Substantivo impróprio | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> Noções do Grego Bíblico de Lourenço Stelio Rega pela Vida Nova (1995)
>>> Análise Real: uma Introdução de A. J. White; Elza P Guimarães (coordenação) pela Edgard Blucher; Edusp (1973)
>>> Juventude e Revolução : uma Investigação Sobre a Atitude Revoluci de Hermes Zaneti pela Edunb (brasília) (2001)
>>> Ritos Mágicos e Ocultos de Idries Shiah pela Três (1973)
>>> Sócrates: os Pensadores de Nova Cultural pela Nova Cultural (1987)
>>> Da Revolução de 30 ao Terror do Estado Novo de J I Cabral de Vasconcellos Filho pela Cátedra (1982)
>>> Quo Vadis: a Ordem Mundial Perspectiva 2 de Alexander Zhebit pela Bennett (2003)
>>> Antologia Mitavaí: Poesia e Prosa da Oficina Literária Icp de Ivan Cavalcanti Proença pela Mitavaí (rj) (1986)
>>> Joana dos Santos de Ivan Bichara pela Bertrand Brasil (1995)
>>> Dictionnaire de La Bible de Andre Marie Gerard pela R Laffont (1989)
>>> Terapêutica Clínica - Segunda Edição de Paul G. Ramsey e Eric B. Larson & Cols. pela Artes Médicas (porto Alegre) (1995)
>>> Introduction to Opera (capa Dura) de Mary Ellis Peltz (editor) pela Barnes & Noble (1957)
>>> A Princesa e o Profeta de Shafique Keshavjee pela Ediouro (2004)
>>> Michelin Red Guide 1990: Main Cities, Europe de Michelin Travel Publications pela Michelin Travel Publications (1990)
>>> O Mandado de Seguranca e Outras Acoes Constitucionais Tipicas de Jose da Silva Pacheco (3ª Edição) pela Revista dos Tribunais (1998)
>>> Pedro Calmon de Luis Henrique Dias Tavares pela Fundação Cultural da Bahia (1977)
>>> Comandos do Ms-dos: Inclui Versão 4 e dos Shell de Van Wolverton pela Campus (1989)
>>> Ensayos Sobre Narrativa Francesa Contemporánea de Willi Hirdt pela Alfa (1984)
>>> A Filosofia da Medicina Oriental de Georges Ohsawa 5ª Edição pela Associação Macrobiótica (rs) (1977)
>>> La Muerte En El Alma - los Caminos de La Libertad III de Jean Paul Sartre pela Losada (1967)
>>> A Sociedade e o Crime de Luís de Carvalho e Oliveira pela Arcádia (lisboa Portugal) (1960)
>>> São José do Norte Aspectos Linguístico-etnográficos do Antigo Municípi de Heinrich A. W. Bunse (2ª Edição) pela Mercado Aberto (1981)
>>> Daemon de Daniel Suarez pela Planeta do Brasil (2011)
>>> Gustavo Cisneros: un Empresario Global de Pablo Bachelet pela Planeta (buenos Aires) (2004)
>>> Guia do Acervo do Arquivo Museu de Literatura Brasileira de Eliane Vasconcellos e Laura Regina Xavier pela Casa de Rui Barbosa (2012)
>>> Lista Vermelha de Animais Ameaçados de Extinção no Estado do Para de Márcia de Guadalupe, Olaf Mielke e Outros pela Sema; Piab (1995)
>>> Redigindo a Sentença Cível 5ª Edição de Elpídio Donizetti pela Lumen Juris (rj) (2008)
>>> Hip Hotels: Paris (em Inglês) de Herbert Ypma pela Thames & Hudson (2007)
>>> A Máquina de Xadrez - 2ª Edição de Robert Löhr pela Record (2007)
>>> Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (rename) de Ministério da Saúde - 5ª Edição pela Ministério da Saúde (2007)
>>> Quem Matou John Maynard Keynes? de W. Carl Biven pela Mcgraw Hill (1990)
>>> Química na Sociedade: Projeto de Ensino de Química Em um Contexto de Eliane Nilvana F. de Castro, Rogério S. Mol pela Unb (1998)
>>> Curso de Direito do Trabalho Aplicado. Parte Geral Vol 1 de Homero Batista Mateus da Silva 3ª Edição pela Revista dos Tribunais (2015)
>>> Antes Tempos Depois: Pequenos Ensaios de Roberto Cavalcanti de Albuquerque pela José Olympio (2007)
>>> Na Imprensa... Coletânea de Artigos (1987 - 2004) de Ives Gandra da Silva Martins (capa Dura) pela Do Brasil (2005)
>>> Antes Tempos Depois: Pequenos Ensaios de Roberto Cavalcanti de Albuquerque pela José Olympio (2007)
>>> Cultura del Renacimiento - Tercera Edicion de Robert F Arnold (capa Dura) pela Labor (barcelona Espanha) (1936)
>>> Reengenharia do Setor Público: as Bases para a Construção do Esta de Francisco Paulo de Melo Neto pela Quartet (1995)
>>> O Novo Oriente Médio de Shimon Peres pela Relume Dumará (1994)
>>> Expedições Militares Contra Canudos: Seu Aspecto Marcial de Tristão de Alencar Araripe pela Bibliex (1985)
>>> Petrobrás: um Monopólio Em Fim de Linha de Gilberto Paim pela Topbooks (1994)
>>> Estratégia Militar e Desarmamento de Nelson Freire Lavenère Wanderle pela Bibliex (1971)
>>> O Estado Super Desenvolvido de Gilberto Mathias e Pierre Salama pela Brasiliense (1983)
>>> Manual da Constituição - 2ª Edição de Themistocles Brandão Cavalcanti pela Zahar (1963)
>>> Jesus de Nazaré: Esplendor no Ocidente de Marco Aurélio Baggio pela Compos (bh) (2002)
>>> O Demônio da Barba Manchada de Rodolfo Gomes Pessanha pela Saint Paul (niterói) (1991)
>>> Três Faces de uma Cidade de José Aparecido de Oliveira pela Gdf (1987)
>>> O Problema do Trabalho de Alceu Amoroso Lima (2ª Edição) pela Agir (1956)
>>> O Homem do Gravador de Jean Jaques Abrahams pela Imago (1978)
>>> Fresno Contra o Mundo; o Passado Secreto do Nazismo no Brasil de Rolling Stone, Nº 51 de 2010 pela Spring (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/4/2008
Substantivo impróprio
Ana Elisa Ribeiro

+ de 8100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Ana só
Pensa que é fácil chamar Ana? É de uma simplicidade enganosa. Não passo, desde que nasci, um dia sequer sem ouvir a pergunta: Ana o quê? Ana é prefixo, não se completa, precisa de complemento. E quem chama Ana só Ana? Parece que a mãe estava de má vontade. Não é isso? E aí começa a saga de soletrar o nome. Embora Ana possa ser simples assim, muitas Anas se chamam Anna. Até aí ainda é previsível, mas o que vem depois disso nem sempre é. Ana Maria, Ana Paula, Ana Cláudia, Ana Luiza. No meu caso, Ana Elisa não é dos mais comuns. Afora a ignorância das pessoas em relação a vogais e consoantes, começo a soletrar que meu Elisa é com S. Assim como há as Luisas e as Luizas, com e sem acento, no I, enfatize-se. E depois disso ainda preciso salientar que me chamo Ana Elisa, e não Anelise ou Anelisa ou mesmo Monalisa. Houve quem me chamasse até de Melissa. E ainda tenho que ter tempo para soletrar bem lentamente, com a fineza de dar uma pausa maior entre o Ana e o próximo nome. O fato de não começar meu segundo nome com consoante me atrapalha bastante, desde que me entendo por gente. Anelise deve soar mais lógico, não sei. Não me ocorre, no entanto, essa fusão, e então preciso explicar, incansavelmente e sem me irritar, que sou Ana, Ana Elisa.

Maria
E pensa que é bom se chamar Maria? Mesma coisa, ainda pior. Não sei, não vou afirmar porque sabe lá o peso que é nascer se chamando Maria. Ao mesmo tempo que é simples, é carregado. Maria é penoso. Ouça-se um pouco das histórias bíblicas e ainda metade das canções que foram feitas sob inspiração de Marias. Uma dor, suor, um drama. Maria não pode ser sozinha. Maria é junto com qualquer outra coisa: da Graça, da Glória, da Piedade. E é tão inócuo, assim como as Anas prefixais, que acabam se tornando apenas o segundo nome. Ou ganham apelidos. Aninhas e Mariazinhas, em Minas, Mariinhas mesmo. E vão-se de mãos dadas a mãe e a filha, avó e mãe do menino-Deus. Maria precisa de mais: Maria Cecília, Maria Teresa, Maria do Carmo. Quanta Maria não deixou o nome pra lá. E quando não é prefixo, é sufixo: Sônia Maria, Letícia Maria, que nem combinam, porque Letícia, em latim, era "alegria" (laetitia). E ainda mais: famílias inteiras formadas por Marias. A minha mesma, da árvore materna, tem lá umas tantas, todas elas: Maria Carmen, M Célia, M Patrícia, M Sílvia, M de Lourdes. As irmãs do meu pai, as duas únicas, são Letícia Maria e Maria Alice. E para não ficar só nisso, os homens da família se casaram com Marias. Um deles, não contente com tão pouco, se casou com uma Ana Maria.

Eduardo
Meu filho deveria ter se chamado E-duardo, com hífen. Talvez o moço do cartório criasse caso. Talvez ele dissesse que eu deveria preferir caracteres válidos. Alguém se chama Maria/Inês, com barra? Não. Então por que E-duardo. É que conheci meu marido na Internet. Achei que E-duardo seria mais significativo.

Compostos
Minha mãe tinha sérias dúvidas na hora de escolher os nomes dos pimpolhos. Tudo tinha que ser composto, mania de quem queria ter dez filhos, mas só pôde ter a metade disso. Bons e férteis tempos aqueles. Não precisava preocupar muito com menino. Minha avó conta que ter muitos filhos, às pencas, é muito mais fácil do que ter só um. Vejam vocês que ela me contou o segredo: ah, a gente punha os mais velhos para tomar conta dos mais novos. Perguntei: e dentista, pediatra, escolinha? Ela não disse mais nada. A gente vê as respostas nos sorrisos dos nossos pais.

Minha mãe punha lá: Ana Cristina, Ana Elisa, Luiz Alberto, mas e o Sérgio? Maior arrependimento é não ter pensado em Sérgio Luiz. Será que ele tem trauma por conta disso? Duvido. Sérgio é tão simples. Só a enteada dele é que ainda tem dificuldades. Até pouco tempo, a menina chamava meu irmão de Sergem, que também soa simpático. A garotinha, sim, é que terá problemas: Raiane com I ou Rayane com Y? O que vocês acham?

Homenagens
Diz minha mãe que escapei de Gilca. Sabe essas manias de fundir os nomes dos pais? Pois é. Em biologia isso pode se chamar hibridismo, que é quando dá certo. Quando dá errado, é monstruosidade mesmo. Gilca era Gilberto e Carmen. Tem condição? Mas colocaram uns nomes numa bacia e sortearam. Saiu Ana Elisa, com S, por favor.

Para meus irmãos, Flávio meu pai não queria porque era o nome de um cara chato que ele conhecia. Todo Ronaldo era mala. José não podia. Nome bíblico, nem pensar. O nome dele... Gilberto, de jeito nenhum. Se fosse Humberto, seria pior. Imagine um guri condenado a passar a vida ouvindo a piadinha dos DoisBertos? Mas todos os meus tios que tiveram filhos têm suas versões Júnior. Todos. Hélio Júnior, José Luiz e até a Ana Paula, que homenageou o Paulo, pai dela, já que nasceu fêmea. Mas ora vejam: o nome do Paulo não é Paulo. É José João. Com vergonha disso, ele, quando conheceu minha tia, disse logo que se chamava Paulo. Tem condição? Tem.

Júnior
Nem bem nasceu o menino e todo mundo quer saber qual será o substantivo próprio pelo qual ele responderá. Antes de Eduardo nascer já tinha muita discussão. A subjetividade das percepções desnorteia a gente. Bernardo é nome de menino gordo, dizia um. Guilherme é ruim, vai virar Gui. Gustavo é o nome daquele meu colega mala. Pior: vai virar Gugu. Pois é. Eduardo é nome forte, másculo, virou Dudu.

Mas não tivemos, sequer por um segundo, a idéia de que Edu se chamasse Jorge. Com a música da Fernanda Abreu (Jorge Ben Jor) tocando sem parar, ficava impossível. E bem que pensamos em homenagear um avô, mas isso causaria ciúmes de algum lado. Vocês haverão de convir que Gilberto Francisco não dá. Ademais, o nome da frente ou o nome de trás seria outro problema. Melhor não.

Piores são os Júnior. No Brasil, muita gente já não sabe para quê isso serve. As homenagens perpetuam nomes escabrosos por aí, menininhos lindos, de bochechas rosadas, que se chamam Aristides Rosalvo Neto. Vá lá, pelo menos é sonoro. Mas Júnior deveria ser o nome do pai, cuspido e escarrado, acrescido do Júnior. Se o pai é José João da Silva, então o guri se condena a José João da Silva Júnior. Para abrasileirar a coisa, deveria até ser José João da Silva Filho, mas fazer o quê? Filho e Júnior são equivalentes. E várias línguas têm terminações com essa função. Que eu me lembre, ao menos o russo, o inglês em várias culturas, etc. Mc (de McDonalds), O' (de O'Neil, que é o Of Neil), Vitch ou coisa parecida. Em português, mui antigamente, já tivemos o -es (ou -ez, como em espanhol). Alvares e Alves, Nunes, Rodrigues... são os filhos do Álvaro, do Nuno e do Rodrigo. Mas quem sabe disso hoje em dia? Que sentido isso faz? O negócio mesmo é pipocar no menino um Júnior e pronto, bem no meio do nome: Rafael Gonçalves Júnior da Silva. Sem condição. É Neto que não chama Neto. Sobrinho que não é sobrinho. Uma fuzarca danada. Pelo menos com mulher isso não acontece. Ao menos não com freqüência. Já os exemplos masculinos repousam no quarto ao lado. Está aqui o Jorge, que além de não me deixar mentir, é Neto da Conceição. Preciso mencionar quanta brincadeirinha ele ouve até hoje?

Exame de consciência
Toda mãe e todo pai deveriam, antes de dar nome aos filhos, fazer um exame de consciência. Em seguida, pensar na escolinha, na hora da chamada. Aquele momento de dizer "presente" é crucial para a sanidade de alguém. Crianças não lidam bem com apelidos. Em geral, se magoam por conta dos colegas cruéis que não sabem o que é se chamar Astolfo ou ainda ter, na terceira série, um Pinto no sobrenome. Bacana é ter nome estrangeiro ou se chamar Pamela.

Mas sobrenome também dá rolo. O Daniel Falkemberg que se segurasse. Corgozinho não passava desapercebido. Os italianos jamais pronunciados corretamente, como os Tognoli, Gariglio e outros que não são bem o que parecem. E a Carla Coscarelli, que mesmo tendo um nome bonito desse, já recebeu trabalho de aluno com um presente na capa: Carla Cascavel.

Apelidos
Na minha família, os apelidos se perpetuam tal como os nomes. Fábio virou Bô quando era bem pequeno. O caçulinha da família não conseguia pronunciar o nome inteiro. Por motivo menos explicável, o mesmo caçula chamava o José Luiz de Tô. O Bô sumiu no ar. O Tô é Tô até hoje. E o filho dele, que deveria ser José Luizinho, antes mesmo de nascer, para desgosto da mãe, a Ana Maria, era chamado por todos de o Tozinho. Até hoje.

Vai do jeito que dá
Ser Ana não é fácil. Soletrar o nome a cada compra, a cada telefonema, desgasta e inquieta. Bem fazia o Manuel, dono da barraca de cerveja que meu pai freqüenta em Cabo Frio: sem perguntar, escrevia no caderninho das contas Juberto, e dava cada sorrisão grandão quando a mesa pedia "mais uma".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/4/2008


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Eu e o cursinho pré-vestibular - 22/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2008
12h56min
Ana, sabe uma coisa que eu acho bacana nos seus textos aqui do Digestivo? Eles se parecem essas conversas que a gente começa no boteco, e logo outra pessoa já tem um caso parecido pra contar, ou um exemplo parecido para dar, e aí o papo vai se estendendo, rendendo, uma coisa puxa a outra e de tão agradável a gente até esquece porque começamos a falar daquilo. Também me irrita ter que explicar o "Elisa com s", o Anelise, e no e-mail, que o "Novais é com i". É engraçado comentar aqui sobre o seu nome, porque é o meu também. Mas, como homônimas, somos "iguais na forma e diferentes na significação". Meu pai acha esse nome lindo de morrer, tanto que lá em casa somos: Ana Beatriz, Ana Elisa e Ana Cláudia. O meu irmão é Júnior do meu pai, Osvaldo. Aliás, conheço um cara cujo nome é Júnior mesmo: Júnior Gustavo Patrocínio! Vai explicar! Eu ia me chamar Sebastiana, talvez até com um "Neta" no final, mas fui salva pela minha querida irmã, a Beatriz. Agora, alguém já te chamou de "Neise?
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Novais]
25/4/2008
15h01min
pior era o Gracindo, que de tanto Pelópidas, Petrópolis, Pelopeles e Seu Envelope, acabou apelando para o Paulo mesmo. mas cá entre nós, o problema são as vogais. eu, de Eduardo, tenho que aguentar uma EduardA...ssis, ou então me contentar com um nome de burocrata com cara de carimbo: Eduardo Martins, ao seu dispor.
[Leia outros Comentários de eduardo]
26/4/2008
12h58min
Ana, muito bom o texto. Realmente é um encanto o estilo dialógico que vc possui. Imagine só, Eu seeeeeeeempre tenho que dizer que meu nome é com "PH". E, ainda, há algumas pessoas que, quando vão buscar algum documento de referência a meu nome, procuram o "PH" no início do nome. hehehe Fato interessantíssimo que aconteceu comigo, uma vez, foi quando eu estava para entrar em uma sala, para um processo seletivo, e tiveram que verificar a minha cadeira somente pelo número do RG... Sabe por quê? Havia um completo homônimo na mesma sala; Raphael Augusto Oliveira Barbosa. Arrependo-me por não ter conversado com meu semelhante de nome... Algumas incoerências normativas podem causar razão de piadas, quando alguém pergunta: "Como você se chama?", normativamente responderiamos: "Eu não me chamo, os outros é que me chamam" hihihi P.S.: Piadinha bobinha.
[Leia outros Comentários de Raphael Barbosa]
30/4/2008
19h12min
Ana, como sempre, adorei seu texto. Sou outra Ana, sendo também Maria! Nos idos dos anos 50/60, no colégio interno, tinha sempre a companhia de mais 4 ou 5 Anas Marias, o que levava a sermos chamadas apenas pelo sobrenome, e o meu era Santos. Aliás, as muitas meninas com nome de Ana Maria, da minha geração, segundo meu pai, herdaram o nome de personagem de "Olhai os lírios dos campos", de Érico Veríssimo, grande best-seller do início dos anos 40. Ainda a conferir essa informação... ou melhor, você confirma?
[Leia outros Comentários de Ana Maria]
8/5/2008
15h30min
Imagine quantos nomes de xarope para "roquidão" já me receitaram, e o infeliz que faz a piadinha ainda acha que é o primeiro a fazer isso...
[Leia outros Comentários de Sílvio Rocco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MERCHANDISING NO PONTO-DE-VENDA
REGINA BLESSA
ATLAS
(2003)
R$ 56,00



CONVERSANDO COM DEUS (LIVRO II)
NEALE DONALD WALSCH
AGIR
(2011)
R$ 22,00



CADÊ A AGUA DO MESTRE ALEIJADINHO (NOVA ORTOGRAFIA)
FERNANDO A. PIRES
FORMATO
(2014)
R$ 34,90



(RE)PENSAR AS PRÁTICAS EDUCATIVAS
ROSA MARIA GOMES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 594,00



A RELAÇÃO ENTRE PÚBLICO E PRIVADO NAS TV CULTURA E TV BRASIL
MELISSA RABELO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



SINASTRIA - ESTUDO DOS RELACIONAMENTOS - TEORIA E PRÁTICA
ANNA MARIA DA COSTA RIBEIRO
HIPOCAMPO
(1989)
R$ 65,00



CARTILHA DO CONSUMIDOR
DEPARTº DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR
SEC. DIREITO ECONÔMICO
(1999)
R$ 6,00



DEMOCRACIA E PARTICIPAÇÃO: REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DO 3º CICLO
CARIDADE MARIA DIAS COSTA DE ALMEIDA LIMA SANTOS PEREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



RELACIONAMENTO NA CADEIA PRODUTIVA DA MAÇÃ E TEORIA DA COMPLEXIDADE
MARCIA ROHR DA CRUZ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



E AGORA, CHE? A REVOLUÇÃO DAS BANANAS
HUMBERTO BORGES
EUROPA (RJ)
(1980)
R$ 28,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês