Anonimato: da literatura à internet | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
>>> In the Line of Fire
Mais Recentes
>>> The Secret / O Segredo Capa Dura de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> Calunga - Um dedinho de prosa de Luiz Antonio Gasparetto pela Vida e Consciência (1999)
>>> I Am Malala de Malala Yousafzai pela Litle Brown (2014)
>>> Waking Deas Happen de Scott Belsky pela Portfolio (2010)
>>> DONO de Marcelo Toledo pela Alta Books (2013)
>>> Administrando em Tempos de GrandesMudanças de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
>>> Um Dia de David Nicholls pela Intrínseca (2011)
>>> Um Cuerpo Para Toda Uma Vida de Txumari Alfaro pela Ediciones B (2008)
>>> Insanely Simple The Obsession That Drives Apple's Sucess de Ken Segall pela Penguin (2012)
>>> Fogo Cruzado de James Patterson pela Arqueiro (2012)
>>> O Alemão Veio Nos Visitar de Rosana Leal pela Portal (2017)
>>> O Castelo das Almas Feridas de Herman Poliakoff pela Petit (2004)
>>> UNIX Systems Programing de David A. Curry pela Nutshell (1996)
>>> Fibrilação Atrial de Dalmo Antonio Ribeiro Moreira pela Lemos (2005)
>>> Fibrilação Atrial de Dalmo Antonio Ribeiro Moreira pela Lemos (2005)
>>> Incidente em Antares de Erico Verissimo pela Círculo do Livro (1975)
>>> Cinquenta Tons De Cinza de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons De Liberdade de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> MINAS: Cidades Barrocas de Renée Lefère/Silvio de Vasconcelos pela CEN (1979)
>>> Design for Hackers de David Kadavy pela Wiley (2011)
>>> The Forces of Mars de Bruce Balfour pela ACE (2002)
>>> The Digital Dead de Bruce Balfour pela ACE (2003)
>>> Contemporary Marketing Research de Carl McDaniel/Roger Gates pela South Western (1999)
>>> Cozinhando com Yogurte de Elaine Hallgarten pela Marco Zero (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/7/2009
Anonimato: da literatura à internet
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Nunca recebi cartas anônimas, nem no tempo das cartas. Lembro-me no máximo de um poema sem assinatura, deixado em cima de minha carteira escolar, e também dos bilhetinhos do "correio elegante" em festas juninas distantes. Nem sei se contam, porque os remetentes não eram tão desconhecidos assim. Carta anônima de verdade, daquelas de estremecer relações e mudar o rumo das histórias, só existia na ficção. Revelava adultérios em dramas épicos ou pedia resgates, com letras recortadas de revistas, em romances policiais.

O anonimato muitas vezes era mantido até a última linha ― do conto, não apenas da carta. Em "A cartomante", de Machado de Assis, o autor dos bilhetes ameaçadores recebidos pelo personagem Camilo, amante da esposa de seu melhor amigo, permanece incógnito para sempre. Fica a cargo do leitor imaginar quem estaria por trás de um ritual tão arriscado, que deixava um rastro de escolhas e pistas: papel, pena, letra e selo, quando não um portador. O anonimato prevalecia, em parte, porque a vítima estava impedida de investigar ― como Camilo, também era culpada.

Mas tudo isso, como sabemos, era no tempo das cartas. Hoje, nos correspondemos por e-mails e redes sociais. E o anonimato... bem, o anonimato está por toda parte. Em algumas dessas redes, como em comunidades do Orkut, são quase regra. Descobrir a identidade por trás de um perfil fake, ilustrado por foto copiada da internet, é para iniciados. Nos comentários, a opção "anônimo" é oferecida sem pudores em blogs e comunidades virtuais. Não raro somos aconselhados por especialistas em segurança: não seja você, tenha um e-mail falso para eventualidades, como cadastros que podem gerar spams.

Tento me acostumar, juro, mas confesso que acho tudo muito estranho. Na literatura, o anonimato tinha lá o seu glamour, talvez pelas dificuldades que a estratégia impunha. Nos tempos modernos, as facilidades tecnológicas deram um ar moleque para os bilhetes anônimos, como se escrever fosse tão banal quanto um trote telefônico. Por sinal, não sei que fim levaram os trotes, se foram abandonados por causa dos identificadores de chamada (bina) ou se a garotada achou diversão melhor nos computadores. Nestes, dá para pregar peças o dia inteiro, sem pagar pelas ligações ― basta que o papai banque a banda larga, crente que está ajudando no dever de casa.

Como já passei meus trotes na infância, não vou dar lição de moral. Recordo-me do coração batendo acelerado, enquanto o mais corajoso do grupo punha-se a girar aleatoriamente o disco do telefone com o dedo. "Alô, é do açougue?", perguntava o líder. Note que havia açougues naquela época. Os outros em volta grudavam o ouvido no fone, tentando captar toda a emoção da traquinagem. Mesmo com o anonimato garantido, havia o sentimento de transgressão, e também um tiquinho de culpa, típica de quem já está aprendendo o que é certo e errado. Penso que hoje, se eu atendesse um trote ingênuo desses, daria uma boa gargalhada. Melhor que telemarketing ou presidiário forjando sequestro.

Se você não conhece o final do trote do açougue, não sou eu quem vai contar. Provavelmente acharia tolo, porque afinal somos adultos agora. Ou pelo menos deveríamos ser. Quando vejo a disseminação de perfis fake, xingamentos anônimos e outras práticas que se disseminaram no ambiente adulto da internet, tenho minhas dúvidas. Sou a única sem paciência? O que leva alguém a escrever secretamente um texto e divulgá-lo como se fosse de Luis Fernando Verissimo? Imagino esta pessoa divertindo-se com o trote e vibrando ao pensar nos trouxas a repassar a corrente, exatamente como exultávamos diante da imagem do vizinho bufando depois de bater o telefone. No entanto, devemos considerar um detalhe: a idade dos anônimos de hoje. Minha intuição é que já passaram dos 10 anos há muito tempo.

Diante da zombaria pseudoinfantil, flagro-me ranzinza, sem tolerância para as piadas que se repetem. Dou um sorriso amarelo para a fotomontagem que finge ser uma imagem espetacular, deleto a campanha viral travestida de utilidade pública, descarto comentários com indícios de provocação. Tanto conhecimento (e diversão real) disponível na rede, e preciso perder tempo tentando identificar os chatos anônimos, infiltrados na festa. Isso sem falar que alguns deles, se lhes for dada a chance de interatividade, podem transformar-se em agressivos trolls, segundo fui alertada.

Quando dei por mim, já tinha adotado a regra: na dúvida, bloqueie, delete, ignore. E não se aborreça. Desligue o computador e vá ver gente de carne e osso nas ruas; quem sabe assistir a um filme ou ler um livro, daqueles com as palpitantes cartas anônimas de antigamente.

Veja o caso do Twitter. Estava pensando seriamente em experimentar, quando presenciei alguns de seus entusiastas, com mais traquejo em redes sociais do que eu, festejar precipitadamente a adesão de personalidades à ferramenta. Teoricamente, seriam políticos e artistas importantes, se rendendo ao futuro. Em seguida, vinha a constatação: não eram os próprios. Eram pessoas que escreviam como se fossem eles. Suspirei. Pensei: ai, que cansaço, só de imaginar em ter de separar o joio do trigo para poder usufruir da nova rede social que se tornará velha daqui a pouco. Quem sabe, no próximo Twitter, já estarei mais acostumada com os chatos anônimos da internet. Aí prometo que entro. Com meu nome e sobrenome.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 24/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
02. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
03. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
04. Por um corpo doente, porém, livre de Lívia Corbellari
05. Deus: uma invenção?, de René Girard de Ricardo de Mattos


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/7/2009
10h17min
É incrível como essas verdades estão estampadas na nossa cara e, mesmo assim, acabamos por nos deixar iludir com elas. Uma coisa que me aterroriza é pensar naquelas pessoas corajosas que conseguem namorar estranhos, sem referência alguma. Não são nem os primos do amigo do vizinho da colega da manicure. Nada, completos estranhos!
[Leia outros Comentários de Kellen Gasque]
24/7/2009
10h45min
Os anônimos são chatos e ser anônimo também é chato quando se precisa divulgar um trabalho para que outras pessoas possam ver e julgar se é de qualidade ou não. Enfim, tudo acaba sendo uma chatice, mesmo. Gosto muito dos teus textos e, mesmo não sendo sua intenção dar um ar de nostalgia às velhas cartas anônimas e não-anônimas, sinto falta desse período em que a pessoalidade trazia um acalento quando o correio ia à porta.
[Leia outros Comentários de Amábile Grillo]
9/8/2009
17h06min
Podemos ler a internet, em especial as redes sociais, como um grande livro de ficção, onde os autores e os personagens, às vezes involuntários, somos nós. Cansei de verificar se as informações que me encaminhavam eram verdeiras. Uso o Twitter para escrever textos de ficção e jamais penso que o sujeito que assina Mauricio de Sousa seja o próprio (ainda que o Twitter seja dele mesmo). Talvez seja melhor comprar um bom livro.
[Leia outros Comentários de Alvaro Domingues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Busca do Eu
Shirley Maclaine
Record
(1989)



Sabor de Loucura
J. a. Gueiros
Expressão e Cultura
(2001)



Geometria Analítica
Genésio Lima dos Reis
Ltc
(1996)



Em Defesa do Marxismo
Julio Magri
Outubro
(1992)



Títulos de Crédito
Luiz Emygdio e Outro
Renovar
(2000)



Entre o Sonho e a Realidade Autografado
Helio Moreira
Kelps
(2001)



Introdução a Teoria Geral da Administração - Itga - 8ª Edição
Idalberto Chiavenato
Campus
(2011)



O Dia do Terror
Edgar Wallace
Francisco Alves
(1981)



Santorini
Alistair Maclean
Best Seller
(1986)



Microondinhas para Bebês & Crianças
Eileen Behan
Melhoramentos
(1992)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês