As viúvas da Bizz | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 4/3/2009
As viúvas da Bizz
Luiz Rebinski Junior

+ de 3300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

André Barcinski foi um dos autores preferidos de uma geração que hoje está beirando os 30. E olha que ele não era escritor. Ele somente foi um dos privilegiados, na era pré-digital, que estavam por dentro de todas as novidades da música pop no Brasil antes de todo mundo. Barcinski era repórter da Bizz em uma época que poucos tinham a chance de se informar decentemente sobre música, discos, livros e tudo que envolvia cultura pop. Isso era nos anos 1990, quando a Bizz era a tábua de salvação de quem gostava de generalidades pop, mais precisamente de música, e não tinha acesso a revistas e discos importados. Receber em casa a Bizz era uma alegria ― que durava pouco. Eu devorava a revista em poucas horas e passava o resto do mês folheando o que já tinha lido e relido inúmeras vezes. Era triste. A Bizz para um pré-adolescente ávido de informação no extremo sul de um estado do sul era como santo para carola. Era um objeto meio sacro mesmo, que tratava de preencher a cabeça vazia de quem só podia gravar fitas cassetes se quisesse escutar bandas que só conhecia de ouvir falar. Então, tudo que se tinha era a Bizz e as páginas de cadernos de cultura. Só. Uma época braba até para profissionais, que tinham que ler o New Music Express, a Mojo e a Rolling Stone com semanas de atraso, às vezes meses, para saber o que estava rolando de importante na música.

Assim, Barcinski ― e a trupe que fazia a Bizz ― não precisava de muito para ser admirado. O simples fato de estar onde muitos gostariam e poucos tinham a chance era o que bastava. Mas claro que havia algo mais nisso. E esse algo mais podia ser resumido em uma equação simples: texto bacana + dedicação = bom jornalismo cultural. Menos ácido que o outro André, o Forastieri, também lendário da antiga Bizz, Barcinski ajudou a instruir, musicalmente, talvez mais de uma geração de jovens tarados por música, mas que se viam tolhidos pela falta de informação.

Acompanhado por gente que hoje é referência no jornalismo cultural brasileiro, como Ana Maria Bahiana ― sempre em algum canto especial dos Estados Unidos mandando novidades do hype (àquela época a expressão nem era usada) para a província ―, Pedro Alexandre Sanches, Pedro Só, Alex Antunes e o já citado Forastieri, Barcinski fez parte de uma turma que ajudou a desbravar o jornalismo musical do país. Afinal de contas, até meados dos anos 1985, quando a Bizz foi criada, as experiências com periódicos dedicados ao público jovem não tinham sido nada animadoras ― haja vista a primeira tentativa de lançar a Rolling Stone brasileira em meados dos anos 1970 e coisas primárias como a revista Pop.

Foi só com a onda do rock Brasil nos anos 1980 que uma revista de música dedicada ao público jovem foi possível. Talvez por conta do ineditismo da experiência, surgiram muitos bons jornalistas, todos loucos para mostrar serviço e reviver a saga de ícones como Lester Bangs. Deve ter sido esse espírito que moveu, no início dos 90, auge do grunge, André Barcinski a meter o pé na estrada e ir atrás das bandas americanas que pipocavam no cenário musical da época. A aventura ganhou forma e nome: Barulho ― uma viagem pelo underground do rock americano. Um livrinho meio tosco, em formato de revista e com diagramação sofrível, mas que materializava aquilo que só existia em sonho para muitos leitores e até mesmo jornalistas da própria Bizz.

Afinal, se os discos demoravam a chegar por aqui, imagine os artistas (com exceção de dinossauros que já não interessavam mais ao público gringo). Mas Barcinski não esperou que o novo envelhecesse. Foi em busca de bandas que estavam à frente da novíssima música americana e que tomariam de assalto o mundo com camisas xadrez, calças rasgadas e cabelos sebosos. Sim, o cara foi até Seattle para ver o Nirvana no auge de sua loucura e criatividade; peregrinou pelo Village atrás da estranha figura de Joey Ramone e se trancou no estúdio com o Ministry. Tudo isso, diz a lenda, sem grana de editora ou patrocinador. Certamente, à época, "uma humilhação enorme aos outros jornalistas ligados à música e a cena culturaleba em geral", conforme escreve Forastieri no prefácio da edição.

"... pegar o avião com dois velhos amigos e se enfiar dois meses nos Estados Unidos. Atravessar a coisa toda de costa a costa ― só para ver vídeos com Joey Ramone, assistir a um ensaio dos Red Hot Chili Peppers, detonar a noite inteira com o Ministry. Presenciar o estouro do Nirvana, trocar discos com o líder dos Dead Kennedys Jello Biafra, conhecer a nova capital do rock USA, Seattle. Só para ir a shows toda noite! Ao cinema toda tarde! Comprar zilhões de CDs, discos, vídeos, pôsteres, camisetas! Só para curtir FESTAS ALUCINANTES TODO DIA!", escreve Forastieri sobre a trip do amigo.

O prefácio de Forastieri não só dá o tom da narrativa que virá nas páginas seguintes, mas também evidência a relação dúbia que os jornalistas musicais da época tinham com o seu trabalho. Algo que ainda hoje existe, mas que naqueles tempos, por conta das dificuldades de acesso aos produtos culturais, ficava mais evidente. Separar o jornalista do fã, em uma época de escassez sonora, era muito mais difícil.

Por isso o livro de Barcinski soa, hoje, muito mais como um relato apaixonado de um fã da música jovem do que um livro-reportagem comprometido em dissecar, em tom crítico, os vários lados da cena americana do início da década de 1990. Barcinski não foi investigar nada, não quis procurar respostas, apenas prestar tributo, conhecer e ver com os próprios olhos qual era a real daquilo tudo que nós, brasileiros, só víamos de longe. Era apenas um garoto de 23 anos querendo conhecer seus heróis, bater um papo com os malucos do Cramps e beber cerveja nos inferninhos mais toscos dos Estados Unidos.

E Barulho é isso, uma trip nervosa de uma fã de rock. Mas, mesmo com suas deficiências, o livro de Barcinski, hoje esquecido, foi um marco do jornalismo musical nacional. A evocação tardia do "faça-você-mesmo" tupiniquim encarnado por Barcinski serviu de estímulo a muita gente, não só jornalistas. Yes, we can, gritava com fúria punk o jovem Barcinski sem suspeitar da existência de Obama. Se Barulho é o filho bastardo de Reações Psicóticas, certamente é pai legítimo de Rumo à Estação Islândia.

Em um texto simples e direto, Barcinski revela histórias que só o tête-à-tête faz emergir. Jello Biafra, um profundo conhecedor das ditaduras latino-americanas, fazia-lhe perguntas empolgadas sobre Collor e discursava sobre a história do Paraguai. Isso mesmo, o maluco se especializou em história do Paraguai na Universidade de Santa Cruz, nos Estados Unidos. No apartamento de Joey, uma audição em primeira mão de Mondo Bizarro, um dos discos mais bem-sucedidos comercialmente dos Ramones. Entre uma música e outra, o fã Barcinski se rende ao momento que parece não acreditar estar vivendo.

"Incrível: meu maior ídolo, o cara estampado em três pôsteres na minha sala, o vocalista que me ensinou a gostar de rock, todo contente porque eu gostei de sua música. Parecia que era ele o fã". Reverência pura.

Olhando hoje, folheando os exemplares da Bizz que sobreviveram às minhas várias mudanças, a revista não parece grande coisa, afinal, agora temos a Rolling Stone (e a internet, claro), que, mesmo com suas matérias chupadas da matriz, é uma boa revista de variedades pop. Não de música pop, pois seu projeto, que é bem claro, não é focar apenas na música, o que pode ser bom para um país que tem várias publicações dedicadas somente à música (como Estados Unidos e Inglaterra), mas ruim para nós brasileiros que não temos outras opções.

A ShowBizz, tentativa de modificar o rumo da velha Bizz, era, a bem da verdade, fraquinha. Mas a velha Bizz, mesmo com suas carências editorias, tinha meia dúzia de caras que fazia a diferença e que, só agora, um tanto por saudosismo, é verdade, percebo o quanto eles fazem falta. Caras como Barcinski e Forastieri, que conseguiam realizar a difícil tarefa de transpor para o texto a energia e chapação do rock. Tarefa das mais difíceis e inglórias, diga-se de passagem. Mas os caras, se não conseguiam por completo dizer o que era uma música dos Pistols, por exemplo, chegavam bem próximo. E Forastieri, irmão siamês de Barcinski, escreveu o melhor texto que já li sobre o que é escutar Ramones na adolescência:

"Viver é uma confusão desgraçada ― e nunca isso fica mais claro na vida de um homem do que quando começam a aparecer os primeiros pêlos na cara. O absurdo é que quatro nova-iorquinos broncos tenham capturado com tanta precisão este estado de espírito púbere que-se-foda. Sem intelectualismo nem autoparódia e em plena hegemonia Yes-Led, os Ramones inventaram o som da adolescência. Puro, sem misturas, sem gelo..."

Os Ramones levaram a coisa um passo adiante, indo direto ao esqueleto do negócio: músicas de dois minutos, refrões simples e riffs primários, letras que viam a dor e a delícia de ser teenager através do "rayban" da cultura popular mais acessível e rastaquera.

Tudo tão rápido, pesado e pegajoso quanto possível. Urgente como um comercial de TV. Punk rock, mesmo ― se você pensar que punk originalmente significa vagabundo de rua, tranqueira, cara inútil para a sociedade...

O que importa é Joey Ramone cantando "I don't care about this world/ I don't care about that girl. I don't care". Eu não tô nem aí, não tô nem aqui e quero que tudo mais vá pro inferno. I just wanna have some fun. Ramones, a melhor banda de rock'n'roll da história ― provavelmente."

Assim era a saudosa Bizz!

Nota do Editor
Leia também "A revista Bizz".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 4/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
02. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
03. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
04. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
05. Sinédoque São Paulo de Duanne Ribeiro


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2009
22h10min
A angústia mensal de esperar pela próxima Bizz foi um dos meus calos da adolescência. Adorava a revista (mesmo ela privilegiando pouco o black metal).
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DRAMA MILENAR DO CRISTO E DO ANTICRISTO
HUMBERTO ROHDEN
ALVORADA
(1990)
R$ 10,00



HOMENS COM MULHERES 6408
BERNARDO AJZENBERG
ROCCO
(2005)
R$ 10,00



CURSO MODULAR DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
TADAAQUI HIROSE E JOSÉ PAULO BALTAZAR JR (ORG
CONCEITO
(2010)
R$ 14,82



RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL 8801
MYRTES DE AGUIAR MACÊDO
CORTEZ
(1982)
R$ 10,00



O INDIVIDUO NA SOCIEDADE: UM MANUAL DE PSICOLOGIA SOCIAL
DAVID KRECH/RICHARD CRUTCHFIELD/EGERTON BALLACHEY
PIONEIRA / USP
(1969)
R$ 10,00



A NEW HISTORY OF UNITED STATES
WILLIAM MILLER
DELL
(1964)
R$ 13,00



A LINGUAGEM DAS FORMAS - NATUREZA E ARTE EM SHAFTESBURY
PEDRO PAULO GARRIDO PIMENTA
ALAMEDA
(2007)
R$ 15,00



SEXO E AFETO NA TERCEIRA IDADE
ANA PERWIN FRAIMAN
GENTE
(1994)
R$ 10,00



100 POEMAS QUE AMEI
MÁRIO FRIGÉRI
MUNDO MAIOR
(2011)
R$ 12,00



QUÍMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO 3
FRANCISCO MIRAGAIA PERUZZO
MODERNA
(2006)
R$ 6,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês