Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 5100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
02. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
05. Os novos filmes de Iñárritu de Guilherme Carvalhal


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
04. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A LUTA PELO DIREITO
RUDOLF VON IHERING
FORENSE
(1997)
R$ 10,00



MARX
TERRY EAGLETON
UNESP
(1999)
R$ 15,00



O EGITO DOS FARAÓS
FEDERICO A. ARBORIO MELLA
HEMUS
(1981)
R$ 40,00



INTRODUÇÃO À PESQUISA PSICOLÓGICA
ARTHUR J. BACHRACH
E. P. U
(1975)
R$ 10,00



AMULET (THE LAST COUNCIL)
KAZU LIBUISHI
SCHOLASTIC
(2011)
R$ 35,00



O FERRO NA CONSTRUÇÃO CIVIL (EDIÇÃO PORTUGUESA)
MARIANO HERNANDEZ
EDIÇÕES CETOP (LISBOA)
(1973)
R$ 16,82



A HISTÓRIA
ELSA MORANTE
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 45,45



JOYAS DE FAMILIA
JUDITH KRANTZ
EMECÉ
(1999)
R$ 60,00



OS AMBICIOSOS
HAROLD ROBBINS
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 7,00



AS MULTAS DE TRÂNSITO E O DUE PROCESS OF LAW;
REVISTA DE DIREITO DO TJ DO RJ - Nº 52
TJ RJ
(2002)
R$ 18,82





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês