Minha coleção de relógios | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
>>> In the Line of Fire
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> A polêmica dos quadrinhos
>>> Ad Usum Juventutis
>>> Schopenhauer sobre o ofício de escritor
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Últimos Dias, de Gus Van Sant
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Mais Recentes
>>> Passagens – Crises Previsíveis da Vida Adulta de Gail Sheehy pela Francisco Alves (1980)
>>> A Chave da Longevidade de Dr. Hugues Destrem pela Europa-América (1979)
>>> A Força da Saúde de Victor Hugo Belardinelli pela Movimento (2013)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1997)
>>> Velhice - Culpada ou Inocente? de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Doravante (2008)
>>> Envelhecimento Bem-Sucedido de Newton Luiz Terra e Beatriz Dornelles (Orgs.) pela Edipucrs (2003)
>>> Naturalmente Mais Jovem de Roxy Dillon pela Sextante (2016)
>>> Direito Administrativo Descomplicado de Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo pela Método (2019)
>>> Tópicos de Matemática Aplicada de Luiz Roberto Dias de Macedo, Nelson Pereira Castanheira e Alex Rocha pela Intersaberes (2018)
>>> Gestão de Custos de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> Ética Empresarial na Prática de Mario Sergio Cunha Alencastro pela Intersaberes (2016)
>>> Gestão Socioambiental no Brasil de Rodrigo Berté pela Intersaberes Dialógica (2013)
>>> Ferramentas Para a Moderna Gestão Empresarial - Teoria, Implementação e Prática de Maria Inês Caserta Scatena pela Intersaberes Dialógica (2012)
>>> O rio do tempo de Hernani Donato pela Círculo do livro (1976)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Breton/ Trotski - Por uma arte revolucionária independente de Valentim Facioli pela Paz e Terra (1985)
>>> Dize-me com quem andas de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Uma vida encantada de Mary McCarthy pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Quem vai fazer a chuva parar? de Robert Stone pela Companhia das letras (1988)
>>> Meus amigos de Emmanuel Bove pela Companhia das letras (1987)
>>> Rastro do fogo que se afasta de Luis Goytisolo pela Companhia das letras (1988)
>>> Vista do amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das letras (1988)
>>> Tebas do meu coração de Nélida Piñon pela José Olympio (1974)
>>> A república dos sonhos de Nélida Piñon pela Francisco Alves (1984)
>>> O caso Morel de Ruben Fonseca pela Artenova (1973)
>>> E do meio do mundo prostituto só amores guardei do meu charuto/História de amor (Box) de Ruben Fonseca pela Companhia das letras (1997)
>>> A marcha Húngara de Henri Coulonges pela Difel (1994)
>>> A mais que branca de José Geraldo Vieira pela Melhoramentos (1975)
>>> Sobras completas de Nelson Motta pela Nova fronteira (1984)
>>> O Amor é a Melhor Estratégia de Tim Sanders pela Sextante (2003)
>>> Seria trágico... se não fosse cômico: Humor e Psicanálise de Abrão Slavutzky; Daniel Kupermann pela Civilização Brasileira (2005)
>>> Dez Coisas que Eu Amo em Você - Trilogia Bevelstoke Livro 3 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> S.O.S. Dinâmica de Grupo de Albigenor & Rose Militão pela QualityMark (2001)
>>> Constelação Familiar de Divaldo Franco pela Livraria Espírita Alvorada (2009)
>>> Outlander: A Viajante do Tempo - Livro 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão) de Gustavo Cerbasi pela Thomas Nelson Brasil (2008)
>>> El Cuaderno de Maya de Isabel Allende pela Sudamericana (2011)
>>> A Cama na Varanda: Arejando Nossas Idéias a Respeito de Amor e Sexo de Regina Navarro Lins pela Rocco (2000)
>>> A Vida é Bela no Trabalho de Dominique Glocheux pela Sextante
>>> Eugène Delacroix 1798-1863: O Príncipe do Romantismo de Gilles Néret pela Taschen (2001)
>>> Agora Aqui Ninguém Precisa de Si de Arnaldo Antunes pela Companhia das Letras (2015)
>>> Nu de Botas de Antonio Prata pela Companhia das Letras (2013)
>>> Trilogia Suja de Havana de Pedro Juan Gutiérrez pela Companhia das Letras (1999)
>>> As Religiões no Rio de João do Rio pela Jose Olympio (2015)
>>> A Teoria da Causa Madura no Processo do Trabalho de Ben-hur Silveira Claus pela Ltr (2019)
>>> Pimentas de Raul Lody pela Nacional (2018)
>>> Zen a a Arte de Manutenção de Motocicletas de Robert M. Pirsig pela Paz e Terra (1984)
>>> Monobloco - uma Biografia de Leo Morel pela Azougue (2015)
>>> Lei Antiterror Anotada - Lei 13. 260 de Acácio Miranda Silva Filho, Alex Wilson Ferreira pela Foco (2018)
>>> Marketing de Nichos de Alexandre Luzzi las Casas pela Atlas (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 31/10/2008
Minha coleção de relógios
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7400 Acessos
+ 5 Comentário(s)

As pessoas simples deveriam ganhar prêmios invisíveis. Elas não quereriam ganhar prêmios espalhafatosos justamente porque são simples. Essas pessoas deveriam dar às outras (a nós) uma dica de que presente ou agradecimento lhes serviria melhor. As pessoas simples não toleram ouriçamentos e muito menos presentes exuberantes demais. Elas são assim, tão simples, que parecem as paredes, as poltronas, as televisões velhas. Elas ficam ali ao pé da gente e só as notamos quando lá se vão, bem de costas, quando já não há tempo de alcançá-las. E há umas tantas pessoas assim, que se foram sem que desse tempo de dizer a elas coisas bonitas, que são os presentes de que elas mais gostam. São presentes que mudam a respiração da gente por alguns segundos. Aquele esforço doloroso para não chorar, aquele embrulho na garganta, aquela profundidade incontida nos olhos quase afogados. As pessoas simples passam a vida brincando de fingir que não estão nem aí.

Figuraças
No meu bairro, há muitas pessoas simples, até porque, se elas não o fossem, não morariam aqui. Mas nem todos os moradores são gente simples. Há muitos daqueles cujos olhos frustrados não escondem o desejo de morar em outro lugar, mais chique, mais caro, para parecerem melhores do que podem ser de fato.

Há umas senhorinhas que varrem os passeios todos os dias. Ontem mesmo, alguém me disse que este bairro é o lugar da cidade onde moram mais pessoas velhas. Terceira idade, sei lá que nome se tem dado às pessoas que estão aqui há mais de 65 anos, cumprindo sabe-se lá o quê. Olhando para as senhorinhas que varrem as calçadas não dá para imaginar como elas eram há 50 anos. Nem mesmo que cor de cabelo tinham. A maioria delas os tem hoje ou brancos ou de um caramelo comprado. Mas lhes cai bem, cai sim. Elas não são nem louras nem morenas, que isso parece que é coisa de moçoilas.

Os senhores que ficam sentados nas cadeiras da calçada são também segredos vivos. Parece que podem ter sido engenheiros dos canteiros de obras da antiga cidade em construção. Um deles foi dentista, eu sei, mas dizem que "prático". Outro era motorista não se sabe de quem. Hoje não parecem mais do que habitantes da calçada. E as cadeiras em que se sentam são simples, não são de balanço.

Hoje mais cedo, aproveitei que passava pelas calçadas e resolvi entrar na relojoaria. Uma portinhola pela qual não se aposta nada. Há alguns meses, dividiam espaços lá o relojoeiro e o barbeiro. Faltava reforma, a tinta das paredes era suja e os móveis eram quebrados. O barbeiro foi-se embora, dizem que para morar com a filha no interior do estado. O relojoeiro, que parecia muito amigo do barbeiro, deu graças a Deus. Contou-me que o outro não permitia que se fizesse uma necessária reforma na empresa. Hoje estão lá a parede branquinha, a pintura nova dos móveis e o cofre de estimação, onde ele guarda todo tipo de peça e bateria.

Fui trocar pilhas de vários relógios. Ávido por ter alguém com quem conversar, ele disparou a matracagem assim que pus os pés para dentro da soleira. Contou da família, da filha que terá promoção para major, do genro que não toma remédio, do médico que lhe disse que chás fazem mal. Tratou de me explicar que mal faz a Coca-Cola, que bebe muita água todos os dias e a demora em encontrar um especialista em doenças do trato digestivo.

Dizia ele que o doutor sabia de tudo, especialmente do que deveríamos evitar. Que médico não manda, médico pede para evitar. Que o que a gente pensa que faz bem, às vezes, na expressão dele, "faz efeito retroativo". Essa frase me desconcentrou por alguns segundos, mas consegui entender o que ele dizia, enquanto observava a precisão meio trêmula com que ele mexia na máquina do meu Technos. O relojoeiro dizia que os chás são de plantas e fazem mal, só mesmo o chá de camomila pode prestar para alguma coisa. Que médico é médico, mas que há as pessoas "que se diz ignorantes", que são aquelas que teimam com coisas bestas. E ele me dizia que a moça da esquina de cima veio trazer os relógios da filha para consertar. E que a menina sofreu um acidente doméstico e quase perdeu a mão, uma tristeza.

O relojoeiro comia meu tempo. Nas mãos dele, minha pequena fortuna em relógios baratos. E ele comentava os relógios quadrados do Faustão. E dizia que as máquinas dos meus não eram ruins. Mesmo a daquele meio genérico. O relojoeiro trocava as baterias e depois fazia questão de acertar as horas. A cada vez que ele fazia isso, eu me esgueirava por trás do vidro para ver que horas eram e quanto tempo ele havia surrupiado sem que eu notasse. O relojoeiro falou mais um belo bocado de assuntos diversos e deixou minha tarde comprida. Eu escutei como uma menina que ouve histórias pela segunda ou terceira vez. O relojoeiro ajeitou sete relógios.

Quatro reais cada bateria. Ele não tinha troco. Fez tudo por vinte vinténs, que era a nota que eu tinha abaixo da maior. Não quis completar os outros tantos que faltavam. Disse que tinha que me fazer "uma gracinha". Freguesa boa, volta sempre. Mas ele queria mesmo era agradecer a conversa durante bem mais de meia hora. Acho que queria agradecer minha escuta sincera, especialmente quando eu fazia cara de surpresa ou quando tecia um comentário ameno qualquer. O tempo do relojoeiro escorre. E ele sabe.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 31/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Histórias de agosto de Marcelo Barbão


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2008
00h44min
Não vou fingir que não estou nem aí: lindíssimo texto! Tocante! Me fez lembrar o filme do Paulinho da Viola, "Meu tempo é hoje", que, diga-se, de passagem é genial.
[Leia outros Comentários de Fernando Lima]
1/11/2008
06h31min
Querida Ana Elisa, "hoje mais cedo, aproveitei..." para visitar o Digestivo Cultural, e encontro o seu comovente texto. Ele me remeteu a "O Narrador" de Walter Benjamin; à grande lição dos gregos: jamais se rebelar contra o tempo, além do belo texto sobre a Tia Silvinha, com o qual você nos presenteou dias atrás. Obrigado por tantos presentes! Beijos do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
3/11/2008
10h30min
Pena que li esse teu texto pela manhã. Gostaria de tê-lo lido no finalzinho da tarde, porque foi essa a sensação que ele me passou. E isso tem a ver com o tempo? Só tem! As senhorinhas e os senhores de teu bairro estão no fim do dia, e o relojeiro - provavelmente - também. E nós, Ana, também caminhamos pra lá. Teu texto tem o cheiro de coisa antiga, de palavras antigas, que nossos filhos, hoje, desconhecem. Eles não sabem o que é "vasilhame", "cumbuca", "baiúca", porque essas palavras pertencem a uma época em que sentar em cadeiras em frente de casa era sentir o tempo passar, costume simples, de pessoas simples. Teu texto tem a simplicidade de tardes amenas, que relógio nenhum é capaz de contar. Um grande abraço.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
4/11/2008
08h04min
Acordei já na corrida para a internet - local de primeira etapa de trabalho - e decidi conferir se havia chegado um novo texto teu. Sim, pode avisar pro JDB que entro no site pra conferir isso e nada mais; o que ainda é mentira deslavada. Que bom poder dizê-las! Enfim, entre entrar aqui para te ler e comentar o lido, o tempo tem sido congelado. Não sinto que me roubam nada quando há prazer. Pena depois o tempo, que é de escorpião, fincar a vingança ao fim do intervalo. Corre por aí que ele adora viver do arrependimento alheio. Por hora resisto na minha trincheira. Bonito é ser um senhor chamado de segredo vivo. gracias, Ana E. R. Inté, F.
[Leia outros Comentários de Felipe Eugênio]
6/11/2008
14h24min
Ana Elisa, fiquei emocionada com seu texto, porque nasci e vivi durante muitos anos também em um bairro simples bem parecido com o que você contou. Lembro-me principalmente desses momentos que a gente chama de "jogar conversa fora". O tempo passa, mas de um jeito diferente. É uma delícia o que sentimos, só que não sabemos expressar como você. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RUMO AO PORTUGUÊS LEGÍTIMO, LÍNGUA E LITERATURA 1750 - 1850, COL. ENSA
AMÉRICO ANTÓNIO LINDEZA DIOGO E OSVALDO MANUEL ...
ANGELUS NOVUS
(1996)
R$ 31,15



PRÉCIS DE MÉDECINE LÉGALE
A. LACASSAGNE
MASSON ET CIE
(1909)
R$ 117,60



HISTÓRIAS INFANTIS, PARA ADULTOS
JORGE LINZMEIER
ANDARILHO
(1998)
R$ 9,33



THE WOODS
HARLAN COBEN
PENGUIN USA
(2008)
R$ 20,00



ESTAÇÃO TERRA - COMUNICAÇÃO NO TEMPO E NO ESPAÇO -
DORA INCONTRI
MODERNA
(1991)
R$ 7,00



OS DOIS BRASIS (VOLUME 335 BRASILIANA) - 4509
JACQUES LAMBERT
COMPANHIA NACIONAL
(1969)
R$ 10,00



O ESTRELA DE PRATA E OUTRAS AVENTURAS DE SHERLOCK.
CONAN DOYLE
EDIOURO
R$ 6,90



CABEÇA DE HOMEM
LEO JAIME
AGIR
(2014)
R$ 12,00



THE FINAL DETAIL
HARLAN COBEN
DELL BOOKS
(2011)
R$ 15,00



ROBINSON CRUSOÉ
DANIEL DEFOE
L&PM
(2010)
R$ 19,90





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês