O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> A Educação Sexual de Nossos Filhos- Uma Visão Contemporânea de Ronald Pagnoncelli de Souza pela Mercado Aberto (1993)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> O Monge e o Executivo de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> Quem Mexeu no mau Queijo de Spencer Jonhson, M.D. pela Record (2007)
>>> O Quinto Evangelho de Apóstolo Tomé pela Martin Claret (2005)
>>> Companheiros de Jornada de Anngela Marcondes Jabor pela Mystic (2004)
>>> Curso de Educação Mediúnica 2º Ano de Autores Diversos pela Feesp (1991)
>>> Vendo o Invisível de Argemiro Figueiro pela Adhonep (1998)
>>> Meu Anjo de Fausto Oliveira pela Seame (1996)
>>> Anjos da Caridade de Irmão Virgílio pela Petit (2007)
>>> Sou Exu Eu sou a Luz ... de Joice Piacente pela Madras (2013)
>>> Combatendo o Inimigo de Antonio Carlos Rodrigues de Moraes pela Gente (1999)
>>> Maiores de 40 de Maria Tereza Maldonado e Alberto Goldin pela Saraiva (1995)
>>> A Maior Esperança de Luís Gonçalves E Diego Cavalcanti pela Cpb (2019)
>>> Descubra sua Essência Espiritual de Iyanla Vanzant pela Sextante (2007)
>>> 208 Maneiras de Deixar um Homem Louco de Desejo de Margot Saint- Loup pela Ouro (1999)
>>> Me Apaixonei por um Idiota de Marcelo Puglia pela Matrix (2009)
>>> A Maior Jornada de Todos os Tempos de Amilcar Del Chiaro Filho pela Minas (2002)
>>> Milagres que A Medicina não Contou de Dr. Roque Marcos Savioli pela Ágape (2002)
>>> Gotas de Cura Interior de Pe. Léo, SCJ pela Canção Nova (2006)
>>> Encanto Das Fabulas - V. 2 de Mauricio Heitor pela Base (2012)
>>> De Menina a Mulher de Drica Pinotti pela Alegro (2001)
>>> Dez Amores de Mlacolm Montgomery pela Gente (2000)
>>> Não Leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> A Hora da Virada de Cyro Masci pela Saraiva (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 18/7/2017
O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
Duanne Ribeiro

+ de 2100 Acessos

O conceito de lugar de fala — a ideia de que as perspectivas de cada qual são marcadas pela sua situação, pelos custos e riscos das suas ações, pelos seus recursos e ferramentas particulares – é produtivo; pode nos equipar para construir potencialidades e destruir posturas arraigadas. Diz algo sobre nós e nos estimula a atentar ao que os outros dizem de si — e também expõe os desníveis entre o que um e outro podem perceber.

Essa dialética de construção e destruição se evidencia no confronto entre em duas peças recentes que tratam do racismo a partir de lugares de fala distintos – Branco: o Cheiro do Lírio e do Formol, dirigida por Alexandre del Farra, e A Missão em Fragmentos: 12 Cenas de Descolonização em Legítima Defesa, dirigida por Eugênio Lima. Grosso modo, a primeira aborda o tema da discriminação do ponto de vista dos brancos e a segunda pela perspectiva dos negros. Minha tese é que acabam sendo complementares.

Não é uma proposição muito segura. A Missão se desenvolve a partir de uma militância informada e contundente, que age em várias instâncias, não só artísticas. Branco pode soar (e soou) regressiva a movimentos dessa tendência, desvirtuante, umbiguista, sem nada a acrescentar. Proponho: trata-se não de uma oposição, mas de posicionamentos distintos em relação a um espectro de vivências. Veremos se isso se sustenta.

O Lugar de Fala de Quem Deve Ouvir
Branco põe em tensão dois níveis de discurso: cenas de uma família insólita, com gosto de teatro do absurdo; e uma espécie de making of do espetáculo, falas sobre o processo criativo, registros audiovisuais dos ensaios e das pesquisas, encenações de trechos das ideias abandonadas da peça. Ritmando a narrativa com esses dois polos, intercala-se um retrato de coexistência disfuncional com um discurso sobre como foi impossível levar ao palco uma montagem sobre o racismo. Branco é a história de um fracasso.

Alexandre del Farra escreveu argumentos para uma peça de denúncia antirracista, duas ou mais versões, apresentadas a consultores negros, que lhe mostraram que a peça era problemática, pela desinformação política e vivencial que estava em sua base. Note-se: não se chegou a um espetáculo enfim mais bem formado; chegou-se a algo “quebrado”, que soma incompatibilidades. Um fracasso, não um aprendizado. A narrativa expõe uma aquisição de conhecimentos, contudo, é um acúmulo que gera ou explicita um déficit.

É um entre momentos de amadurecimento político. Entendo que haja reações fortes de militantes negros, como a Stephanie Ribeiro, que chamou a peça de “desserviço” — ela sabe que, mais do que ouvir o que os brancos podem dizer do seu racismo ou do racismo dos outros, precisamos é ouvir os negros; e que seria mais benéfico à luta que os negros por si ou, ao menos, convidados também ao palco, expusessem essa problemática. Mas o que eu acho que essa linha de pensamento deixa escapar é que é necessário, também, tematizar essa experiência de decepção consigo mesmo, de vontade frágil de empatia.

Branco é um romance de formação que não se encerra com um indivíduo completado, mas com um sujeito que se percebe informe: retrata o abalo de quem descobre que o humanismo é no mais das vezes insuficiente para delimitar e combater o racismo; de quem se descobre, a despeito das boas intenções, racista — não uma “pessoa ruim”, sem empatia, cruel ou maligna, ainda assim sutil, diária e estruturalmente racista.

Essa descoberta é disparada por ouvir os negros, por saber através deles de experiências que não temos como conhecer pelas pretensões da razão. Entrei em contato com falas e leituras nesse sentido e isso me modificou. Por ter sido educado, senti, frente às cenas do que se tornaria Branco, certa vergonha: eram, claramente, erros de perspectiva e de ação. Bastaria ter se aberto ao outro, ter recuado a presunção de saber. Ultrapassado o processo pelo qual passei (e passo) leio as tentativas de Branco com pudor ou tabu: “Isso não se fala”. Mas talvez seja preciso falar os erros para demonstrar o caminho.

Não para os negros, que talvez (concedo-me um talvez) não tenham nada a retirar disso, mas entre os próprios brancos, ou mesmo no íntimo de cada branco em particular. Se é atentar ao lugar de fala o disparador dessa evolução — ouvir os negros —, esse processo não só destrói ideologias como mostra, a quem ouve, que ele próprio tem um lugar de fala (seus custos, seus riscos, seus recursos, suas óticas). Como expressar e compreender essa experiência de se notar não-universal, não-neutro, mas uma pessoa entre outras?

Tô te Explicando pra te Escurecer
Essa situação é toda expressa na frase de um dos consultores (creio que o Eugênio Lima, diretor de A Missão), transmitida em áudio: “Eu não estou aí. O outro não está aí”.

De forma cifrada e oblíqua, essas ideias transparecem na relação dos três personagens absurdos. Pai, filho e tia mantêm diálogos autísticos; paradoxalmente, estão na mesma sala e ainda assim deslocados um do outro, assim como, no interior da casa, se opõem ao que quer que venha de fora. Ao longo das suas pseudoconversas, vomitam o branco: bolotas brancas caem pelas bocas, escorrem pelas roupas, tombam no palco, e frente a isso permanecem indiferentes: não se abalam nem pelo que os violenta. Desconhecem o que os atravessa. Branco parece apontar os isolamentos progressivos que constroem certa concepção de indivíduo, associal, ahistórico, proprietário (distanciado, pois) de si.

Soma-se à falsidade do contato a artificialidade da cenografia: a grama sintética, as peles de vaca no chão. Só o medo da invasão os coloca na mesma página. Quando tudo indica que há algo lá fora que pode entrar, romper a estabilidade, comunicam-se de maneira mais vívida, entrincheirados. Do outro anulado, é-se levado ao outro como ameaça.

A temática do racismo continua sendo tratada aí — mas de modo abstrato, existencial: é substituída por um debate sobre a alteridade. No campo metalinguístico, isso aparece com a história da morte do pai do diretor: o falecido, tanto pela relação complicada com os filhos quanto por ter se tornado, pela morte, irrecuperável, é a imagem da alteridade que não podemos encontrar em nós mesmos (onde, então?). Com esse deslocamento, por um lado, perde-se o concreto, o dano real, assassino e limitador de vida do racismo, por outro se comunicam ideias essenciais para encaminhar a uma autoanálise.

Também nas decisões cenográficas prossegue a discussão sobre o racismo: sutis, agem no sentido de desmistificar, reposicionar os símbolos do branco — tendo em vista o fato de que ao preto, ao negro, com frequência, se relaciona o demoníaco, o proibido, o degradado. Já vimos como isso se dá no caso do vômito: o branco aqui é o repulsivo. Nas transições entre cenas, outra tática nesse sentido: as sequências de making of, com pouca iluminação, são sucedidas pelas da família, em que que se enche o palco de luz, ofuscante porque brusca. Tô iluminado pra poder cegar: esse recurso pode retomar uma palavra de ordem do movimento negro, o escurecer substituindo o esclarecer, tomado como relacionado à clareza e à branquitude. Penso que não é o caso, a metáfora refere-se à luz, não a pessoas. Mas aqui a luz é problematizada em si. O esclarecimento cega.

Assim, desestabilizando uma ideologia, apresentando um percurso de falhas e expondo uma binariedade do outro-nulo e do outro-ameaçador, a peça — sem levar ninguém lá, pois é um retrato do travamento — aponta a necessidade de chegar a um outro que é, ainda, uma ausência, mas uma ausência fecunda.

Cabelo Crespo e a Pele Escura, a Ferida, a Chaga
Descolonizar, porque se quer demolir concepções e abrir o pensamento para outras; em legítima defesa, porque é em nome de si e dos seus iguais que se luta — A Missão é um ato de formação cênico e intensivo. O espetáculo parte de A Missão: Lembrança de uma Revolução, texto do dramaturgo Heiner Muller que retrata uma revolta de escravizados jamaicanos após a Revolução Francesa, apoiada pelo governo revolucionário e largada à própria sorte quando Napoleão ascende ao trono. A montagem desconstrói o texto de Heiner e o mescla com referências do pensamento, da arte e da militância negras.

Declamação, monólogo, jogral, batalha de rap, espetáculo musical — A Missão recorre a vários formatos artísticos e narrativos, alternando entre momentos de contemplação —como no solo de saxofone e na canção africana cantada em coro e acompanhada pelo piano; intimistas, delicados —, de ruído intencionado (pela multiplicação de pontos de atenção), e de catarse. A variedade de gêneros e de vozes dificulta os automatismos de classificação; temos de assistir ao que se passa sem certos esteios confortáveis da crítica e do gosto. Para reforçar essa tendência, simula estar sendo construída em tempo real, finge-se o “improviso” para dizer: isso está sendo feito agora, descobriremos aonde vai.

Ainda mais, brechtianamente, a peça jamais deixa de se dizer uma peça. Os atores são atores, o diretor é o diretor e está em cena. As cenas são apresentadas uma a uma como cenas. Nelas, dilui-se a identidade — os personagens podem ser interpretados por todos —, assim como a hierarquia — o diretor pode ser ator, o ator pode ser diretor. A forma do espetáculo, por essa via, ataca (ou contra-ataca) instâncias de poder epistemológico, e dispõe a fonte do discurso em uma coletividade, em um conhecimento acumulado por séculos de engajamento — o que é evidenciado na passagem em que um deles percebe que as formas de se expressar do passado atravessavam o tempo, viviam nele.

Consequentemente, A Missão conversa com muitos interlocutores, com figuras de uma linhagem de pensadores e ativistas: fala com o peso de uma tradição. São performados trechos da escritora Carolina Maria de Jesus, do poeta e dramaturgo Abdias Nascimento, da filósofa Angela Davis, da escrava liberta Sojourner Truth (embora na segunda vez que eu vi o espetáculo o trecho tenha sido excluído), entre outras menções. Assim, a peça ao menos introduz o público a uma massa crítica, a tudo que esse lugar de fala foi capaz de produzir. Com isso, exerce a desconstrução em sentido próprio: dilui estruturas para recompô-las com limites superados e com novas potencialidades.

Uma nota mais pessoal: como trabalhei com o Eugênio Lima quando editei a publicação impressa da Ocupação Abdias Nascimento, tenho pra mim que ele executa em A Missão o mesmo que procurou trazer no livro: uma constelação de referências da teoria e arte criadas por negros. Entrar em contato com o panorama construído por Eugênio permite antever ou recuperar a peça, e atestar a consistência de um pensamento invisibilizado.

Vale também ressaltar que, destacados entre os interlocutores, estão os Racionais MCs, pelas citações, em vários momentos, de versos da música “Capítulo 4, Versículo 3” — “o preto aqui não tem dó, é 100% veneno” e a fala introdutória, que denuncia o genocídio negro e a exclusão social, ambos problemas não derrotados. Sintomático, contudo, que a releitura da letra se faça necessária. Mano Brown canta: “Seu carro e sua grana já não me seduz e nem a sua puta de olhos azuis. Eu sou apenas um rapaz latino-americano, apoiado por mais de 50 mil manos”. Em A Missão, diz-se: “nem os seus brilhantes olhos azuis”, ou algo assim, e apoiado por 50 mil minas e manos”. Isso mostra que a influência não é tomada de forma acrítica, mas reelaborada segundo os debates atuais.

A Quarta Parede Engole Tudo e Explode
E o público? Também sem ilusões ou empreendendo ilusões deliberadamente: o público é o público; mas seremos submetidos a uma mutação ao longo do arco de intensidades da montagem. Primeiro, somos essas criaturas contidas e expectantes. Adentramos o teatro. Os atores já estão em cena, dançando como em um baile black. A batida exige o corpo, algumas cabeças balançam ritmadas, mas só eles bailam. Suor, coreografia. Nós, sentados, no devido lugar. Um convite já está aí, mas só será compreendido no fim.

Logo depois dessa introdução, a circunstância própria do público sofre alguma crítica: o elenco se reúne no centro do palco, ofegante, e nos observa. Quem está em posição de ver? Quem está em posição de ser visto? A distribuição de visibilidades e de âmbito de agência (quem age e quem sofre ações) são dispositivos de poder. Seria temerário dizer que tudo isso está contido nessa cena mínima; porém, frente ao todo da montagem, ou sob o efeito de uma segunda sessão, é plausível. Não é (ainda) a perda da segurança do espectador, que é causada já pela possibilidade de interação com os atores (frequente, por exemplo, no Teatro Oficina) — no entanto há a sugestão desse desconforto.

Na cena que relê a Revolução Francesa, opondo Robespierre e Danton em uma batalha de rap, somos transformados em plateia, instigados a votar em um ou outro (no par de vezes que vi, Robespierre ganhou). Além disso, em vários momentos, alguns atores são posicionados entre nós: o intradiegético e o extradiegético se misturam. Quando a peça enfim quebra, com a notícia da demissão da revolta, somos interpelados diretamente, avisados que o espetáculo acabou. Somos expulsos, nem mesmo público somos mais, o que somos agora, por que continuamos? A narrativa se dissolve em manifesto e ironia, e endereça a um engajamento mais intenso, embora atordoado, de nossa parte.

Por fim, leva-se ao limite aquele por que estamos aqui. O ritmo de substituição das cenas se acelera, os limites entre uma e outra deixam de existir, a última nem é anunciada (ou eu não vi). No palco, a situação crítica e secular dos negros no Brasil é exposta mais uma vez, e se questiona: quem está conosco? Descem, a princípio, pingados, alguns de nós, então muitos; postos lado a lado no palco, em nome de uma promessa de cooperação. Uma música toca, uma coreografia é ensinada; enquanto Eugênio Lima discursa, quase inaudível (“isso não é redenção, isso é parceria”), dançam juntos, sem o distanciamento do início do espetáculo; agora e aqui “espetáculo” tornou-se um termo obsoleto.

O Lugar de Fala de Quem Escreve Este Texto
Branco e A Missão são, portanto, tanto incompatíveis quanto alinhadas. De um lado, o racismo visto pelo prisma de um humanismo ingênuo e falho e retrabalhado do ponto de vista da problemática da alteridade; do outro, o racismo denunciado e combatido a partir de uma massa crítica e de uma luta política. Da perspectiva do que faz A Missão, Branco é insuficiente, desnecessário e/ou digressivo. Porém, a condição subjetiva a que levam A Missão e outras experiências é, muita vez, aquela retratada em Branco. Todo o recalcado posto a descoberto, a revisão de si, certa tristeza, são trazidos à cena.

A história de fracassos de Branco é e será minha, como foi a de outros que acompanhei; essa história de fracassos pode ser a história deste ensaio. Por isso a peça comunica algo que a verdade agressiva (redundância?) de A Missão não alcança, porque está abaixo de si. Como nos colocar depois que a nossa visão de mundo é demonstrada inconsistente? Temos o direito de responder ao chamado final de A Missão, levantar da cadeira, subir no palco? Eu levantei, eu desci, sob o risco de impostura, o pedido não parecia ficção, o pedido parecia completamente sincero, e alguma dignidade exigia que eu o fizesse.

Quem está conosco? Eu subi no palco, você subiria? Não é um atestado de bondade (a oposição redenção e parceria enunciada por Eugênio), não é a facilidade de um “somos todos macacos”. Subi sob o risco de impostura, questionando o meu direito de dançar a mesma dança, de exibir um gesto de luta. Esbocei uma ética para que me ajudasse a ficar ali, instável. Não ceder a crer que não chego atrasado a esse esforço. Não acreditar que posso deixar de ser secundário; no mínimo pela chance de ignorar, quase sem prejuízo, tudo isso, não estou nunca à frente, não sou nunca urgente. A riqueza da coadjuvância: entregar a sua força a algo justo e continuar aberto, ouvindo.

Nota do Editor
Mais conteúdo de Duanne Ribeiro (artigos, críticas, entrevistas e ensaios) em duanneribeiro.info.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 18/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha de Marcelo Spalding
02. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz de Jardel Dias Cavalcanti
03. Sexo pra quê? Texto onde? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bases da Uro-oncologia
Eric Roger Wroclowski e Sidney Glina
Soc Bras Urologia
(2007)



Seleçao Brasileira de Gastronomia
Alexandra Forbes
Gaia
(2014)



Israel e os Palestinos um Disfarce Político
Arthur Kahn e Thomas F. Murray
Casa de Cultura de Israel
(1980)



Damit Wir Morgen Leben Konnen: Innere Reformen, Politsche Antwort
Hans Dieter Kloss (editor)
Deutsche Verlags-anstalt
(1972)



Enfermagem - Cuidando Em Emergência
Nébia Maria A. Figueiredo
Yendis
(2008)



Histórias do Bartô
Augusto Pessôa
Escrita Fina
(2013)



Cinquenta Tons de Cinza
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Inspiração
Sueli Adorni
Mix
(2013)



O Alvo Móvel e Outros Contos
Jaime Rotstein
Topbooks
(2009)



Enlaçando Sexualidades: uma Tessitura Interdisciplinar no Reino
Suely Messeder, Mary Garcia Castro; Laura M
Edufba (salvador)
(2016)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês