Sultão & Bonifácio, parte I | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O samba de Donga na Festa da Penha
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> Fantasma Edição Histórica Nº22 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Saber (1996)
>>> Fantasma Especial Nº31 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1989)
>>> O segredo de Helena de Lucinda Riley pela Arqueiro (2018)
>>> Fantasma Nº20 de Lee Falk e Ray Moore pela Saber (1995)
>>> Fantasma Nº29 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1991)
>>> A casa das orquídeas de Lucinda Riley pela Novo conceito (2012)
>>> Espiritismo Para Jovens: A história de Jesus e o livro dos espíritos para iniciantes da doutrina espírita de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2018)
>>> A Mente Educada de Kieran Egan pela Bertrand Brasil (2002)
>>> O Médico Quântico: Orientações De Um Físico Para A Saúde E A Cura de Dr. Amit Goswami pela Cultrix (2017)
>>> Olá, Consciência! Uma Viagem Pela Filosofia de Mendo Henriques; Nazaré Barros pela É Realizações (2015)
>>> Os botões de Napoleão: As 17 moléculas que mudaram a história de Penny Le Couteur; Jay Burreson pela Zahar (2006)
>>> O livro da sociologia de Diversos pela Globo (2016)
>>> Rápido e devagar de Daniel Kahneman pela Objetiva (2012)
>>> Alice no país do Quantum: A física quântica ao alcance de todos de Robert Gilmore pela Zahar (1998)
>>> O poder do subconsciente de Dr. Joseph Murphy pela Bestseller (2019)
>>> O Tao da Física: Uma Análise Dos Paralelos Entre A Física Moderna E Misticismo Oriental de Fritjof Capra pela Cultrix (2011)
>>> Ciência e Mito de Wolfgang Smith pela Vide Editorial (2014)
>>> Mãos de luz: Um guia para a cura através do campo de energia humano de Barbara Ann Brennan pela Pensamento (2018)
>>> História da pedagogia de Franco Cambi pela Unesp (2002)
>>> Dogma e ritual da alta magia de Eliphas Levi pela Madras (2018)
>>> Bruxas Celtas de Lady Mirian Black pela Icone (2014)
>>> O Caibalion: Edição Definitiva e Comentada de William Walker Atkinson pela Pensamento (2018)
>>> Resignificando: programação neurolingüística e a transformação do significado de Richard Bandler; John Grinder pela Summus (1986)
>>> Fantasma Edição Histórica Nº19 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Saber (1995)
>>> O Enigma Quântico - Desvendando a Chave Oculta de Wolfgand Smith pela Vide Editorial (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/2/2013
Sultão & Bonifácio, parte I
Guilherme Pontes Coelho

+ de 12900 Acessos

Brás Cubas visitou a origem dos séculos. Ele viajou no lombo de um hipopótamo, que o sequestrou logo depois de Cubas ter sofrido duas metamorfoses: de barbeiro chinês, "bojudo" e "destro", que estilizava um mandarim, em Suma Teológica, "encadernada em marroquim, com fechos de prata e estampas"; e de Suma em si mesmo, o Brás Cubas de sempre. Tendo Cubas sobre o dorso, o animal galopou a uma velocidade inacreditável, "numa planície branca de neve, com uma ou outra montanha de neve, vegetação de neve, e vários animais grandes e de neve. Tudo neve; chegava a gelar-nos um sol de neve". Mesmo galopando tão veloz, o quadrúpede pode avisar a Cubas que até do Éden já haviam passado.

A origem dos séculos era o destino. Lá, Cubas conversou com a Natureza, ou Pandora, "um vulto imenso", que "tinha a vastidão das formas selváticas, e tudo escapava à compreensão do olhar humano". Preciso ignorar o diálogo dos dois para chegar ao trecho em que Natureza, ou Pandora, segura Cubas pelos cabelos e mostra a ele "uma redução dos séculos", um desfile inexorável da História, que passava sob os pés de Brás Cubas. Os séculos desfilavam num turbilhão, e para descrever isto "seria preciso fixar o relâmpago". Cubas foi espectador de tudo o que o mundo havia vivido e, em algum momento, sem que percebesse, já não estava nas mãos de Natureza, ou Pandora, mas no dorso daquele hipopótamo, que o conduzia ainda mais rápido, só que agora em direção ao último dos séculos. O último!

Quanto mais próximo do fim, mais rápido os séculos passavam por Cubas: "A marcha era tal que escapava a toda a compreensão; ao pé dela o relâmpago seria um século". Então as coisas começaram a ficar confusas e "um nevoeiro cobriu tudo - menos o hipopótamo que ali me trouxera". O bicho começou a diminuir; diminuiu até ficar do tamanho de um gato. E era mesmo um gato, que brincava com uma bolinha de papel à porta do quarto onde Brás Cubas teve este delírio, "O Delírio", capítulo VII de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Era o gato do delirante e ele se chamava Sultão.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é um dos nossos melhores romances e "O Delírio" talvez seja o melhor capítulo dele. A primeira vez que o leitor viaja às costas do hipopótamo é nada menos que incrível, sobretudo quando esta primeira vez acontece na adolescência. Foi meu romance predileto por algum tempo, e hoje está na minha lista dos mais-mais.

Uma coisa, contudo, me deixa intrigado. Sultão, o gato, só é mencionado uma singular e mísera vez em toda a história. Sultão sequer estava entre os onze amigos que presenciaram o enterro de Cubas. Do além, Brás Cubas, o defunto autor, conta a vida que teve para matar o tédio e nunca, nunca fala do pobre gato, senão no capítulo VII. Não era um hipopótamo que o acompanhava ao fim dos séculos, era Sultão que brincava à porta da alcova. Leia o romance. Você não vai achar uma palavra sobre o bichinho, senão estas:

"(...) um nevoeiro cobriu tudo, - menos o hipopótamo que ali me trouxera, e que aliás começou a diminuir, a diminuir, a diminuir, até ficar do tamanho de um gato. Era efetivamente um gato. Encarei-o bem; era o meu gato Sultão, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel..."

Uma curiosidade recalcitrante é saber como era Sultão, porque o gato não é descrito no romance. Costumo imaginá-lo cinzento, rajado, obviamente vira-lata. Também imagino que tenha aparecido a Brás Cubas ainda jovem, mas não bebezinho, e que ambos se adotaram não de imediato, mas em um misto recíproco de tolerância e indiferença. Agora, por que se adotaram, se precisasse haver um porquê fundamental, vou esperar Machado de Assis escrever. Também vou esperar, ainda mais ansioso, descrições do cotidiano de Sultão sob os cuidados de Cubas e, ainda mais importante, descrições de tratos e mimos, se houve, dispensados ao felino. Será que Sultão, depois de aprontar alguma bobagem, ouvia o familiar e icônico "Ah, brejeiro!"?

Prudêncio, Eugênia, Virgília, Quincas Borba, Marcela - quase todos os personagens reaparecem mais de uma vez ao longo da vida do defunto autor. Prudêncio, por exemplo, é o moleque escravo e escravizado por Cubas:
Prudêncio, um moleque de casa, era o meu cavalo de todos os dias; punha as mãos no chão, recebia um cordel nos queixos, à guisa de freio, eu trepava-lhe ao dorso, com uma varinha na mão, fustigava-o, dava mil voltas a um e outro lado, e ele obedecia, - algumas vezes gemendo, - mas obedecia sem dizer palavra, ou, quando muito, um - "ai, nhonhô!" - ao que eu retorquia: - "Cala a boca, besta!"

O mesmo Prudêncio reaparece muito depois, no capítulo LXVIII, "O vergalho", numa cena em que "um preto"...

...vergalhava outro na praça. O outro não se atrevia a fugir; gemia somente estas únicas palavras: - "Não, perdão, meu senhor; meu senhor, perdão!". Mas o primeiro não fazia caso, e, a cada súplica, respondia com uma vergalhada nova.
- Toma, diabo! dizia ele; toma mais perdão, bêbado!
- Meu senhor! gemia o outro.
- Cala a boca, besta! replicava o vergalho.
Parei, olhei... justos céus! Quem havia de ser o do vergalho? Nada menos que o meu moleque Prudêncio, - o que meu pai libertara alguns anos antes. Cheguei-me; ele deteve-se logo e pediu-me a bênção; perguntei-lhe se aquele preto era escravo dele.
- É, sim, nhonhô.
- Fez-te alguma coisa?
- É um vadio e um bêbado muito grande. Ainda hoje deixei ele na quitanda, enquanto eu ia lá embaixo na cidade, e ele deixou a quitanda para ir na venda beber.
- Está bom, perdoa-lhe, disse eu.
- Pois não, nhonhô manda, não pede. Entra para casa, bêbado!

Estamos de acordo que Brás Cubas era um cretino e que, aos olhos mortos e à pena defunta dele, Prudêncio talvez - ênfase em talvez - tivesse mais a oferecer literariamente que Sultão, sobretudo por conta deste episódio do vergalho. É um episódio que precisava ser narrado, independente do contexto em que se encaixa na história. Contudo, a ausência gritante do gato Sultão no relato autobiográfico do morto talvez adicione algum tempero à superficialidade tridimensional do autor (me refiro a Brás Cubas).

Para elucidar o "talvez" enfático do parágrafo anterior, façamos uma comparação.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é de 1881. Sete anos depois, outro ídolo publicaria outro romance presente na minha lista de preferidos, um romance também escrito em português, também com um gato no elenco, mas com um dono provavelmente em tudo contrário a Brás Cubas.

(Parte II)


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 27/2/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
03. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
04. Minha Terra Tem Palmeiras de Marilia Mota Silva
05. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013
03. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte III - 20/3/2013
05. Dreadlocks - 2/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Na Rua do Sabão
Manuel Bandeira
Global
(2014)



Aventuras e Receitas de Lígia Azevedo
Lígia Azevedo
Best Seller
(2011)



Criatividade Progresso e Potencial
Calvin W. Taylor
Ibrasa
(1976)



Saúde Integral Com Medicina Ayurvédica - 1ª Edição
Dr. Frank John Ninivaggi
Pensamento
(2015)



Os Guerreiros do Tempo
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1995)



Zul - o Avesso e o Direito do Ser Humano
Anna Sharp
Rai
(2010)



Exportação: Aspectos Práticos e Operacionais
José Augusto de Castro
Aduaneiras
(1998)



Loucura do Livre Mercado
Peter A. Ubel
Civilização Brasileira
(2014)



Conspiração Contra o Álcool
Jaime Rotstein
José Olympio
(1985)



O Caminho da Rosa-cruz nos Dias Atuais
Pentagrama
Pentagrama
(2016)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês