Uma questão de ética editorial | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 24/5/2005
Uma questão de ética editorial
Luis Eduardo Matta

+ de 4700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Mercado editorial. Seara misteriosa, imprevisível, por vezes hostil, repleta de desafios e obstáculos que podem parecer intransponíveis. O mercado responsável pela consagração de nomes que, um dia, irão tocar o coração e a mente de muitos leitores - e quem sabe até mudar-lhes positivamente o rumo da vida - é o mesmo que, de forma taxativa e impiedosa, fecha as portas aos inéditos, aos desconhecidos, àqueles a quem não foi dada uma oportunidade de aparecer e dizer a que vieram.

Em março de 2004, publiquei, aqui no Digestivo Cultural, um artigo sobre as dificuldades dos novos escritores em conseguir um lugar ao sol dentro do fechado e seletivo mundo das editoras. O artigo encontrou alguma repercussão e, desde então, venho recebendo inúmeras correspondências de pessoas solicitando maiores informações e até pedindo a minha ajuda para publicar os seus contos e escritos. Resolvi revisitá-lo agora, não somente por considerar que o tema merece ser continuamente abordado, como também para levantar um ou outro ponto que, por alguma razão, não foi tratado no artigo anterior.

Tentar publicar no Brasil é, via de regra, uma desgastante via crucis para um autor inédito. As editoras não são tantas assim, a maioria não é suficientemente capitalizada para investir maciçamente em novos talentos, e as que são impõem restrições tão grandes à publicação de escritores desconhecidos, que furar o bloqueio imperante nos seus departamentos editoriais, ser lido por um parecerista preparado e imparcial e conseguir, ao cabo de meses intermináveis, ter o texto aprovado, torna-se quase tão improvável quanto escalar o monte Aconcágua até o topo, no inverno, a pé, de costas e dando piruetas durante uma tempestade. Existe, é claro, um excedente de originais; são dezenas que aportam mensalmente nas principais editoras e, naturalmente, a maioria não será publicada, obedecendo à velha lógica do copo que tem capacidade para receber uma quantidade limitada de líquido; se o volume se exceder, ele transbordará. No caso específico dos originais, pesa ainda o fato de que uma parcela considerável deles - que segundo alguns especialistas ultrapassa os 95% e, muitas vezes, beira a totalidade -, tem uma qualidade que vai de duvidosa a sofrível, o que transforma as suas chances de serem lançados por uma editora comercial em algo bem próximo de zero.

É difícil se firmar como escritor em qualquer lugar do mundo e, mais ainda, num país como o nosso, cujo acanhado mercado de livros ainda está para ser construído. Temos no Brasil, na maioria das escolas, um péssimo ensino de Literatura - um ensino burocrático, maçante, excessivamente didático, que tortura os alunos com a leitura forçada de livros, posteriormente cobrados em provas arcaicas e incompreensíveis. As escolas brasileiras formam, todos os anos, um enorme contingente de jovens com ostensiva aversão aos livros e que, no decorrer da vida, só recorrerão a eles, quase sempre, em caso de necessidade profissional. A escassez de bibliotecas decentes, um letárgico sistema de distribuição nacional e a desvalorização do livro, no seio da sociedade, como opção de lazer complementam o triste quadro. As tiragens, por aqui, são baixas e, na maior parte das vezes, não ultrapassam os três mil exemplares, a maioria dos quais ficará encalhada nas editoras e livrarias sem encontrar comprador. Mesmo autores de renome, consagrados pela crítica e sempre presentes nas páginas da imprensa, vivem o drama da venda minguada dos seus livros e, não raro, precisam de um emprego para sobreviver. Esse panorama desanimador deixa, com boa dose de razão, os editores bem pouco entusiasmados com a perspectiva de descobrir e bancar a primeira edição de um autor novo, cuja consagração não será, com raríssimas exceções, imediata. Um escritor precisa de tempo para refinar seu estilo e consolidar seu nome. Pode levar anos e vários títulos publicados até o seu pleno reconhecimento pelo público e crítica. Quantos escritores não estouraram no seu quarto, quinto livro? Se um editor, lá em algum lugar do passado, não lhes tivesse dado uma chance, eles não teriam tido meios de crescer no seu ofício e jamais atingiriam a maturidade e a fama. Esse grande dilema permeia toda a atividade editorial. O autor anônimo de hoje poderá ser o best-seller ou o mestre de amanhã, mas ele precisa ser descoberto em algum momento. Do contrário, a Literatura não caminhará para frente e ficará se alimentando só do que já existe.

Hoje, com as novas tecnologias, é possível imprimir um livro em baixas tiragens, investindo bem menos recursos e também divulgar e vender de forma mais dinâmica, sem necessariamente precisar recorrer às poucas e caras alternativas que prevaleciam quinze anos atrás. É uma boa opção para editoras que não querem gastar muito e que, ao mesmo tempo, sentem que a Literatura precisa de sangue novo. Afinal, sem essa renovação, ela acabará se convertendo num panteão de cânones, estrelas de um passado que pouco dialoga com o nosso presente cada vez mais veloz e urgente. É papel das editoras lançar novos talentos promissores e, é lógico que, no meio das pilhas de originais que chegam todos os anos há, pelo menos, uma meia dúzia que mereceria ser seriamente considerada e, quem sabe, publicada. Esta, porém, não é uma preocupação dos departamentos editoriais. Conforme eu já tive a oportunidade de dizer no meu outro artigo sobre o tema, os setores de triagens de textos inéditos nas editoras são pouco habilitados para avaliar com eficiência o trabalho de um autor desconhecido e, em geral, os originais são descartados sem que seja empreendida uma análise mais atenta. Muitas vezes, os autores ficam meses esperando por uma resposta que nunca chega. E poucas coisas são mais angustiosas para um escritor do que essa espera interminável, acompanhada de um silêncio que denota indiferença e desprezo por meses de trabalho dedicado a uma obra literária que, para ele, tem um valor enorme.

Por outro lado, há que considerar que uma editora, por ser uma empresa com orçamento, diretrizes e compromissos os mais diversos, não tem, a rigor, qualquer obrigação de publicar um autor inédito e, nem mesmo de ler os seus originais. Afinal de contas, a leitura crítica de um livro, com direito a um parecer, custa dinheiro e nem todas as editoras podem se dar ao luxo de investir uma fatia considerável do seu caixa nessa tarefa. Existe, no entanto, uma questão ética neste caso, que muitas vezes é ignorada pelos editores. Uma editora não existe sem os escritores. Pode acontecer de autores prescindirem das editoras, mas o contrário é impossível. A maioria dos escritores hoje consagrados - e, conseqüentemente disputados a tapa pelas editoras - foram anônimos um dia e tiveram de trilhar um caminho duro até a notoriedade. Ora, se uma editora necessita dos autores para existir e prosperar, o mínimo que se pode esperar delas é uma atitude de respeito pela classe em geral e isso inclui os hoje anônimos que poderão se tornar os futuros notáveis. E é justamente isso - respeito - o que menos se vê por parte das editoras quando o assunto é autor inédito.

Uma editora não quer publicar os escritos de um escritor estreante? Ótimo. Então, por que não deixar isso claro desde logo? Hoje, temos o advento da internet. Muitas editoras mantêm sites e não custaria nada reservar um pequeno espaço para deixar uma mensagem publicada, avisando que não estão recebendo textos não-solicitados (algumas, justiça seja feita, já fazem isso); caso isso não seja suficiente e, ainda assim, o autor decida postar seus originais, a editora, ao recebê-los, poderia responder automaticamente, por e-mail, na hipótese de o autor anexar à sua correspondência um endereço eletrônico (o que não traria ônus algum) ou por meio de cartas padrão, que poderiam ser até xerocadas, agradecendo a remessa do material e comunicando que, no momento, não estão avaliando novos trabalhos. Seria uma despesa irrisória que pouparia muitos meses de expectativa e dores de cabeça aos autores. Afinal, antes uma recusa imediata do que uma espera sem fim.

Tudo isso, longe de configurar um gesto altruísta das editoras para com os candidatos a escritor, sinalizaria um mínimo aceitável de respeito em relação a um profissional do qual as editoras dependem vitalmente para funcionar. Trata-se, volto a dizer, de uma questão ética. O ideal, no entanto, seria que as nossas casas editoriais tivessem um sistema eficiente de avaliação de originais e que o mercado fosse maior e mais dinâmico a ponto de acolher decentemente novos autores de tempos em tempos. Mas, aí já estaremos entrando no terreno da utopia e dos sonhos de um universo livreiro ideal, que ainda precisa ser consolidado por todos nós que trabalhamos, pensamos e nos preocupamos com os destinos do livro no Brasil.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 24/5/2005


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2005
00h34min
Luís, Não tinha pensado sobre as editoras desta forma... Ótima colocação! Eu acho que a cultura do "fácil e seguro" parece dominar o quadro editorial, não é? Talvez por sempre existir a possibilidade de representar no Brasil escritores descobertos em outros países, por outras editoras, façam as editoras nacionais terem essa postura... Mas, para você ver como são as coisas, este panorama de falta de arrojo assola também o mundo da engenharia e tecnologia. As mesmas coisas que você disse podem ser ditas sem mudar uma vírgula sobre a relação entre bancos de investimentos e o lançamento de empresas no mercado brasileiro. O Brasileiro é criativo e talentoso, pena que não acreditamos ainda nisso. É uma mentalidade que se arrasta há 500 anos...
[Leia outros Comentários de Ram]
28/5/2005
02h42min
Luis, interessante mesmo sua colocação em relação às editoras. Afinal trata-se de uma via de mão dupla - se os escritores necessitam de uma editora, as editoras não sobreviveriam sem os escritores. Entretanto, vale ressaltar que não somente escritores (e bons) têm um caminho árduo a trilhar a fim de conseguirem um lugar ao sol. Sempre considerei o fator sorte como imprescindível para o sucesso em qualquer ramo profissional. E quando falo em sorte não me refiro a algo sobrenatural... Sorte implica vários tópicos, como, por exemplo, conhecer as pessoas certas nas horas certas, dizer a coisa certa na hora exata - ou ser a voz do povo... tocar o inconsciente coletivo. Enfim sorte é algo abrangente e feliz de quem a tem em vida pois um gênio, como Van Gogh, foi reconhecido bem após sua morte - e como foi. A sorte lhe chegou tardiamente. Se não houvesse o fator sorte, como se explica que tantos incompetentes atingem a fama e lá se seguram sabe-se lá como. Quanto de arte não se perdeu por falta de oportunidade ou de sorte? Não quero com isso menosprezar o mérito de alguns famosos. Mas ressaltar o fato da sorte que bafeja a incompetência e a eleva a alturas. Isso, meu caro Luis, em todos campos profissionais. Uma vez criada a fama...como diz o ditado popular, deita-te na cama e tudo virá com facilidade. Todavia, não há que se cruzar os braços e esperar pela sorte. Uma ajudinha é sempre importante também, pois a sorte não trabalha sozinha.
[Leia outros Comentários de regina mas]
3/6/2005
20h33min
Luis, concordo plenamente com suas observações. Uma grande saída para esse impasse seria a internet. Autores novos poderiam aprimorar seu estilo na internet, o que facilitaria muito o trabalho das editoras, que pegariam os autores "maduros". Mas, infelizmente, as editoras ainda não chegaram à era da internet. Editores não entram na rede, em sites literários, e os sites das editoras são sempre sofríveis. Certa vez comentei com o dono de uma editora que um livro virtual de minha autoria tinha sido lido por 30 mil pessoas. Ele me respondeu: "E daí?", o que exemplifica bem a cegueira das editoras para com a net...
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BUDAPESTE
CHICO BUARQUE
CIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 6,99



VIDA, PAIXAO E MORTE DE EÇA DE QUEIROZ
ANTONIO POUSADA
CLUBE DO LIVRO
(1966)
R$ 9,00



INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
HÉLIO CREDER
LTC
(2002)
R$ 49,00



VIDA LONGA COM SAUDE
NILO DE ALMEIDA;JAIRO MANCILHA
QUALITYMARK
(2006)
R$ 15,50



O PRIMO BASÍLIO - SÉRIE BOM LIVRO
EÇA DE QUEIROZ
ÁTICA
(2005)
R$ 9,90



SUN TZU - OS CONSELHOS DE UM GENERAL BEM-SUCEDIDO
WERNER SCHWANFELDER
VOZES
(2009)
R$ 10,00



BEM VINDO À VIDA
EDUARDO AQUINO
SANTA EDWIGES
(1996)
R$ 6,00



FERNÃO CAPELO GAIVOTA
RICHARD BACH
HEMUS
R$ 8,94



MARIA RUTH
RUTH ESCOBAR
GUANABARA
(1987)
R$ 27,00



EU QUE ME DESTILO
FRANCE GRIPP
BELO HORIZONTE
(1994)
R$ 5,00





busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês