Outra palavra, da cidade Coração | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> Jornalista Edilson Cid Varela de Adirson Vasconcelos Junior pela Correio Braziliense (2003)
>>> Jornal Pasquim Ano XI 70/80 Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A Deusa de Jade e Outros Contos Chineses Famosos de Lin Yutang pela Irmãos Pongetti (1959)
>>> A Barca de Gleyre 2º tomo de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1948)
>>> Jornal Pasquim IX -1977 (vários números) de Jornalistas pela Codecri (1970)
>>> A cidade e a serra de Eça de Queiroz pela Lello & Irmão (1944)
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
COLUNAS >>> Especial Guimarães Rosa

Terça-feira, 11/4/2006
Outra palavra, da cidade Coração
Vitor Nuzzi

+ de 5000 Acessos

João Guimarães Rosa nasceu em 27 de junho de 1908, na pequena Cordisburgo (cordis, coração; burgo, cidade), município mineiro fundado em 1938, maior produtor de abóboras do Estado, com aproximadamente 8.600 habitantes (população estimada em julho de 2005, segundo o IBGE) - e que de 10 a 15 de julho próximos sediará a 18ª Semana Roseana, aberta com missa sertaneja na Igreja Matriz. Nove dias antes do nascimento do pequeno João, primeiro de seis filhos, o navio Kasato Maru atracou no porto de Santos, em São Paulo, trazendo os primeiros 781 imigrantes japoneses. Nos dez anos seguintes, 95% das pessoas que chegaram a São Paulo eram estrangeiras. Nos dez anos posteriores, quando as migrações internas aumentaram, esse número cairia para 75%.

O que tem uma coisa a ver com outra?

A trajetória do contista extraordinário que foi Guimarães Rosa coincide com o período de urbanização do Brasil, mais acelerado em comparação com países desenvolvidos. E ele foi o escritor do país rural, do homem do sertão. Mais que isso, foi cronista da alma. Riobaldo pode ser rústico, mas é bom observador. "Esta vida é de cabeça-para-baixo, ninguém pode medir suas perdas e colheitas", constata. Assim, a busca é menos geográfica do que espiritual.

Em 1925, quando Guimarães Rosa entrou na Faculdade de Medicina de Minas Gerais, a população urbana não chegava a 30%. Só ultrapassaria essa marca no Censo de 1940 - em 1946, em sua efetiva estréia literária, o escritor lançaria Sagarana -, quando apenas Rio de Janeiro e São Paulo tinham mais de um milhão de habitantes. Três anos antes, diante da crescente industrialização e organização sindical, Getúlio Vargas criara a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). No Censo de 1960, a população das cidades já chegava a 45%. Em 1962, viriam as Primeiras Estórias. E ele já estava morto quando, no Censo de 1970, a população urbana, com 56%, ultrapassou pela primeira vez a rural. Em 2000, novamente segundo o IBGE, esse índice já passava de 81%.

- A gente, vamos´embora, morar em cidade grande...

Ele conheceu campo e cidade. Falava mais de dez idiomas, mas, não satisfeito, criou linguagem própria - a partir, principalmente, das histórias que tanto gostava de ouvir. Agente itinerante, auxiliar apurador, médico (foi o orador da turma, em 1930), inspetor voluntário da Força Pública, funcionário do Serviço de Proteção ao Índio, capitão-médico, cônsul, chefe de gabinete, secretário e conselheiro de embaixada, chefe de divisão, embaixador. Sua vida profissional foi extensa e diversificada. E o gosto pelo conhecimento era acentuado. "Ele era um diplomata curioso, porque não queria viajar, e sim ficar no Brasil o tempo todo", contou, em entrevista ao jornal O Globo (em 11 de março deste ano), o escritor Alberto da Costa e Silva, membro da ABL e colega de trabalho de Guimarães Rosa no Itamaraty.

Mas, o que o homem é, depois de tudo, é a soma das vezes em que pôde dominar, em si mesmo, a natureza. Sobre o incompleto feitio que a existência lhe impôs, a forma que ele tentou dar ao próprio e dorido rascunho. Em 1961, ele recebeu da Academia Brasileira de Letras o prêmio Machado de Assis, pelo conjunto da obra. Uma pequena coincidência une os dois escritores: Guimarães Rosa nasceu no ano da morte de Machado - o primeiro estava para completar três meses de vida quando o segundo morreu, em setembro de 1908.

Ninguém é doido. Ou, então, todos.

Criada por Machado, a Academia fez Guimarães Rosa confrontar, de certa forma, o erudito e o popular. Por causa de uma previsão feita não se sabe exatamente por quem, que falava em morte após uma festa em sua homenagem, o escritor adiou durante anos a sua posse - eleito em 1963, só foi empossado em 1967. E morreu três dias depois, em 19 de novembro. "(Ele) Acreditava no imponderável, nas coisas divinas, nas profecias", relatou, também a O Globo, o irmão José Luís. Segundo ele, a expressão mágica para Guimarães Rosa era ave palavra!. "Sempre achei que acima do roteiro de suas histórias estava a palavra."

Sou o que não foi, o que vai ficar calado.

Guimarães Rosa talvez seja aquele raro tipo de escritor mais falado pelo que possivelmente quis dizer do que pelo escreveu. Mas se o estilo e a linguagem são únicos, a temática é universal: a angústia humana, os tormentos da alma, os amores perdidos, a eterna busca de respostas para as incertezas da existência.

"- Pai, a vida é feita só de traiçoeiros altos-e-baixos? Não haverá, para a gente, algum tempo de felicidade, de verdadeira segurança?" E ele, com muito no caso, no devagar da resposta, suave a voz: - "Faz de conta, minha filha... Faz de conta..." Entreentendidos, mais não esperaram.

Paira ainda no universo de sua literatura a ilusão de que existe na Terra uma disputa entre o Bem e o Mal, "o demônio na rua, no meio do redemunho"... Esse conflito está, na verdade, dentro de cada um. Mais que mudar de terra, como no Brasil do século 20, trata-se de mudar de vida. Sem que cessem as interrogações.

O diabo não há. (...) Existe é homem humano. Travessia.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 11/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
02. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
03. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
04. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos de Julio Daio Borges
05. Margarita Paksa: Percepção e Política de Duanne Ribeiro


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi em 2006
01. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
02. Um imenso Big Brother - 6/2/2006
03. Os 40 anos de A Banda versus Disparada - 30/10/2006
04. Outra palavra, da cidade Coração - 11/4/2006
05. Democracia envelhecida - 20/10/2006


Mais Especial Guimarães Rosa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Homem do Chapéu Vermelho
Hervé Guibert
José Olympio
(1996)



Segunda Guerra Mundial - História Fotográfica do Grande Conflito
Charles Herridge
Círculo do Livro



Frommers - Guia Completo de Viagem - Orlando
Rena Bulkin
Julio Louzada
(1995)



Equações Trigonométricas
Herbert F. Pinto
Científica
(1970)



Estações do Ano Inverno
Todolivro
Todolivro
(2010)



A Quarta Onda: os Negócios no Século Xxi
Herman Bryant Maynard Jr e Susan e Mehrtens
Cultrixamana
(1995)



Estes Homens Fizeram o Judaísmo
Marcos Margulies
Documentário
(1974)



Elétrico
Eduardo Ferrari
Literare Books International
(2019)



Refrações no Tempo
Maria José de Queiroz
Topbooks
(1996)



A Suspeita da Imperfeição
Alex de Andrade
Luziletras
(2002)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês