Trocar ponto por pinto pode ser um desastre | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> Microsoft Computer Security
>>> Wanda Louca Liberal
>>> Rasgos de memória
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> O lugar certo
>>> Profissionais do Texto III
>>> Sessão de Análise
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
Mais Recentes
>>> Boas-vindas, Bebê 2 - dos 3 Meses aos Dois Anos de Idade de Dra Ana Escobar pela Principium (2014)
>>> Jesus - A Dor e a Origem de sua Autoridade de Paiva Netto pela Elevação (2015)
>>> Dicionario Etimologico da Lingua Portuguesa de Antonio Geraldo da Cunha pela Lexikon (2010)
>>> A construçao do livro de Emanuel Araujo pela Lexikon (2008)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela Ciranda cultural (2019)
>>> A volta de sherlock holmes de Sir Arthur Conan doyle pela Martin Claret (2011)
>>> Introdução a estilistica: a expressividade na lingua portuguesa de Nilce Sant`anna Martins pela Edusp (2012)
>>> O portugues da gente: lingua que estudamos a lingua que falamos de Rodolfo Ilari e Renato Basso pela Contexto (2017)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Principes (2019)
>>> O incolor Tsukuru Tazaki e seus anos de peregrinação de Haruki Murakami pela Objetiva (2014)
>>> Morte e Vida Severina e outros contos de joão Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2007)
>>> Mãe recem-nascida de Thais Vilarinho pela Buzz (2019)
>>> O que Budismo? de Hsing Yün pela Escrituras (2010)
>>> Dicionário de linguistica de Tradução Isidoro Blikstein pela Cultrix (2006)
>>> O assassinato de roger ackroyd de Agatha Christie pela Record (1926)
>>> A metamorfose/e /O veredito de Franz Kafka pela L&PM (2001)
>>> Nova reunião 23 livros de poesia de Carlos Drumond de Andrade pela BestBolso (2013)
>>> TIL de Jose de Alencar pela Melhoramentos (2012)
>>> O Livro de areia de Jorge luis Borges pela Coleção Folha (2012)
>>> Estetica da criação verbal de Mikhail Bakhtin pela Martins Fontes (2011)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Companhia das Letras (2008)
>>> No Urubuquaquá, no Pinhém de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2001)
>>> Literatura e Sociedade de Antonio Candido pela Ouro sobre azul (2014)
>>> Qual é a tua obra? de Mario Sergio Cortella pela Vozes (2015)
>>> Os quatros amores de C.S.Lewis pela Thomas Nelson Brasil (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/10/2008
Trocar ponto por pinto pode ser um desastre
Ana Elisa Ribeiro

+ de 10200 Acessos
+ 9 Comentário(s)

E não apenas ponto por pinto. O contrário também. Ou trocar peito por peido. Força por forca. E os exemplos seriam infinitos. Já vi disso um tanto. Uma letrinha aqui e outra ali, pronto. Uma tragédia. Se o olho não é bem acostumado a desacelerar a mirada, as letras se infiltram entre as frestas e não saem. Só aparecem depois que a obra está impressa. Parecem praga. Sempre escapa um acentozinho, uma cedilhazinha, um rr, um ss, um u no lugar de l. É assim mesmo. E tem gente que faz disto a profissão: bloquear as escapulidas. Mas quem pensa que o serviço de revisão de textos só depende de regra gramatical e de decoreba em dicionário, está enganado até a medula. "Olhadinha" básica qualquer um dá. Basta se achar em condição. E esse é um problema de técnica, sim, mas também de experiência. Pergunte-se a qualquer editor mais velho o que ele acha. É tiro e queda. Revisor bom é peça rara.

A profissão do revisor não é assim tão simples. Tem lá suas nuanças. Ora o nome muda, ora o jeito se altera, assim como a remuneração. Vez ou outra alguém sai com aquele estereótipo do gramático chato. Quando alguém descobre que você é revisor, trata logo de tomar alguma destas atitudes: a. fala menos na sua frente; b. não escreve mais para você; c. começa a pedir desculpas no final dos textos; d. passa a monitorar a fala muito além do normal; e. faz perguntas esdrúxulas, como se você tivesse a obrigação de ser um dicionário de exceções ambulante.

Não raro param você no corredor para "dar aquela olhadinha" no convite de aniversário, no santinho da tia morta, se bobear, até na placa do carro. Ou reparam em qualquer placa na rua para pedir explicações sobre se aquilo "pode" ou "não pode".

Também não faltam lendas: a do cara que pôs na porta da oficina de bikes "conserto bicicleta e pinto". Ou a do açougueiro que achou melhor especificar: "vende-se frango-se". Vai saber. Há livros sérios sobre isso, esse "português popular", mas também há lendas em todo canto do Brasil.

A figura do revisor é transparente. Parece que não está lá, mas está. Não fosse ela e a vida poderia ser pior, ao menos a leitura mais atravancada. Mas se o revisor tenta desobstruir o caminho do leitor, ao autor não soa tão bonzinho. Há autor que não viva sem um desses fiéis escudeiros, mas há, de outro lado, até grupo de extermínio formado por autores encapuzados loucos pela pele do revisor maldito.

Quando o livro é bom e bem-escrito, o mérito é do autor, claro. E de quem mais poderia ser aquele gênio? Mas quando o livro é mal-escrito, estão lá os créditos de revisão e preparação que não mentem nunca. A culpa é de um desatento, mal-amado, invejoso, sabotador de autores indefesos. É isso. Vez ou outra, o revisor ganha posto de autoridade, principalmente quando o dono do livro se acha incapaz. Mas quando é advogado, jornalista, professor, Deus acuda o coitado. Um embate de egos e gramáticas rola dramático no palco dos textos escritos.

Os tipos são os mais diversos. Há o revisor-colaborador, realmente preocupado em ajudar, uma espécie de ponte entre autor e leitor, cujo tapete vermelho é o texto, tratado com carinho e consideração. O infeliz vive acobertado pelo mau hábito da escola de dizer, a vida inteira dos estudantes, que o que existe é uma trinca super-heróica: autor, texto e leitor. Esquecem-se, comumente, de dizer que entre uns e outros, aí, bem nesse meio, tanta outra gente põe sua mãozinha.

Há o tipo sádico, revisor que quer cortar, limar, banir, amassar. Revisor que não se contenta em dar uns retoques de maquiador, pinçando apenas pelinhos espalhados aqui e ali. Não, este tipo sádico quer ver autor morto, quer fazer buraco sem anestesia, quer competir.

Revisor não tem glamour. Em geral, se torna o que é por acaso. Um acaso bom, diga-se, já que este é um mercado eternamente em expansão. É só fazer a conta: quantas pessoas você conhece que escrevem bem? E quantas escrevem muito bem? E quantas pensam que escrevem bem? E dessas nuanças há muitas. Nem vale a pena compor aqui uma escala, um degradê de possibilidades. O negócio é que o revisor age aí, na oportunidade que surge da escrita capenga da maioria. E mesmo assim ele não é imprescindível, não. Tanto livro, jornal, revista, folheto que se publica sem o menor asseio. A metáfora da limpeza é condenável, mas fazer o quê? Ainda assim, muito editor de livro importante pensa que é só dar uns tapinhas nas costas dos livros que os problemas caem como poeira no chão. Não querem pagar "só para alguém ler". Ou até querem, mas vão pagar mal, alegando que "é só uma olhadinha".

Revisor existe há muito tempo. Muito mais do que se pode pensar. Revisor é uma espécie dessas que parecem extintas, mas que quando menos se espera, renascem dos grafites e das canetas. Quem diria que a internet ajudaria a dar mais fôlego a esse cara? Tudo bem que agora mais equipadinho, mas dono de práticas centenárias. Revisor merece até ser protagonista de livro importante. É necessário ler História do cerco de Lisboa, do abertíssimo José Saramago, para entender melhor em que universo vive um revisor. A última palavra é do autor, o livro também tem lá sua autônoma autoridade, mas está ali um revisor que deixa ver bem quem é esse cara. Em geral, na vida real, uma mulher.

Revisor empreendedor tem empresa própria e emite nota fiscal. Cumpre prazos e nunca tem final de semana. Trabalha em casa, é certo, mas tem lá suas descompensações. Do cliente viciado, que não deixa passar nada sem aquela consultadinha, nem que seja por telefone, até aquele cliente que surge do nada e quer o serviço para ontem. Em geral, aliás, é para ontem, se não para anteontem. Os prazos estão todos estourados, mas a vida não está ganha. Passa na porta de casa o moço com a família, indo para a praia, mas deixa o pacote grosso nas mãos do revisor, na sexta à noite, que é para dar tempo de revisar para segunda. Não é isso? Tem de respeitar. E apesar de tudo isso, lá vem o moço, com cheiro de protetor solar, na segunda cedo. A questão é: posso dar cheque pré-datado? O serviço do revisor deveria ser pré-datado também, não é, não?

Que relação é essa que acontece ali, entre o texto e o leitor profissional? E que papo é esse de "leitor profissional"? O que meu olho faz que o dos outros não aprendeu a fazer? E olha que o olho é o de menos. Pior é o que é necessário saber. Está aí o Rafa, revisor desta coluna, que não me deixa mentir.

Que o revisor precisa saber a norma, a dita "língua padrão", isso todo mundo sabe. Mas e quando não precisa? Pior: e quando não pode? Como é que fica? Certa vez uma revisora "limpou" todas as marcas de oralidade de um texto escrito para uma peça de teatro. É tão trágico quanto encher de solecismos uma dissertação de mestrado. E a revisora que queria "corrigir" a linguagem de um livro infantil narrado por uma rã? Mais triste do que quando trocam ponto por pinto e peito por peido, não é, não?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 3/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meio-dia no Rio de Janeiro de Marta Barcellos
02. Thor de Guilherme Pontes Coelho
03. Violência e sangue em Gangues de Nova York de Clarissa Kuschnir
04. A Copa café-com-leite de Adriana Baggio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/10/2008
11h24min
Posso dizer que me senti contemplada por esse texto, já que, além de professora, me fizeram revisora. Essas situações que você colocou tão bem fazem parte da minha vida (e como!). Acho que vou imprimir esse texto e colocá-lo de baixo do braço para esfregá-lo na cara de algum desavisado. Gostei muito.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
3/10/2008
11h53min
Meus sinceros respeitos a todos os revisores. Não consigo revisar meus próprios textos, mesmo tentando muito. Já vi que sempre passa alguma coisa que por algum tempo creditei a alguma força oculta vinda do inferno pois "...não é possível...". Uma vez paguei para uma revisora deixar meu texto nos trinques. Não deixou. Pior: esculhambou e tive então que revisar o que ela havia feito (por incrível que pareça, só assim consegui revisar meu texto e deixá-lo "bom"). Mas acho que o trabalho de revisão merece muito valor. Só nos damos, aliás, atenção a isso, quando pegamos um texto em que vemos que ali faltou um profissional competente da revisão. Hakuna matata (revise isso, não sei como se escreve Hakuna Matata, por favor!)
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
4/10/2008
09h20min
Humor é importantíssimo como instrumento para esclarecer conceitos. Além de dar leveza, alegra a criatura leitora, com o prazer dos sorrisinhos matreiros e cúmplices. Parabéns por apresentar tantos pontos importantes sobre revisão/revisor num texto tão curto e atraente.
[Leia outros Comentários de M. Otilia Bocchini]
4/10/2008
17h51min
Querida Ana Elisa, excelente texto! Na qualidade de professor, corrigindo provas, muitas vezes "sofri na pele" este elenco de desconsiderações em relação a tão importante atividade. Por outro lado, há pouco abri um livro e notei a pouca importância creditada ao árduo trabalho do tradutor. Creio que ambas profissões: revisor e tradutor, no Brasil, deveriam ser reavaliadas por meio de uma urgente reflexão! Abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
5/10/2008
19h28min
Ana, parabéns por essa coluna. Você descreve exatamente as agruras do trabalhador da revisão. Por um tempo fiz revisão de TCC, dissertação, tese e algum livro, e passei por todas essas situações e outras mais. Gostei também porque me fez refletir sobre o porquê de ter me tornado revisora por um tempo. Depois eu conto.
[Leia outros Comentários de Ana Maria Tenório]
10/10/2008
16h58min
Depois "reclamas" que vivo a te elogiar. Mas como deixar de fazê-lo a pessoa que tão bem escreve? Coincidência ou não, estive "ocupado" com a leitura de "Ensaio sobre a lucidez", de José Saramago, que, dessa vez, quase passo batido (o que faria o revisor sádico diante dessa expressão, hem?) Mas, sobre a revisão de textos, digo que o trabalho de alguém isento, independente, colabora muito com o do escritor, porque o bom revisor não necessita apenas de "conhecer a gramática", mas ser sensível à arte da escrita. O revisor é um tradutor, digamos, disfarçado (no bom sentido, é claro), mas, quando escrevo, procuro sempre facilitar o trabalho do revisor. Prefiro, portanto, "pecar" por excesso a por omissão. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
22/10/2008
19h25min
Que maravilha! Amo o que faço (revisão), e como imaginava realmente ser "espécie em extinção", me alegrei com a exatidão desse texto. Em outra oportunidade quero compartilhar algumas experiências dessa profissão que abracei meio que "por acaso". Obrigada. Mada Libos
[Leia outros Comentários de Madalena Libos]
18/10/2010
10h53min
Sou formado em Letras pela Universidade Estadual de Maringá, no Paraná, mas nunca quis ir para a sala de aula. Tenho muito interesse em trabalhar nessa área de revisão, mas ainda não surgiu uma oportunidade. Em geral, enquanto estou lendo, vou anotando esses pequenos deslizes (troca de letras, erros de digitação em geral) que acabaram escapando ao autor e ao revisor. Certamente iria gostar muito de atuar nessa área. Parabéns aos revisores de texto que realmente passam despercebidos (talvez esses é que sejam os melhores!) em todo o processo editorial.
[Leia outros Comentários de Leandro Bispo Veras]
18/10/2010
11h13min
Sinceramente, ao ler o primeiro parágrafo pensei: "Vai ser mais um texto metalinguístico chato", mas me surpreendi. Achei-o bastante esclarecedor e, de certa forma, inovador. Não escrevo nada importante, muito menos reviso. Sou uma reles leitora, contudo sempre notei o incrível papel dos revisores e, vou mais longe, o dos tradutores, que também é imprescindível. Obrigada por trazer à tona a importância desses profissionais. :)
[Leia outros Comentários de Dayanne]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tudo Sobre Meninos para Meninas!
Cláudia Felício
Planeta Jovem
(2006)



A culpa não é minha!?
Adryanah Carvalho, Allessandra Canuto, Ana Luiza Isoldi
Literare Books International
(2018)



Carona para o mundo
Fred Mesquita
Literare Books International
(2018)



Tupi na Feira
Nara Salamunes e Mayli Colla
Base Geral
(2009)



Por que virei à direita
Denis Rosenfield, João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé
Três Estrelas
(2012)



Irmandade da Adaga Negra, Vol. 7 - Amante Vingado - 1ª Edição
J. R. Ward
Digerati
(2011)



Abraços para Crianças
Mary Hillingsworth
Atos
(2002)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Las Explicaciones Causales
Jean Piaget / R Garcia
Barral Editores
(1973)



O Tempo Não Apagou
Don R. Christman
Casa
(1987)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês