Considerações de um Rabugento | Abdalan da Gama | Digestivo Cultural

busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Quinta-feira, 3/7/2008
Considerações de um Rabugento
Abdalan da Gama

+ de 5400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"...tu amas a narração direta e nutrida, o estilo regular e fluente, e este livro e o meu estilo são como os ébrios, guinam à direita e à esquerda, andam e param, resmungam, urram, gargalham, ameaçam o céu, escorregam, caem..."
Machado de Assis, no capítulo "O Senão Do Livro", de Memórias Póstumas de Brás Cubas

"Enquanto minha alma fazia estas reflexões, o outro ia indo por sua conta, e Deus sabe aonde ia!..."
Xavier de Maistre, em Viagem à roda do meu quarto

A destra tapa um bocejo enquanto a sinistra segura os comentários de Manuel Bandeira e Alfredo Bosi sobre Machado: "Nenhum escritor o sobrepuja na harmonia de todas as qualidades, que faz dele nosso clássico por excelência", "O ponto mais alto e mais equilibrado da prosa..." ― sempre achei os vendedores de enciclopédia geniais. Um perdigoto desequilibra e cai no caderno "Mais!" da Folha: 11 a 2 para Deus. Goleada! O embate não é novo. Machado já esteve no ringue com José de Alencar. Para não citar Tobias Barreto, esse outro pobre-diabo. Ouço Nessum Dorma e vou acordando com interrogações serpentinas: no jogo em que se disputa a posição de melhor escritor brasileiro, como se marca ponto? Quais as regras? Quem conta um conto aumenta um ponto? Quem pode ser juiz? O que se premia ao vencedor, rosas ou batatas?

O entusiasmo com que os jornais, revistas e leitores saúdam a recepção estrangeira a nossos autores não revela uma cultura literária em busca da legitimação ou apenas a tendência a genuflexão? "Woody Allen expressou sua admiração pelo autor de Dom Casmurro". Hip, hip hurra! Leu Epitaph for a Small Winner. Match point! Ora, o valor de Machado não caminha exatamente na contramão sendo ele mesmo antes leitor estrangeiro para então se tornar escritor nacional?

Machado mostra genialidade em alguns romances. Talvez três. Quatro? Certamente três. Até 1872 a obra de Machado de Assis era medíocre e de pobre conteúdo. Palavra do Senhor! A desconfiança e inquietação do autor estão reveladas no prefácio de Ressurreição (1872). Considera-se iniciante. Considera-lhe ensaio. Sua destra e sinistra seguram um coração que não sabe o que pensar da própria obra. Valendo-me de julgamento a posteriori dá para ser-lhe franco ― O romance é fraco, Machado; estilo e conteúdo desequilibrados. Faz bem em dar alguns passos para trás. Vade retro... Ei, Machado, espere! Pára! Não tanto! A Mão e a Luva (1874) e Helena (1876) saíram piores. Guiomar tem personalidade rasteira pincelada com traços trôpegos emoldurados em tela (ação) rota. Ponto sem nó. Há quem goste. Ai, ai. Iaiá. Os personagens desses dois livros são como personagens de novelas da tarde: vitoriosos embora sem trabalho, tendo futilidade como única ocupação. São imagem e semelhança das figuras típicas da época, como a luva é da mão.

Considera-se ponto os epítetos negativos atribuídos a Machado: cético, sardônico, sarcástico, pessimista. Onde está o seu valor? Não ouso desancar o pau, mas a razão pela qual se deve dar algum ponto mais alto a Machado é a mesma que, aparentemente, ofende o brio ufanista: livre apropriação da tradição literária. Esse é o meu ponto. Entesourar em sua obra, exclusivamente o que reflete do pensamento de uma casta suburbana carioca do século XIX, ou como queira, a capital do Segundo Reinado, como se fosse ele apenas o observador na porta da farmácia, era exatamente o que o ofendia então. Não é daí que vieram as críticas absurdas sobre sua alienação ou de onde fogem leitores estrangeiros? Nas palavras dele: "perguntarei mais se o Hamlet, o Otelo, o Júlio César, a Julieta e Romeu têm alguma coisa com a história inglesa nem com o território britânico, e se, entretanto, Shakespeare não é, além de um gênio universal, um poeta essencialmente inglês". Desse essencialismo biologizante e circunscrição cultural que fugia. "O que se deve exigir do escritor antes de tudo, é certo sentimento íntimo, que o torne homem do seu tempo e do seu país, ainda quando trate de assuntos remotos no tempo e no espaço".

No terreno comparativo eu julgaria antecipação, fontes e influências. Em sua época, não faltaram a Machado os olhares desconfiados que merece o plagiador. Claro que é exagero, a menos que a idéia de plágio se amplie além das fronteiras da sua época para o tempo de The Brazilian Othelo of Machado de Assis, Helen Caldwell ou, quem sabe, The Author as Plagiarist ― The Case of Machado de Assis. Emprego de empréstimos de textos alheios que pese a habilidade da pena do escritor, não é heresia. Intertextualidade não o rebaixa de sua posição papal ― Joaquim Nabuco viu em Machado a beatitude serena de um papa. Que texto não é uma colcha de retalhos, a transfiguração de outros? "A Revolução Francesa e Otelo estão feitos; nada impede que esta ou aquela cena seja tirada para outras peças, e assim se cometem, literariamente falando, os plágios" (Machado). Nada impede. Só o tira do primeiro dia da criação, onde está Shakespeare, o criador tinhoso. Machado é um astro: está no quarto dia da criação, mas não no fiat lux. Leio Machado com a angústia de não possuir Shakespeare (1564-1616). Faço uma viagem demaistreana à roda do meu quarto e me consolo: de qualquer sorte, "Bem-aventurados os que lêem" (Apocalipse, 1:3). (Mais?) "Bem-aventurados os que possuem, pois eles serão consolados" (Machado). Palavra do Senhor!

Machado é Moisés que ― como ele mesmo lembra por boca de Brás Cubas ― narrou a própria morte. Mas acrescento: no livro de Deuteronômio, cujo significado é "o refalar da lei". Machado é uma espécie de Rubião, o fiel escudeiro do filósofo Quincas Borba. Ele herda a fortuna do mestre e a gasta prodigamente. Mutatis mutandi, é o mesmo Rubião que sugere uma emenda em um artigo do jornal de Camacho ― o que é prontamente acatado ― e que por uma série de frases que compôs e ruminou, terminou como autor de todos os livros que leu. A realidade sinistra é que a principal contribuição de Machado foi a reescrita da tradição literária. Foi nos deixar escarafunchar sua estante e ler o que ele l(escrev)eu. Até o final do primeiro capítulo, Stendhal, Sterne, Xavier de Maistre, Moisés, Shakespeare e Auguste Chateaubriand. Não é de estranhar que seu salto quântico da mediocridade para níveis maiores de energia é exatamente quando introduz Stendhal como seu primeiro "personagem", por assim dizer, em Memórias Póstumas. No campo literário esse ávido leitor foi mais sagaz que todos os animais selváticos de então, ao adotar a "forma livre de um Sterne ou de um Xavier de Maistre", apimentada com rabugens de pessimismo.

Caminhando para o ponto final, volto ao princípio. No princípio era o verbo, e o verbo era Deus, e o verbo se fez carne. Minha proposta é que como regra, marque o ponto final quem ― para parafrasear Manoel de Barros em conversa com algum gênio ― enlouquece o verbo, adoece-o, de si, de nós, transfigura-lhe a natureza; humaniza-o... Amo Puccini. Quem, diabos, é o autor do libreto de Turandot? Não há "lugares em que o verso vai para direita e a música para esquerda". É Divino. Vincerò!, Vincerò! Vincerò!


Abdalan da Gama
Vitória da Conquista, 3/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
02. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti
03. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema de Wellington Machado
04. Medo e Delírio em Las Vegas de Gian Danton
05. Free: o futuro dos preços é ser grátis de Marcelo Spalding


Mais Abdalan da Gama
Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/7/2008
11h27min
Muita gente ainda defende o axioma: não gostar de Machado é não entender sua ironia etc. Essa pessoas costumam ser compreensivas com os pobres mortais que não gostam tanto de Machado. "Tudo bem", elas dizem (com um sorrisinho), "você tem todo o direito de não gostar de Machado". E o sorrisinho está dizendo: "você não entendeu a ironia do moço mas, quem sabe, você ainda chega lá..." Seria bom se essas pessoas pudessem entender o seguinte: "... a principal contribuição de Machado foi a reescrita da tradição literária". Um dia elas chegam lá, quem sabe? Ótimo texto, abçs!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
3/7/2008
14h21min
Quando ouvi da boca de uma professora de pós que Machado não fora sempre brilhante, que seus escritos, numa primeira fase, não eram nada geniais e que sua notoriedade não adviera senão de Dom Casmurro e Memórias Póstumas, fiquei espantado! "Então o gênio não havia sido gênio sempre?" (como aquela imagem que fazemos de Mozart, compondo sinfonias antes mesmo de aprender a dizer "mamãe, fiz cocô"). A idéia que fazemos de Machado chega a ser a de um santo. Vemos seus milagres mas não sabemos das cachaças que tomou ou dos tombos que levou. Então pegue um disco dos Beatles... De todas as faixas, talvez você reconheça várias, mas nem todas fizeram o mesmo sucesso (esse mérito só mesmo os Mamonas tiveram!). Por via das dúvidas, iconizar Machado parece ser o melhor a fazer até que palavras de pessoas mais qualificadas venham nos resgatar. É reconfortante saber que não somos, nós, escritores iniciantes, os porta-estandartes da irrelevância. Os grandes já tiveram seus maus momentos um dia. Ufa!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
4/7/2008
16h45min
Li o "Entre Deus e o Diabo" da Folha. Também babei com o 11x2 para Deus (Machado) contra o Diabo (Guimarães) no caderno Mais! da Folha. Esse Abdalan escreve por parábolas, nas entrelinhas. Um texto que parece "guinar à direita e à esquerda", mas sua idéia é destilada com maestria. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Luciano Murattori]
4/7/2008
20h14min
Exigem a leitura de homens irônicos, cínicos e sem esperança na humanidade para as crianças criarem o gosto pela leitura. A ironia, eu vim a entender muito além de quando estava na escola. O cinismo, quando saía da faculdade. A falta de esperança no mundo, eu pretendo adquirir ainda no doutorado.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVOLUÇÃO DE GUTENBERG, A
JOHN MAN
EDIOURO
(2004)
R$ 20,00



UMA NOVA MANEIRA DE PENSAR
ARNALDO NISKIER
CONSULTOR
(1997)
R$ 7,00



POSITIVE MAGIC: OCCULT SELF-HELP
MARION WEINSTEIN
EARTH MAGIC PRODUCTIONS
(1994)
R$ 50,28



ILLUSTRATED ENGLISH SOCIAL HISTORY VOL 1
G M TREVELYAN (CAPA DURA)
LONGMANS
(1954)
R$ 19,82



TIME DOS SONHOS - PAIXÃO, POESIA E FUTEBOL
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2010)
R$ 10,00



TEOLOGIA ABERTA PARA O LEIGO ADULTO 2 GRAÇA E CONDIÇÃO HUMANA
JUAN LUIS SEGUNDO
EDIÇÕES LOYOLA
(1987)
R$ 40,00



IRINEU MARINHO - IMPRENSA E CIDADE
MARIA ALICE REZENDE DE CARVALHO
GLOBO
(2012)
R$ 21,00



O GRANDE LIVRO
NÃO CONSTA DAS PRINCESAS
CIRANDA CULTURAL
(2010)
R$ 33,49



CINCO MINUTOS E A VIUVINHA
JOSE DE ALENCAR
W BUCH
R$ 6,90



ANKITO - MINHA VIDA... MEUS HUMORES
DENISE CASAIS LIMA PINTO
FUNART
(2008)
R$ 18,00





busca | avançada
63075 visitas/dia
1,8 milhão/mês