Comentários de Albarus Andreos | Digestivo Cultural

busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Tudo o que eu devia saber na vida aprendi no Jardim da Infância de Robert Fulghum pela Best Seller (1988)
>>> Adultos Indigos de Ingrid Cañete pela Novo Século (2008)
>>> Por que os homens amam as mulheres poderosas? de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> Como ter uma Memória Superpoderosa de Harry Lorayne pela Record (1986)
>>> Filosofia e História da Educação - 1991 de Claudino Piletti e Nelson Piletti pela Ática (1991)
>>> Raul Seixas - Uma Antologia de Sylvio Passos & Toninho Buda pela Martin Claret (1992)
>>> Uma Casa no Fundo de um Lago de Josh Malerman pela Intrínseca (2018)
>>> Vidas de Grandes Romancistas de Henry Thomas e Dana Lee Thomas pela Globo
>>> A Práxis Psicopedagógica Brasileira de Claudete Sargo e Outros pela ABPp (1994)
>>> Mudando o Rumo de Stephan Schmidheiny pela Fund.Getulio Vargas (1992)
>>> Eclipse de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2009)
>>> A Divina Dama de E. Barrington pela Cia.Editora Nacional
>>> Verdes Moradas - 1942 de W.H. Hudson pela Globo (1942)
>>> O Poder e a Glória - Coleção Nobel - 1953 de Graham Greene pela Globo (1953)
>>> Lord Jim - Coleção Nobel - 1943 de Joseph Conrad pela Globo (1943)
>>> A Hora Antes do Amanhecer - 1945 de W.Somerset Maugham pela Globo (1945)
>>> Um Gosto e Seis Vinténs - 1950 de W.Somerset Maugham pela Globo (1950)
>>> Confissões - Coleção Nobel - 1951 de W.Somerset Maugham pela Globo (1951)
>>> A Casuarina - Coleção Nobel - 1944 de W.Somerset Maugham pela Globo (1951)
>>> Um Drama na Malásia - 1944 de W.Somerset Maugham pela Globo (1944)
>>> Veleiros ao Mar de Sarah Mason pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Mais do Que Isso - 2017 de Patrick Ness pela Novo Conceito (2017)
>>> Negra Nua Crua de Mel Duarte (autografado) pela Ijumaa (2016)
>>> O Devorador de Lorenza Ghinelli pela Suma de Letras (2012)
>>> Quarto de Despejo - Diário de uma Favelada de Carolina Maria de Jesus pela Ática (1994)
>>> Resposta ao Livro do Papa - Re-leitura de Textos do Alcorão de Mohamad Ahmad Abou Fares pela Grafel (2000)
>>> Ilusões - As aventuras de um Messias Indeciso de Richard Bach pela Record (1977)
>>> O Paraíso é uma questão pessoal de Richard Bach pela Record (1974)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota - 1976 de Richard Bach /Jonathan Seagull pela Nórdica (1976)
>>> Superdicas Para Escrever Bem Diferentes Tipos de Texto de Edna M. Barian Perrotti pela Saraiva (2006)
>>> Técnica da Redação Comercial de Helena Montezuma pela Tecno Print (1963)
>>> Todo o Mundo Tem Dúvida, Inclusive Você de Édison de Oliveira pela L&PM Pocket (2012)
>>> Manual de Estilo Editora Abril de Vários Autores pela Nova Fronteira (1990)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Guia Prático de Redação de Massaud Moisés pela Cultrix (1967)
>>> Estudo Sintético e Racional da Arte e da Técnica de Escrever de Dr. Paulo Acioly pela Exame
>>> Comunique-se Melhor e Desenvolva Sua Memória de Jorge Luiz Brand pela Pe. Berthier (1996)
>>> Os Pecados da Língua – Pequeno Repertório de Grandes Erros de Linguagem de Paulo Flávio Ledur & Paulo Sampaio (Sampaulo) pela Age (1993)
>>> Independence Day - O ressurgimento de Alex irvine pela Nemo (2016)
>>> Técnica de Redação – O Texto nos Meios de Informação de Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari pela Francisco Alves (1977)
>>> Óculos, aparelho e Rock ' N ' Roll de Meg Haston pela Intrínseca (2012)
>>> O doador de memórias de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Dez leis para ser feliz de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> #Manual da Fossa de Mica Rocha pela Benvirá (2020)
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Sábado, 9/4/2011
Comentários
Albarus Andreos


Muito pertinente o texto
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!

[Sobre "Plágio"]

por Albarus Andreos
http://twitter.com/albarusandreos
9/4/2011 às
11h29 186.200.189.212
 
E se der pau no Kindle?
Só uma dúvida: se der pau no Kindle (ou Sony Reader, wherever...), perco 600 livros? Se meu filho joga a coisinha na banheira, molho 600 livros? Se esqueço no ônibus, esqueço 600 livros? Se deixo no porta-malas do carro e ponho uma caixa de Skol em cima, esmago todos meus 600 livros? Não consigo imaginar tantas possibiliades de perder todos os meus livros de formas tão corriqueiras, se eles forem de papel e estiverem na estante... A menos que pegue fogo em casa, mas aí já não vou me preocupar tanto com os livros, certo?

[Sobre "O futuro (incerto?) dos livros"]

por Albarus Andreos
http://www.albarusandreos.blogspot.com
5/4/2010 às
07h51 136.1.1.101
 
A mulher, ué
É óbvio que a grande contribuição da mulher, ao mundo do trabalho, é a própria mulher no ambiente de trabalho! Fazer um escritório só com homens é como imaginar um conto de fadas só com dragões ou um brejo só com sapos. São necessárias princesas para ambos os ecossistemas! [Lauro de Freitas - BA]

[Sobre "Promoção Mulheres, trabalho e arte do savoir faire"]

por Albarus Andreos
11/1/2010 às
12h57 136.2.1.101
 
Livros grossos e tendinite
Acabei de me dar conta de que o e-reader tem mais uma vantagem. Ele permite que você leia livros grossos sem ter uma tendinite no pulso ou no cotovelo. O último livrão que li foi "Mr. Norrel & Jonathan Strange", de Susanna Clarke, e fiquei dolorido por semanas. Agora comprei o "Arco-Íris da Gravidade", do Pynchon. Com e-reader acho que ficaria fisicamente mais confortável a leitura; com o livro físico, praticamente só posso ler sentado, apoiando o livro numa mesa, por exemplo. Ponto pra eles, dessa vez...

[Sobre "Lendo no Kindle"]

por Albarus Andreos
http://www.albarusandreos.blogspot.com
11/1/2010 às
09h39 136.2.1.101
 
Viver sem literatura
Gostaria de compartilhar que, já há algum tempo, retirei esta pergunta do meu caderninho. Rabisquei-a com alguma raiva por ter uma resposta, mas uma resposta que não me satisfazia, como se esperasse que alguma mágica saísse dela e me fizesse melhor. Aprendi na pós-graduação (pois, por alguma razão, não acreditaria nisso se não fosse através das vozes de doutores): literatura não serve para nada! A literatura é um fim em si mesmo; você pode até ler para "ser uma pessoa melhor", para "aprender com a vivência de outros", "para sonhar" etc., mas tudo isso pode ser obtido também através de outros meios, como sugerido (o cinema, uma boa conversa com o pai, ou remédios tarja preta). Mas, ao saber que a literatura é só literatura, vim a descobrir que é importante por si mesma, passei a vê-la como algo maior. Cada filme, cada peça de teatro, cada graphic novel... veio através da literatura, ou foi construída através dela. A literatura é grande, um ser autônomo deste mundo, sem a qual vivo, mas pior.

[Sobre "Literatura para quê?"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
17/12/2009 às
09h21 136.2.1.101
 
Meu bom vendedor baiano...
Ué... Mas eu pensava também que livraria era lugar de se folhear livros! Ou alguém compra algo sem ver do que se trata? Aliás, sim, compro livro sem ver, pela internet, mas só porque é mais barato. Agora, se não puder folhear na livraria, vou comprar lá por quê? E, não! Antes que você já me rotule de "pessoa que dá piti com vendedor", eu não sou violento (abraços so Dr. Sívio de Medeiros, grande saudade do Leia Livro e de sua gentileza sempre presente!!)! Livro de criança, com encarte e figurinha de dinossauro dentro, tem até razão para se manter lacrado, mas deve existir sempre um reservado, já aberto, para o cliente que quiser ver as tais figurinhas. E ninguém é obrigado a comprar qualquer produto que seja, se não quiser. Se você tem um emprego numa livraria é para atender o comprador, sim! Você só está lá porque existe uma vaga para a função que diz que você deve fazer isso. Agora, se você não quer ter "trabalho" de abrir o livro... Meu, se mata.

[Sobre "História (não só) de livraria"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
16/12/2009 às
10h10 136.2.1.101
 
Viva o revisor!
Meus sinceros respeitos a todos os revisores. Não consigo revisar meus próprios textos, mesmo tentando muito. Já vi que sempre passa alguma coisa que por algum tempo creditei a alguma força oculta vinda do inferno pois "...não é possível...". Uma vez paguei para uma revisora deixar meu texto nos trinques. Não deixou. Pior: esculhambou e tive então que revisar o que ela havia feito (por incrível que pareça, só assim consegui revisar meu texto e deixá-lo "bom"). Mas acho que o trabalho de revisão merece muito valor. Só nos damos, aliás, atenção a isso, quando pegamos um texto em que vemos que ali faltou um profissional competente da revisão. Hakuna matata (revise isso, não sei como se escreve Hakuna Matata, por favor!)

[Sobre "Trocar ponto por pinto pode ser um desastre"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
3/10/2008 às
11h53 200.218.186.190
 
O que é ser escritor, então?
"... e não passa de alguém que publicou uma porção de livros e que, por causa disso, se diz escritor." Meu amigo Rafael, o que caracteriza um escritor? Coloque em segundo plano o fato de gostar ou não do sujeito e pense. Se o cara escrever uma porção de livros e publicá-los (em editoras como a Record) não pode ser uma indicação das possíveis habilidades de uma pessoa que, por causa disso, pode ser chamado "escritor", então o que pode?

[Sobre "Três vezes Mirisola"]

por Albarus Andreos
http://www.albarusandreos.blogspot.com
23/9/2008 às
13h37 200.218.186.190
 
e-mails bem forjados
"Sua compra do Notebook Toshiba de R$9.800,00 foi realizada com sucesso..." e lá no final uma sugestão "...se quiser ver os detalhes da compra clique aqui...", e lá vai o surpreso internauta clicar para ver se alguém usou seu cartão de crédito, ou conferir se aquilo é mesmo verdade, já que não comprou porcaria de notebook nenhum, seja no Submarino ou na Americanas.com (os e-mails são muito bem forjados!). Muita gente não sabe, mas lá no Menu do Outlook você pode ver os "Detalhes" do e-mail, o que claramente mostra que não foi nem o Submarino nem a Americanas que te enviou, pois não possui o [email protected] ou o [email protected] (mas o internauta duvida do próprio "bom-senso" e muitas vezes clica no link que o estelionatário dá). O mesmo acontece ao cara feio, gordo e burro que recebe o e-mail "Oi Gato! Aqui vão as fotos do nosso encontro...". E não é que a besta vai e clica para ver as fotos do encontro (que nunca teve), por pura curiosidade!!!

[Sobre "Caixa de entrada (?)"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
5/8/2008 às
12h11 200.218.186.190
 
Blogueiro de sorte!
Não faltou nada na sua lista? Não vi mulher. Não tá faltando mulher para você, não? Cara de sorte...

[Sobre "Jabá é sempre jabá"]

por Albarus Andreos
16/7/2008 às
08h20 200.218.186.190
 
Machado aqui os Mamonas no céu
Quando ouvi da boca de uma professora de pós que Machado não fora sempre brilhante, que seus escritos, numa primeira fase, não eram nada geniais e que sua notoriedade não adviera senão de Dom Casmurro e Memórias Póstumas, fiquei espantado! "Então o gênio não havia sido gênio sempre?" (como aquela imagem que fazemos de Mozart, compondo sinfonias antes mesmo de aprender a dizer "mamãe, fiz cocô"). A idéia que fazemos de Machado chega a ser a de um santo. Vemos seus milagres mas não sabemos das cachaças que tomou ou dos tombos que levou. Então pegue um disco dos Beatles... De todas as faixas, talvez você reconheça várias, mas nem todas fizeram o mesmo sucesso (esse mérito só mesmo os Mamonas tiveram!). Por via das dúvidas, iconizar Machado parece ser o melhor a fazer até que palavras de pessoas mais qualificadas venham nos resgatar. É reconfortante saber que não somos, nós, escritores iniciantes, os porta-estandartes da irrelevância. Os grandes já tiveram seus maus momentos um dia. Ufa!

[Sobre "Considerações de um Rabugento"]

por Albarus Andreos
http://www.albarusandreos.blogspot.com
3/7/2008 às
14h21 200.218.186.190
 
Você me leu, enfim!
Vamos lá... A parábola mostra o Zé que vê o mundo do outro lado da vitrine. Este mundo lhe é acessível apenas como espectador, mas não como ator e igual. Quando tenta entrar no mundinho cultural, cor-de-rosa, o Zé é barrado. O ínfimo instante em que compra a caixinha de chicletes nem de perto representa a chance real de participar daquele mundo. Ficam com seu três reais suados e ele então volta à sua realidade de mero espectador. Não lhe é permitido acesso. Fingem que o aceitam, mas não o aceitam de verdade! O lugar onde alguns se empanturram é só para os muito bem escolhidos, os amigos e os compadres. O entrar e sair do Zé é, na verdade, protocolar. Só isso lhe permitem enquanto o clube permanece com os mesmos donos de sempre. Não precisa gostar não, Edson, mas acho que desta vez você, enfim, leu um texto meu.

[Sobre "Cronópios"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
12/6/2008 às
15h46 200.218.186.190
 
Nada de Cronópios para mim!
Já tentei imergir na Cronópios algumas vezes. Mandei um conto ou outro, sei lá. Mas então lia os comentários das pessoas, via os seus assuntos... E nunca vi meus contos lá, como o Pipol nunca viu os seus na Capitu. Sentia-me sempre como o Zé, passando defronte a vitrine chique com chamadas e promoções escritas em inglês (40% Off...). Eu era como o cara com três reais no bolso que passa defronte ao Fran's Café na Fradique, ele vê as moças com cabelos alisados sorrindo para os seus namorados Pit Bulls. Ele olha então os três reais, sopesa as moedas numa palma, abotoa o último botão da camisa velha e decide entrar. Pergunta o que custa três paus e sai de lá com uma caixinha de Chicletes Andas, multicoloridos. Experimentou o que havia por detrás do espelho, mas como não está no mundo de Lewis Carroll, não mergulha nele. Olha então para o carrinho de cachorro quente e suspira arrependido. Teria ao menos matado a fome. "Nada de espelhos, da próxima vez", pensa. Nada de Cronópios para mim!

[Sobre "Cronópios"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
11/6/2008 às
16h18 200.218.186.190
 
As mentiras do escritor
É por isso que escrevo. Seria por vaidade? Se fosse, eu gastaria dinheiro com xampus franceses ao invés de livros... Mas talvez escrever seja um estratagema minucioso de minha parte, para ser o orgulho da mamãe e, mais adiante, comer algumas menininhas intelectualizadas, por aí vai... Não! Acho que não é só isso, pois já me disseram que não adianta escrever e dar para a mãe ler depois - ela sempre vai elogiar (isso se confirma também pelo fato de que eu nunca comi ninguém só por escrever!). Então não é por vaidade que escrevo... Escrevo para contar histórias (e gosto das de ficção...). Mas, então, por que escrever? Bastaria ser um mentiroso e só. Ficcionaria por aí, ao léu... Mas ser um mentiroso pago por escrever deve ser bem melhor! As mentiras do escritor ficam para sempre. Se for um bom mentiroso, talvez você se torne um... escritor! Um mentiroso excelente pode chegar a ser um bom escritor e aí suas mentiras acabam se cristalizando e, um dia, até acham que são verdades. É isso: escrevo para inventar verdades!

[Sobre "Q and A With Jeff Bezos"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
6/6/2008 às
15h12 200.218.186.190
 
Dêem-me um salva-vidas!
Temos um exemplo capital no texto acima e nos comentários que os seguem. Vejamos: 1) Um texto é escrito; 2) Há os que o detestam e 3) Há os que o adoram. É e será sempre assim. Que isso sirva de lição aos muitos letrados que fazem da sua subjetiva retórica o laço da própria forca. Pôr uma opinião assim, sem pé nem cabeça, Márcia, cria vínculos com o passado e passa a fazer parte de sua biografia. Sua opinião é digna de respeito, porém é limitada pela generalidade como você trata o corpus. E mais uma vez, criticar os Novos e generalizar... é um chover no molhado que não pára nunca!!! Até para (bem) escrever, em site ou blog, é preciso relevância. Se o seu problema são os Novos Escritores, o meu são eternos os críticos dos Novos, com seu pastiche interminável e o discurso "copia e cola", sem qualquer novidade ou corroboração lógica. Há os bons e há os ruins, ué (ou caralho, se você "prefere"... Um salva-vidas, por favor...

[Sobre "A saturação dos novos autores"]

por Albarus Andreos
http://www.charranspa.blogspot.com
5/6/2008 às
10h16 200.218.186.190
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
ED. MELHORAMENTOS
R$ 5,00



LISTENING ADVANTAGE 3 ACOMPANHA O CD
TOM KENNY E TAMAMI WADA
HEINLE
(2009)
R$ 24,90



INVENTÁRIO DE JULIO REIS
FERNANDO NORDICA
RECORD
(2012)
R$ 6,90



CRUZADA SEM FÉ
PETER WATSON
RECORD
(1987)
R$ 5,00



CORPO DO SENHOR EVANGELIZAÇÃO FUNDAMENTAL 1º ANÚNCIO
DEWET VIRMOND TAQUES JÚNIOR
LOYOLA
R$ 5,00



O MESTRE-DE- CERIMÔNIAS
MORRIS WEST
RECORD
(1991)
R$ 8,00



CONQUISTAS DE UMA DÉCADA
JOÃO BAPTISTA PEIXOTO
ARTENOVA
(1975)
R$ 5,00



O CAMINHO DA ROSACRUZ NOS DIAS ATUAIS
LOCTORIUM ROSICRUCIANUM
LOCTORIUM ROSICRUCIANUM
(1991)
R$ 6,90



MATEMATICA FINANCEIRA COM +DE 600BEXERCICIOS RESOLVIDOS E PROPOSTOS
WASHINGTON FRANCO MATHIAS E JOSE MARIA GOMES
ATLAS
(2009)
R$ 130,00



O PENSAMENTO VIVO DE PICASSO
JOSÉ GERALDO SIMÕES
MARTINS CLARET
(1985)
R$ 7,00





busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês