A firma como ela é | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/7/2014
A firma como ela é
Adriane Pasa
+ de 5100 Acessos

Relutei em fazer um texto com temas corporativos, mas não resisti. Essa vida que a gente leva na "firma" precisa ser levada a público, compartilhada de alguma forma com playboys, artistas, profissionais liberais, donas de casa, neohippies ou qualquer pessoa de pouca sorte que não faça parte deste maravilhoso mundo que não é de Marlboro. São dias tão intensos de trabalho e prazer, estresse e fúria e entre mortos e feridos, todo mundo está lá no dia seguinte de novo com um sorriso meio amarelo para garantir um holerite decente no fim do mês.

A grande verdade (pelo menos para mim, que faço parte desta fantástica experiência há bastante tempo) é que o mundo corporativo nada mais é do que um microcosmo do que se vive "lá fora". É onde está o verdadeiro significado de diversidade (palavra da moda) e resiliência. E chatice. E gente careta. Claro, tem a parte boa. Senão 90% do mundo já teria explodido em AVC ou assassinado seus colegas com uma metralhadora. Mas acho que a melhor parte só é vista por quem tem lentes bem-humoradas ou não se leva tão a sério assim. Não há nada mais chato que aquele que acha a sua profissão ou função a coisa mais importante do mundo, que entra nas reuniões com cara de quem está entrando na sala da ONU, que idolatra o chefe, que coloca a empresa como a coisa mais importante de sua vida, que tem discurso pronto, que diz que "detesta falhar", que não consegue rir das situações mais hilárias do mundo (que estão com certeza no mundo corporativo). Estas pessoas acabam virando um "tipo", caricaturas de si mesmas que podem perder a credibilidade e admiração com o passar do tempo, principalmente entre os mais jovens, que não estão nem aí pra maioria das baboseiras tradicionais do mundo empresarial. Tenho fé que essa geração nova vai mudar um pouco o dia a dia das corporações. Acho que já está mudando. Porque tudo poderia ser mais fácil, menos burocrático e as relações hierárquicas muito mais simples.

Tem uma definição de dicionário que explica o que é corporação assim: "Corporação é um grupo de pessoas que agem como se fossem um só corpo, uma só pessoa, buscando um resultado comum". E é exatamente aí que mora a confusão, porque nem todo mundo trabalha desta forma. Óbvio que cada empresa tem sua missão e seus valores e quem não concorda com isso que vá buscar outro emprego (afinal, é tão fácil, rápido e tranquilo arrumar outro emprego de uma hora pra outra). Mas, como acontece na vida em sociedade, nas empresas também têm muita gente preocupada só com seu próprio umbigo. Junte a isso o convívio de oito horas diárias com aqueles que chamamos de colegas de trabalho e são totalmente diferentes de nós, alguns com egos tão inflados que precisam dormir em beliches (uma cama para si e outra para o ego). Pronto, temos um desafio. "Desafio", aliás, é uma palavra que virou um clichê muito bem usado no mundo corporativo para disfarçar o que na verdade nada mais é do que um grande "pepino" pra resolver. Antigamente chamar um funcionário e dizer "temos um desafio para você" era algo bom, a pessoa sentia-se privilegiada, com o ego lá em cima. Hoje, a tal geração Y dá uma risadinha desse lugar-comum e já sabe que a tradução disso é "lá vem bomba!". Esperto esse povo que cresceu tomando Toddynho na cama. Eles põem a mão na massa e encaram as coisas, mas sem hipocrisia e com um pouco mais de leveza.

Outros termos também são usados para disfarçar o verdadeiro significado das coisas no mundo empresarial. Por exemplo, "feedback" = bronquinha light pra ver se a pessoa se toca que precisa melhorar, geralmente antes de mandá-la embora. "Coaching" = orientação para a pessoa que não se toca de jeito nenhum e o chefe já cansou dela e terceirizou o serviço para um profissional de aconselhamento, que tem mais paciência e técnicas para lidar com isso. Geralmente serve pra gente que não sabe de qual caminhão caiu. "Benchmark" = ato de verificar o que outro faz de melhor, porque ele é muito melhor que você, senão você não iria atrás disso. "Brainstorm" = conversa maluca onde todos falam ao mesmo tempo e todo mundo quer aparecer mais e anotam ideias que acreditam que servirão pra alguma coisa, mas na verdade, a maioria acaba engavetada. "Budget" = grana curta que se tem para os projetos anuais, mas podem cortar ou revisar a qualquer momento. "Deadline" = prazo final que nunca é o final de verdade, pois se disserem a verdade as pessoas se enrolam e entregam um dia depois. "Empowerment" = aquilo que nunca deveriam dar a certas pessoas e deveriam dar a outras . "Job rotation" = troca de trabalhos e projetos entre funcionários e áreas, que serve na verdade para comprovar que alguns são incompetentes em qualquer lugar mesmo e que outros são tão bons que podem trabalhar em qualquer projeto que vai dar certo. "Stand-by" = termo que geralmente o pessoal da gestão usa para acalmar os ânimos, mas na verdade é algo que nunca mais vai sair do papel, por mais que digam que é só uma pausa. "Turnover"= índice que quando está alto indica que a empresa é realmente um lugar horrível de se trabalhar e ninguém deveria mandar currículos pra lá mesmo que o salário seja alto. "Workaholic" = pessoa que não tem vida pessoal ou tem e odeia, geralmente é quem tem marido ou mulher chata e detesta ir para casa. Aí quer que todos os funcionários, ops, colaboradores também fiquem trabalhando até mais tarde junto com ela. Ai, que dó. Dos colaboradores.

O cinema já produziu alguns filmes muito bons sobre este tema. Segue uma lista com alguns que recomendo. São histórias que mostram aspectos do cotidiano de forma cômica, exagerada ou trágica. Quem não faz parte deste mundo cheio de códigos terá a oportunidade de assistir a cenas que traduzem um pouco essa vida louca. Os pobres mortais que fazem parte disso e batem seu ponto todo dia podem ver como a arte imita a firma e relaxar um pouco. Antes de matar seu chefe, colega ou a impressora, sugiro que assistam.

Como Enlouquecer seu Chefe (Office Space, 1999), de Mike Judge. - Cult movie, uma das melhores comédias que eu já vi. Tem uma cena com uma impressora que é simplesmente fantástica e tem até paródia. (O povo da T.I. vai adorar este filme)

O que Você Faria? (El Método, 2005), de Marcelo Pineyro - Sete executivos disputam uma única vaga em uma empresa e o filme se passa todo em uma sala onde começa uma espécie de jogo e muito "sangue no zóio".

O Diabo Veste Prada (The Devil Wears Prada, 2006), de David Frankel - ótimas atuações e figurino fashion pra qualquer mulher pirar. Vai fazer você achar a sua chefe uma santa.

The Office, série de humor de TV exibida pela NBC, criada por Ricky Gervais, Greg Daniels e Stephen Merchant, adaptada de uma série britânica de mesmo nome. Ou pode ser uma série britânica que foi adaptada para os americanos. É uma overdose de escritório num humor impagável, as duas versões são boas, cada uma com seu típico humor.

O Corte (Le Couperet, 2005), de Costa-Gavras. Roteiro adaptado de um livro de mesmo nome, com o excelente ator Bruno Davert como protagonista, é um filme de tirar o fôlego. Um cara desempregado simplesmente sai matando todos que têm a sua profissão na cidade, para que ele consiga uma vaga. Ixi, tô dando ideia.

Se Meu Apartamento Falasse (The Apartment, 1960), de Billy Wilder. Um puxa-saco resolve agradar os chefes e empresta o apartamento para encontros com a mulherada. Só podia dar confusão. Um clássico.

Deixo vocês com a música do Tim Maia, dizendo o que ninguém tem coragem de admitir. Afinal, todo mundo tem contas pra pagar, né? ;-P



Adriane Pasa
Curitiba, 7/7/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sua Excelência, o Ballet de Londrina de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Morte da Ficção? de Daniel Aurelio


Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa em 2014
01. Casamento atrás da porta - 3/2/2014
02. Quando morre uma paixão - 22/9/2014
03. Eu podia estar matando, podia estar roubando - 7/4/2014
04. A firma como ela é - 7/7/2014
05. Mamilos - 10/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sem Pecado
Ana Miranda
Companhia das Letras
(1993)



Aprendendo o que jamais se ensina- o quê? Como ?
Celso Antunes
Livro Técnico
(2004)



The Open Society and Its Enemies - 2 Volumes
K. R. Popper
Routledge
(1986)



O Natural é Ser Inteligente
Dawna Markova
Summus
(2000)



Tex Desafio de Gigantes
Giannluigi Bonelli
Mythos
(2021)



Canto Para Uma Vida Que Não Faz Sentido
Anasio Silva
Autografia
(2018)



Livro Religião Reparando Erros
Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho
Petit
(1998)



O Violoncelista
Kenji Miyazawa
Sm
(2009)



Ensaios do Assombro
Peter Pál Pelbart
N-1
(2019)



A história do futuro de Glory O'Brien
A.S. King
Gutenberg
(2017)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês