Sultão & Bonifácio, parte I | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
>>> Performer e dançarina Morgana Apuama apresenta a obra 'Risko'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O discreto charme dos sebos
>>> Um Furto
>>> Conto do café
>>> Milk, por Sean Penn e Gus Van Sant
>>> Infocracia
>>> Uma teoria equivocada
>>> Por que corremos e não chegamos a lugar algum
>>> The Second Coming of Steve Jobs, by Alan Deutschman
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Calligaris e DaMatta
Mais Recentes
>>> Por dentro do arco real de Richard Sandbach pela Madras (2005)
>>> Art Foundry - Craft and art de Christian Hauser pela Van Nostrand Reinhold (1972)
>>> La Céramique - Les Métiers D art de Fiorella Cottier-angeli pela Bonvent (1973)
>>> Vademecum de Auriculoterapia - Sección de Enseñanza del Instituto Hispanico de Acupuntura de Vários pela Miraguano Ediciones (1986)
>>> História do Futuro - o Horizonte do Brasil no Século XXI de Míriam Leitão pela Intrinseca (2015)
>>> O Céu na Boca de Fabiano Dalla Bona pela Tinta Negra (2010)
>>> O Céu na Boca de Fabiano Dalla Bona pela Tinta Negra (2010)
>>> Os Papéis do Inglês de Ruy Duarte de Carvalho pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Papéis do Inglês de Ruy Duarte de Carvalho pela Companhia das Letras (2007)
>>> Collected Short Stories: Volume 4 de W. Somerset Maugham pela Penguin Book (1978)
>>> Cakes and Ale de W Somerset Maugham pela Penguin Books (1977)
>>> Cakes and Ale de W Somerset Maugham pela Penguin Books (1977)
>>> The Summing Up de W Somerset Maugham pela Penguin Books (1963)
>>> Animais para Colar - Gato de Carmem Busquets; Carolina Cespedes; Eq Susaeta pela Girassol (2016)
>>> A Apple Depois de Steve Jobs de Yukari Iwatani Kane pela Saraiva (2014)
>>> Métodos de Investigação Sociológica de Peter H. Mann pela Zahar Editores (1979)
>>> Marcados pela História de Claudia Ribeiro Rocha pela Uppes (2004)
>>> Me Conte a Sua História - Histórias Reais de Quem Viveu a Vida de Jorge Dias Souza pela Febrafarma (2004)
>>> Moderna Cidade Americana de Christopher Tunnard pela Bloch (1971)
>>> Sociedade Civil e Democracia na América Latina: Crise e Reinvenção Da de Bernardo Sorj e Outros pela Ifhc (2007)
>>> Mondrian - Mestres da Pintura de Abril Cultural pela Abril Cultural (1978)
>>> Enquête Capitale de Marine Decourtis pela Hachette (2010)
>>> Vendetta de Steve Shagan pela Record (1986)
>>> Chá de Ópio de Bianca Tam pela Record (1985)
>>> Descoberta ao Amanhecer de Walter Veltroni pela Escrituras (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/2/2013
Sultão & Bonifácio, parte I
Guilherme Pontes Coelho

+ de 9200 Acessos

Brás Cubas visitou a origem dos séculos. Ele viajou no lombo de um hipopótamo, que o sequestrou logo depois de Cubas ter sofrido duas metamorfoses: de barbeiro chinês, "bojudo" e "destro", que estilizava um mandarim, em Suma Teológica, "encadernada em marroquim, com fechos de prata e estampas"; e de Suma em si mesmo, o Brás Cubas de sempre. Tendo Cubas sobre o dorso, o animal galopou a uma velocidade inacreditável, "numa planície branca de neve, com uma ou outra montanha de neve, vegetação de neve, e vários animais grandes e de neve. Tudo neve; chegava a gelar-nos um sol de neve". Mesmo galopando tão veloz, o quadrúpede pode avisar a Cubas que até do Éden já haviam passado.

A origem dos séculos era o destino. Lá, Cubas conversou com a Natureza, ou Pandora, "um vulto imenso", que "tinha a vastidão das formas selváticas, e tudo escapava à compreensão do olhar humano". Preciso ignorar o diálogo dos dois para chegar ao trecho em que Natureza, ou Pandora, segura Cubas pelos cabelos e mostra a ele "uma redução dos séculos", um desfile inexorável da História, que passava sob os pés de Brás Cubas. Os séculos desfilavam num turbilhão, e para descrever isto "seria preciso fixar o relâmpago". Cubas foi espectador de tudo o que o mundo havia vivido e, em algum momento, sem que percebesse, já não estava nas mãos de Natureza, ou Pandora, mas no dorso daquele hipopótamo, que o conduzia ainda mais rápido, só que agora em direção ao último dos séculos. O último!

Quanto mais próximo do fim, mais rápido os séculos passavam por Cubas: "A marcha era tal que escapava a toda a compreensão; ao pé dela o relâmpago seria um século". Então as coisas começaram a ficar confusas e "um nevoeiro cobriu tudo - menos o hipopótamo que ali me trouxera". O bicho começou a diminuir; diminuiu até ficar do tamanho de um gato. E era mesmo um gato, que brincava com uma bolinha de papel à porta do quarto onde Brás Cubas teve este delírio, "O Delírio", capítulo VII de Memórias Póstumas de Brás Cubas. Era o gato do delirante e ele se chamava Sultão.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é um dos nossos melhores romances e "O Delírio" talvez seja o melhor capítulo dele. A primeira vez que o leitor viaja às costas do hipopótamo é nada menos que incrível, sobretudo quando esta primeira vez acontece na adolescência. Foi meu romance predileto por algum tempo, e hoje está na minha lista dos mais-mais.

Uma coisa, contudo, me deixa intrigado. Sultão, o gato, só é mencionado uma singular e mísera vez em toda a história. Sultão sequer estava entre os onze amigos que presenciaram o enterro de Cubas. Do além, Brás Cubas, o defunto autor, conta a vida que teve para matar o tédio e nunca, nunca fala do pobre gato, senão no capítulo VII. Não era um hipopótamo que o acompanhava ao fim dos séculos, era Sultão que brincava à porta da alcova. Leia o romance. Você não vai achar uma palavra sobre o bichinho, senão estas:

"(...) um nevoeiro cobriu tudo, - menos o hipopótamo que ali me trouxera, e que aliás começou a diminuir, a diminuir, a diminuir, até ficar do tamanho de um gato. Era efetivamente um gato. Encarei-o bem; era o meu gato Sultão, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel..."

Uma curiosidade recalcitrante é saber como era Sultão, porque o gato não é descrito no romance. Costumo imaginá-lo cinzento, rajado, obviamente vira-lata. Também imagino que tenha aparecido a Brás Cubas ainda jovem, mas não bebezinho, e que ambos se adotaram não de imediato, mas em um misto recíproco de tolerância e indiferença. Agora, por que se adotaram, se precisasse haver um porquê fundamental, vou esperar Machado de Assis escrever. Também vou esperar, ainda mais ansioso, descrições do cotidiano de Sultão sob os cuidados de Cubas e, ainda mais importante, descrições de tratos e mimos, se houve, dispensados ao felino. Será que Sultão, depois de aprontar alguma bobagem, ouvia o familiar e icônico "Ah, brejeiro!"?

Prudêncio, Eugênia, Virgília, Quincas Borba, Marcela - quase todos os personagens reaparecem mais de uma vez ao longo da vida do defunto autor. Prudêncio, por exemplo, é o moleque escravo e escravizado por Cubas:
Prudêncio, um moleque de casa, era o meu cavalo de todos os dias; punha as mãos no chão, recebia um cordel nos queixos, à guisa de freio, eu trepava-lhe ao dorso, com uma varinha na mão, fustigava-o, dava mil voltas a um e outro lado, e ele obedecia, - algumas vezes gemendo, - mas obedecia sem dizer palavra, ou, quando muito, um - "ai, nhonhô!" - ao que eu retorquia: - "Cala a boca, besta!"

O mesmo Prudêncio reaparece muito depois, no capítulo LXVIII, "O vergalho", numa cena em que "um preto"...

...vergalhava outro na praça. O outro não se atrevia a fugir; gemia somente estas únicas palavras: - "Não, perdão, meu senhor; meu senhor, perdão!". Mas o primeiro não fazia caso, e, a cada súplica, respondia com uma vergalhada nova.
- Toma, diabo! dizia ele; toma mais perdão, bêbado!
- Meu senhor! gemia o outro.
- Cala a boca, besta! replicava o vergalho.
Parei, olhei... justos céus! Quem havia de ser o do vergalho? Nada menos que o meu moleque Prudêncio, - o que meu pai libertara alguns anos antes. Cheguei-me; ele deteve-se logo e pediu-me a bênção; perguntei-lhe se aquele preto era escravo dele.
- É, sim, nhonhô.
- Fez-te alguma coisa?
- É um vadio e um bêbado muito grande. Ainda hoje deixei ele na quitanda, enquanto eu ia lá embaixo na cidade, e ele deixou a quitanda para ir na venda beber.
- Está bom, perdoa-lhe, disse eu.
- Pois não, nhonhô manda, não pede. Entra para casa, bêbado!

Estamos de acordo que Brás Cubas era um cretino e que, aos olhos mortos e à pena defunta dele, Prudêncio talvez - ênfase em talvez - tivesse mais a oferecer literariamente que Sultão, sobretudo por conta deste episódio do vergalho. É um episódio que precisava ser narrado, independente do contexto em que se encaixa na história. Contudo, a ausência gritante do gato Sultão no relato autobiográfico do morto talvez adicione algum tempero à superficialidade tridimensional do autor (me refiro a Brás Cubas).

Para elucidar o "talvez" enfático do parágrafo anterior, façamos uma comparação.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é de 1881. Sete anos depois, outro ídolo publicaria outro romance presente na minha lista de preferidos, um romance também escrito em português, também com um gato no elenco, mas com um dono provavelmente em tudo contrário a Brás Cubas.

(Parte II)


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 27/2/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. Raymond Carver, o Tchecov americano de Luiz Rebinski Junior
03. Arquitetura e harmonia de Ana Elisa Ribeiro
04. Cegueiras dimensionais de Marcelo Barbão


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
03. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte III - 20/3/2013
05. Dreadlocks - 2/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Dibujar y Pintar
Stan Smith
Hermann Blume
(1985)



Cantigas de Umbanda e Candomblé - 1ª Edição
Cantigas de Umbanda e Candomblé
Pallas
(2009)



Und Jetzt Ihr! Basisgrammatik Fur Jugendliche
Christine Schmidte * Marion Kerner
Hueber
(2002)



Mecânica 1 - Cinemática Leis de Newton para a Translação
Sidrack de Holanda Cordeiro e Outro
Ao Livro Técnico
(1971)



Como Mimar um Leonino - 1ª Edição
Mary English
Pensamento
(2014)



Direito de Navegação Em Comércio Exterior
Geraldo Bezerra de Moura
Aduaneiras
(1991)



Las Dimensiones de La Presencia Espanola En Brasil
Jose Manuel Azcona Pastor
Universitas
(2010)



Dicionario de Psicologia
Michael e Françoise Gauquelin
Verbo
(1978)



Mandado de Segurança: Ação Popular, Ação Civil Pública, Mandando de I
Hely Lopes Meirelles
Malheiros
(1990)



Remuneração Beneficios e Relações de Trabalho
Idalberto Chiavenato
Manole
(2014)





busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês