Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
33173 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> Inscrições para processo seletivo da Escola de Atores Wolf Maya começa dia 2 de maio
>>> Palestra faz um panorama da gravura brasileira e norte-americana
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Legião o quê?
>>> Nas redes do sexo
>>> Em defesa dos cursos de Letras
>>> Geração Coca Zero
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> O Vendedor de Passados
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Dois dedos a menos
>>> Palavra de Honra
>>> Peru com whisky
Mais Recentes
>>> Nos Passos de Jesus de Edir Macedo pela Universal (2019)
>>> Nos Passos de Jesus de Edir Macedo pela Universal (2019)
>>> Nos Passos de Jesus de Edir Macedo pela Universal (2019)
>>> Perdas e Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Me Traga de Volta - a Superação do Luto Através do Amor de r Rogério H. Leite pela Supergraf (2012)
>>> Constituição da republica federativa do brasil de Saraiva legislação pela Saraiva (1998)
>>> Como Ganhar sua Eleição para Prefeito de Carlos Manhanelli pela Manhanelli Editorial (2019)
>>> Novo codigo civil de Fazenda Brasil pela Manole (2002)
>>> Como Ganhar sua Eleição Para Vereador de Carlos Manhanelli pela Manhanelli Editorial (2019)
>>> A Vida Breve de Juan Carlos Onetti pela Planeta Literário (2009)
>>> Educação dos Filhos de Edição Constancio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> A Região Submersa de Tabajara Ruas pela Record (2001)
>>> Casamento: Ternura & Desafio de etor Família/ Cnbb pela Vozes (1993)
>>> A era dos Reformadores - uma História Ilustrada do Cristianismo Vol. 6 de Justo L. Gonzalez pela Vida Nova (1989)
>>> A Filha do Fabricante de Fogos de Artifício de Philip Pullman pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O tapete de penélope - O relacionamento entre as espécies e a evolução orgânica de Walter A. Boeger pela Unesp (2009)
>>> Fé e saber de Jürgen Habermas pela Unesp (2013)
>>> Normas da ABNT de Jamil Ibrahim Iskandar pela Juruá (2012)
>>> A rebeldia e a trama da desobediência de Maria Lúcia de Oliveira pela Unesp (2010)
>>> As aventuras do Barão de Munchausen de Rudolf Erich Raspe pela Ilumiuras (2011)
>>> O poço do Visconde - Edição comentada de Monteiro Lobato pela Globo (2010)
>>> Potência, limites e seduções do poder de Marco Aurélio Nogueira pela Unesp (2008)
>>> História da Evangelização do Brasil de Elben M. Lenz César pela Ultimato (2019)
>>> Esperança Diante da Morte de Christine Longaker pela Rocco (1998)
>>> Filosofando Introdução à filosofia - volume único de Maria Lúcia de Arruda Aranha pela Moderna (2009)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa publicadora (2011)
>>> Fé e Paixão de Aline Barros pela Thomas Nelson Brasil (2010)
>>> Vocabulário Bíblico de J. J. Von Allmen pela Aste (1972)
>>> Arquiologia nas teraas Bíblicas de John D. Currid pela Cultura Cristã (2003)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Abril (2010)
>>> Introdução à exegese Novo Testamento de Udo Schnelle pela Loyola (2004)
>>> Inventamos ou Erramos de Simón Rodriguez pela Autêntica (2016)
>>> Dicionário do Novo testamento Grego de Grego W. C. Taylor pela Juerp (1996)
>>> Dicionário Bíblico Universal de Buckland pela Vida (1981)
>>> Gestão de Projetos - Uma abordagem global plt- 123 anhanguera de Ralph Keelling pela Saraiva (2008)
>>> Arqueologia do Velho Testamento de Merril F. Unger pela Batista regular (2004)
>>> Álgebra Linear - P l t - 195 Anhanguera de Alfredo Steinbruch pela Pearson Anhanguera (2010)
>>> Tranca-Rua das Almas - do real ao sobrenatural de Omolubá pela Cristalis (2007)
>>> Programação Estruturada - Plp - 193 Anhanguera de Victorine Viviane Mizrahi pela Pearson Anhanguera (2010)
>>> As Três Irmãs de Tchecov pela Nova Cultural (1995)
>>> Nêmesis de Philip Roth pela Companhia das Letras (2011)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E. L. James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons de Liberdade de E. L. James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James pela Intrínseca (2012)
>>> Campo da Morte de Jack Higgins pela Record (2011)
>>> A Promessa de Richard Paul Evans pela Lua de Papel (2011)
>>> Desterrado de Michelle Paver pela Rocco (2009)
>>> No Rabo do Cometa de Anna Muylaert pela Globo (1996)
>>> Planejamento Urbano e Ativismos Sociais de Marcelo Lopes de Souza e Glauco Bruce Rodrigues pela Unesp (2004)
>>> Sociedade do Cansaço de byung-Chul Han pela Vozes (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 4800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
02. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
03. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
04. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
05. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
04. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA - UM EXERCÍCIO DE VIDA - (COLEÇÃO PERGUNTE AO JOSÉ)
ANDRÉ CARVALHO E ARY QUINTELLA

(1991)
R$ 9,00



O QUE É INFORMÁTICA 2ª EDIÇÃO
ANGELO DOS SANTOS SOARES
BRASILIENSE (SP)
(1988)
R$ 21,82



ESTILHAÇA-ME
TAHEREH MAFI
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 15,00



O DESPERTAR DA FILOSOFIA GREGA - JOHN BURNET
JOHN BURNET
SICILIANO
(1994)
R$ 25,00



INTRODUCTION À LA PSYCHO-LINGUISTIQUE
HANS HÖRMANN
LAROUSSE UNIVERSITÉ
(1972)
R$ 60,00



MÚLTIPLAS FACES DA PSICANÁLISE
REVISTA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE VOL 36 Nº 2
RBP
(2002)
R$ 30,28



METODOLOGIA CIENTÍFICA
AURO DE JESUS RODRIGUES E COAUTORES
GRUPO TIRADENTES
(2011)
R$ 51,00



A CAMA DESFEITA - CAPA DURA
FRANÇOISE SAGAN
CÍRCULO DO LIVRO
(1983)
R$ 7,00



MULHER, QUEM ÉS? QUE PROCURAS?
CARDEAL ARNS
SANTUÁRIO
(1990)
R$ 6,00



DESCOLONIZAÇÃO
THEO SANTIAGO (ORGANIZAÇÃO)
FRANCISCO ALVES (RJ)
(1977)
R$ 9,28





busca | avançada
33173 visitas/dia
955 mil/mês