Mínimas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/1/2008
Mínimas
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5300 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Vende-se um curso de datilografia
Ainda na década de 1990, meu pai insistia em dizer que era absolutamente necessário fazer um curso de datilografia. Ganhei uma revistinha ilustrada que me dizia como me tornar datilógrafa em algumas lições, a depender da minha disciplina para levar adiante os exercícios. SDF sei lá. Não me lembro mais da seqüência batucada à exaustão. Meu sabido pai, que era exímio datilógrafo, jurava que aquilo seria necessário, que no mundo do trabalho qualificado ninguém viveria sem ser datilógrafo. Ele não imaginava que, em poucos anos, a máquina alaranjada dele viraria peça de museu, curiosidade para o neto. E nem que os teclados de computador, mesmo que semelhantes aos das máquinas, tomariam conta do mundo e dos escritórios. E nem que digitar é uma premissa. E muito menos que eu me viraria tão bem sem o curso de datilografia.

Ambidestros
Quando eu era adolescente, achava o máximo alguém ser ambidestro. A pessoa que escrevia com as duas mãos, mesmo que fosse forçadíssimo, tinha um ar de inteligente. Espalhava-se por aí que esse tipo de gente usava os dois hemisférios do cérebro com mais facilidade do que os pobres coitados destros. Mais ainda do que os reprimidos canhotos, que viviam engalfinhados com a sensibilidade apurada. E eu me apegava a esse tipo de mitologia. Até o dia que ouvi duas pessoas conversando (isso deve ter uns 5 anos). Um era adulto e o outro, adolescente. O primeiro perguntou: você é destro ou canhoto? O menino, espontâneo como um girassol, ficou perplexo com a pergunta. O adulto percebeu e traduziu: com que mão você escreve? O menino disse, com ar de obviedade: com as duas! E fez um gesto de quem teclava.

Canhotos censurados
E por falar em canhotos, meu irmão caçula escreve com a mão esquerda, quando o faz com a mão, o que também é raro. Minha mãe vivia às voltas com tesouras invertidas e toda sorte de objetos virados para o outro lado. Ele dizia que não fazia diferença. Parece que as pessoas se adaptam, não é? Mas ele torcia para não querer tocar violão. E fazia gestos estranhos para subir o zíper da calça ou abotoar as camisas. Pegava no garfo do lado de lá e parecia que estávamos no espelho, quando nos sentávamos diante dele à mesa do almoço. Também penteava o cabelo para o lado contrário, contramão de todo mundo em casa.

Ex-canhoto
Meu marido é canhoto, mas isso está em algum lugar da memória dele. É um ambidestro treinado. A professora da escolinha lhe amarrava a mão esquerda para que ele escrevesse com a direita, como "toda a gente normal". Ele aprendeu. Não é gago. Também não tem lá a dicção de um locutor de aeroporto. E daí?

Lateralidade
Até hoje me confundo com direita e esquerda. Não no sentido político, porque isso nunca foi muito preciso mesmo, mas no sentido de me dirigir a um ou a outro lado. Até hoje preciso estalar os dedos da mão direita para saber se é esta ou a outra. E detesto relógio digital porque o 5 e o 2 me parecem, por um segundo, a mesma coisa. E um segundo muda tudo.

Hospitalidade
Quando a gente vai conhecer outra cidade, de repente precisa perguntar onde é isto ou aquilo. O transeunte, solícito, pára para responder. O senhor vire à direita e depois à esquerda, vai subir um pouquinho. Continue direto. Na parte mais alta, pergunte a outra pessoa porque daqui é complicado. Por etapas, fatias de informação. Pior é quando o cara também confunde direita e esquerda.

Dimensão
Não me esqueço dos morros de Campinas e nem da parte mais alta de Campos dos Goytacazes (que anda aparecendo muito no jornal). Quando me disseram que ali havia ladeiras, quase morri de rir. Para quem mora em Minas, em Belo Horizonte, isso só pode ser piada.

Usos e costumes
Coisa mais chata é chegar atrasado na aula e ter que sentar na carteira do canhoto. O contrário, eles nem reclamam.

Escrita
Achava estranhíssimo o jeito como meu colega, o Gustavo, escrevia. Passava a mão por cima dos escritos, só via o que estava lá depois que já estava registrado. Os destros vêem o rastro da caneta antes de a palavra chegar ao fim.

Mais usos
Coisa chata é usar o computador depois de um canhoto. O mouse está do lado de lá, o teclado, mais para a esquerda, os botões estão invertidos. Mas é gostoso quando isso é complementar.

Meu lado
O lado da cama em que cada um vai dormir não é motivo de conflito.

Notas e gráficos
Meu pai nos colocava a todos sentados na mesa da copa e tínhamos que traduzir nossas notas da escola em gráficos, coloridos e por disciplina. Depois do serviço feito, tínhamos que colar tudo na parede da sala para que ele examinasse sob boa luz. Azul, amarelo e vermelho, à maneira dos semáforos. Não havia multa, havia coro. Alguém sabe o que é "coro"?

Folclore
Vou tentar aquelas brincadeiras de menina para ver no que dá. Aquelas de bater as mãos, uma espécie de coreografia com trilha sonora. Dom dom baby, coisa assim. Depois te conto.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Conversas de Mandela Consigo de Enzo Menezes
02. Anonimato: da literatura à internet de Marta Barcellos
03. Uísque ruim, degustador incompetente de Ana Elisa Ribeiro
04. Coisa de menino de Ana Elisa Ribeiro
05. O lado bom do mensalão de Adriana Baggio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/1/2008
11h08min
Não tenho nenhuma dificuldade em definir lado direito ou esquerdo. Meu problema é no sentido Norte-Sul, pra frente ou pra trás. Entro de carro num posto de gasolina e, na saída, tenho que pensar duas vezes pra continuar na mesma direção, hahah. Delicioso o texto, Ana. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
26/1/2008
19h15min
E não é que no meio desse negócio de destro e ambidestro sempre fica o antônimo a pairar sobre a mão do canhoto e a lhe chamar sinistro, do latim sinister, ora vejam, esquerdo e funesto? Muitos abraços, Ana Elisa.
[Leia outros Comentários de Paulinho Assunção]
28/1/2008
10h27min
Ah, mas por que gosto de inventar tanto? Achei de aprender a escrever com a mão esquerda. Uma aventura. Aprendi. Não sei pra que, mas aprendi. Rs! E já escutei todas estas conversas escritas aqui...
[Leia outros Comentários de Anna]
28/1/2008
20h24min
Agradeço a Deus por ter encontrado aqui esclarecimentos dos mais variados no que se refere à construção de textos, sendo eu um iniciante na comunicação pela escrita. E assim, através de farto material textual aqui apresentado, vou escalando, com os escritores deste site, a compreensão do fazer literatura. Agradeço ao Julio Daio, Rafael Rodrigues, Ana Elisa e aos demais escreventes deste Digestivo, que tanto nos ajudam. Do aluno novato Marco Félix, abraços.
[Leia outros Comentários de marco félix de lima]
30/1/2008
13h36min
E imagina como os peruanos, por exemplo, se sentem quando os mineiros ficam se gabando de morar nas montanhas, bem aí do alto de um punhado de morrinhos mixurucas...
[Leia outros Comentários de Paulo Moreira]
30/1/2008
22h58min
Ana, um belo exercício de concisão. Gosto muito desta tua polaroid registrando impressões cotidianas e extraindo do ordinário um prenúncio de poesia. Estas "mínimas" nos situaram diante de mitos que nos revelam semelhanças e situações de reconhecimento, gosto do seu olhar atento ao que brota do cotidiano e fica registrado intensamente em nossas vivências. Penso sempre nestes pequenos episódios como a nossa conquista particular de identidade. Às vezes minha própria cidade se cansa de mim e se apresenta de modo a me confundir, e esta insegurança de não saber para onde ir é um estar vivo. Abraços.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
1/2/2008
09h55min
"Vende-se um curso de datilografia": Eu também fiz. Era início da década de 1990. Dona Amélia era minha professora, dava aulas de datilografia e crochê. Fiz os dois cursos ao mesmo tempo. Formação profissional ou para ser uma dona de casa exemplar? Conflitos do mundo moderno. Ah, se a fita da máquina acabasse, a gente não podia trocar. Ela ia lá, puxava um pouquinho pra trás, pra economizar. Se ela ouvisse o barulhinho da fita voltando, podia saber: a bronca ia vir forte!!!; "Ambidestros": Sou canhota. Quer dizer, quando escrevo, faço isso com a mão direita. Mas a agulha de crochê e o mouse uso com a mão direita. Será que isso é culpa da Dona Amélia?; "Lateralidade": Papo de doido no trânsito: "Vira à direita". "Não, essa direita não, a outra!!!"; "Usos e costumes": Detesto carteira de canhoto. Não sei me sentar nesse troço.; "Meu lado": Mesmo sozinha, na cama king, durmo do mesmo lado: o lado da luminária!!!; "Notas e gráficos": Gente, nunca vi isso! Agora, me conta pelamordedeus, o que é "coro"?
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Novais]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Franchise Affair
Josephine Tey
Heinemann



Tenente, onde fica o alegrete?
Boaventura Martins Braga
Marbra
(2012)



Estudos de Pele
Floriano Martins
Lamparina
(2004)



A Epistemologia Genética (1970)
Jean Piaget
Abril Cultural
(1980)



Crises Monetárias
Paul Krugman
Pearson
(2001)



O Clube dos Sete
Marconi Leal
34
(2005)



Gerenciando Vendedores Pit Bulls
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2005)



And the winner is... - Os bastidores do Oscar
Emanuel Levy
Trajetória
(1990)
+ frete grátis



Cal Ou Tinta - Qual Profissional Você Quer Ser?
Anderson Tonnera
Elsevier - Alta Books
(2014)



Índia Thiara - Romance Indígena
Lindberg Albuquerque Brito
Região
(2008)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês