Anonimato: da literatura à internet | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/7/2009
Anonimato: da literatura à internet
Marta Barcellos

+ de 2600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Nunca recebi cartas anônimas, nem no tempo das cartas. Lembro-me no máximo de um poema sem assinatura, deixado em cima de minha carteira escolar, e também dos bilhetinhos do "correio elegante" em festas juninas distantes. Nem sei se contam, porque os remetentes não eram tão desconhecidos assim. Carta anônima de verdade, daquelas de estremecer relações e mudar o rumo das histórias, só existia na ficção. Revelava adultérios em dramas épicos ou pedia resgates, com letras recortadas de revistas, em romances policiais.

O anonimato muitas vezes era mantido até a última linha ― do conto, não apenas da carta. Em "A cartomante", de Machado de Assis, o autor dos bilhetes ameaçadores recebidos pelo personagem Camilo, amante da esposa de seu melhor amigo, permanece incógnito para sempre. Fica a cargo do leitor imaginar quem estaria por trás de um ritual tão arriscado, que deixava um rastro de escolhas e pistas: papel, pena, letra e selo, quando não um portador. O anonimato prevalecia, em parte, porque a vítima estava impedida de investigar ― como Camilo, também era culpada.

Mas tudo isso, como sabemos, era no tempo das cartas. Hoje, nos correspondemos por e-mails e redes sociais. E o anonimato... bem, o anonimato está por toda parte. Em algumas dessas redes, como em comunidades do Orkut, são quase regra. Descobrir a identidade por trás de um perfil fake, ilustrado por foto copiada da internet, é para iniciados. Nos comentários, a opção "anônimo" é oferecida sem pudores em blogs e comunidades virtuais. Não raro somos aconselhados por especialistas em segurança: não seja você, tenha um e-mail falso para eventualidades, como cadastros que podem gerar spams.

Tento me acostumar, juro, mas confesso que acho tudo muito estranho. Na literatura, o anonimato tinha lá o seu glamour, talvez pelas dificuldades que a estratégia impunha. Nos tempos modernos, as facilidades tecnológicas deram um ar moleque para os bilhetes anônimos, como se escrever fosse tão banal quanto um trote telefônico. Por sinal, não sei que fim levaram os trotes, se foram abandonados por causa dos identificadores de chamada (bina) ou se a garotada achou diversão melhor nos computadores. Nestes, dá para pregar peças o dia inteiro, sem pagar pelas ligações ― basta que o papai banque a banda larga, crente que está ajudando no dever de casa.

Como já passei meus trotes na infância, não vou dar lição de moral. Recordo-me do coração batendo acelerado, enquanto o mais corajoso do grupo punha-se a girar aleatoriamente o disco do telefone com o dedo. "Alô, é do açougue?", perguntava o líder. Note que havia açougues naquela época. Os outros em volta grudavam o ouvido no fone, tentando captar toda a emoção da traquinagem. Mesmo com o anonimato garantido, havia o sentimento de transgressão, e também um tiquinho de culpa, típica de quem já está aprendendo o que é certo e errado. Penso que hoje, se eu atendesse um trote ingênuo desses, daria uma boa gargalhada. Melhor que telemarketing ou presidiário forjando sequestro.

Se você não conhece o final do trote do açougue, não sou eu quem vai contar. Provavelmente acharia tolo, porque afinal somos adultos agora. Ou pelo menos deveríamos ser. Quando vejo a disseminação de perfis fake, xingamentos anônimos e outras práticas que se disseminaram no ambiente adulto da internet, tenho minhas dúvidas. Sou a única sem paciência? O que leva alguém a escrever secretamente um texto e divulgá-lo como se fosse de Luis Fernando Verissimo? Imagino esta pessoa divertindo-se com o trote e vibrando ao pensar nos trouxas a repassar a corrente, exatamente como exultávamos diante da imagem do vizinho bufando depois de bater o telefone. No entanto, devemos considerar um detalhe: a idade dos anônimos de hoje. Minha intuição é que já passaram dos 10 anos há muito tempo.

Diante da zombaria pseudoinfantil, flagro-me ranzinza, sem tolerância para as piadas que se repetem. Dou um sorriso amarelo para a fotomontagem que finge ser uma imagem espetacular, deleto a campanha viral travestida de utilidade pública, descarto comentários com indícios de provocação. Tanto conhecimento (e diversão real) disponível na rede, e preciso perder tempo tentando identificar os chatos anônimos, infiltrados na festa. Isso sem falar que alguns deles, se lhes for dada a chance de interatividade, podem transformar-se em agressivos trolls, segundo fui alertada.

Quando dei por mim, já tinha adotado a regra: na dúvida, bloqueie, delete, ignore. E não se aborreça. Desligue o computador e vá ver gente de carne e osso nas ruas; quem sabe assistir a um filme ou ler um livro, daqueles com as palpitantes cartas anônimas de antigamente.

Veja o caso do Twitter. Estava pensando seriamente em experimentar, quando presenciei alguns de seus entusiastas, com mais traquejo em redes sociais do que eu, festejar precipitadamente a adesão de personalidades à ferramenta. Teoricamente, seriam políticos e artistas importantes, se rendendo ao futuro. Em seguida, vinha a constatação: não eram os próprios. Eram pessoas que escreviam como se fossem eles. Suspirei. Pensei: ai, que cansaço, só de imaginar em ter de separar o joio do trigo para poder usufruir da nova rede social que se tornará velha daqui a pouco. Quem sabe, no próximo Twitter, já estarei mais acostumada com os chatos anônimos da internet. Aí prometo que entro. Com meu nome e sobrenome.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 24/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Nos brancos corredores de Mercúrio de Elisa Andrade Buzzo
03. A grama do vizinho de Adriane Pasa
04. Discutir, debater, dialogar de Duanne Ribeiro
05. Você vem sempre aqui? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/7/2009
10h17min
É incrível como essas verdades estão estampadas na nossa cara e, mesmo assim, acabamos por nos deixar iludir com elas. Uma coisa que me aterroriza é pensar naquelas pessoas corajosas que conseguem namorar estranhos, sem referência alguma. Não são nem os primos do amigo do vizinho da colega da manicure. Nada, completos estranhos!
[Leia outros Comentários de Kellen Gasque]
24/7/2009
10h45min
Os anônimos são chatos e ser anônimo também é chato quando se precisa divulgar um trabalho para que outras pessoas possam ver e julgar se é de qualidade ou não. Enfim, tudo acaba sendo uma chatice, mesmo. Gosto muito dos teus textos e, mesmo não sendo sua intenção dar um ar de nostalgia às velhas cartas anônimas e não-anônimas, sinto falta desse período em que a pessoalidade trazia um acalento quando o correio ia à porta.
[Leia outros Comentários de Amábile Grillo]
9/8/2009
17h06min
Podemos ler a internet, em especial as redes sociais, como um grande livro de ficção, onde os autores e os personagens, às vezes involuntários, somos nós. Cansei de verificar se as informações que me encaminhavam eram verdeiras. Uso o Twitter para escrever textos de ficção e jamais penso que o sujeito que assina Mauricio de Sousa seja o próprio (ainda que o Twitter seja dele mesmo). Talvez seja melhor comprar um bom livro.
[Leia outros Comentários de Alvaro Domingues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês