Plágio | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
>>> Em busca de cristãos e especiarias
>>> Fim dos jornais? Desconfie
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Segunda-feira, 4/4/2011
Plágio
Daniel Bushatsky

+ de 4900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O primeiro caso de plágio da história brasileira aconteceu em 1888. O quadro de Pedro Américo, O Grito do Ipiranga, que retrata a cena da Independência Brasileira é uma cópia quase idêntica de uma obra famosa de Jean-Louis Ernest Meissonier, o quadro 1807, Friedland, que celebra uma famosa vitória de Napoleão Bonaparte.

Não obstante o quadro de Pedro Américo não representar nem de perto os acontecimentos, que de glamorosos não tinham nada, pois o Brasil Colônia estava afundado em crises e o Príncipe Regente passava mal (intoxicação alimentar, provavelmente), ficou o triste registro de a primeira obra artística famosa brasileira, pós-independência, ser acusada de plágio.

Pedro Américo, no texto de apresentação da obra, na academia Real de Belas Artes de Florença, no dia 8 de abril de 1888, 66 anos depois da Independência, não citou possíveis semelhanças com a obra de Meissonier. Limitou-se a explicar as mudanças factuais, deixando claro que a pintura tinha uma intenção moral (e talvez de manipulação do povo, em minha opinião).

A acusação de plágio feita pelo jornalista Elcio Gaspari na edição da revista Veja de 15 de novembro de 1982 nunca ficou realmente provada. Isto porque, para a historiadora Claudia Valladão de Mattos, por exemplo, a obra que retrata Napoleão foi, somente, detalhadamente estudada por Pedro Américo.

Polêmica à parte, o fato é que para leigos a obra da Independência é plágio da vitória de Napoleão.

Como não estudamos história o suficiente na escola, a acusação de plágio contra o Brasil voltou a se repetir 122 anos depois, quando da apresentação do logotipo elaborado pela cidade do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. As acusações vieram de todos os lados e, mais uma vez, o Brasil e os organizadores saíram pela tangente com argumentos pouco concretos e de amplo sentido, tais como: "inspirado", "lembra", "coincidência".

As palavras que possuem "todo" e "nenhum sentido" relembram o país que já nasceu com sua história alterada, por um possível plágio, sem que ninguém fizesse nada a respeito.

No caso da logomarca das Olimpíadas, o desenho se parece com dois já existentes: o da Telluride Foundation, no estado de Colorado, dedicada à filantropia e o quadro A dança, de Henri Matisse. Ou seja, a inspiração, lembrança e coincidência vieram de duas obras e não de uma só! Haja coincidência!

O que é uma pena nos casos de plágio (e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima) é a prepotência de achar que vai conseguir enganar organizadores e participantes quanto à originalidade de uma obra.

Quando o evento ainda é importante, como a Independência do Brasil ou as Olimpíadas no Rio de Janeiro, a ilicitude continua a mesma, mas a falta de noção e a vergonha para o Brasil aumentam em progressão geométrica.

Com um pouco de estudo, todos saberiam que cedo ou tarde os plágios são descobertos. Um país que nasceu, artisticamente falando, com uma cópia, poderia mostrar que 122 anos depois é todo original.

Se definir o que é plágio exige técnica e cuidado, pois inspiração não é crime, um pouco de bom senso também deve ser acrescentado à mistura. Ou seja, na dúvida, é cópia, e para o Brasil se destacar, o que menos precisamos é de dúvida.

Vale aqui um parêntese: segundo o dicionário eletrônico Houaiss, plágio é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem".

A título de comparação, a Bosch, empresa mundialmente famosa pelas várias áreas de atuação, passando de amortecedor para carro a fogão, em 2004 registrou 2.791 patentes. Para explicar, é patenteável a invenção que atenda aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial.

Supõe-se, assim, que para a filosofia da Bosch, copiar é mais que uma vergonha. A empresa está orientada a sempre ser criativa.

Assim, aqui fica o recado: ou reforçamos as aulas de História ou as de Criatividade. Em ambos os casos o resultado será o aprendizado do que é plágio e a vergonha de se copiar obra feita por alguém como se fosse sua.

Mas o grande resultado mesmo seria tirar um pouco da prepotência de quem não só imita, como ainda acha que ninguém vai descobrir: casos de plágio estão toda hora na mídia.

Espero que daqui para frente "inspirado", "lembra", "coincidência" virem inspiração, esforço e criatividade.

Viva a descoberta! Viva a Bosch!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 4/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
02. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
03. Gabo, os escritores e a política de Wellington Machado
04. O caso da cenoura de Elisa Andrade Buzzo
05. O cinema visita a funilaria de Vicente Escudero


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
04. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/4/2011
11h29min
Muito pertinente o texto. Mas, na minha opinião, depois do plágio, como muito bem explicitado pelo autor, é "apresentação feita por alguém, como de sua própria autoria, de trabalho, obra intelectual etc. produzido por outrem", a pior (senão, tão execrável quanto) atitude intelectual é não assumir a paternidade de uma ideia. Então o autor vem e diz que a obra de Pedro Américo e o logo das Olimpíadas do Rio são plágios e depois me sai com um "e, por favor, não estou dizendo que foi plágio os narrados acima"??? Que vergonha!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
8/6/2011
14h29min
É o plágio do plágio! O autor do logotipo da Telluride Foundation poderia dizer que foi inspirado no quadro "A dança", de Matisse. O autor do logo do RIO já "chupou" direto da Telluride, talvez pensando que ninguém ia se lembrar de uma fundaçãozinha perdida lá no Colorado.
[Leia outros Comentários de José Frid]
11/6/2011
12h08min
Será fácil resolver o problema. Já que Matisse não pode requisitar os seus "direitos", o dinheiro ganho por quem "criou" a logomarca das Olimpíadas seja devolvido ou entregue para uma "obra" e tem que ser "real" e "autêntica" de "caridade". Não foi assim, com esse espírito de caridade que norteou a "cópia", "lembrança", etc. Será um bom exemplo para o futuro e evitará novos "criadores" de algo já existente. E não venham dizer que se trata de "criatividade" copiar o que é bonito. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
30/11/2012
17h29min
Engraçado que o autor não cita qual é a fonte da informação histórica contida no primeiro parágrafo. Não seria isso plágio???
[Leia outros Comentários de JB]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REMBRANDT A VIDA DE UM RETRATISTA
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 7,00



FESTIVAL DO RIO 2014
SÉRGIO SÁ LEITÃO (COORDENADOR)
PREFEITURA DO RIO
(2014)
R$ 9,00



SAPOS & BEIJOS
SARAH MLYNOWSKI
GALERA RECORD
(2007)
R$ 10,00



ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
LOURENÇO FILHO
MELHORAMENTOS
(1967)
R$ 14,00



RELACIONAMENTOS KÁRNICOS
MARTIN SCHULMAN
PENSAMENTO
(1997)
R$ 22,00



A FÁBULA DO LAGO
SWAIN WOLFE
NOVA ERA
(2003)
R$ 15,00



EERO SAARINEN
VÁRIOS AUTORES
COLEÇÃO FOLHA GRANDES DESIGNERS
(2012)
R$ 40,00



O CORTADOR DE PEDRAS
CAMILLA LÄCKBERG
PLANETA
(2011)
R$ 24,60



GESTÃO DO CONHECIMENTO EM SERVIÇOS DE TI: GUIA PRÁTICO
JULIANO STATDLOBER
BRASPORT
R$ 29,00



AULA DIALOGADA NA EDUCAÇÃO MÉDICA
LAURA SEVERO DA CUNHA UND IVAN CARLOS F. ANTONELLO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês