As minas de ouro (ou Os sebos) | Ivan Bilheiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Revista Dialética do Direito Tributário de Fernando Durão pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Plt 367 Contabilidade Gerencial de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas Anhanguera (2011)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Franscisco Baratti pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Le droit à la paresse de Paul Lafargue pela Mille et une nuits (1994)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Patricia Calmon pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Transcendentes de Luciana Alves da Costa;outros pela Sementes (2000)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de César Romero pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Services Marketing de Christopher H. Lovelock pela Prentice Hall (1996)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Alê Prade pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> África Em Cores de Ana Cristina Lemos pela Htc (2011)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Selma Daffré pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Duílio Ramos pela Oliveira Rocha (2010)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Iles de France Vues Du Ciel de M. Cotinaud; Dominique Cortesi; Entre Outros pela Chêne (1991)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> A Poética de Aristóteles - Mímese e Verossimilhança de Lígia Militz da Costa pela Ática (1992)
COLUNAS

Terça-feira, 14/9/2010
As minas de ouro (ou Os sebos)
Ivan Bilheiro
+ de 8200 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Tenho à minha frente cerca de setecentas páginas de puro Dostoiévski. A edição é linda, em dois volumes. Uma verdadeira obra-prima do mercado editorial. O cheiro ― aquele perfume que só os bibliófilos sabem apreciar com o mesmo prazer que um enólogo sorve os bons vinhos ― é bastante apreciável. Uma boa safra, posso dizer. Abro as páginas. Bom papel, boa textura, boa confecção. Tudo digno de um livro novo. Tudo, até mesmo o conteúdo: só há Dostoiévski, e nada mais.

Sou bibliófilo assumido, adoro livros. Mas, para continuar na analogia, da mesma forma que os degustadores de vinho podem ter suas preferências por determinados tipos, tenho as minhas. Prefiro os livros usados, já consumidos. Assim, frequento mais os sebos que as livrarias. Entrar em uma livraria é, como muitos já disseram, entrar em um novo mundo, no qual são oferecidas portas para muitos outros mundos, os mais diversos. Mas entrar em um sebo é melhor: as portas que ali são oferecidas muitas vezes trazem, também, boas companhias para as viagens. Além disso, tenho observado que os sebos são refúgio dos livreiros ― os verdadeiros, aqueles que gostam e conhecem, que curtem e apreciam seus produtos ― enquanto as livrarias vêm sendo invadidas pelos simpáticos vendedores de sorriso aberto que, com toda sua solicitude, quase nos enfiam livros goela abaixo, pelo puro ato do vender.

Vou ler Crime e Castigo. Estaremos eu e Dostoiévski, durante um bom tempo, juntos ― ou, como gosto de dizer, conversando. Não tenho a menor dúvida de que o personagem principal, Raskólnikov, me impressionará, pois já conheço alguma coisa da obra. Mas este passeio poderia ter algo mais, aquilo que só os livros usados trazem.

Há algum tempo, comprei o O Xangô de Baker Street, do Jô Soares. Comprei no sebo. Livro já folheado, de manuseio mais leve: amaciado. Na lateral: "Lu". Acredite, leitor: foi a marcação na lateral que me atraiu, a princípio. Peguei o livro na estante, olhei em cima: "Outubro/1995". Levei o livro para casa e, assim que decidi iniciar a leitura, minha companheira de viagem se apresentou: na folha de rosto, a assinatura: "Lucélia 28/10/95". Na página seguinte, ainda antes de qualquer frase do próprio Jô, tornamo-nos íntimos: "Lu" era o apelido que, agora, minha companheira assinava. "Essa gosta de assinar o nome!", pensei.

Primeira página de texto, Jô começa: "Às três horas da manhã, alguns negros escravos ainda podiam ser vistos saindo com barris cheios de lixo e excremento das casas das putas da rua do Regente". Lu havia marcado "podiam ser vistos". Puxou uma seta para o canto da página e foi categórica: "3 verbos? Melhor: eram". No fim da página (ainda a primeira), a constatação de Lu: "Períodos imensos". Sua crítica me divertia.

Assim foi ao longo do livro. Lu revelou-se uma crítica feroz do tipo de escrita de Jô Soares, mas, também, uma consciente apreciadora, já que seus comentários nem sempre eram críticos e sim, por vezes, elogiosos. Também foi uma boa tradutora: o texto possui algumas expressões em francês que Lu, gentilmente, traduzia para mim no canto da página. Minha leitura do Xangô foi, na verdade, um gostoso papo entre mim, o Jô e a Lu. Como três amigos. Críticas, risadas, conselhos, frases soltas. Houve de tudo.

Esse tipo de coisa não é só preferência minha. Lembro-me de ter lido O Príncipe, de Maquiavel, com os comentários geniais de Napoleão Bonaparte. A edição trazia isso, o que mostra que o negócio é vendável. Sobretudo neste caso, com estes dois titãs.

Tenho próximo à minha mesa um mural, onde preguei uma folha com alguns conselhos de leitura e escrita que encontrei na internet e que gosto de sempre estar lembrando. Entre eles: "Ler com um lápis na mão. E usá-lo". Faço isso sempre: ao longo das páginas, faço minhas marcações, minhas anotações. Por isso mesmo digo que minhas leituras são sempre boas conversas com os autores ― acho que Descartes também dizia isso. Mas os livros de sebos são conversas melhores, porque têm vários participantes, cada um com seu momento de falar, sem atropelos, e com a possibilidade de pararmos para fazer as devidas reflexões na medida em que os dizeres nos lancem a isso.

Meu Livro do Desassossego (comprado no sebo), do heterônimo Bernardo Soares de Fernando Pessoa tem uma marcação, feita por um outro companheiro de viagem, sobre uma passagem que trata mais ou menos do que falo aqui. Ao lado da marcação dele, coloquei um baita ponto de exclamação. Assim, quando conversávamos sobre isso, concordamos eu, Bernardo, Fernando e o anônimo amigo que fez a marcação, que é a seguinte: "Regra é da vida que podemos, e devemos, aprender com toda a gente. Há coisas da seriedade da vida que podemos aprender com charlatães e bandidos, há filosofias que nos ministram os estúpidos, há lições de firmeza e de lei que vêm no acaso e nos que são do acaso. Tudo está em tudo. Em certos momentos muito claros de meditação, como aqueles em que, pelo princípio da tarde, vagueio observante pelas ruas, cada pessoa me traz uma notícia, cada casa me dá uma novidade, cada cartaz tem um aviso para mim. Meu passeio calado é uma conversa contínua, e todos nós, homens, casas, pedras, cartazes e céu, somos uma grande multidão amiga, acotovelando-se de palavras na grande procissão do Destino".

Assim, nas páginas lindamente amareladas dos livros de sebos, vou ao encontro de sábios companheiros, para os mais interessantes e marcantes diálogos criativos. O silêncio da leitura é uma conversa profunda, concentrada, entre bons e velhos amigos.


Ivan Bilheiro
Juiz de Fora, 14/9/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ivan Bilheiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2010
09h33min
Ivan, que texto delicioso! Descreves com precisão as meta-leituras que também faço ao saborear livros comprados em sebos. São livros com personalidade, com mais de uma história para contar. Adorei!
[Leia outros Comentários de jandira feijó]
14/9/2010
17h33min
Eu estranhamente sofro do problema inverso. Não faço anotações nos livros. Em verdade, leio quase sem deixar vestígios de manipulação. Já comprei um livro duas vezes, uma para ler e, logo após o fim da leitura que deixou fortes vestígios, outra edição, para conservar. Terminei por presentear alguém com o livro usado. Já não me servia mais. Provavelmente é patológico. Também não gosto de ler um livro "comentado" por mais alguém. Um intruso na minha percepção. Detesto grifos, anotações, comentários, traduções. O livro, como objeto, é um caminho que devo trilhar sozinho com o autor (sim, há uma contradição nisso). Estranhamente, a leitura em e-books me libertou dessa patologia. Agora leio e faço anotações eletrônicas. Se quiser, posso retirar tudo e ler o texto como se fosse a vez.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
15/9/2010
16h42min
O livro é um produto barato para a economias de uns. Mas pra uma miséria que é o salário que recebemos no Brasil, 4 livros que eu compro na livraria já o ordenado do professor. Daí pra frente ele enche a barriga de informação, fica mais culto e morre de inanição.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
17/9/2010
00h21min
Curto muito os sebos de BH, pelas razões que descreve no texto: a possibilidade de conhecer gente que aprecia livros, e não apenas vendedores. Mas tem outra coisa incrível nos sebos: os livros ali trazem a possibilidade de te fazer viver a história, e não apenas lê-la. Explico: uma vez achei um cartão de Natal assinado em 1954 em um volume que comprei!!! Não fosse minha preguiça, teria sido algo como "O fabuloso destino de Amelie Poulain"!!! Quem nunca achou papéis ou pétalas em livros?
[Leia outros Comentários de Gerson C.]
17/9/2010
09h54min
Eu sempre compro livros no Sebo do Messias, na Praça da Sé. Antes ia até a loja física, mas, com a internet, tenho comprado pela loja virtual. Gosto de livros usados e também aprecio a marcação feita por quem já leu. Tenho um amigo que faz muitas anotações nas margens. Faço questão de ler os livros que ele já leu, para comentarmos depois. É o tipo de coisa que só quem gosta de livros "marcados" entende.
[Leia outros Comentários de Lais Vieira Viajante]
4/10/2010
13h28min
O seu texto me levou a escrever um sobre minha relação com os sebos no meu blog, gracias!
[Leia outros Comentários de michelem]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Odisseia
Ruth Rocha
Salamandra
(2011)



Centenário do Hospital Nossa Senhora das Dores de Ponte Nova
Desconhecido
Imprensa Oficial
(1973)



Um Estranho no Ninho
Ken Kesey
Best Bolso
(2013)



Frauen der liebe Hortense Von Beauharnais
Freundin des Zaren Alexandres I
Druck und Verlag



Não se apega, não
Isabela Freitas
Intrínseca
(2014)



Guia de Conversação Langenscheidt - Italiano
Monica Stahel
Martins Fontes
(1999)



Operations Research
Wayne Winston
Thomson Brooks Cole
(2004)



Virus Clans
Michael Kanaly
Ace Charter
(1998)



Volumes 1, 2, 3 e 4: Grandes Fatos do Século XX vinte
Barnabé Medeiros Filho et al
RioGráfica



Livro Literatura Estrangeira Moon Palace
Paul Auster
Penguin Books
(1990)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês