Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/12/2009
Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia
Luiz Rebinski Junior

+ de 9700 Acessos

Depois de mais de duas décadas sem lançar um romance (o último foi Abacaxi, em 1985), Reinaldo Moraes reaparece na cena literária com um livro ainda mais radical em relação à linguagem solta, fluida, calcada no hedonismo sem fim de seus personagens, que o consagrou no início dos anos 1980, quando lançou Tanto faz (1983) e virou um escritor cultuado.

Pornopopéia (Objetiva, 2009, 480 págs.), seu mais recente trabalho, é um romance de dimensões épicas que conta como um cineasta marginal, que escreve roteiros institucionais para sobreviver, é envolvido em uma espiral de acontecimentos que inclui muito sexo, drogas e o assassinato de um traficante de botequim. Sem um pingo de escrúpulo, moral ou bom senso, Zeca vive apenas o hoje e segue com fiel devoção o mantra "tudo-ao-mesmo-tempo-agora". Zeca é a síntese de vários tipos que estão por aí: o egoísta, o mentiroso, o oportunista, o racista, o cafajeste, o preguiçoso etc. O que realmente assusta, é que ele parece encarnar todos os tipos ao mesmo tempo.

Ainda assim, o vilão sem caráter de Moraes é um boa praça. Contradição que se dissipa "nos traços picarescos" do personagem. O romance, nas suas mais de quatrocentas páginas, é extremamente engraçado. Zeca, um junkie bastante sofisticado culturalmente, é capaz de acometer, nas situações mais difíceis, pérolas como este singelo haicai: "ai de mim/ coração abduzido/ por uma teen". Além do mais, a amoralidade de Zeca é diluída, aos poucos, por um inesperado sentimento de amizade e lealdade. "Claro que é um problema quando um personagem amoral como o Zeca estabelece essa relação catártica com o leitor. Mas é um problema que me pareceu interessante ao escrever", diz Moraes.

Renegando o rótulo de beatnik que lhe persegue há algumas décadas ("sou tão 'bitinique' quanto qualquer bebum da esquina"), Moraes, com a ironia que lhe é característica, fala, a seguir, sobre seu novo livro e sua carreira literária. Confira.

1. Do lançamento de Abacaxi até o Ponopopéia, foram mais de duas décadas sem um romance (excluindo a novela Órbita dos Caracóis, de 2003). Por que esse hiato tão grande? Quanto tempo você levou para escrever o romance, que é um livro extenso e intenso?

Demorei quatro anos de escrita e reescrita. Durante esse hiato fiquei escrevendo pra fora ― roteiros de TV, cinema e institucionais, traduções, matérias pra revistas e mil outras coisas ― e enchendo a cara com os amigos. Devo ter lido alguma coisa também, mas isso não vem ao caso.

2. Os grandes romances saíram de moda, quase ninguém os escreve mais (talvez o Pynchon seja um dos únicos). Por que resolveu escrever uma grande narrativa? Foi uma decisão prévia ou você foi levado pelo andamento do livro?

Misturei uma ideia pra romance, que já tinha me consumido umas 200 páginas, com um conto protagonizado por um dos personagens do romance mal-começado, e deixei a coisa rolar. Vieram outros personagens, uma trama foi se desenhando, e eu fui atrás. Chegou perto das 900 páginas. Aí vieram as revisões e cortes, que deram umas 580 páginas de Word, fonte 12, espaço um e meio. O livro então ficou com 480 páginas. É pra quem gosta de ler romanção. Não sei se isso saiu de moda. Vejo belos catataus à venda nas livrarias, especialmente em língua inglesa, em paperbacks baratos. Se for coisa boa, mesmo que de acordo com um trash-kitsch, nego lê. Se for coisa chata, ninguém aguenta chegar na página três.

3. O Zeca é um cineasta com apenas um filme, que apronta as maiores barbaridades, mas que tem uma cultura bastante avantajada. O personagem não é muito sofisticado para um cara que faz tanta besteira?

Você acha que quem não faz "besteira" fica mais propenso à sofisticação cultural? Fico pensando nesses hierarcas nazistas que adoravam Wagner e Goethe, e nos secretários de estado dos Estados Unidos recendendo a Harvard que invadiram países e massacraram milhões enquanto folheavam seu Maquiavelzinho; e no cultíssimo Ezra Pound, que apoiava o nazifascismo antissemita do alto de mil anos de altíssima cultura clássica. Eles não fizeram besteira? Ou a sofisticação deles é que era meio de araque? Vai saber, né?

4. O contraste entre a baixa e a alta cultura, além do hedonismo exacerbado, é a síntese do personagem?

Síntese, não. Só um traço forte do caráter do meu character com repercussões marcantes da levada estilística do livro. Ou no jeitão da escrita, pra simplificar.

5. Em poucas palavras, o Zeca é um herói sem caráter?

É um pícaro nato. Lazarillo de Thormes, Brás Cubas e Macunaíma, que têm traços picarescos evidentes, parecem todos espelhar um mundo regido por valores bambos, mumificados, hipócritas ou simplesmente ridículos, incapazes de serem assimilados a sério por uma mente carnavalesca e irrequieta como a deles ― e a do Zeca, con permiso. Sempre tive esse desejo de criar um personagem sem o menor superego, pra ver no que ia dar. Tentei fazer isso no Pornopopéia. Foi divertido e meio assustador, em doses mais ou menos iguais.

6. O Zeca é um personagem politicamente incorreto, que passa a perna até em uma prostituta da rua Augusta. Mas, ainda assim, você conseguiu humanizá-lo, sendo difícil para o leitor sentir raiva dele. Acha que o leitor se vê um pouco na pele do personagem?

Adorei ouvir isso. Repete. Imagino que sim. Ou melhor: não vejo por que não. A menos que já tenham revogado em definitivo a catarsis frente às obras de representação e não me avisaram. Claro que é um problema quando um personagem amoral como o Zeca estabelece essa relação catártica com o leitor, purgando ou pelo menos dialogando com seus sentimentos mais sombrios e conflitantes. Mas é um problema que me pareceu interessante ao escrever.

7. O seu personagem é um verdadeiro beatnik, tem uma vida regada a drogas e sexo sem nenhum critério. Qual a chance do leitor confundir o Zeca com o Reinaldo, que também carrega a fama de beatnik?

Rapaz, falei nisso há pouco em outra entrevista, registrando que no Brasil é só você escrever em primeira pessoa com uma levada meio pop que já te chamam de beatnik, etiqueta que o próprio Jack Kerouac abominava, ao contrário de beat, que ele adotava na boa desde cedo (fim dos anos 1940). Sou tão "bitinique" quanto qualquer bebum da esquina. E acho que meu personagem tem uma perversidade lúdica ― se me permite uma certa empáfia ― que escapa inteiramente ao perfil do sofredor desbundado e poético do budocatólico Kerouac, por exemplo. Mas, se você providenciar uma boina, um bongô e uma linda apanhadora de algodão mexicana vivendo clandestinamente na Califórnia pra se sentar no meu colo ― ou no bongô, como ela preferir ―, eu até posso posar de bitinique pra uma foto.

8. Há um tempo surgiu uma geração de escritores que se dizem influenciados pelos beatniks, por Bukowski e pelos autores da "Cantadas Literárias". O que acha dessa turma (estou falando de Marcelo Mirisola, Clarah Averbuck etc.)?

Mirisola e a Clara são meus chapas. Adoro a literatura deles. Sou fã de todos os livros do Marcelo, da sintaxe, do desejo retorcido que ele inventou, das traminhas sórdidas, de tudo. Ele é o máximo. E acabei de ler Vida de gato da Clara, achando que podia ser o John Fante, o grande herói literário dela, se o Fante fosse mulher, jovem, bonita, tatuada, e morasse na esquina da praça Roosevelt, esbanjando talento, não o dele, mas o talento dela mesma, da grande Averbuck-Rogers, espaçonauta de longo curso.

9. Você disse que se ressente de não ter tido uma carreira mais sólida na literatura. Acha que escreveu pouco, ou menos do que deveria? Por quê?

Talvez eu tenha dito isso, não lembro. Talvez eu tenha dito outra coisa, ou querido dizer outra coisa, também não lembro. Talvez, de fato, eu pudesse ter tido uma carreira literária mais sólida, se tivesse feito mais isso e bem menos aquilo, e vice-versa, e coisa e tal. Talvez não. Jamais saberemos. Fico aqui conformado com essa minha consistência de chantilly de merengue de padaria com a qual já me acostumei e que levarei para o crematório, de preferência depois de devida e atestadamente morto.

10. O que vem por aí depois do Pornopopéia?

Um romance de amor passado em parte no México. Falta só escrever, mais nada.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 2/12/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
04. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
05. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DÍVIDAS: COMO NEGOCIAR, COMO PAGAR, COMO EVITAR
M. J. BRITO
DPL
(2002)
R$ 7,90



ZUPI #14
ALLAN SZACHER
ART MAGAZINE
(2009)
R$ 10,00



MÔNICA Nº 75 ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO
MAURÍCIO DE SOUZA
PANINI COMICS
(2013)
R$ 4,99



EL PSICOANÁLISIS DE NIÑOS Y SUS APLICACIONES
A. ABERASTURY (COMPILADORA)
PAIDOS (BUENOS AIRES)
(1972)
R$ 12,28



TEMPO DE CLIMA
RUY COELHO
PERSPECTIVA
(2002)
R$ 22,00



A REDENÇÃO DO ROBÔ
HERBERT READ
SUMMUS
(1986)
R$ 13,41



NEGÓCIO FECHADO - GUIA EMPRESARIAL DE VIAGENS
SUZANA DOBLINSKI JOHR
ESCRITURAS
(2013)
R$ 10,00



REVISTA DE CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO - ANO 1 - Nº 3 JULHO-SETEMBRO
AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA
ALMEDINA
(2010)
R$ 147,68



LE CINÉMA
GEORGES CHARENSOL
LAROUSSE
(1966)
R$ 50,00



TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL
ANTÔNIO WALTER
QUALITYMARK
(2012)
R$ 20,00





busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês