O roteirista profissional: televisão e cinema | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Freud segundo Zweig
>>> Informação, Redes Sociais e a Revolução
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Manual prático do ódio
>>> Por que Faraco é a favor da mudança ortográfica
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A favor do voto obrigatório
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> Sobre o Ronaldo gordo
Mais Recentes
>>> Como Administrar Pequenas Empresas: Série Gestão Empresarial de Hélvio T. Cury Prazeres pela Centro de Produções Técnicas
>>> De Dores Somos: Para Todas as Mães que Perderam seus Filhos de Lauricy Belletti Rodrigues pela São José (2016)
>>> A História de Águida de Águida Duarte Perdigão pela Do Autor (2004)
>>> O Ouro e o Altar de Edir Macedo pela Unipro (2018)
>>> Nascido da Luz de Marcelo Drumond Furtado pela Código (2011)
>>> Degraus de Glória de Antônio E. S. Moreira pela Do Autor
>>> O Tempo Nosso de Cada Dia de Ruibran Januário dos Reis pela Tcs (2014)
>>> De Volta à Essência de José Moreira Guedes Filho pela Sinai (2009)
>>> Esquizofrenia: Dois Enfoques Complementares de Mário Rodrigues Louzã; Luiz Barros; Itiro Shirakawa pela Lemos (1999)
>>> Work in Progress de Michael Eisner; Tony Schwartz pela First Paperback (1999)
>>> 150 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Jennifer Keller pela Ediouro (2005)
>>> Chi Prega Si Salva de Joseph Ratzinger pela 3Ogiorni (2005)
>>> Donum Vitae: Istruzione e Commenti: Congregazione per La Dotrina Della Fedde de Joseph Ratzinger pela Vaticana (1990)
>>> Il Calice di don Mario de Associazone Amici di Mario Gerlin pela Edizioni (2004)
>>> Per l Opera di un Altro: Vita de Don Virgilio Resi de Gianfranco Lauretano pela Raffaelli (2012)
>>> Cristo Speranza dell Umanità de Don Mario Pieracci pela Pro Sanctitate (2007)
>>> Che Cosa Cercate? de Comunione e Liberazione pela Tracce Quaderni (2008)
>>> Un Metro Lungo Cinque de Lorenzo Vecchio pela Editrice (2005)
>>> Il Tesoro Nascosto e La Perla Preziosa de Tarcisio Bertone pela Fassicomo (2004)
>>> Apertura Dell Anno Della Fede de Cappella Papale pela Vaticana (2012)
>>> La Giustizia è Uguale per Tutti, ma... de Franco Coppi pela 3Ogiorni (2004)
>>> Sono Stanco di Subire! Soltanto Io? de Tommaso Calculli pela Omaggio Dell Autore (2015)
>>> Riscoprire l Eucaristia de Laici Oggi: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2004)
>>> Redescubrir la Eucaristia de Laicos Hoy: Pontificium Consilium Pro Laicis pela Vaticana (2005)
>>> Un Prete di Montagna: Gli Anni Bellunesi di Albino Luciani de Patrizia Luciani pela Messagero (2003)
COLUNAS

Segunda-feira, 26/10/2009
O roteirista profissional: televisão e cinema
Gian Danton
+ de 10900 Acessos

Marcos Rey foi um dos mais atuantes e importantes roteiristas de televisão e cinema no Brasil. Na época das pornochanchadas, era o roteirista mais bem pago do mercado. Essa experiência, que começou com o rádio, deu origem a dois livros: o romance Esta noite ou nunca e O roteirista profissional: televisão e cinema (Ática, 1997, 144 págs.).

Antes de mais nada, é bom avisar que O roteirista... não é exatamente um manual. O autor até dá algumas dicas de como formatar o roteiro, mas não vai muito além da cabeça "Cena 1 ― Local ― Exterior/Interior ― Dia/Noite".

Na verdade, a obra é mais um relato de experiência com o qual podem aprender muito só os que forem inteligentes e atentos. Escrito de forma coloquial, a impressão que temos é de estar conversando com um veterano e aprendendo de forma não muito sistemática.

Experiência
Marcos Rey começou a escrever para o rádio, na Excelsior, de São Paulo, no final da década de 1940. Seu irmão, Mário Donato, era diretor artístico da emissora. Entre os roteiristas da casa estavam Jerônimo Monteiro, que também era roteirista de quadrinhos e autor de ficção científica.

Era uma equipe nova, que pretendia inovar a linguagem da radionovela com uma linguagem mais coloquial em contraste com a linguagem empolada e artificial que se usava na época. Foi um fiasco. A inovação chegou a provocar a ira até mesmo dos roteiristas de outras emissoras. Além da rejeição popular, havia a rejeição dos anunciantes, muitos dos quais eram os únicos patrocinadores das atrações e que não gostavam de ver atores falando como pessoas normais.

Quando surgiu a televisão, os primeiros autores de telenovelas eram oriundos do rádio e reproduziam na telinha todos os vícios do rádio. Além da fala empolada, os personagens chegavam a pensar em voz alta, contando o que estavam fazendo: "Os autores jamais se ocupavam da movimentação dos personagens em cena, como o cinema ensinava", conta Rey.

Vindo da experiência revolucionária da rádio Excelsior, Marcos Rey foi um dos primeiros a perceberem as características e potencialidades do novo meio e inovou novelas e seriados ao colocar os personagens falando como pessoas normais, inclusive com gírias. Mas esse embate entre o roteiro empolado do rádio e o dinamismo da televisão permaneceria por muito tempo e é um dos principais assuntos do livro.

Personagens
Uma das dicas é que Marcos Rey fazia uma espécie de questionário no qual "conversava com os personagens". Perguntas como: "Onde você nasceu? Qual a sua profissão? Gosta dela? Tem alguma religião? Já viveu algum grande amor? Tem algum ideal político? Gosta de repetir alguma palavra?" ajudam a compor o personagem. Todo mundo se lembra, por exemplo, do Coronel da novela Renascer que sempre dizia: "Certo, muito certo, certíssimo!".

No caso dos heróis, ensina Marcos Rey, é bom dar-lhe um defeito, para torná-lo mais humano: Sherlock Holmes era um dependente de drogas, Poirot um vaidoso, Columbo um relaxado, só para ficar nos detetives.

Como a televisão é uma mídia muito visual, também é bom marcar fisicamente o protagonista. Sherlock Holmes é conhecido pela roupa xadrez, pelo boné e pelo cachimbo. Kojak é careca e fuma uma piteira.

Diálogos
Marcos Rey dá uma lição básica, mas importantíssima: é preferível uma ação muda do que complementada por diálogos inúteis. Imagens também falam. A regra é nunca colocar em palavras o que a imagem já está tornando explícito.

Nesse sentido, ele critica os primeiros roteiristas de telenovelas, que, vindos do rádio, tinham o vício de fazer os personagens falarem o que estavam fazendo.

Ainda sobre diálogos, uma outra dica interessante são as rubricas, marcações nas falas dos personagens para ajudar o diretor a entender o tom da fala. Por exemplo:

Jandira (categórica): Neste hotel não vejo, não escuto, não falo! Pascoal (de boca cheia): É bom fazer coisa nova. A freguesia tá mudando!

Novelas
Marcos Rey conta que a maioria dos diretores mexia muito nos seus roteiros, a ponto de muitas vezes ele não reconhecê-los na tela. De fato, normalmente diretores têm mais poder que os roteiristas e muitas vezes se dão o direito de mexer na história.

Isso só não acontece no caso das novelas. Os roteiristas são as grandes estrelas e têm poder absoluto sobre suas novelas. Os diretores não costumam mudar quase nada. E a razão é simples: a produção de telenovelas é tão estafante e apressada que o diretor só tem tempo de filmar e editar. É justamente o fato das novelas serem uma produção industrial que faz com que elas possam ser obras pessoais a ponto de conseguirmos distinguir o estilo do roteirista. Uma novela de Benedito Rui Barbosa, por exemplo, é completamente diferente de uma do Manoel Carlos.

Adaptações

Talvez o capítulo mais interessante do livro seja sobre adaptações. Embora preferisse trabalhar com textos próprios, Marcos Rey participou de várias adaptações, entre elas A Moreninha e Sítio do Picapau Amarelo.

Dessa experiência ele tirou uma lição: adaptações ao pé da letra, fidelíssimas, são péssimas. O ideal é obedecer a obra original não nos seus detalhes, mas no que ela tem de essencial, de permanente e contagiante.

Exemplo disso é A Moreninha. Quando foi ler o livro, o roteirista desanimou. Os personagens eram poucos e lineares. As moças queriam casar e nada mais, como na maioria dos romances água com açúcar do século XIX. A única inovação de Joaquim Manuel de Macedo foi introduzir uma protagonista morena, mas com alma de loira. A história já havia sido adaptada antes para o teatro, mas sempre como comédia romântica alicerçada em números musicais: "Nenhum grande drama, nenhuma paixão de fogo, nenhuma cena realmente palpitante a que o adaptador pudesse se apegar". Ou seja: não havia material para uma novela.

Marcos Rey resolveu a questão deslocando a ação para a segunda metade do século XIX e introduzindo assunto como a luta pela abolição da escravatura. Os personagens passaram a citar poetas e escritores, a comentarem as inovações tecnológicas da época, como a fotografia e o autocarro movido a vapor.

A Moreninha deixou de ser uma simples moça casadoira para se transformar em um personagem ativo, que tem opinião, toma partido, sabe amar e odiar. Como a musa de Macedo era prima do poeta Álvares de Azevedo, Marcos Rey fez com que a personagem também fosse, permitindo várias referências históricas e literárias.

A Moreninha foi um sucesso, levando ao estrelato sua protagonista Nívea Maria e mostrou que uma adaptação podia ir muito além do original.

Outra experiência curiosa de Marcos Rey aconteceu com a série do Sítio do Picapau Amarelo da década de 1970. Hoje, a maioria das pessoas esclarecidas diz que aquela adaptação da obra de Monteiro Lobato foi um marco, que encantou toda uma geração, mas na época a maioria dos intelectuais simplesmente odiou. E aí vai outra grande lição: nem sempre quem critica uma adaptação conhece a obra original.

Três exemplos:

1 ― Os críticos acharam uma heresia colocar uma televisão na sala da Dona Benta, mas não se tocaram que o Lobato já tinha colocado um rádio lá em plena década de 1920, quando esse aparelho era novidade absoluta.

2 ― Um episódio, "Narizinho atômica", foi muito criticado por estar deturpando a obra de Lobato. E era adaptação fiel de uma história menos conhecida de Lobato no qual ele falava do perigo das bombas atômicas.

3 ― A jornalista Cléo foi vista como absurda criação dos roteiristas, mas foi criada por Lobato, um visionário, que já imaginava o dia em que as mulheres exerceriam o jornalismo.

O roteirista profissional: televisão e cinema, embora não seja um manual, é um livro obrigatório para quem pretende seguir a carreira de roteirista. Além das valiosas lições, serve também pelo texto delicioso de Marcos Rey.

Para ir além






Gian Danton
Macapá, 26/10/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O apocalipse anunciado nas estrelas de Gian Danton


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2009
01. Memória das pornochanchadas - 28/9/2009
02. O roteirista profissional: televisão e cinema - 26/10/2009
03. 10 grandes - 22/6/2009
04. O Gabinete do Dr. Caligari - 13/4/2009
05. A polêmica dos quadrinhos - 25/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autistas do Alem
Nelson Moraes
Petit



Livro - A Arte Mesopotâmica e Persa (col. Saber Ver a Arte)
Jaime Alvar Ezquerra
Martins Fontes
(1991)



Educação Infantil Ii
Maria de Lourdes Trüyillo de Mello
Paulus
(1997)



Fisico Quimica
Vera Lucia Duarte
Atual
(1982)



Livro - A Cabana
William P. Young
Sextante
(2008)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 1 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Switzerland - Lonely Planet
Nicola Williams, Damien Simonis, Kerry Walker
Lonely Planet
(2009)



Consultoria Empresarial - Métodos e Cases dos Campeões - Confira !!!
Mauricio Sita; Dino Carlos Mocsanyi
Ser Mais
(2013)



Meninas Super Poderosas: os Monstros de Giz
E. S. Mooney
Nbl
(2002)



Flores da Ruína - 1ªed
Patrick Modiano
Record
(2015)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês