Substantivo impróprio | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Mais Recentes
>>> Los Condenados de la Tierra (Os Condenados da Terra) de Frantz Fanon pela Fondo de Cultura Econónica (2018)
>>> Les Confessions de Jean-Jacques Rousseau pela Hachete (1903)
>>> O primo Basílio de Eça de Queirós pela Abril Cultural (1979)
>>> Revue Française de Science Politique Volume XXI Numéro 3 juin 1971 de Jean Brusset, Mattei Dogan e outros pela Puf (1971)
>>> Introdução à Geografia da População de Wilbur Zelinsky pela Zahar (1974)
>>> Revista do Brasil de Antonio Candido, Celso Furtado, Julio Cortázar, Manoel Bonfim, Poty e outros pela Rioarte / Funarte (1984)
>>> Painel da Literatura em Língua Portuguesa de José de Nicola pela Scipione (2010)
>>> Crónica de una muerte anunciada de Gabriel García Márquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Marlene D de Marlene Dietrich pela Nordica (1984)
>>> Notícia de un secuestro de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Há Males Que Vêm Para Bem de Alec Guinness pela Francisco Alves (1990)
>>> Vivir para Contarla de Gabriel García Márquez pela Debolsillo (2017)
>>> Tango Solo de Anthony Quinn, Daniel Paisner pela Nova Fronteira (1995)
>>> El Coronel no Tiene Quien le Escriba de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Edicel (1979)
>>> A garota que eu quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> O inverno das fadas de Carolina Munhóz pela Casa da palavra (2012)
>>> Treinando a emoção para ser feliz de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> E se for você? de Rebecca Donovan pela Globo (2016)
>>> O guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1993)
>>> Um porto seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ouse ir Além - Coaching para Resultados Extraordinários de José Roberto Marques pela Ibc (2016)
>>> Segundo - Eu me chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrínseca (2014)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel García Márques pela Plaza Janés (1999)
>>> A cadeira de prata - As crônicas de Nárnia de C. S. lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Ases nas alturas - Wild Cards de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Homens de grossa aventura. Acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro 1790-1830 de João Luís Fragoso pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Anjos caídos de Asa Schwarz pela Planeta (2010)
>>> Um conto do destrino de Mark Helprin pela Novo Conceito (2014)
>>> O diabo e a Terra de Santa Cruz de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1986)
>>> O Antigo Regime nos trópicos de João Fragoso & Maria Fernanda Bicalho & Maria de Fátima Gouvêa. Organizadores pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Dominguinhos o Neném de Garanhuns de Antônio Vilela de Souza pela Garanhuns (2014)
>>> Viva a Vagina de Nina Brochman / Ellen Sorkken Dahl pela Pararela (2017)
>>> Grandes Pensadores em Psicologia - 10A de Rom Harré pela Roca (2009)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2015)
>>> Steve Jobs : a biografia de Walter Isaacson pela Companhia Das Letras (2011)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> Cien Años de Soledad de Gabriel Garcia Marques pela Plaza Janés (1999)
>>> O Taro Adivinhatório de Vários pela Pensamento
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2002)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> O Paraíso na Outra Esquina de Mario Vargas Llosa pela Arx (2003)
>>> A Festa da Insignificância de Milan Kundera pela Companhia das Letras (2014)
>>> História da Menina Perdida de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2017)
>>> A Lenda do Graal (Do Ponto de Vista Psicológico) de Emma Jung e Marie Louise Von Franz pela Cultrix (1991)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (1975)
>>> O Verão Sem Homens de Siri Hustvedt pela Companhia das Letras (2013)
>>> Hostória de Quem Foge e de Quem Fica de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/4/2008
Substantivo impróprio
Ana Elisa Ribeiro

+ de 9000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Ana só
Pensa que é fácil chamar Ana? É de uma simplicidade enganosa. Não passo, desde que nasci, um dia sequer sem ouvir a pergunta: Ana o quê? Ana é prefixo, não se completa, precisa de complemento. E quem chama Ana só Ana? Parece que a mãe estava de má vontade. Não é isso? E aí começa a saga de soletrar o nome. Embora Ana possa ser simples assim, muitas Anas se chamam Anna. Até aí ainda é previsível, mas o que vem depois disso nem sempre é. Ana Maria, Ana Paula, Ana Cláudia, Ana Luiza. No meu caso, Ana Elisa não é dos mais comuns. Afora a ignorância das pessoas em relação a vogais e consoantes, começo a soletrar que meu Elisa é com S. Assim como há as Luisas e as Luizas, com e sem acento, no I, enfatize-se. E depois disso ainda preciso salientar que me chamo Ana Elisa, e não Anelise ou Anelisa ou mesmo Monalisa. Houve quem me chamasse até de Melissa. E ainda tenho que ter tempo para soletrar bem lentamente, com a fineza de dar uma pausa maior entre o Ana e o próximo nome. O fato de não começar meu segundo nome com consoante me atrapalha bastante, desde que me entendo por gente. Anelise deve soar mais lógico, não sei. Não me ocorre, no entanto, essa fusão, e então preciso explicar, incansavelmente e sem me irritar, que sou Ana, Ana Elisa.

Maria
E pensa que é bom se chamar Maria? Mesma coisa, ainda pior. Não sei, não vou afirmar porque sabe lá o peso que é nascer se chamando Maria. Ao mesmo tempo que é simples, é carregado. Maria é penoso. Ouça-se um pouco das histórias bíblicas e ainda metade das canções que foram feitas sob inspiração de Marias. Uma dor, suor, um drama. Maria não pode ser sozinha. Maria é junto com qualquer outra coisa: da Graça, da Glória, da Piedade. E é tão inócuo, assim como as Anas prefixais, que acabam se tornando apenas o segundo nome. Ou ganham apelidos. Aninhas e Mariazinhas, em Minas, Mariinhas mesmo. E vão-se de mãos dadas a mãe e a filha, avó e mãe do menino-Deus. Maria precisa de mais: Maria Cecília, Maria Teresa, Maria do Carmo. Quanta Maria não deixou o nome pra lá. E quando não é prefixo, é sufixo: Sônia Maria, Letícia Maria, que nem combinam, porque Letícia, em latim, era "alegria" (laetitia). E ainda mais: famílias inteiras formadas por Marias. A minha mesma, da árvore materna, tem lá umas tantas, todas elas: Maria Carmen, M Célia, M Patrícia, M Sílvia, M de Lourdes. As irmãs do meu pai, as duas únicas, são Letícia Maria e Maria Alice. E para não ficar só nisso, os homens da família se casaram com Marias. Um deles, não contente com tão pouco, se casou com uma Ana Maria.

Eduardo
Meu filho deveria ter se chamado E-duardo, com hífen. Talvez o moço do cartório criasse caso. Talvez ele dissesse que eu deveria preferir caracteres válidos. Alguém se chama Maria/Inês, com barra? Não. Então por que E-duardo. É que conheci meu marido na Internet. Achei que E-duardo seria mais significativo.

Compostos
Minha mãe tinha sérias dúvidas na hora de escolher os nomes dos pimpolhos. Tudo tinha que ser composto, mania de quem queria ter dez filhos, mas só pôde ter a metade disso. Bons e férteis tempos aqueles. Não precisava preocupar muito com menino. Minha avó conta que ter muitos filhos, às pencas, é muito mais fácil do que ter só um. Vejam vocês que ela me contou o segredo: ah, a gente punha os mais velhos para tomar conta dos mais novos. Perguntei: e dentista, pediatra, escolinha? Ela não disse mais nada. A gente vê as respostas nos sorrisos dos nossos pais.

Minha mãe punha lá: Ana Cristina, Ana Elisa, Luiz Alberto, mas e o Sérgio? Maior arrependimento é não ter pensado em Sérgio Luiz. Será que ele tem trauma por conta disso? Duvido. Sérgio é tão simples. Só a enteada dele é que ainda tem dificuldades. Até pouco tempo, a menina chamava meu irmão de Sergem, que também soa simpático. A garotinha, sim, é que terá problemas: Raiane com I ou Rayane com Y? O que vocês acham?

Homenagens
Diz minha mãe que escapei de Gilca. Sabe essas manias de fundir os nomes dos pais? Pois é. Em biologia isso pode se chamar hibridismo, que é quando dá certo. Quando dá errado, é monstruosidade mesmo. Gilca era Gilberto e Carmen. Tem condição? Mas colocaram uns nomes numa bacia e sortearam. Saiu Ana Elisa, com S, por favor.

Para meus irmãos, Flávio meu pai não queria porque era o nome de um cara chato que ele conhecia. Todo Ronaldo era mala. José não podia. Nome bíblico, nem pensar. O nome dele... Gilberto, de jeito nenhum. Se fosse Humberto, seria pior. Imagine um guri condenado a passar a vida ouvindo a piadinha dos DoisBertos? Mas todos os meus tios que tiveram filhos têm suas versões Júnior. Todos. Hélio Júnior, José Luiz e até a Ana Paula, que homenageou o Paulo, pai dela, já que nasceu fêmea. Mas ora vejam: o nome do Paulo não é Paulo. É José João. Com vergonha disso, ele, quando conheceu minha tia, disse logo que se chamava Paulo. Tem condição? Tem.

Júnior
Nem bem nasceu o menino e todo mundo quer saber qual será o substantivo próprio pelo qual ele responderá. Antes de Eduardo nascer já tinha muita discussão. A subjetividade das percepções desnorteia a gente. Bernardo é nome de menino gordo, dizia um. Guilherme é ruim, vai virar Gui. Gustavo é o nome daquele meu colega mala. Pior: vai virar Gugu. Pois é. Eduardo é nome forte, másculo, virou Dudu.

Mas não tivemos, sequer por um segundo, a idéia de que Edu se chamasse Jorge. Com a música da Fernanda Abreu (Jorge Ben Jor) tocando sem parar, ficava impossível. E bem que pensamos em homenagear um avô, mas isso causaria ciúmes de algum lado. Vocês haverão de convir que Gilberto Francisco não dá. Ademais, o nome da frente ou o nome de trás seria outro problema. Melhor não.

Piores são os Júnior. No Brasil, muita gente já não sabe para quê isso serve. As homenagens perpetuam nomes escabrosos por aí, menininhos lindos, de bochechas rosadas, que se chamam Aristides Rosalvo Neto. Vá lá, pelo menos é sonoro. Mas Júnior deveria ser o nome do pai, cuspido e escarrado, acrescido do Júnior. Se o pai é José João da Silva, então o guri se condena a José João da Silva Júnior. Para abrasileirar a coisa, deveria até ser José João da Silva Filho, mas fazer o quê? Filho e Júnior são equivalentes. E várias línguas têm terminações com essa função. Que eu me lembre, ao menos o russo, o inglês em várias culturas, etc. Mc (de McDonalds), O' (de O'Neil, que é o Of Neil), Vitch ou coisa parecida. Em português, mui antigamente, já tivemos o -es (ou -ez, como em espanhol). Alvares e Alves, Nunes, Rodrigues... são os filhos do Álvaro, do Nuno e do Rodrigo. Mas quem sabe disso hoje em dia? Que sentido isso faz? O negócio mesmo é pipocar no menino um Júnior e pronto, bem no meio do nome: Rafael Gonçalves Júnior da Silva. Sem condição. É Neto que não chama Neto. Sobrinho que não é sobrinho. Uma fuzarca danada. Pelo menos com mulher isso não acontece. Ao menos não com freqüência. Já os exemplos masculinos repousam no quarto ao lado. Está aqui o Jorge, que além de não me deixar mentir, é Neto da Conceição. Preciso mencionar quanta brincadeirinha ele ouve até hoje?

Exame de consciência
Toda mãe e todo pai deveriam, antes de dar nome aos filhos, fazer um exame de consciência. Em seguida, pensar na escolinha, na hora da chamada. Aquele momento de dizer "presente" é crucial para a sanidade de alguém. Crianças não lidam bem com apelidos. Em geral, se magoam por conta dos colegas cruéis que não sabem o que é se chamar Astolfo ou ainda ter, na terceira série, um Pinto no sobrenome. Bacana é ter nome estrangeiro ou se chamar Pamela.

Mas sobrenome também dá rolo. O Daniel Falkemberg que se segurasse. Corgozinho não passava desapercebido. Os italianos jamais pronunciados corretamente, como os Tognoli, Gariglio e outros que não são bem o que parecem. E a Carla Coscarelli, que mesmo tendo um nome bonito desse, já recebeu trabalho de aluno com um presente na capa: Carla Cascavel.

Apelidos
Na minha família, os apelidos se perpetuam tal como os nomes. Fábio virou Bô quando era bem pequeno. O caçulinha da família não conseguia pronunciar o nome inteiro. Por motivo menos explicável, o mesmo caçula chamava o José Luiz de Tô. O Bô sumiu no ar. O Tô é Tô até hoje. E o filho dele, que deveria ser José Luizinho, antes mesmo de nascer, para desgosto da mãe, a Ana Maria, era chamado por todos de o Tozinho. Até hoje.

Vai do jeito que dá
Ser Ana não é fácil. Soletrar o nome a cada compra, a cada telefonema, desgasta e inquieta. Bem fazia o Manuel, dono da barraca de cerveja que meu pai freqüenta em Cabo Frio: sem perguntar, escrevia no caderninho das contas Juberto, e dava cada sorrisão grandão quando a mesa pedia "mais uma".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A redoma de vidro de Sylvia Plath de Renato Alessandro dos Santos
02. Uma Receita de Bolo de Mel de Heloisa Pait
03. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
04. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
05. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2008
12h56min
Ana, sabe uma coisa que eu acho bacana nos seus textos aqui do Digestivo? Eles se parecem essas conversas que a gente começa no boteco, e logo outra pessoa já tem um caso parecido pra contar, ou um exemplo parecido para dar, e aí o papo vai se estendendo, rendendo, uma coisa puxa a outra e de tão agradável a gente até esquece porque começamos a falar daquilo. Também me irrita ter que explicar o "Elisa com s", o Anelise, e no e-mail, que o "Novais é com i". É engraçado comentar aqui sobre o seu nome, porque é o meu também. Mas, como homônimas, somos "iguais na forma e diferentes na significação". Meu pai acha esse nome lindo de morrer, tanto que lá em casa somos: Ana Beatriz, Ana Elisa e Ana Cláudia. O meu irmão é Júnior do meu pai, Osvaldo. Aliás, conheço um cara cujo nome é Júnior mesmo: Júnior Gustavo Patrocínio! Vai explicar! Eu ia me chamar Sebastiana, talvez até com um "Neta" no final, mas fui salva pela minha querida irmã, a Beatriz. Agora, alguém já te chamou de "Neise?
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Novais]
25/4/2008
15h01min
pior era o Gracindo, que de tanto Pelópidas, Petrópolis, Pelopeles e Seu Envelope, acabou apelando para o Paulo mesmo. mas cá entre nós, o problema são as vogais. eu, de Eduardo, tenho que aguentar uma EduardA...ssis, ou então me contentar com um nome de burocrata com cara de carimbo: Eduardo Martins, ao seu dispor.
[Leia outros Comentários de eduardo]
26/4/2008
12h58min
Ana, muito bom o texto. Realmente é um encanto o estilo dialógico que vc possui. Imagine só, Eu seeeeeeeempre tenho que dizer que meu nome é com "PH". E, ainda, há algumas pessoas que, quando vão buscar algum documento de referência a meu nome, procuram o "PH" no início do nome. hehehe Fato interessantíssimo que aconteceu comigo, uma vez, foi quando eu estava para entrar em uma sala, para um processo seletivo, e tiveram que verificar a minha cadeira somente pelo número do RG... Sabe por quê? Havia um completo homônimo na mesma sala; Raphael Augusto Oliveira Barbosa. Arrependo-me por não ter conversado com meu semelhante de nome... Algumas incoerências normativas podem causar razão de piadas, quando alguém pergunta: "Como você se chama?", normativamente responderiamos: "Eu não me chamo, os outros é que me chamam" hihihi P.S.: Piadinha bobinha.
[Leia outros Comentários de Raphael Barbosa]
30/4/2008
19h12min
Ana, como sempre, adorei seu texto. Sou outra Ana, sendo também Maria! Nos idos dos anos 50/60, no colégio interno, tinha sempre a companhia de mais 4 ou 5 Anas Marias, o que levava a sermos chamadas apenas pelo sobrenome, e o meu era Santos. Aliás, as muitas meninas com nome de Ana Maria, da minha geração, segundo meu pai, herdaram o nome de personagem de "Olhai os lírios dos campos", de Érico Veríssimo, grande best-seller do início dos anos 40. Ainda a conferir essa informação... ou melhor, você confirma?
[Leia outros Comentários de Ana Maria]
8/5/2008
15h30min
Imagine quantos nomes de xarope para "roquidão" já me receitaram, e o infeliz que faz a piadinha ainda acha que é o primeiro a fazer isso...
[Leia outros Comentários de Sílvio Rocco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÁLCULO MATEMÁTICA PARA TODOS 41- EMPACADOS NO TEMPO
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
SEGMENTO
(2014)
R$ 10,00



MARTIN MYSTÈRE 5
PAOLO MORALES
MYTHOS
(2019)
R$ 15,50



STARTERS
LISSA PRICE
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 15,00



WHATS THAT NOISE?
JADE MICHAELS
MACMILLAN
(2004)
R$ 6,00



TONICO E O SEGREDO
ANTONIETA DIAS DE MORAES
SALAMANDRA
(1980)
R$ 6,90



PRECIS D HYGIENE
P. COURMONT A. ROCHAIX
MASSON ET CIE
(1921)
R$ 87,54



CONFERÊNCIAS, DISCURSOS E PERFIS
JACINTO GUIMARÃES
IMPRENSA OFICIAL BELO HORIZON
(1961)
R$ 29,86



REVISTA MAD ESPECIAL HALLOWEEN Nº 3 - 9922
MARCO M LUPOL
MYTHOS
(2008)
R$ 17,00



DE FRENTE E PERFIL
SPENCER LUÍS MENDES
RAZÃO CULURAL
(1999)
R$ 9,80



JORNAL DE SERRA VERDE
WALDEMAR VERSIANI DOS ANJOS
ITATIAIA
(1960)
R$ 8,90





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês