As minas de ouro (ou Os sebos) | Ivan Bilheiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 14/9/2010
As minas de ouro (ou Os sebos)
Ivan Bilheiro

+ de 5300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Tenho à minha frente cerca de setecentas páginas de puro Dostoiévski. A edição é linda, em dois volumes. Uma verdadeira obra-prima do mercado editorial. O cheiro ― aquele perfume que só os bibliófilos sabem apreciar com o mesmo prazer que um enólogo sorve os bons vinhos ― é bastante apreciável. Uma boa safra, posso dizer. Abro as páginas. Bom papel, boa textura, boa confecção. Tudo digno de um livro novo. Tudo, até mesmo o conteúdo: só há Dostoiévski, e nada mais.

Sou bibliófilo assumido, adoro livros. Mas, para continuar na analogia, da mesma forma que os degustadores de vinho podem ter suas preferências por determinados tipos, tenho as minhas. Prefiro os livros usados, já consumidos. Assim, frequento mais os sebos que as livrarias. Entrar em uma livraria é, como muitos já disseram, entrar em um novo mundo, no qual são oferecidas portas para muitos outros mundos, os mais diversos. Mas entrar em um sebo é melhor: as portas que ali são oferecidas muitas vezes trazem, também, boas companhias para as viagens. Além disso, tenho observado que os sebos são refúgio dos livreiros ― os verdadeiros, aqueles que gostam e conhecem, que curtem e apreciam seus produtos ― enquanto as livrarias vêm sendo invadidas pelos simpáticos vendedores de sorriso aberto que, com toda sua solicitude, quase nos enfiam livros goela abaixo, pelo puro ato do vender.

Vou ler Crime e Castigo. Estaremos eu e Dostoiévski, durante um bom tempo, juntos ― ou, como gosto de dizer, conversando. Não tenho a menor dúvida de que o personagem principal, Raskólnikov, me impressionará, pois já conheço alguma coisa da obra. Mas este passeio poderia ter algo mais, aquilo que só os livros usados trazem.

Há algum tempo, comprei o O Xangô de Baker Street, do Jô Soares. Comprei no sebo. Livro já folheado, de manuseio mais leve: amaciado. Na lateral: "Lu". Acredite, leitor: foi a marcação na lateral que me atraiu, a princípio. Peguei o livro na estante, olhei em cima: "Outubro/1995". Levei o livro para casa e, assim que decidi iniciar a leitura, minha companheira de viagem se apresentou: na folha de rosto, a assinatura: "Lucélia 28/10/95". Na página seguinte, ainda antes de qualquer frase do próprio Jô, tornamo-nos íntimos: "Lu" era o apelido que, agora, minha companheira assinava. "Essa gosta de assinar o nome!", pensei.

Primeira página de texto, Jô começa: "Às três horas da manhã, alguns negros escravos ainda podiam ser vistos saindo com barris cheios de lixo e excremento das casas das putas da rua do Regente". Lu havia marcado "podiam ser vistos". Puxou uma seta para o canto da página e foi categórica: "3 verbos? Melhor: eram". No fim da página (ainda a primeira), a constatação de Lu: "Períodos imensos". Sua crítica me divertia.

Assim foi ao longo do livro. Lu revelou-se uma crítica feroz do tipo de escrita de Jô Soares, mas, também, uma consciente apreciadora, já que seus comentários nem sempre eram críticos e sim, por vezes, elogiosos. Também foi uma boa tradutora: o texto possui algumas expressões em francês que Lu, gentilmente, traduzia para mim no canto da página. Minha leitura do Xangô foi, na verdade, um gostoso papo entre mim, o Jô e a Lu. Como três amigos. Críticas, risadas, conselhos, frases soltas. Houve de tudo.

Esse tipo de coisa não é só preferência minha. Lembro-me de ter lido O Príncipe, de Maquiavel, com os comentários geniais de Napoleão Bonaparte. A edição trazia isso, o que mostra que o negócio é vendável. Sobretudo neste caso, com estes dois titãs.

Tenho próximo à minha mesa um mural, onde preguei uma folha com alguns conselhos de leitura e escrita que encontrei na internet e que gosto de sempre estar lembrando. Entre eles: "Ler com um lápis na mão. E usá-lo". Faço isso sempre: ao longo das páginas, faço minhas marcações, minhas anotações. Por isso mesmo digo que minhas leituras são sempre boas conversas com os autores ― acho que Descartes também dizia isso. Mas os livros de sebos são conversas melhores, porque têm vários participantes, cada um com seu momento de falar, sem atropelos, e com a possibilidade de pararmos para fazer as devidas reflexões na medida em que os dizeres nos lancem a isso.

Meu Livro do Desassossego (comprado no sebo), do heterônimo Bernardo Soares de Fernando Pessoa tem uma marcação, feita por um outro companheiro de viagem, sobre uma passagem que trata mais ou menos do que falo aqui. Ao lado da marcação dele, coloquei um baita ponto de exclamação. Assim, quando conversávamos sobre isso, concordamos eu, Bernardo, Fernando e o anônimo amigo que fez a marcação, que é a seguinte: "Regra é da vida que podemos, e devemos, aprender com toda a gente. Há coisas da seriedade da vida que podemos aprender com charlatães e bandidos, há filosofias que nos ministram os estúpidos, há lições de firmeza e de lei que vêm no acaso e nos que são do acaso. Tudo está em tudo. Em certos momentos muito claros de meditação, como aqueles em que, pelo princípio da tarde, vagueio observante pelas ruas, cada pessoa me traz uma notícia, cada casa me dá uma novidade, cada cartaz tem um aviso para mim. Meu passeio calado é uma conversa contínua, e todos nós, homens, casas, pedras, cartazes e céu, somos uma grande multidão amiga, acotovelando-se de palavras na grande procissão do Destino".

Assim, nas páginas lindamente amareladas dos livros de sebos, vou ao encontro de sábios companheiros, para os mais interessantes e marcantes diálogos criativos. O silêncio da leitura é uma conversa profunda, concentrada, entre bons e velhos amigos.


Ivan Bilheiro
Juiz de Fora, 14/9/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
02. Os novos filmes de Iñárritu de Guilherme Carvalhal
03. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos
04. Cleópatra, a rainha enigmática de Gian Danton
05. A Nouvelle Vague e Godard de Humberto Pereira da Silva


Mais Ivan Bilheiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2010
09h33min
Ivan, que texto delicioso! Descreves com precisão as meta-leituras que também faço ao saborear livros comprados em sebos. São livros com personalidade, com mais de uma história para contar. Adorei!
[Leia outros Comentários de jandira feijó]
14/9/2010
17h33min
Eu estranhamente sofro do problema inverso. Não faço anotações nos livros. Em verdade, leio quase sem deixar vestígios de manipulação. Já comprei um livro duas vezes, uma para ler e, logo após o fim da leitura que deixou fortes vestígios, outra edição, para conservar. Terminei por presentear alguém com o livro usado. Já não me servia mais. Provavelmente é patológico. Também não gosto de ler um livro "comentado" por mais alguém. Um intruso na minha percepção. Detesto grifos, anotações, comentários, traduções. O livro, como objeto, é um caminho que devo trilhar sozinho com o autor (sim, há uma contradição nisso). Estranhamente, a leitura em e-books me libertou dessa patologia. Agora leio e faço anotações eletrônicas. Se quiser, posso retirar tudo e ler o texto como se fosse a vez.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
15/9/2010
16h42min
O livro é um produto barato para a economias de uns. Mas pra uma miséria que é o salário que recebemos no Brasil, 4 livros que eu compro na livraria já o ordenado do professor. Daí pra frente ele enche a barriga de informação, fica mais culto e morre de inanição.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
17/9/2010
00h21min
Curto muito os sebos de BH, pelas razões que descreve no texto: a possibilidade de conhecer gente que aprecia livros, e não apenas vendedores. Mas tem outra coisa incrível nos sebos: os livros ali trazem a possibilidade de te fazer viver a história, e não apenas lê-la. Explico: uma vez achei um cartão de Natal assinado em 1954 em um volume que comprei!!! Não fosse minha preguiça, teria sido algo como "O fabuloso destino de Amelie Poulain"!!! Quem nunca achou papéis ou pétalas em livros?
[Leia outros Comentários de Gerson C.]
17/9/2010
09h54min
Eu sempre compro livros no Sebo do Messias, na Praça da Sé. Antes ia até a loja física, mas, com a internet, tenho comprado pela loja virtual. Gosto de livros usados e também aprecio a marcação feita por quem já leu. Tenho um amigo que faz muitas anotações nas margens. Faço questão de ler os livros que ele já leu, para comentarmos depois. É o tipo de coisa que só quem gosta de livros "marcados" entende.
[Leia outros Comentários de Lais Vieira Viajante]
4/10/2010
13h28min
O seu texto me levou a escrever um sobre minha relação com os sebos no meu blog, gracias!
[Leia outros Comentários de michelem]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE GIVEN DAY
DENNIS LEHANE
WILLIAM MORROW
(2008)
R$ 35,00



TRATADO DE ANESTESIOLOGIA - VOLUMES 1 E 2
LUIZ MARCIANO CANGIANI E OUTROS
ATHENEU
(2006)
R$ 190,00



HISTÓRIA DA AMÉRICA
RAYMUNDO CAMPOS
ED. ATUAL
(1991)
R$ 4,90



COMÉRCIO INTERNACIONAL E LEGISLAÇÃO ADUANEIRA (ESQUEMATIZADO)
ROBERTO CAPARROZ
SARAIVA
(2014)
R$ 50,00



TEJE PRESO - CHICO ANÍSIO
CHICO ANÍSIO
ROCCO
(1975)
R$ 10,00



KAMA SUTRA - AS 101 POSIÇÕES MAIS SENSUAIS
ALICIA GALLOTTI
ACADEMIA
(2010)
R$ 25,00



MANDADO DE SEGURANÇA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA
HUGO DE BRITO MACHADO
DIALÉTICA
(2003)
R$ 10,00



POR CAUSA DO SR. TERUPT
JOHN IRVING
ROB BUYEA
(2015)
R$ 14,90



CASAS DE VAMPIROS
FLAVIO MEDEIROS
TARJA FECHOU
(2010)
R$ 35,00



PROJETO MULTIPLO - MATEMATICA 3
LUIZ ROBERTO DANTE
ATICA DIDÁTICOS
(2014)
R$ 37,90





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês