Substantivo impróprio | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
Mais Recentes
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> O Graal da Serpente de Philip Gardiner com Gary Osborn pela Pensamento (2008)
>>> Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futuro de Humberto Mariotti pela Atlas (1999)
>>> Python e Mercado Financeiro de Marco Antonio Leonel Caetano pela Blucher (2021)
>>> Um Longo e Solitário Tempo de Airton Marques de Oliveira pela Razão da Terra (1996)
>>> Equações Diferenciais - Volume 2 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Equações Diferenciais - Volume 1 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Processos de Transmissão de Calor de Kern pela Guanabara Koogan (1987)
>>> Transformações de Valéria Torres pela Litteris (1999)
>>> Sobrenatural: Impressões sobre os lençóis Maranhenses de Meireles Junior pela Do Autor (2016)
>>> Poesia em Serenata de Margarida Marques pela Evsa (1998)
>>> Panelas em transe de Cassio Machado pela B&b (2005)
>>> Vade Mecum 2008- 6ª Edição - Contém CD de Saraiva (Organizador) pela Saraiva (2008)
>>> Pizzolato: Não Existe Plano Infalível de Fernanda Odilla pela Leya (2014)
>>> Air Gear nº 21 de Oh! Great pela Panini Comics (2011)
>>> Constitution of United States of America de David Osterlund e outros pela Barnes & Noble (1995)
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/4/2008
Substantivo impróprio
Ana Elisa Ribeiro
+ de 10800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Ana só
Pensa que é fácil chamar Ana? É de uma simplicidade enganosa. Não passo, desde que nasci, um dia sequer sem ouvir a pergunta: Ana o quê? Ana é prefixo, não se completa, precisa de complemento. E quem chama Ana só Ana? Parece que a mãe estava de má vontade. Não é isso? E aí começa a saga de soletrar o nome. Embora Ana possa ser simples assim, muitas Anas se chamam Anna. Até aí ainda é previsível, mas o que vem depois disso nem sempre é. Ana Maria, Ana Paula, Ana Cláudia, Ana Luiza. No meu caso, Ana Elisa não é dos mais comuns. Afora a ignorância das pessoas em relação a vogais e consoantes, começo a soletrar que meu Elisa é com S. Assim como há as Luisas e as Luizas, com e sem acento, no I, enfatize-se. E depois disso ainda preciso salientar que me chamo Ana Elisa, e não Anelise ou Anelisa ou mesmo Monalisa. Houve quem me chamasse até de Melissa. E ainda tenho que ter tempo para soletrar bem lentamente, com a fineza de dar uma pausa maior entre o Ana e o próximo nome. O fato de não começar meu segundo nome com consoante me atrapalha bastante, desde que me entendo por gente. Anelise deve soar mais lógico, não sei. Não me ocorre, no entanto, essa fusão, e então preciso explicar, incansavelmente e sem me irritar, que sou Ana, Ana Elisa.

Maria
E pensa que é bom se chamar Maria? Mesma coisa, ainda pior. Não sei, não vou afirmar porque sabe lá o peso que é nascer se chamando Maria. Ao mesmo tempo que é simples, é carregado. Maria é penoso. Ouça-se um pouco das histórias bíblicas e ainda metade das canções que foram feitas sob inspiração de Marias. Uma dor, suor, um drama. Maria não pode ser sozinha. Maria é junto com qualquer outra coisa: da Graça, da Glória, da Piedade. E é tão inócuo, assim como as Anas prefixais, que acabam se tornando apenas o segundo nome. Ou ganham apelidos. Aninhas e Mariazinhas, em Minas, Mariinhas mesmo. E vão-se de mãos dadas a mãe e a filha, avó e mãe do menino-Deus. Maria precisa de mais: Maria Cecília, Maria Teresa, Maria do Carmo. Quanta Maria não deixou o nome pra lá. E quando não é prefixo, é sufixo: Sônia Maria, Letícia Maria, que nem combinam, porque Letícia, em latim, era "alegria" (laetitia). E ainda mais: famílias inteiras formadas por Marias. A minha mesma, da árvore materna, tem lá umas tantas, todas elas: Maria Carmen, M Célia, M Patrícia, M Sílvia, M de Lourdes. As irmãs do meu pai, as duas únicas, são Letícia Maria e Maria Alice. E para não ficar só nisso, os homens da família se casaram com Marias. Um deles, não contente com tão pouco, se casou com uma Ana Maria.

Eduardo
Meu filho deveria ter se chamado E-duardo, com hífen. Talvez o moço do cartório criasse caso. Talvez ele dissesse que eu deveria preferir caracteres válidos. Alguém se chama Maria/Inês, com barra? Não. Então por que E-duardo. É que conheci meu marido na Internet. Achei que E-duardo seria mais significativo.

Compostos
Minha mãe tinha sérias dúvidas na hora de escolher os nomes dos pimpolhos. Tudo tinha que ser composto, mania de quem queria ter dez filhos, mas só pôde ter a metade disso. Bons e férteis tempos aqueles. Não precisava preocupar muito com menino. Minha avó conta que ter muitos filhos, às pencas, é muito mais fácil do que ter só um. Vejam vocês que ela me contou o segredo: ah, a gente punha os mais velhos para tomar conta dos mais novos. Perguntei: e dentista, pediatra, escolinha? Ela não disse mais nada. A gente vê as respostas nos sorrisos dos nossos pais.

Minha mãe punha lá: Ana Cristina, Ana Elisa, Luiz Alberto, mas e o Sérgio? Maior arrependimento é não ter pensado em Sérgio Luiz. Será que ele tem trauma por conta disso? Duvido. Sérgio é tão simples. Só a enteada dele é que ainda tem dificuldades. Até pouco tempo, a menina chamava meu irmão de Sergem, que também soa simpático. A garotinha, sim, é que terá problemas: Raiane com I ou Rayane com Y? O que vocês acham?

Homenagens
Diz minha mãe que escapei de Gilca. Sabe essas manias de fundir os nomes dos pais? Pois é. Em biologia isso pode se chamar hibridismo, que é quando dá certo. Quando dá errado, é monstruosidade mesmo. Gilca era Gilberto e Carmen. Tem condição? Mas colocaram uns nomes numa bacia e sortearam. Saiu Ana Elisa, com S, por favor.

Para meus irmãos, Flávio meu pai não queria porque era o nome de um cara chato que ele conhecia. Todo Ronaldo era mala. José não podia. Nome bíblico, nem pensar. O nome dele... Gilberto, de jeito nenhum. Se fosse Humberto, seria pior. Imagine um guri condenado a passar a vida ouvindo a piadinha dos DoisBertos? Mas todos os meus tios que tiveram filhos têm suas versões Júnior. Todos. Hélio Júnior, José Luiz e até a Ana Paula, que homenageou o Paulo, pai dela, já que nasceu fêmea. Mas ora vejam: o nome do Paulo não é Paulo. É José João. Com vergonha disso, ele, quando conheceu minha tia, disse logo que se chamava Paulo. Tem condição? Tem.

Júnior
Nem bem nasceu o menino e todo mundo quer saber qual será o substantivo próprio pelo qual ele responderá. Antes de Eduardo nascer já tinha muita discussão. A subjetividade das percepções desnorteia a gente. Bernardo é nome de menino gordo, dizia um. Guilherme é ruim, vai virar Gui. Gustavo é o nome daquele meu colega mala. Pior: vai virar Gugu. Pois é. Eduardo é nome forte, másculo, virou Dudu.

Mas não tivemos, sequer por um segundo, a idéia de que Edu se chamasse Jorge. Com a música da Fernanda Abreu (Jorge Ben Jor) tocando sem parar, ficava impossível. E bem que pensamos em homenagear um avô, mas isso causaria ciúmes de algum lado. Vocês haverão de convir que Gilberto Francisco não dá. Ademais, o nome da frente ou o nome de trás seria outro problema. Melhor não.

Piores são os Júnior. No Brasil, muita gente já não sabe para quê isso serve. As homenagens perpetuam nomes escabrosos por aí, menininhos lindos, de bochechas rosadas, que se chamam Aristides Rosalvo Neto. Vá lá, pelo menos é sonoro. Mas Júnior deveria ser o nome do pai, cuspido e escarrado, acrescido do Júnior. Se o pai é José João da Silva, então o guri se condena a José João da Silva Júnior. Para abrasileirar a coisa, deveria até ser José João da Silva Filho, mas fazer o quê? Filho e Júnior são equivalentes. E várias línguas têm terminações com essa função. Que eu me lembre, ao menos o russo, o inglês em várias culturas, etc. Mc (de McDonalds), O' (de O'Neil, que é o Of Neil), Vitch ou coisa parecida. Em português, mui antigamente, já tivemos o -es (ou -ez, como em espanhol). Alvares e Alves, Nunes, Rodrigues... são os filhos do Álvaro, do Nuno e do Rodrigo. Mas quem sabe disso hoje em dia? Que sentido isso faz? O negócio mesmo é pipocar no menino um Júnior e pronto, bem no meio do nome: Rafael Gonçalves Júnior da Silva. Sem condição. É Neto que não chama Neto. Sobrinho que não é sobrinho. Uma fuzarca danada. Pelo menos com mulher isso não acontece. Ao menos não com freqüência. Já os exemplos masculinos repousam no quarto ao lado. Está aqui o Jorge, que além de não me deixar mentir, é Neto da Conceição. Preciso mencionar quanta brincadeirinha ele ouve até hoje?

Exame de consciência
Toda mãe e todo pai deveriam, antes de dar nome aos filhos, fazer um exame de consciência. Em seguida, pensar na escolinha, na hora da chamada. Aquele momento de dizer "presente" é crucial para a sanidade de alguém. Crianças não lidam bem com apelidos. Em geral, se magoam por conta dos colegas cruéis que não sabem o que é se chamar Astolfo ou ainda ter, na terceira série, um Pinto no sobrenome. Bacana é ter nome estrangeiro ou se chamar Pamela.

Mas sobrenome também dá rolo. O Daniel Falkemberg que se segurasse. Corgozinho não passava desapercebido. Os italianos jamais pronunciados corretamente, como os Tognoli, Gariglio e outros que não são bem o que parecem. E a Carla Coscarelli, que mesmo tendo um nome bonito desse, já recebeu trabalho de aluno com um presente na capa: Carla Cascavel.

Apelidos
Na minha família, os apelidos se perpetuam tal como os nomes. Fábio virou Bô quando era bem pequeno. O caçulinha da família não conseguia pronunciar o nome inteiro. Por motivo menos explicável, o mesmo caçula chamava o José Luiz de Tô. O Bô sumiu no ar. O Tô é Tô até hoje. E o filho dele, que deveria ser José Luizinho, antes mesmo de nascer, para desgosto da mãe, a Ana Maria, era chamado por todos de o Tozinho. Até hoje.

Vai do jeito que dá
Ser Ana não é fácil. Soletrar o nome a cada compra, a cada telefonema, desgasta e inquieta. Bem fazia o Manuel, dono da barraca de cerveja que meu pai freqüenta em Cabo Frio: sem perguntar, escrevia no caderninho das contas Juberto, e dava cada sorrisão grandão quando a mesa pedia "mais uma".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/4/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
03. Até eu caí nessa de Marta Barcellos
04. Bento XVI e os bastidores do Vaticano de Humberto Pereira da Silva
05. Caio Fernando Abreu, um perfil de Rafael Rodrigues


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Mínimas - 25/1/2008
05. Minha coleção de relógios - 31/10/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2008
12h56min
Ana, sabe uma coisa que eu acho bacana nos seus textos aqui do Digestivo? Eles se parecem essas conversas que a gente começa no boteco, e logo outra pessoa já tem um caso parecido pra contar, ou um exemplo parecido para dar, e aí o papo vai se estendendo, rendendo, uma coisa puxa a outra e de tão agradável a gente até esquece porque começamos a falar daquilo. Também me irrita ter que explicar o "Elisa com s", o Anelise, e no e-mail, que o "Novais é com i". É engraçado comentar aqui sobre o seu nome, porque é o meu também. Mas, como homônimas, somos "iguais na forma e diferentes na significação". Meu pai acha esse nome lindo de morrer, tanto que lá em casa somos: Ana Beatriz, Ana Elisa e Ana Cláudia. O meu irmão é Júnior do meu pai, Osvaldo. Aliás, conheço um cara cujo nome é Júnior mesmo: Júnior Gustavo Patrocínio! Vai explicar! Eu ia me chamar Sebastiana, talvez até com um "Neta" no final, mas fui salva pela minha querida irmã, a Beatriz. Agora, alguém já te chamou de "Neise?
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Novais]
25/4/2008
15h01min
pior era o Gracindo, que de tanto Pelópidas, Petrópolis, Pelopeles e Seu Envelope, acabou apelando para o Paulo mesmo. mas cá entre nós, o problema são as vogais. eu, de Eduardo, tenho que aguentar uma EduardA...ssis, ou então me contentar com um nome de burocrata com cara de carimbo: Eduardo Martins, ao seu dispor.
[Leia outros Comentários de eduardo]
26/4/2008
12h58min
Ana, muito bom o texto. Realmente é um encanto o estilo dialógico que vc possui. Imagine só, Eu seeeeeeeempre tenho que dizer que meu nome é com "PH". E, ainda, há algumas pessoas que, quando vão buscar algum documento de referência a meu nome, procuram o "PH" no início do nome. hehehe Fato interessantíssimo que aconteceu comigo, uma vez, foi quando eu estava para entrar em uma sala, para um processo seletivo, e tiveram que verificar a minha cadeira somente pelo número do RG... Sabe por quê? Havia um completo homônimo na mesma sala; Raphael Augusto Oliveira Barbosa. Arrependo-me por não ter conversado com meu semelhante de nome... Algumas incoerências normativas podem causar razão de piadas, quando alguém pergunta: "Como você se chama?", normativamente responderiamos: "Eu não me chamo, os outros é que me chamam" hihihi P.S.: Piadinha bobinha.
[Leia outros Comentários de Raphael Barbosa]
30/4/2008
19h12min
Ana, como sempre, adorei seu texto. Sou outra Ana, sendo também Maria! Nos idos dos anos 50/60, no colégio interno, tinha sempre a companhia de mais 4 ou 5 Anas Marias, o que levava a sermos chamadas apenas pelo sobrenome, e o meu era Santos. Aliás, as muitas meninas com nome de Ana Maria, da minha geração, segundo meu pai, herdaram o nome de personagem de "Olhai os lírios dos campos", de Érico Veríssimo, grande best-seller do início dos anos 40. Ainda a conferir essa informação... ou melhor, você confirma?
[Leia outros Comentários de Ana Maria]
8/5/2008
15h30min
Imagine quantos nomes de xarope para "roquidão" já me receitaram, e o infeliz que faz a piadinha ainda acha que é o primeiro a fazer isso...
[Leia outros Comentários de Sílvio Rocco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historias Mal-assombradas de Portugual e Espanha
Adriano Messias
Biruta
(2010)



Passo Em Falso - de Batom no Afeganistão - Teatro do Medo - o Pom
Varios
Readers Digest
(2012)



Um Certo Henrique Bertaso - Artigos Diversos
Érico Veríssimo
Globo
(1996)



O Pequeno Príncipe - Com Aquarelas do Autor - Ilustrado
Antoine de Saint-exupéry
Ediouro
(2009)



Direito Constitucional. Fcc - Série Questões 4ªed
Gustavo Barchet
Campus
(2011)



Prisão Albergue / 2ª Ed
Irene Batista Muakad
Cortez
(1990)



The Odyssey the Story of Ulysses - Pocketbook
Homer
Mentor Book
(1960)



Fabrica e a Cidade Ate 1930, a - a Vida no Tempo
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2002)



Toca 1+ (livro Nº14)
Magia de Ler
Magia de Ler
(2012)



Influencie! Como Expor Suas Ideias e Convencer Qualquer Pessoa...
Michael Pantalon
Leya Casa da Palavra
(2012)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês