A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> Var - Cálculo do Var de uma Carteira de Renda Fixa de Rafael Paschoarelli Veiga pela Saint Paul (2005)
>>> Redes de Cooperação Empresarial de Alsones Balestrin, Jorge Verschoore pela Bookman (2016)
>>> Almanaque Brasilaeiro de Tatuagem de Autores Variados pela Escala
>>> Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem Cipe 2015 de Telma Ribeiro Garcia pela Artmed (2016)
>>> Conhecendo Melhor a Fé Católica de Roberto Andrade Tannus pela Santuário (1996)
>>> Oração de Amorização A Cura do Coração de Pe. Alírio J. Pedrini, SCJ pela Loyola (2000)
>>> Viva Esperança de Valdemiro Santiago de Oliveira pela Classica (2013)
>>> Know-how de Ram Charan pela Campus (2019)
>>> Orações de Poder de Varios Autores pela Raboni (1992)
>>> Transformando Lágrimas em Vitória de Bruno André S. Ortega pela Bruno André S. Ortega (2018)
>>> Viva com Esperança de Mark Finley e Peter Landless pela Cpb (2014)
>>> Corporate Zombies - Manual de Sobrevivência Corporativa de Andre Ferreira, Victor Sardinha pela Giostri (2014)
>>> Os Mistérios do Código Da Vinci de Amy Welborn pela Cultrix (2006)
>>> Os Arquétipos da Umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2016)
>>> Quem me Roubou de Mim de Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> A Estratégia Global da Hyundai de Russell D. Lansbury, Chung-sok Suh pela Bookman (2016)
>>> Surpresas para Hoje Meditações Diárias de Christel Grigull pela União Cristã (2018)
>>> A Graça de Deus de Rev. Aldo Quintão pela Sextante (2012)
>>> Outras Histórias de Andréa Casa Nova Maia pela Ponteio (2012)
>>> O Conciso Livro das Mitzvot de Rabi Israel Meir HaCohem pela Mekor Máim Jaim (2008)
>>> Patriarcas e Profetas de Ellen G. White pela Cpb (2007)
>>> O Sucesso não Ocorre por Acaso Você pode Mudar sua Vida de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> História Bizarra da Matemática de Luciana Galastri pela Planeta (2020)
>>> Encontros com Deus de Amin A. Rodor pela Cpb (2014)
>>> Se a Vida é um Jogo, Estas são as Regras de Chérie Carter, Scott, Ph.D. pela Rocco (2000)
COLUNAS

Terça-feira, 5/3/2013
A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu
Celso A. Uequed Pitol

+ de 4000 Acessos

Pouco se sabe da Romênia no Ocidente, e quase nada no Brasil. A etimologia nos remete a uma origem latina presente no radical "Rom", o mesmo de "Roma", "romanos" e "romance". Abrimos um livro de história e descobrimos que, de fato, os romanos lá estiveram, primeiro sob as ordens de sua Roma natal, do ano 10 até o 410, e depois sob as de Bizâncio, até 1456. São, portanto, quatorze séculos de civilização latina, mais do que a maior parte dos países ocidentais. Concluímos que o radical "rom", de romanos, é o mesmo de romenos - aliás, desde o século VII, quando foi utilizado pela primeira vez. Por fim, desdobramos um mapa-múndi e direcionamos nossos olhos para o Leste Europeu, onde o nome do pequeno país aparece. Então nos damos conta de que este pequeno país latino está cercado por alemães, húngaros e vários povos eslavos, os quais o separam, por pouco, da Turquia e dos países do Oriente Médio. E foi neste país latino, circundado por vizinhos que circunstâncias históricas transformaram ora em aliados, ora em inimigos ou dominadores, que produziu um dos maiores romances sobre a barbárie que esteve perto de destruir toda a civilização que a Romênia carrega em seu nome: este romance é A Vigésima-Quinta Hora, de Virghil Gheorgiu.

Na epígrafe da edição portuguesa - traduzida por ninguém menos do que Vitorino Nemésio - há uma citação de Toynbee que diz o seguinte: "A história, como drama, é como o romance - filha da mitologia. Escrever a história é, também, fazer ficção: selecionam-se fatos, enfatiza-se alguns deles, interpreta-se outros. A Ilíada pode contar a história da Guerra de Tróia e Guerra e Paz, a das invasões napoleônicas na Rússia; a história da Segunda Guerra e de seus efeitos produzidos na alma dos homens é o que - também - nos conta Virghil Gheorgiu, o romeno Virghil Gheorgiu, habitante de um país cristão e latino cercado por inimigos. Cristão e latino quer dizer ocidental - só que o Ocidente já esqueceu o que é ser cristão e latino. Na Europa Oriental, entretanto, o legado se conservou, fortalecido pela dura resistência ao avanço dos turcos otomanos. Uma resistência, antes de tudo, interior: mesmo após terem sido conquistados pelo Império Otomano, os romenos não abandonaram o cristianismo, diferentemente de seus vizinhos, tão facilmente convertidos às religiões materialistas inventadas depois do Iluminismo, como adolescentes imaturos às ordens de uma nova gangue.

O termo "gangue" cabe bem aqui. Ideais totalitários têm o mesmo poder de atração dos gângsters; seduzem pela violência injustificada, pela lei do mais forte, pelo assassínio em nome da causa - e um assassínio desses, amparado por uma causa sem sentido, e, também ele, sem sentido. Diante dessas gangues, os romenos não capitularam. Romenos como Johann Moritz, o personagem central de A Vigésima Quinta-Hora. Moritz vive numa pequena aldeia da Transilvânia, interior da Romênia. Seu único desejo, como todo aldeão romeno, é manter sua casa, casar com a mulher amada, ter uma boa família e seguir os dez mandamentos. Nada mais do que isso. Aparentemente, não há nada de errado com Moritz. O seu problema foi ter vivido durante a Segunda Guerra Mundial sendo quem é - um cidadão comum que não empunhava bandeira alguma. Sem manifestar qualquer simpatia por causas maiores, Moritz é sucessivamente perseguido por nazistas, comunistas e democratas ocidentais, acusado de judaísmo (por ser amigo de judeus), reacionarismo (por ser cristão) e comunismo (por ter o azar de ter sido preso junto com eles). Ele não entende praticamente nada do que está acontecendo à sua volta - e, mesmo assim, jamais, em momento algum, deixa de ser quem é. Intuitivamente. Sem levantar bandeiras, sem proclamar nada, sem autoproclamar-se nada. Moritz é apenas um indivídio solitário oprimido entre mundos que não o compreendem e que ele não compreende. Assim como a própria Romênia, país latino entre não-latinos, pobre entre europeus ricos e corajosamente cristão entre ateus.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 5/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
02. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro
03. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
04. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2013
01. De Siegfried a São Jorge - 4/6/2013
02. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013
03. Os burocratas e a literatura - 5/2/2013
04. A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu - 5/3/2013
05. O Direito mediocrizado - 26/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Globalização Estado Nacional e Espaço Mundial
Demétrio Magnoli
Moderna
(1997)



De La Belle Epoque À La Premiere Guerre Mondiale
Carl Grimberg; Ragnar Svanstrom
Marabout
(1974)



Profissionais de Saúde: Vivendo e Convivendo Com Hivaids
Elaine Gomes e Dalton Luiz de Paula Ramos
Santos
(2002)



100 Crônicas
Mario Prata
Cartaz
(1997)



Informação: de Quem e para Quem?
O Correio da Unesco, Nº 6 - Ano 5 - 1977
Fgv (rj)
(1977)



Menina Boazinhas Vão para o Céu as Mas Vão a Luta
Ute Ehrhardt
Não Informada
(1994)



Fairy Tail Vol. 58
Hiro Mashima
Jbc
(2016)



Amor de Perdição
Camilo Castelo Branco
Ediouro
(1995)



A Ditadura Derrotada
Elio Gaspari
Cia das Letras
(2003)



Adolfo - Clássicos de Bolso
Benjamin Constant
Ediouro
(1988)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês