Cuba E O Direito de Amar (2) | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Últimas Notas Sobre A FLIP
>>> O futuro a Deus pertence (e Ele é brasileiro)
>>> Junho artístico em Sampa
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Feedback
>>> A Epopeia de Gilgamesh, pela WMF Martins Fontes
>>> A Era do Gelo
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Speak, Memory
>>> 24 de Fevereiro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Auto da barca do inferno farsa de Inês Pereira auto da índia de Gil Vicente pela Ática (2003)
>>> O Sombrio Chamado de Kelly Shimohiro pela Novo Século (2019)
>>> Auto da compadecida de Ariano Suassina pela Nova Fronteira (2014)
>>> Uma Janela Aberta de Nadir Paes Viana pela Aliança (2012)
>>> O Crime do Padre Amaro - Série bom livro de Eça de Queirós pela Ática (2006)
>>> Os Meninos da Caverna de Rodrigo Carvalho pela Globo (2018)
>>> O Último Olimpiano - Percy Jackson Livro 5 de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> Club Penguin: O passageiro clandestino de Disney pela Melhoramentos (2010)
>>> Kindred: Laços de Sangue de Octavia E. Butler pela Morrobranco (2019)
>>> Ciência & Fé: Milagres e Mensagens de Nilson Dimarzio pela Do Autor (2005)
>>> Moby Dick - Trad. e adap. Carlos Heitor Cony de Heman Melville pela Nova Fronteira (2013)
>>> 1001 Filmes para ver antes de morrer de Steven Jay Schneider pela Sextante (2010)
>>> Diário de um Banana 11 - Vai ou Racha (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 10 - Bons Tempos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (pocket) de Jeff Kinney pela Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (2018)
>>> Diário de um Banana 12 - Apertem os Cintos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 9 - Caindo na Estrada de Jeff Kinney pela V&R (2015)
>>> Diário de um Banana -Faça Você mesmo de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 1 - Um Romance em Quadrinhos de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 2 - Rodrick é o Cara de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 3 - A Gota D'água de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 4 - Dias de Cão de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 5 - A Verdade Nua e Crua de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 6 - Casa dos Horrores de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 7 - Segurando Vela de Jeff Kinney pela V&R (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/12/2020
Cuba E O Direito de Amar (2)
Marilia Mota Silva

+ de 1200 Acessos

No Banco, na ante-sala do auditório, duas pessoas conversavam: o argentino, baixo e cheio de corpo, vestindo calça e camisa social sem gravata, olhava as pontas dos próprios sapatos, enquanto o outro, com terno e colete, falava com arrebatamento. O argentino me viu chegando e me deu sinal para que me aproximasse. O homem de terno me cumprimentou com a cabeça, sem interromper seu discurso: era sobre um fuzilamento, de um general, se entendi direito. Falava como se nós soubéssemos do fato. Falava da dificuldade de se manter uma ideologia anti-consumista, e nas tentativas de intervenção dos Estados Unidos através da televisão, e nos cuidados extraordinários que eram forçados a tomar para que não se formasse um mercado paralelo do dólar, principalmente com o incremento do turismo. Falava dos inimigos da revolução e da necessidade de fuzilamentos. Um idealista. Queria um mundo em que todos fossem iguais, sem sonhos, sem vontade própria, a não ser a de trabalhar e obedecer a um comando superior, o Estado onisciente.

Planes e eu nos afastamos, quando alguém se aproximou e interrompeu a fala interminável. Planes contou que não havia ninguém esperando por ele no aeroporto José Marti. Ficou retido por duas horas, teve a pasta revistada e até recortes de jornal falando do seminário, a convite do próprio governo cubano, foram lidos inteiramente pelos agentes que o detiveram.

À tarde, fomos às tiendas - onde só turistas entram - e não vi sequer um par de sapatos para criança. Na tira de papelão que Sebastian me deu, um pouco maior do que o pé da menina, ele havia me explicado, havia umas sapatilhas com elástico na borda, e nenhum solado por 13.30 dólares. Não comprei, esperando ter outra oportunidade.

Por toda a cidade, vimos cartazes, outdoors já gastos, homenageando Cienfuegos, um homem jovem, bonito, carismático. No Museu de Revolucion aprendi quem era ele: Comandante Camilo Cienfuegos, amigo de Fidel e de Guevara, um dos líderes da revolução, que morreu em um acidente aéreo, pouco tempo depois da vitória. E Che, como sabemos, foi sozinho levar a revolução para o resto da América Latina e acabou morto na Bolivia. A revolução engole seus filhos, Planes disse pesaroso.

*****.

O Memorial do Granma estava fechado. Mas pude visitar o Museo de la Revolucion, antiga sede do governo: ali estão fotos, maquetes, jornais da época, uniformes, armas, slogans, mapas, tudo o que conta a história da Revolução Cubana.

Ocupando uma parede inteira, há um mapa em relevo do centro-sul da África. A guia nos explica, com orgulho, a presença de militares cubanos na região.

O socialismo é internacionalista, lê-se em placas e cartazes por toda a cidade, e os jornais e a televisão repetem o estribilho o dia todo. Implantar sua ideologia em outros países é mais que legítimo, é sua missão. Quando outros países fazem coisa parecida são condenados como imperialistas.

*****

Maria Antonia e Ismael nos levaram ao Bodeguita del Medio. Convidamos os dois para almoçar conosco. Eles se recusaram prontamente, como se estivessem em falta. Quando insistimos, eles disseram que era proibido. Cubanos não podiam entrar nos restaurantes. Esperariam no carro.

O restaurante é cheio de charme e personalidade. Fica em uma casa velha, e tem as paredes cobertas de rabiscos, assinaturas, caricaturas de frequentadores famosos. Planes e Mazzoti pediram a típica comida "criolla" cubana: arroz, feijão, carne de porco e mandioca. Pedimos frango e salada. O frango veio branco, borrachudo e quase sem tempero. Desanimava só de olhar. Então pedimos "moros e cristianos (arroz e feijão com muita gordura e uns pedacinhos de pele de frango e de porco. Salada de abacate e mandioca cozida. Não serviam saladas verdes. A cerveja, pequenas garrafas sem rótulo, tinha sabor de cloro.

Dois músicos com instrumentos de 8 cordas duplas, no formato de bandolim, tocavam de mesa em mesa, mas não aceitaram gorjeta, não era permitido.

Depois do almoço, Ismael nos levou às tiendas na região das Embaixadas. Casas bonitas, avenidas largas e arborizadas. Há um mini-mercado e uma loja média de departamentos. Não há muito o que ver ou comprar, são quinquilharias da China e de países do leste europeu.

Procurei novamente o sapato para a filha do zelador. Encontrei apenas uns sapatos de salto alto antiquados; nada para criança.

*****

27, quarta-feira.

Assisto, às vezes, à televisão estatal. Falam de colheitas, mostram discursos de Fidel. Mostram esportes, natação, jogos de vôlei, campeonatos em que os cubanos foram campeões. Ontem uma das noticias era sobre 150 bravos compañeros que retornavam de missão em Angola. A rapaziada descia do avião, acenando bandeirinhas.

Hoje anunciam, a cada instante, que não vai ter novela. O Derecho de Amar vai passar no sábado porque hoje é dia de uma grande festa: 29 anos de inauguração do CDR - Comitê de Defesa da Revolução.

Mazzoti, como eu, tem tempo livre e gosta de andar. Fomos ao Museu Numismático e achei finalmente alguns cartões postais. Mazzoti comprou uns bichinhos de pedra ou cerâmica para levar para os filhos. Não havia quase nada à venda, já que não estavam abertos ao turismo.

Fomos almoçar em outro restaurante famoso, a Torre. Uma novidade: cerveja cubana em lata: só para turistas, informaram. O garçom, um senhor mais velho, muito amável, nos explicou que toda a produção de cerveja tinha sido canalizada para a festa do CDR, hoje, só restando aquelas em latinha, que só podiam ser vendidas a turistas e pagas em dólar.

****
Continua aqui


Marilia Mota Silva
Washington, 2/12/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pílulas Poéticas para uma quarentena de Luís Fernando Amâncio
02. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
05. Dos papéis, a dança de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva
01. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé - 21/10/2011
02. Cuba e O Direito de Amar (3) - 21/1/2021
03. O Vendedor de Passados - 9/5/2018
04. Memorial de Berlim - 23/12/2015
05. Nuvem Negra* - 8/2/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para Entender Kelsen
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2001)



Enduring Love
Ian McEwan
Vintage
(1998)



Direito Internacional Público - o Estado Em Direito das Gentes
Gerson Britto Mello
Delrey
(2000)



Teoria Semântica
Ruth M Kempson
Zahar
(1980)



Terceiro Tempo de Jogo
Roberto Gomes
Moderna
(1994)



Os cérebros prateados
Fritz Leiber
Hemus
(1981)



Tbs Strategy Maps: Converting Intangible Assets Into Tangible Outcomes
Robert S. Kaplan; David P. Norton
Harvard Business Review Press
(2004)



A Prova de Godel
Ernest Nagel; James R. Newman
Perspectiva
(2012)



Sopro na Aragem
Eliana Cardoso
Córrego
(2017)



Aquarela Brasileira
Beth Cançado Aquarela Brasileira
Corte





busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês