O roteirista profissional: televisão e cinema | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
Mais Recentes
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (2015)
>>> A Vinda da Família Real para o Brasil de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> O Quarto Pato de Índigo pela Positivo (2008)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-Chul Han pela Vozes (2015)
>>> O Tempo Escapou do Relógio de Marcos Bagno pela Positivo (2011)
>>> A Sujeição das Mulheres de Stuart Mill pela Escala (2006)
>>> Admirável Ovo Novo de Paulo Venturelli pela Positivo (2011)
>>> Pequenas Confissões de Georgina Martins pela Positivo (2008)
>>> Fantasma Equilibrista de Tânia Alexandre Martinelli pela Positivo (2009)
>>> A História de Cada Um de Juciara Rodrigues pela Scipione (2010)
>>> Exercícios de Admiração de E. M. Cioran pela Rocco (2011)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/10/2009
O roteirista profissional: televisão e cinema
Gian Danton

+ de 8100 Acessos

Marcos Rey foi um dos mais atuantes e importantes roteiristas de televisão e cinema no Brasil. Na época das pornochanchadas, era o roteirista mais bem pago do mercado. Essa experiência, que começou com o rádio, deu origem a dois livros: o romance Esta noite ou nunca e O roteirista profissional: televisão e cinema (Ática, 1997, 144 págs.).

Antes de mais nada, é bom avisar que O roteirista... não é exatamente um manual. O autor até dá algumas dicas de como formatar o roteiro, mas não vai muito além da cabeça "Cena 1 ― Local ― Exterior/Interior ― Dia/Noite".

Na verdade, a obra é mais um relato de experiência com o qual podem aprender muito só os que forem inteligentes e atentos. Escrito de forma coloquial, a impressão que temos é de estar conversando com um veterano e aprendendo de forma não muito sistemática.

Experiência
Marcos Rey começou a escrever para o rádio, na Excelsior, de São Paulo, no final da década de 1940. Seu irmão, Mário Donato, era diretor artístico da emissora. Entre os roteiristas da casa estavam Jerônimo Monteiro, que também era roteirista de quadrinhos e autor de ficção científica.

Era uma equipe nova, que pretendia inovar a linguagem da radionovela com uma linguagem mais coloquial em contraste com a linguagem empolada e artificial que se usava na época. Foi um fiasco. A inovação chegou a provocar a ira até mesmo dos roteiristas de outras emissoras. Além da rejeição popular, havia a rejeição dos anunciantes, muitos dos quais eram os únicos patrocinadores das atrações e que não gostavam de ver atores falando como pessoas normais.

Quando surgiu a televisão, os primeiros autores de telenovelas eram oriundos do rádio e reproduziam na telinha todos os vícios do rádio. Além da fala empolada, os personagens chegavam a pensar em voz alta, contando o que estavam fazendo: "Os autores jamais se ocupavam da movimentação dos personagens em cena, como o cinema ensinava", conta Rey.

Vindo da experiência revolucionária da rádio Excelsior, Marcos Rey foi um dos primeiros a perceberem as características e potencialidades do novo meio e inovou novelas e seriados ao colocar os personagens falando como pessoas normais, inclusive com gírias. Mas esse embate entre o roteiro empolado do rádio e o dinamismo da televisão permaneceria por muito tempo e é um dos principais assuntos do livro.

Personagens
Uma das dicas é que Marcos Rey fazia uma espécie de questionário no qual "conversava com os personagens". Perguntas como: "Onde você nasceu? Qual a sua profissão? Gosta dela? Tem alguma religião? Já viveu algum grande amor? Tem algum ideal político? Gosta de repetir alguma palavra?" ajudam a compor o personagem. Todo mundo se lembra, por exemplo, do Coronel da novela Renascer que sempre dizia: "Certo, muito certo, certíssimo!".

No caso dos heróis, ensina Marcos Rey, é bom dar-lhe um defeito, para torná-lo mais humano: Sherlock Holmes era um dependente de drogas, Poirot um vaidoso, Columbo um relaxado, só para ficar nos detetives.

Como a televisão é uma mídia muito visual, também é bom marcar fisicamente o protagonista. Sherlock Holmes é conhecido pela roupa xadrez, pelo boné e pelo cachimbo. Kojak é careca e fuma uma piteira.

Diálogos
Marcos Rey dá uma lição básica, mas importantíssima: é preferível uma ação muda do que complementada por diálogos inúteis. Imagens também falam. A regra é nunca colocar em palavras o que a imagem já está tornando explícito.

Nesse sentido, ele critica os primeiros roteiristas de telenovelas, que, vindos do rádio, tinham o vício de fazer os personagens falarem o que estavam fazendo.

Ainda sobre diálogos, uma outra dica interessante são as rubricas, marcações nas falas dos personagens para ajudar o diretor a entender o tom da fala. Por exemplo:

Jandira (categórica): Neste hotel não vejo, não escuto, não falo! Pascoal (de boca cheia): É bom fazer coisa nova. A freguesia tá mudando!

Novelas
Marcos Rey conta que a maioria dos diretores mexia muito nos seus roteiros, a ponto de muitas vezes ele não reconhecê-los na tela. De fato, normalmente diretores têm mais poder que os roteiristas e muitas vezes se dão o direito de mexer na história.

Isso só não acontece no caso das novelas. Os roteiristas são as grandes estrelas e têm poder absoluto sobre suas novelas. Os diretores não costumam mudar quase nada. E a razão é simples: a produção de telenovelas é tão estafante e apressada que o diretor só tem tempo de filmar e editar. É justamente o fato das novelas serem uma produção industrial que faz com que elas possam ser obras pessoais a ponto de conseguirmos distinguir o estilo do roteirista. Uma novela de Benedito Rui Barbosa, por exemplo, é completamente diferente de uma do Manoel Carlos.

Adaptações

Talvez o capítulo mais interessante do livro seja sobre adaptações. Embora preferisse trabalhar com textos próprios, Marcos Rey participou de várias adaptações, entre elas A Moreninha e Sítio do Picapau Amarelo.

Dessa experiência ele tirou uma lição: adaptações ao pé da letra, fidelíssimas, são péssimas. O ideal é obedecer a obra original não nos seus detalhes, mas no que ela tem de essencial, de permanente e contagiante.

Exemplo disso é A Moreninha. Quando foi ler o livro, o roteirista desanimou. Os personagens eram poucos e lineares. As moças queriam casar e nada mais, como na maioria dos romances água com açúcar do século XIX. A única inovação de Joaquim Manuel de Macedo foi introduzir uma protagonista morena, mas com alma de loira. A história já havia sido adaptada antes para o teatro, mas sempre como comédia romântica alicerçada em números musicais: "Nenhum grande drama, nenhuma paixão de fogo, nenhuma cena realmente palpitante a que o adaptador pudesse se apegar". Ou seja: não havia material para uma novela.

Marcos Rey resolveu a questão deslocando a ação para a segunda metade do século XIX e introduzindo assunto como a luta pela abolição da escravatura. Os personagens passaram a citar poetas e escritores, a comentarem as inovações tecnológicas da época, como a fotografia e o autocarro movido a vapor.

A Moreninha deixou de ser uma simples moça casadoira para se transformar em um personagem ativo, que tem opinião, toma partido, sabe amar e odiar. Como a musa de Macedo era prima do poeta Álvares de Azevedo, Marcos Rey fez com que a personagem também fosse, permitindo várias referências históricas e literárias.

A Moreninha foi um sucesso, levando ao estrelato sua protagonista Nívea Maria e mostrou que uma adaptação podia ir muito além do original.

Outra experiência curiosa de Marcos Rey aconteceu com a série do Sítio do Picapau Amarelo da década de 1970. Hoje, a maioria das pessoas esclarecidas diz que aquela adaptação da obra de Monteiro Lobato foi um marco, que encantou toda uma geração, mas na época a maioria dos intelectuais simplesmente odiou. E aí vai outra grande lição: nem sempre quem critica uma adaptação conhece a obra original.

Três exemplos:

1 ― Os críticos acharam uma heresia colocar uma televisão na sala da Dona Benta, mas não se tocaram que o Lobato já tinha colocado um rádio lá em plena década de 1920, quando esse aparelho era novidade absoluta.

2 ― Um episódio, "Narizinho atômica", foi muito criticado por estar deturpando a obra de Lobato. E era adaptação fiel de uma história menos conhecida de Lobato no qual ele falava do perigo das bombas atômicas.

3 ― A jornalista Cléo foi vista como absurda criação dos roteiristas, mas foi criada por Lobato, um visionário, que já imaginava o dia em que as mulheres exerceriam o jornalismo.

O roteirista profissional: televisão e cinema, embora não seja um manual, é um livro obrigatório para quem pretende seguir a carreira de roteirista. Além das valiosas lições, serve também pelo texto delicioso de Marcos Rey.

Para ir além






Gian Danton
Macapá, 26/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
03. A era e o poder do Twitter de Gian Danton
04. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres de Adriana Baggio
05. Literatura e interatividade: os ciberpoemas de Marcelo Spalding


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2009
01. Memória das pornochanchadas - 28/9/2009
02. 10 grandes - 22/6/2009
03. O Gabinete do Dr. Caligari - 13/4/2009
04. A polêmica dos quadrinhos - 25/5/2009
05. O roteirista profissional: televisão e cinema - 26/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINCANDO COM FOGO
GORDON RANSAY
BEST SELLER
(2010)
R$ 30,00



METODOLOGIA PARTICIPATIVA: UMA INTRODUÇÃO A 29 INSTRUMENTOS
MARKUS BROSE
TOMO EDITORIAL
(2010)
R$ 47,00



DICIONÁRIO BÁSICO ESCOLAR DE FILOSOFIA - 1ª ED. - MAIS DE 360 VERBETES
MARLY N. PERES
GLOBAL
(2013)
R$ 49,95



DOUBLE TAKE: AN FBI THRILLER FIRST TIME IN PAPERBACK
CATHERINE COULTER
BERKLEY
(2008)
R$ 31,28



CONSTRUÇÃO DA INTELIGÊNCIA PELA CRIANÇA
MARIA DA GLÓRIA SEBER
SCIPIONE
(1995)
R$ 10,00



PROCESSO PENAL - PERGUNTAS E RESPOSTAS
CAPEZ FERNANDO
SARAIVA
(2008)
R$ 26,28



FESTA NO CEU
MATEUS RIOS; MARIA VIANA
POSITIVO LIVROS
(2013)
R$ 25,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO . MARCELO ALEXANDRINO
METODO
(2009)
R$ 50,00



CASA DE BONECAS
HENRIK IBSEN
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 26,91
+ frete grátis



A ESCOLA EM CUBA - IMPRESSÕES DE UMA EDUCADORA BRASILEIRA
TANIA ZAGURY
BRASILIENSE
(1988)
R$ 11,49





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês