Um imenso Big Brother | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Jeanette Rozsas
>>> Mais Kaizen
>>> O Cabotino reloaded
>>> Deleter
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Clínica de Guitarra de Brasil
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Circo Roda Brasil
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Um Ano Para Enriquecer de Napoleon Hill pela Record (1998)
>>> Leituras De Escritor de Moacyr Scliar pela Sm (2015)
>>> Formaciones Económicas Precapitalistas de Carlos Marx pela Anteo (1973)
>>> A Revolução das Bonecas de José Carlos Oliveira pela Sabiá (1967)
>>> Por Que Ninguém Me Disse Isso Antes?: Ferramentas Para Enfrentar Os Altos E Baixos Da Vida de Julie Smith pela Mixfly (2022)
>>> O Positivismo Jurídico: Lições Da Filosofia Do Direito de Norberto Bobbio pela Icone (1995)
>>> O Falecido Mattia Pascal de Luigi Pirandello pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Inovaçao: A Arte De Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua De Papel (2010)
>>> Illustrated Directory Of Guitars de Ray Bonds pela Barnes & Noble (2006)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Amar e Ser Amado de Pierre Weil - Roland Tompakow Ilustrações pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Manual De Introdução Ao Estudo Do Direito de Rizzatto Nunes pela Saraiva (2009)
>>> Maneiras De Amar - Como A Ciencia Do Apego Adulto Pode Ajudar Voce A Encontrar ¿ E Manter ¿ O Amor de Amir Levine pela Sextante (2021)
>>> Guia Atemporal Das Noivas Com Estilo de Carol Hungria pela 3R Studio (2018)
>>> Os Cinco Príncípios Essenciais De Napoleon Hill de Napoleon Hill pela Citadel Press (2022)
>>> Os Dez Mandamentos Da Etica de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> O Quarto Em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Venda À Mente, Não Ao Cliente de Jurgen Klaric pela Planeta Estrategia (2017)
>>> Processo Decisório de Max H. Bazerman pela Elsevier (2004)
>>> O que é leitura de Maria helena martins pela Brasiliense (1982)
>>> Atriz de Mônica de castro pela Vida E Consciencia (2009)
>>> Trilhando a linha do tempo da reforma de Aecep pela Aecep
>>> Reflexões Sobre a Vaidade dos Homens de Matias Aires pela Martins (1966)
>>> Infinitos de John Banville pela Nova Fronteira (2011)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Segunda-feira, 6/2/2006
Um imenso Big Brother
Vitor Nuzzi
+ de 6100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"Você pode achar amigos que não vê há muitos anos, pode participar de debates interessantes, pode encontrar qualquer tipo de comunidade - que representam a personalidade de cada usuário. E, se não achar, pode criar."

"Acho uma bobagem sem tamanho. Ninguém lá diz direito a verdade. E se generalizo é porque há, sempre há, exceções. Mas tem outro lado: não existiria o meu encontro de 25 anos de formatura do ginásio sem o Orkut."

Parada difícil. Muito mais do que imaginar qual será a próxima taxa básica de juros ou palpitar sobre a Copa do Mundo que começa daqui a quatro meses. Aqui, trata-se de falar o que eu acho do Orkut. Por isso, comecei recorrendo a amigos, cujas opiniões abrem este texto.

Só no Google a comunidade Orkut reúne aproximadamente 6,5 milhões de pessoas, e aproximadamente 3/4 são brasileiros. Em julho de 2005, o repórter Sérgio Dávila, da Folha de S. Paulo, entrevistou o pai da criança - ou, para alguns, o inimigo público número 1. É o turco Orkut Buyukkokten, engenheiro com pós-doutorado em Ciência da Computação, que completará 30 anos neste dia 6 de fevereiro. Parabéns para ele, que diz não ter a menor idéia das razões que fizeram o Orkut se tornar um fenômeno verde-amarelo. "Talvez seja cultural, tenha a ver com a personalidade de vocês, que são conhecidos como um povo amigável", arriscou.

Mas nem ele escapou das ironias orkutianas. Contou ao repórter que recebe várias mensagens de brasileiros, lamentando que não entenda o idioma. Aproveitou para perguntar sobre uma mensagem que estava na tela. Era alguém xingando-o de "filho da puta". O repórter avisou, educado: "Um palavrão que envolve a reputação de sua mãe". Desapontado, Orkut passou à mensagem seguinte. Era alguém perguntando se ele era parente de um personagem do programa A Praça é Nossa. Depois dessa, ele achou melhor mudar de assunto. Talvez tenha achado que os brasileiros, afinal, são amigáveis demais.

Bom, o Orkut é isso. Se você reunir dez pessoas em uma sala, algumas falarão coisas razoavelmente interessantes, outras certamente falarão bobagens e mais outras não dirão A nem B, muito pelo contrário. Imagine reunir 6,5 milhões. O potencial de coisas interessantes e de bobagens se multiplica. As pessoas não são assim?

Durante dois anos, recebi vários convites para entrar no Orkut. Só resolvi aderir no final de outubro. Portanto, a minha vivência resume-se a quatro meses. Tenho 96 amigos - sendo 14 fãs, quem poderia imaginar? - e recebi 149 scraps até o final de janeiro. Uma média modestíssima, pelo que percebo. Humilhado, constato que alguns dos meus parceiros têm centenas de amigos e recebem milhares de mensagens. Alguns falam em linguagem incompreensível para os códigos que aprendi ao longo da vida. Fui chamado a participar de comunidades tão diversas quanto a de ex-funcionários de um jornal onde trabalhei durante dez anos, da faculdade onde estudei, do Geraldo Vandré, de literatura em língua portuguesa e de rock´n´roll.

Já participei de belas discussões sobre o Vandré, tema de um artigo neste mesmo Digestivo. Gente informada, que gosta de trocar idéias. Até me aventurei a falar de rock, área em que praticamente parei nos anos 70. Mas uma grande amiga já me chamou a atenção para um outro aspecto do Orkut: o que eu passei a chamar do povo-que-não-está-nem-aí-mas-mesmo-assim-fala-sem-parar.

A questão era simples. Alguém retomou a brincadeira do stop e propôs que os participantes listassem o nome de dez ex-presidentes da República. (Atenção, preparem as suas listas.) Fui lá ver. O primeiro respondeu: pô, essa é muito difícil. Três escreveram: passo. Teve uma que ainda quis mudar a pergunta para "os cinco melhores presidentes", e ainda por cima mandou ver um Médici, alegando que era o nome de que ela lembrava. Aflição total. Fiz a minha lista, tão básica, com Vargas, Juscelino, Jânio, Jango... Mas ficou a clássica pulga atrás da orelha. Essa moçada não conhece a história recente do Brasil?

Estou lendo aqui mesmo vários relatos sobre orkuticídios. E me inclino a pensar que o Orkut não é um mal em si. Volto à questão das dez pessoas na sala. O risco de ouvir bobagem sempre é grande, mas isso vale para qualquer situação de sua vida. E há situações que você não pode evitar. Na internet, você entra se quiser. É como na sua casa, na qual as pessoas escolhem quem receber. Basta você não deixar entrar, embora pareça antipático. E há os que estão ali para se exibir, é claro. Nessas horas, o Orkut vira um imenso Big Brother, para nosso infortúnio. Só que você ainda pode mudar o canal ou simplesmente desligar.

Mas não se pode ver o Orkut como um desfile de idiotas narcisistas. O Orkut pode ser uma bela ferramenta de busca de conhecimento e para satisfazer curiosidades. Tem de tudo lá dentro, como tem de tudo na vida e no mundo. E é claro que nenhum tipo de parafernália virtual pode substituir o mundo e a vida. O melhor contato continuará sendo aquele que inclui o abraço, a palavra falada, o olho-no-olho e a risada. A voz do melhor amigo e o beijo da namorada.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 6/2/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rebocos da memória: 1929, de Rafael Fava Belúzio de Jardel Dias Cavalcanti
02. Roteiro de um ano de Lisandro Gaertner


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi em 2006
01. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
02. Um imenso Big Brother - 6/2/2006
03. Os 40 anos de A Banda versus Disparada - 30/10/2006
04. Outra palavra, da cidade Coração - 11/4/2006
05. Democracia envelhecida - 20/10/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/2/2006
15h55min
Muito interessante, especialmente pela parte histórica. O texto está gostoso de ler e mostra que até os mais resistentes cedem ao charme e praticidade do Orkut.
[Leia outros Comentários de Tatiana Cavalcanti]
8/2/2006
19h37min
Camarada Vitor, realmente o Orkut pode ser uma coisa interessante, mas também pode ser uma sala cheia de mediocres faladores. Tudo depende da vivência de cada um. Também resisti aos apelos de meus amigos para me agrupar nos infinitos grupos dessa aldeia global de tagarelas. Nada substitui os abraços e o aperto de mão, das boas e velhas amizades. Gostei do seu texto, parabéns, por acaso você quer ser meu amigo?!
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
8/1/2007
15h47min
meu amigo vitor, sobre o orkut eu nao posso fazer nenhum comentario, porque nao conheco, vejo falar que tem coisas ruins/boas... Agora sobre esse tal de big brother, um programa exibido pela tv globo, meu comentario e' o seguinte: 40 anos de rede globo idiotizando o povo brasileiro, esse program, pra mim, e' uma berracao, porque muitas vezes vc vai bater um papo com um amigo ou coisa parecida, vc pergunta um nome de escritor brasileiro, ele nao sabe, mas se perguntar quem foi o ganhador do big brother, ai' meu amigo... Se caisse essa pergunta no vestibular de qualquer faculdade do pais, com certeza 100% acertaria. Que pais e este? Com certeza, e' o brasil: rede globo fatura e enfia guela abaixo, desses idiotas conformados, que nao sabem o nome de 10 ex-presidentes dessa republica de bananas... Um abraco, aldo giannazzi
[Leia outros Comentários de aldo giannazzi ]
10/1/2007
22h44min
Caro Vitor! Você fala do orkut com a propriedade de quem sabe valorizar o aperto de mão. O orkut é um vicio vazio de prazer... a única coisa boa é rever velhos amigos. Boas conversas são raras. Sai' faz tempo, por não encontrar a razão de estar alí olhando a vida dos outros, e os outros olhando a minha... Fico feliz em saber que existam pessoas como tú, no orkut. Parabéns pelo texto, principalmente pelo olho no olho. bj
[Leia outros Comentários de simone camargo]
8/11/2009
02h46min
Muito interessante seu texto e devo dizer que ele se enquadra muito bem na realidade de muitos jovens brasileiros. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Yonoski]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nirvana
George S. Arundale
Pensamento
(1993)



A procura do feminino
Marisa Sanabria
Idéias & Letras
(2005)



A Iara em Os seixos encantados 583
Jorge Saad
Ftd
(1997)



Direito de Familia - Vol 2
Carlos Roberto Gonçalves
Saraiva
(2003)



Pedagogia Científica
Maria Montessori
Flamboyant
(1965)



Era Clássica
A. Soares Amora
Bertrand Brasil
(2001)



Portugal A Missão que Falta Cumprir
Eduardo Amarante
Nova Acrópole
(1994)



Livro Esoterismo O Caminho da Energia domine a arte chinesa da força interior com exercícios de Chi Kung
Mestre Lam Kam Chuen
Manole
(1991)



Mc Fly Unsaid Things... Nossa Historia
Tom Fletcher / Danny Jones / Harry Judd / Dougie P
Best Seller
(2013)



Pensar Sobre a Alimentação á Base de Carne e a Paz Mundial II
Seicho no Ie
Seicho no Ie





busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês