exemplo, é o moleque escravo e escravizado por Cubas:
Prudêncio, um moleque de casa, era o meu cavalo de todos os dias; punha as mãos no chão, recebia um cordel nos queixos, à guisa de freio, eu trepava-lhe ao dorso, com uma varinha na mão, fustigava-o, dava mil voltas a um e outro lado, e ele obedecia, - algumas vezes gemendo, - mas obedecia sem dizer palavra, ou, quando muito, um - "ai, nhonhô!" - ao que eu retorquia: - "Cala a boca, besta!"

O mesmo Prudêncio reaparece muito depois, no capítulo LXVIII, "O vergalho", numa cena em que "um preto"...

...vergalhava outro na praça. O outro não se atrevia a fugir; gemia somente estas únicas palavras: - "Não, perdão, meu senhor; meu senhor, perdão!". Mas o primeiro não fazia caso, e, a cada súplica, respondia com uma vergalhada nova.
- Toma, diabo! dizia ele; toma mais perdão, bêbado!
- Meu senhor! gemia o outro.
- Cala a boca, besta! replicava o vergalho.
Parei, olhei... justos céus! Quem havia de ser o do vergalho? Nada menos que o meu moleque Prudêncio, - o que meu pai libertara alguns anos antes. Cheguei-me; ele deteve-se logo e pediu-me a bênção; perguntei-lhe se aquele preto era escravo dele.
- É, sim, nhonhô.
- Fez-te alguma coisa?
- É um vadio e um bêbado muito grande. Ainda hoje deixei ele na quitanda, enquanto eu ia lá embaixo na cidade, e ele deixou a quitanda para ir na venda beber.
- Está bom, perdoa-lhe, disse eu.
- Pois não, nhonhô manda, não pede. Entra para casa, bêbado!

Estamos de acordo que Brás Cubas era um cretino e que, aos olhos mortos e à pena defunta dele, Prudêncio talvez - ênfase em talvez - tivesse mais a oferecer literariamente que Sultão, sobretudo por conta deste episódio do vergalho. É um episódio que precisava ser narrado, independente do contexto em que se encaixa na história. Contudo, a ausência gritante do gato Sultão no relato autobiográfico do morto talvez adicione algum tempero à superficialidade tridimensional do autor (me refiro a Brás Cubas).

Para elucidar o "talvez" enfático do parágrafo anterior, façamos uma comparação.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é de 1881. Sete anos depois, outro ídolo publicaria outro romance presente na minha lista de preferidos, um romance também escrito em português, também com um gato no elenco, mas com um dono provavelmente em tudo contrário a Brás Cubas.

(Parte II)


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 27/2/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sultão & Bonifácio, parte III de Guilherme Pontes Coelho


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Dreadlocks - 2/1/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
03. Superficiais - 30/1/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
05. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NÓS, QUE NÃO SOMOS COMO AS OUTRAS
LUCÍA ETXEBARRIA
OBJETIVA
(2000)
R$ 11,00



GALERIA FOSCA
ÉRICO VERÍSSIMO
GLOBO
(1996)
R$ 29,90
+ frete grátis



PROCURANDO DORY LIVRO DE HISTÓRIA E ATIVIDADES
DISNEY PIXAR
DCL
(2016)
R$ 4,99



PÍLULAS DE OTIMISMO - 1º VOLUME
MARCEL-MARIE DESMARAIS E MARCOS BARBOSA
VOZES
(1972)
R$ 7,00



MARKETING DE ACADEMIA
JURANDIR ARAGUAIA LEITE NETO
SPRINT
(1994)
R$ 12,00



A CAMINHO DA REDENÇÃO SOCIAL
THEODORE CAPLOW
AGIR
(1979)
R$ 20,00



O LAÇO DUPLO
CHRIS BOHJALIAN
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 10,00



DECAMERÃO
GIOVANNI BOCCACCIO
ABRIL
(1970)
R$ 7,90



NANNY PIGGINS 04 - NANNY PIGGINS FAZ JUSTIÇA
R. A. SPRATT
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 11,00



É TUDO TÃO SIMPLES
DANUZA
AGIR
(2011)
R$ 4,00





busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês